Banca de DEFESA: RAQUEL VIANA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAQUEL VIANA
DATA : 31/07/2019
HORA: 18:00
LOCAL: NEPSA II - CCSA / UFRN
TÍTULO:

OS TRABALHOS NÃO REMUNERADOS DAS MULHERES RURAIS NO BRASIL: UM ESTUDO A PARTIR DA PNAD CONTÍNUA - 2018


PALAVRAS-CHAVES:

Trabalho não remunerado, divisão sexual do trabalho, mulheres rurais, dominação, exploração. 




PÁGINAS: 115
RESUMO:

Este estudo teve como objetivo analisar as particularidades dos trabalhos produtivo e reprodutivo não remunerados das mulheres no meio rural brasileiro. Ou seja, a totalidade de trabalhos que estas mulheres realizam de forma gratuita, tanto na esfera da produção quanto da reprodução/doméstica. Os pressupostos teóricos se referenciam na tradição marxista em diálogo com as elaborações no campo do feminismo materialista e da economia feminista. Assim, refletimos sobre a consubstancialidade das relações sociais de sexo, raça e classe, sobre a divisão sexual do trabalho, o trabalho doméstico e de cuidados como base de sustentação da subordinação e exploração das mulheres na sociedade capitalista-patriarcal-racista. A base empírica do nosso estudo foram os microdados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD Contínua, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE referente ao ano de 2018. A partir deles caracterizamos as diferentes formas de trabalhos realizados pelas mulheres rurais: a) o trabalho em ocupação não remunerada; b) os afazeres domésticos; c) o trabalho de cuidados de pessoas e; d) o trabalho para o próprio consumo, considerando diferentes variáveis como cor ou raça, idade e nível de instrução. O resultado evidenciou a permanência significativa das mulheres em atividades – produtivas e reprodutivas – não remuneradas.  Homens e mulheres participam do trabalho produtivo/doméstico, mas as mulheres continuam como responsáveis majoritárias por esse tipo de trabalho. A participação dos homens obedece a uma hierarquia nos tipos de tarefas que realizam. O trabalho reprodutivo/doméstico reafirma-se como um ciclo quase inquebrável, como prática que atravessa as diferentes gerações de mulheres. A condição das mulheres rurais enquanto trabalhadoras duplamente não remuneradas nos desafiam a aprofundar a reflexão sobre o processo de subordinação e exploração que estas vivenciam em seus cotidianos. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2475019 - HENRIQUE ANDRE RAMOS WELLEN
Interna - 2363499 - ELIANA ANDRADE DA SILVA
Interna - 1149518 - SILVANA MARA DE MORAIS DOS SANTOS
Externo à Instituição - ANDREA LORENA BUTTO ZARZAR - UFRPE
Notícia cadastrada em: 30/07/2019 14:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao