Banca de DEFESA: ÍSIS VIVIANE BEZERRA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ÍSIS VIVIANE BEZERRA DA SILVA
DATA : 03/05/2024
HORA: 09:00
LOCAL: virtual
TÍTULO:

USO DO HABITAT PELO BOTO CINZA, SOTALIA GUIANENSIS, EM PARTE DO RIO GRANDE DO NORTE E PARAÍBA


PALAVRAS-CHAVES:

cetáceos, ecologia comportamental, conservação, marcação e recaptura, fotoidentificação, mamíferos marinhos, catálago de golfinho, fidelidade de área, marcação e recaptura, fotoidentificação, mamíferos marinhos.


PÁGINAS: 112
RESUMO:

Atualmente os cetáceos enfrentam um número crescente de ameaças devido aos efeitos da ação antrópica, especialmente nas zonas costeiras. Milhares de indivíduos morrem todos os anos devido às capturas acidentais e/ou intencionais. Soma-se a isso outras problemáticas como a degradação de habitats, a poluição dos ambientes aquáticos e o aumento do tráfego de embarcações. Estas influências ecológicas podem mudar o comportamento de indivíduos resultando em alterações no uso do habitat e distribuição das espécies. A coleta de informações demográficas de base é importante para a identificação destas mudanças e para o manejo e conservação de espécies marinhas como o golfinho Sotalia guianensis, que é o delfinídeo mais comum do Brasil, ainda pouco conhecido na região nordeste do país. Uma das formas de coletar esses dados, é gerando catálogos que permitem identificar indivíduos e sua distribuição, ao longo do tempo e espaço, permitindo estudos de
longo prazo que utilizam marcas naturais na nadadeira dorsal para identificar indivíduos desta espécie, conhecida como boto-cinza. A urgência em compreender a ecologia comportamental desse cetáceo advém do fato da espécie ser costeira, de baixa taxa reprodutiva e vulnerável à extinção. Além disso, sua conservação é importante para o ecossistema pois o boto-cinza, como predador de topo, regula a cadeia trófica da região. Dados como o do presente estudo, que intenciona reunir o máximo de dados acerca da distribuição espacial de Sotalia, alimentando o banco de dados Flukebook, permite a análise desses dados ao longo de grandes extensões que contém praias e baías protegidas, que no nosso caso são a Lagoa de Guaraíras, Pipa, Baía Formosa, Barra de Mamanguape, e o Sistema Estuarino do Rio Paraíba (SERP). Bancos de dados como o apresentado aqui possibilitam cálculos para delimitar tendências dos índices de abundância e distribuição ao longo do tempo, nos dando pistas da saúde e comportamento ao nível de indivíduo e população, além de facilitar a descoberta de possíveis sítios de interesse para pesca (a distribuição dos cetáceos é extremamente relacionada com a distribuição da sua presa), reprodução e berçários (com grande quantidade de fêmeas
acompanhadas de filhotes) que seriam prioridades de proteção para ações de conservação da espécie. A avaliação de parâmetros biológicos é considerada uma prioridade para a espécie, tanto na perspectiva local, quanto global. O nível de fidelidade na área de uso, e o grau de residência (que também advém desses dados) são parâmetros adicionais que auxiliam na determinação de áreas prioritárias para conservação e manejo da espécie, e são componentes importantes no planejamento ambiental costeiro.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 2696495 - RENATA GONCALVES FERREIRA
Interna - 1863735 - RENATA SANTORO DE SOUSA LIMA
Externa à Instituição - DIANA GONCALVES LUNARDI - UFERSA
Notícia cadastrada em: 30/04/2024 18:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao