Banca de QUALIFICAÇÃO: GEOVAN MENEZES DE SOUSA JÚNIOR

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GEOVAN MENEZES DE SOUSA JÚNIOR
DATA : 21/09/2023
HORA: 14:00
LOCAL: Centro de Biociências
TÍTULO:

Efeito adjunto do mindfulness no tratamento do Transtorno Depressivo Maior: um estudo clínico baseado em biomarcadores


PALAVRAS-CHAVES:

meditação, depressão, cortisol, escitalopram


PÁGINAS: 64
RESUMO:

O Transtorno Depressivo Maior (TDM) tem se tornado cada vez mais prevalente, especialmente no âmbito universitário. Atualmente, o tratamento usual para esse transtorno é o fármaco antidepressivo. No entanto, diversas problemáticas cercam a farmacoterapia, como a latência demorada na apresentação de melhora clínica, os efeitos adversos e a eficácia limitada. Diante disso, esforços têm sido direcionados, principalmente, a duas frentes: a investigação da heterogeneidade na resposta à farmacoterapia, apontada como principal causa da baixa eficácia; e a investigação de tratamentos complementares que possam elevar a eficácia da farmacoterapia sem aumentar seus efeitos adversos. À primeira frente, tem sido proposto compor um painel de biomarcadores para facilitar a compreensão da dinâmica destes em resposta ao tratamento e seu papel na heterogeneidade da resposta. Quanto à segunda, as intervenções baseadas em mindfulness vem se destacando para esse fim. O mindfulness pode ser conceituado como um estado de consciência, um traço e um treinamento, que tem na meditação focada às sensações da respiração e do corpo a principal ferramenta. Seus efeitos têm sido relatados quanto à redução do estresse em populações não-clínicas, e de sintomas ansiosos e depressivos em populações clínicas. Sendo assim, nesse projeto compararemos a eficácia da terapia com escitalopram (Grupo Farmacoterapia) com a terapia combinada escitalopram + mindfulness (Grupo Mindfulness) em estudantes e servidores da UFRN com TDM, ambas as intervenções com duração de 12 semanas. O acompanhamento da intervenção ocorreu semanalmente, e presencialmente em três momentos ao longo da intervenção (fase basal e semanas 5 e 12 da intervenção), onde foram coletados dados psicológicos e bioquímicos. Foi encontrada uma influência do traço de mindfulness na severidade de sintomas associados à depressão, como sintomas depressivos e ansiosos, autoestima e qualidade do sono autorrelatados; e uma redução dos sintomas depressivos clínicos e autorrelatados decorrentes da intervenção, tanto no Grupo Farmacoterapia, quanto no Grupo Mindfulness (com ou sem uso combinado de escitalopram). Os resultados corroboram a eficácia do mindfulness como terapia adjuvante. Os próximos passos serão a investigação do efeito das intervenções nos outros sintomas relacionados à depressão maior e da resposta biológica às intervenções, avaliada por meio dos biomarcadores bioquímicos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1718518 - NICOLE LEITE GALVAO COELHO
Interna - 1350337 - FIVIA DE ARAUJO LOPES
Externa à Instituição - FERNANDA PALHANO XAVIER DE FONTES
Notícia cadastrada em: 18/09/2023 15:41
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao