Banca de DEFESA: THAIS AGUES BARBOSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : THAIS AGUES BARBOSA
DATA : 11/06/2021
HORA: 16:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

Genes fantásticos e onde habitam: bases moleculares dos efeitos do álcool em populações de zebrafish (Danio rerio)


PALAVRAS-CHAVES:

etanol; peixe paulistinha; expressão gênica; linhagens de zebrafish; variação genética.


PÁGINAS: 114
RESUMO:

O álcool (ou etanol) é um poderoso psicoativo e seu consumo excessivo pode levar o indivíduo a desenvolver o alcoolismo. No entanto, sabe-se que há variações genéticas, fisiológicas e comportamentais que influenciam a forma como os indivíduos respondem ao álcool. Neste sentido, estudos comparativos entre linhagens de uma mesma espécie são úteis. Assim, avaliamos as variações comportamentais e genéticas da resposta ao álcool em populações de zebrafish (Danio rerio), utilizando diferentes protocolos e fases do desenvolvimento. No primeiro capítulo, induzimos a dependência ao álcool em três populações de zebrafish (AB, TU e WT) utilizando exposição crônica à droga. Analisamos o comportamento locomotor e tipo-ansioso, e a expressão de genes-chave no metabolismo de neurotransmissores. Observamos que a resposta locomotora e genes associados foram similares entre as três populações. Em termos de ansiedade, TU e AB respondem de maneira robusta, enquanto WT não mostra resposta. No segundo capítulo, expusemos embriões das três populações ao álcool, a fim de simular a desordem do espectro alcóolico fetal – FASD. Avaliamos o comportamento em três janelas ontogenéticas: larval, juvenil e adulta. Verificamos novamente resposta consistente e padronizada entre as populações AB e TU, enquanto WT não mostraram alteração. No último capítulo, tentamos estabelecer um novo protocolo de busca voluntária pelo álcool utilizando um aparato de duas câmaras em que não há mistura de substâncias. Após induzir os animais ao alcoolismo por meio de exposição crônica à droga, testamos a preferência deles pelo álcool ou pela água. Constatamos que os animais preferiram o lado da água, evidenciando que talvez o protocolo não seja suficiente para induzir o comportamento de busca. Em termos gerais, a resposta ao álcool depende do regime de exposição e da contribuição do background genético. Para fins de estudos translacionais, populações-padrão utilizadas em laboratório oferecem resultados confiáveis e reproduzíveis devendo ser, portanto, priorizadas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1644341 - ANA CAROLINA LUCHIARI
Externo à Instituição - DENIS BROOCK ROSEMBERG
Externa à Instituição - ROSANE SOUZA DA SILVA - PUCRS
Notícia cadastrada em: 25/05/2021 15:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao