Banca de DEFESA: CATARINA ZULMIRA SOUZA DE LIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CATARINA ZULMIRA SOUZA DE LIRA
DATA : 19/03/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Sala Sagui
TÍTULO:

CORRELATOS DE VARIÁVEIS BIOPSICOSSOCIAIS NO CENÁRIO DE DOR CRÔNICA: FADIGA E PARÂMETROS CRONOBIOLÓGICOS EM MULHERES COM LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO.


PALAVRAS-CHAVES:

Lúpus Eritematoso Sistêmico. Dor. Fadiga. Cronobiologia. Actimetria.


PÁGINAS: 114
RESUMO:

Sabe-se que o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) repercute na saúde dos indivíduos e é sustentado por uma rede de múltiplos fatores que culmina nas suas diversas consequências crônicas, como sintomas de dor, fadiga, alterações no padrão de sono e mudança no humor. OBJETIVO: refletir sobre as interrelações entre os parâmetros de sono, de fadiga e da dor em pacientes com LES, assim como, buscar novos marcadores que podem influenciar os seus comportamentos, como o humor, o ritmo de atividade-repouso e a exposição a luz. METODOLOGIA: O desenho da pesquisa caracteriza-se como estudo observacional transversal tendo como ponto de coleta as residências dos pacientes (para os pacientes limitados fisicamente) e o Laboratório de Neurobiologia e Ritmicidade Biológica (LNRB) da UFRN, onde foram aplicados 8 questionários validados, divididos em 2 etapas intercaladas pelo uso do Actímetro em 2 grupos de mulheres, com e sem o diagnóstico de LES. Foram realizadas as análises estatísticas descritivas das variáveis obtidas, incluindo a determinação da característica da distribuição de cada variável e posteriormente a análise estatística inferencial com intuito de buscar as diferenças entre os grupos e as relações entre as variáveis acima citadas. RESUTADOS: 46 variáveis foram analisadas com a finalidade de esclarecer o cenário vivenciado por portadores de Lupus Eritematoso Sistêmico. Foram encontradas diferenças entre os grupos para as variaveis de dor, fadiga, qualidade do sono, jetlag social, depressão, variaveis de exposição a luz e amplitude relativa do ritmo de atividade- repouso. Foram encontradas, no grupo lúpico, associação entre fadiga e dor, bem como entre dor e sono, porém o mesmo não aconteceu para fadiga e son, sendo a fadiga justificada pelo estresse percebido. Apenas variáveis subjetivas do sono se associaram ao nivel de atividade da doença e o despestares foram preditivos para a eficiencia do sono. Variaveis do ritmo de atividade e repouso se associaram a variaveis de sono, mas apenas o L5 foi variável preditora para a duração do sono. A ansiedade foi capaz de predizer a atividade da doença e esta por sua vez foi a responsavel pelo comportamento das variaveis subjetivas de dor. CONCLUSÃO: Os achados nos demonstram que é importante considerar variaveis cronobiológicas, de exposição a luz, ritmo de atividade- repouso e ciclo sono-vigilia, na terapêutica dos pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico e que o controle do humor contribua na modulação da atividade da doença.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1216466 - JOHN FONTENELE ARAUJO
Externa à Instituição - MARIA JOSE PEREIRA VILAR
Presidente - 2998660 - MARIO ANDRE LEOCADIO MIGUEL
Notícia cadastrada em: 17/03/2020 11:08
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao