Banca de DEFESA: JAQUEIUTO DA SILVA JORGE

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JAQUEIUTO DA SILVA JORGE
DATA : 21/09/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Sala Darwin
TÍTULO:

Ecologia comportamental de Mabuya agmosticha (Mabuyidae) na bromeliaceae Encholirium spectabile: relevância desta associação e dessa bromélia hospedeira para o Semiárido brasileiro


PALAVRAS-CHAVES:

comportamento de lagartos; interação animal planta; semiárido; afloramentos rochosos; espécies-chave; engenheiras de ecossistemas.


PÁGINAS: 144
RESUMO:

Introdução: O sucesso de uma espécie em determinado hábitat ou ecossistema depende de uma gama de comportamentos, cada um com finalidade específica, sempre levando em conta a maximização do ganho energético e a diminuição dos custos. O hábitat onde a espécie vive norteia seus comportamentos, boa parte destes voltados ao modo de vida nestes locais. As Bromélias, por exemplo, constituem hábitats importantes para muitas espécies, inclusive de répteis, dentre as quais Mabuya agmosticha, uma espécie de lagarto da família Mabuyidae, de hábito bromelícola e endêmica do Nordeste do Brasil. Considerando sua estrita relação com a bromélia macambira Encholirium spectabile no semiárido brasileiro, este estudo abordou a ecologia comportamental de M. agmosticha em associação com E. spectabile na região Agreste do estado do Rio Grande do Norte, além de analisar a importância destas plantas hospedeiras para a biodiversidade e para a socioeconomia do semiárido nordestino. Metodologia: O trabalho de campo foi realizado durante excursões mensais, por quatro dias consecutivos, ao longo de um ano, quando foram observados e registrados os comportamentos da referida espécie de lagarto em associação com as bromélias, tais como, período de atividade, dieta, comportamento de forrageio, comportamento termorregulatório e detecção e fuga de predadores. Toda esta parte deste estudo em campo foi apenas observacional; para analisar a dieta, os dados foram coletados durante parte da pesquisa do Mestrado. Para os comportamentos de forrageio, as atividades de cada indíviduo foram categorizadas em Proporção do Tempo gasto em Movimento (PTM), número de Movimentos Por Minuto (MPM), número de ataques bem-sucedidos sobre presas por minuto, e tempo em Vigília. Também foi testada a influência da sazonalidade sobre a dieta e  comportamentos de forrageio. Utilizaram-se estatísticas circulares  para avaliar a relação entre a posição dos lagartos e o ângulo de incidência dos raios solares e das horas. O período de atividade foi testado através do número de indivíduos ativos ao longo das horas e dos dias, além dos efeitos da sazonalidade e variações interespecíficas na população. Os comportamentos de fuga foram expressados pelo índice FID (Flight Intiation Distance ou distância inicial de fuga), e a simulação do potencial predador foi feita por um observador humano. Também foram testados outros modelos de predadores, tais como serpentes, ontogenia nos valores do FID, além dos efeitos da sazonalidade, da temperatura do substrato, da autotomia caudal e entre os sexos. Para avaliar a importância de E. spectabile para a biodiversidade do semiárido e seu papel socioeconômico, realizou-se trabalho de campo ao longo de nove anos, aliado a extensa pesquisa bibliográfica. Resultados: A dieta foi composta basicamente por pequenos artrópodes; pouco consumo de material vegetal e nenhuma presa vertebrada. Térmitas compõem 23.63% da dieta, seguidos por aracnídeos (14.93%) e baratas (7.52%), sem diferenças sazonais significativas. Também não houve diferenças na dieta de machos e fêmeas. Mabuya agmosticha apresentou PTM de 18.3 ± 2.8 %, e o MPM de 0.38 ± 3.8 segundos por minuto, e passou em média 81.7 % do tempo parada; capturou cerca de 1.72 ± 1.4 presas por minuto, e passou em média 22.2 ± 7,62% do tempo em vigília. Diferenças siginificativas quanto aos movimentos foram constatadas entre machos e fêmeas, e fêmeas e juvenis. Mabuya agmosticha mostrou relações significativamente positivas tanto com o ângulo de incidência dos raios solares, quanto com as horas do dia. Esta espécie permaneceu ativa durante todo o dia, embora tenha demonstrado preferência pelos horários iniciais e finais do dia. Apresentou um FID médio de 3.1 ± 0.7 metros. As fêmeas apresentaram um FID maior que os machos e os juvenis. Constatou-se efeito significativo da temperatura do substrato sobre o FID total, porém não em relação aos sexos. Conclusões: A dependência de Mabuya agmosticha a bromélias macambiras a diferencia das demais espécies simpátricas do gênero, sendo sua ecologia alimentar diretamente relacionada ao uso das bromélias. Sua dependência dessas bromélias rupícolas constitui grande ameaça à sua sobrevivência, diante da sobre exploração e possível desaparecimento destas bromélias; políticas socioambientais visando a conservação de ambas as espécies são imprescindíveis. Quanto à importância das bromélias macambiras para a biodiversidade do semiárido e interesse socioeconômico, estas demostraram relevância significativa, por abrigar grande diversidade de espécies associadas e inúmeras interações ecológicas e sociais. Consequentemente, propõe-se a bromélia rupícola E. spectabile como Espécie-chave para a região semiárida, e sugerem-se políticas ambientais mais eficazes para a conservação destas plantas, que tanto contribuem com esta região do Brasil.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1714892 - ADRIANO CALIMAN FERREIRA DA SILVA
Externo à Instituição - DANIEL CUNHA PASSOS - UFERSA
Presidente - 1121066 - ELIZA MARIA XAVIER FREIRE
Externo à Instituição - LEONARDO BARROS RIBEIRO - UNIVASF
Externo ao Programa - 073.420.314-45 - RAUL FERNANDES DANTAS DE SALES - UFRN
Notícia cadastrada em: 11/09/2019 16:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao