Banca de DEFESA: NATALIA ANDREA CRACIUN BOCCARDI

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: NATALIA ANDREA CRACIUN BOCCARDI
DATA: 05/11/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Aula da Pós-Graduação em Psicobiologia
TÍTULO:

A generosidade e a cooperação de crianças monitoradas são moduladas pela interação entre a condição socioeconômica e o contexto escolar


PALAVRAS-CHAVES:

Cooperação, generosidade, condição socioeconômica, ambiente escolar, monitoramento.


PÁGINAS: 53
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Psicologia
RESUMO:

Alguns estudos mostram que a condição socioeconômica (CSE) e o ambiente onde o indivíduo está inserido modulam sua pró-sociabilidade. Enquanto crianças que estudam em escolas contendo mais crianças ricas são mais generosas, adultos de alta CSE em situações reais e experimentais são mais egoístas, gananciosos e individualistas. Outro fator que influencia a pró-sociabilidade é o monitoramento. Quando fazemos algo sob a vigilância de alguém, somos mais generosos e cooperadores do que quando não há ninguém nos observando, mesmo que o “observador” sejam olhos desenhados. Esse efeito do monitoramento ocorre tanto em adultos quanto em crianças. Até o momento, nenhum estudo investigou se a CSE da criança e o ambiente onde ela está inserida influenciam sua pró-sociabilidade. Também não há estudos sobre o efeito monitoramento ser influenciado pela CSE e pelo ambiente escolar (nesse contexto, se a escola é pública ou particular). Dessa forma, nosso objetivo principal foi investigar se a generosidade e a cooperação de crianças monitoradas e não monitoradas são moduladas por esses fatores. Para isso, realizamos o jogo dos bens públicos, um jogo econômico de tomada de decisão, nas condições monitoramento e controle, repetido por oito vezes em 249 crianças de 7 a 10 anos inseridas em escolas públicas e particulares das zonas leste, norte e sul de Natal/RN. Verificamos a CSE da família de cada criança através do Critério de Classificação Econômica do Brasil (2013). Contrariando nossas previsões, a CSE, o ambiente escolar e a condição experimental não influenciaram significativamente  o comportamento de cooperação e generosidade quando analisados separadamente. Discutimos se as influencias do recurso e delineamento experimental adotados e as características históricas e econômicas do Brasil podem explicar essas observações. Interessantemente, quando a CSE e o ambiente escolar são analisados conjuntamente, encontramos um efeito do monitoramento na generosidade e cooperação. Mais especificamente, o monitoramento aumentou a generosidade em crianças da maior CSE em escolas particulares; e a cooperação das crianças da maior CSE de escolas públicas. Esses resultados sugerem que a influência do monitoramento na pró-sociabilidade de crianças pode ser alterado pela relação de suas CSE relativas a seus ambientes de convivência. Argumentamos que essas observações podem ser explicadas através de diferentes preocupações em relação à reputação, conforme o ambiente onde a criança está inserida.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1350337 - FIVIA DE ARAUJO LOPES
Presidente - 990.796.828-53 - MARIA EMILIA YAMAMOTO - UFRN
Externo à Instituição - RONALDO PILATI RODRIGUES - UnB
Notícia cadastrada em: 20/10/2014 15:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao