CCHLA - PGAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 3342-2240/2 http://www.posgraduacao.ufrn.br/ppgas

Banca de DEFESA: CRISTINA DIÓGENES SOUZA BEZERRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CRISTINA DIÓGENES SOUZA BEZERRA
DATA : 30/09/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório 1 - Políticas Públicas (CCHLA/UFRN)
TÍTULO:

A minha dor não é a dor dela: investigações etnográficas sobre a vivência de mulheres com artrite reumatóide


PALAVRAS-CHAVES:

Antropologia da Saúde. Artrite reumatóide. Experiência da Doença. Itinerário Terapêutico. Interseccionalidade.


PÁGINAS: 194
RESUMO:

A artrite reumatóide (AR) é considerada uma doença inflamatória, auto-imune, degenerativa, multifatorial, que afeta quatro vezes mais mulheres do que homens, e se manifesta principalmente através de dores intensas nas articulações, inchaço e pela dificuldade em movimentar-se devido às limitações corporais causadas. Posto isto, esta pesquisa busca investigar experiências de vida de mulheres com artrite reumatóide, a fim de compreender através da trajetória de vida e do itinerário terapêutico, as experiências da doença, a depender do contexto social vivenciado e demais fatores implicados, como eventos críticos (DAS, 1995) - que podem impulsionar rupturas biográficas (BURY, 1982), ou mudanças nos projetos de vida (VELHO, 2003) - e nisso buscar perceber as distintas práticas terapêuticas desenvolvidas visando processos de cura e “remissão”. Para tanto, realizei a pesquisa a partir do ambulatório de Reumatologia do Hospital Universitário Onofre Lopes, local que atende à demanda do estado do Rio Grande do Norte, e também, por outra perspectiva, fiz pesquisa através das redes sociais, através da metodologia bola de neve, também conhecida como snow ball e da pesquisa de ambientes de rede virtual, especificamente grupos no Facebook e Instagram de pessoas com AR. Visando investigar questões acerca da interseccionalidade enquanto perspectiva analítica (PUAR, 2013), pretende-se compreender a realidade social na qual a experiëncia da doença é vivenciada, refletindo desde a descoberta da doença, os processos terapêuticos até o acesso aos benefícios e direitos sociais através da sete principais interlocutoras da pesquisa: Jasmim, Tulipa, Girassol, Margarida,  Aroeira, Gloriosa e Orquídea. Para através das narrativas compreender pormenores da experiência da doença, por meio do processos diagnósticos, dos itinerários percorridos, e pelas histórias de vida atravessadas pelos marcadores sociais da diferença, salientes de maneira particular em cada pessoa.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1358748 - CARLOS GUILHERME OCTAVIANO DO VALLE
Interna - 2313763 - ANGELA MERCEDES FACUNDO NAVIA
Interna - 1360691 - RITA DE CASSIA MARIA NEVES
Externo à Instituição - SORAIA FLEISCHER - UnB
Notícia cadastrada em: 17/09/2019 20:06
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao