CCHLA - PGAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 3342-2240/2 http://www.posgraduacao.ufrn.br/ppgas

Banca de DEFESA: AMANDA RAQUEL DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : AMANDA RAQUEL DA SILVA
DATA : 13/08/2019
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório I - DPP/CCHLA
TÍTULO:

A cor das relações: Corpo, idade e afetividade na experiência de mulheres negras em um bairro de Natal/RN


PALAVRAS-CHAVES:

Afetividade; Mulheres Negras; Corpo; Geração; Interseccionalidade


PÁGINAS: 120
RESUMO:

Essa dissertação é o resultado de uma pesquisa etnográfica sobre experiências afetivas de mulheres negras brasileiras, mais precisamente habitantes na cidade de Natal/RN. A partir de diálogos, conversas, acompanhamentos e diversos exercícios de escuta com seis interlocutoras, o trabalho explora a forma em que a expressão dos afetos e a construção de vínculos com outros significantes estão relacionados com a dimensão racial. As interlocutoras da pesquisa são mulheres negras residentes num bairro considerado periférico na cidade e estão na faixa etária dos cinquenta aos setenta e cinco anos e idade. A dissertação pretende contribuir com a reflexão sobre um assunto que não tem sido aprofundado nos estudos que tomam como cerne o tema da raça no Brasil; a saber: A afetividade. Assim, a dimensão afetiva atravessa o texto e as reflexões aqui propostas sobre corpo, saúde, beleza, amor, velhice. Simultaneamente a pesquisa visa contribuir com a reflexão sobre as complexidades das relações raciais no Brasil contemporâneo. A maioria de estudos sobre a raça no Brasil reconhece os efeitos contemporâneos do sistema colonial sobre a vida da população negra em matéria socioeconômica e política. Esse texto se inscreve na linha dos trabalhos –menos abundantes– que consideram que à população negra também foi-lhe negada a liberdade da expressão de suas emoções, de sua subjetividade afetiva e da oportunidade de constituir e manter laços e família. Ou seja, reconhece que a dimensão afetiva também carrega as marcas da história de dominação e subalternização das pessoas negras no país. Assim, as páginas a seguir buscam entender em que medida algumas experiências das interlocutoras, informadas pela raça, pelo gênero, pela classe, pela sexualidade e pela geração se interseccionam e impactam na construção de vínculos afetivos.



MEMBROS DA BANCA:
Interna - 2313763 - ANGELA MERCEDES FACUNDO NAVIA
Interna - 1149569 - ELISETE SCHWADE
Interno - 2385456 - PAULO VICTOR LEITE LOPES
Externo à Instituição - VERA REGINA RODRIGUES DA SILVA - UCL
Notícia cadastrada em: 05/08/2019 08:58
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao