CCHLA - PGAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 3342-2240/2 http://www.posgraduacao.ufrn.br/ppgas

Banca de DEFESA: IARA CINTIA OLIVEIRA SILVINO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : IARA CINTIA OLIVEIRA SILVINO
DATA : 14/09/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 913 CCHLA
TÍTULO:



Trajetórias militantes na relação com o MST


PALAVRAS-CHAVES:

Trajetórias de vida. Militante. Formação. MST. Reforma Agrária.


PÁGINAS: 175
RESUMO:

Este trabalho aborda a trajetória de sujeitos militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que ao construírem sua militância sentiram a necessidade constante de lutar por uma sociedade menos desigual. O MST é um movimento social conhecido tanto no âmbito nacional como internacional e tem como objetivo principal a realização da reforma agrária no país, com uma característica bastante peculiar, que é ocupar terras improdutivas segundo a definição da Constituição Federal. Contudo, a ocupação não se restringe somente ao latifúndio, ocupa-se instituições públicas com forma de pressionar o Estado para a realização da reforma agrária, como também de políticas públicas para os assentamentos, a desapropriação de terras, etc. Seus integrantes são na maioria das vezes oriundos do meio rural, outros apoiadores das causas do MST, desses membros uns resolvem por serem militantes, que é uma condição de diversos significados, pois existe o sujeito que se considera militante e o sujeito que é visto como militante para o MST. O militante do Movimento é inicialmente inserido num processo de formação, adaptado às demandas e características do MST, a formação aparece como um processo contínuo, que habilita o militante a intervir na realidade para transformá-la. O engajamento se dá de muitas maneiras: pela ocupação e/ou aquisição de um lote, pelo acesso a Educação de Jovens e Adultos (EJA) ou superior pelo programa do governo federal etc. Busco compreender trajetórias de vida a partir da vivência militante que inicia antes de se inserir no MST e continua por toda a vida, ocorrendo em alguns casos a ruptura organizacional, mas não o desengajamento político. A metodologia utilizada foi observação participante com o intuito de construir uma relação de proximidade com o interlocutor e as interlocutoras e utilizei entrevistas para relatarem a respeito de suas trajetórias antes da inserção. Para referenciar está pesquisa fiz o uso de teóricos que discutem tanto a temática como se aproximam. As trajetórias aqui apresentadas são permeadas de ideais, de sonhos, de projetos de vida, de pertencimentos, são histórias que se inscreve numa esfera coletiva da luta pela terra carregada de subjetividade. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1149569 - ELISETE SCHWADE
Interno - 1360691 - RITA DE CASSIA MARIA NEVES
Externo à Instituição - MELQUISEDEQUE DE OLIVEIRA FERNANDES - UFPI
Notícia cadastrada em: 05/09/2017 23:56
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2019 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao