Banca de DEFESA: DANIELA DANTAS GALVAO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DANIELA DANTAS GALVAO
DATA : 25/02/2021
HORA: 09:00
LOCAL: Sala Virtual da Plataforma Zoom

Link da videoconferência:
https://us02web.zoom.us/j/84751909864?pwd=TkcrQnJ6aDlPS0VHQTFXaXZuQk1DUT09
ID da reunião: 847 5190 9864
Senha de acesso: 698657

 


TÍTULO:

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM LEITO EM PACIENTES DISFÁGICOS EM UM HOSPITAL REFERÊNCIA EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

 


PALAVRAS-CHAVES:

Fonoaudiologia; deglutição; transtornos de deglutição; leito hospitalar; adulto; hospital; hospital de emergência.


PÁGINAS: 39
RESUMO:

Introdução: A fonoaudiologia está cada vez mais conquistando espaço dentro do cenário hospitalar, o que torna necessário a busca de conhecimentos específicos. Neste cenário, o fonoaudiólogo é o profissional habilitado a avaliar, diagnosticar e tratar os pacientes disfágicos de maneira prévia em serviços de urgência e emergência hospitalar.A presença do fonoaudiólogo em ambiente hospitalar é de suma importância, pois a intervenção precoce permite melhor prognóstico, reduz o tempo de internação e consequentemente diminui os gastos hospitalares com medicamentos, dieta enteral, recursos humanos, além de melhorar a qualidade de vida. Objetivos: Estudo 1: 1) caracterizar o atendimento fonoaudiológico nos pacientes disfágicos internados em uma unidade hospitalar 2) Correlacionar as características de deglutição com as patologias de base. Estudo 2: analisar a produção científica sobre a atuação fonoaudiológica hospitalar voltada para disfagia orofaríngea em adultos. Método: o estudo 1 trata-se de um estudo retrospectivo, observacional, transversal, com 36 participantes com diagnóstico de disfagia, internados nas Enfermarias e Unidades de Terapia Intensiva do Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel na cidade do Natal. Foram coletados dados demográficos, clínicos, da avaliação e terapia fonoaudiológicas e correlacionado as características da deglutição para ver se houve diferença entre as patologias de base, através da ficha de Avaliação e Evolução Fonoaudiológica Enfermaria e UTI do setor de reabilitação. No estudo 2, revisão integrativa, foi realizada busca nas bases de dados, através dos descritores “Speech-Language and Hearing Sciences”; “Swallowing”; “Swallowing disorders”; “Adult”; “Bed Capacity Hospital” e “Hospital”, com recorte temporal de dez anos (2010-2020). Resultados: No estudo 1, a maioria dos participantes tinha média de idade de 60,78a; sexo masculino; diagnóstico de AVE; estado clínico regular; fazia uso de SNE; estava em ar ambiente; a elevação laríngea foi adequada; não apresentava sialorréia; avaliados com dieta liquidificada-grossa; percebido captação e preparo adequados; deglutição funcional e a terapia empregada foi passiva, onde metade dos atendidos teve alta fonoaudiológica. No estudo 2, foram encontrados 137 artigos e selecionados 24, com abordagens voltadas para diversos tipos de pacientes, descrição de avaliações, descrição de indicadores de risco para disfagia e indicadores de qualidade no gerenciamento da disfagia. Além de enfatizar alguns recursos terapêuticos específicos na reabilitação do paciente disfágico. Conclusões: No estudo 1, o atendimento fonoaudiológico envolveu a avaliação clínica da deglutição e os aspectos da terapia fonoaudiológica, além de ter sido demonstrado que dos pacientes submetidos à intervenção fonoaudiológica metade tiveram sua função de deglutição reabilitada e tinham tido diagnóstico de acidente vascular encefálico. Houve correlações significativas entre algumas características de deglutição, porém não houve diferença significativa entre os grupos de patologias com as características da deglutição. No estudo 2, há uma heterogeneidade entre os estudos. Portanto foi percebido carência de estudos que tratem de todo processo terapêutico, desde a avaliação até a reabilitação completa da função de deglutição.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - EDNA PEREIRA GOMES DE MORAIS - UNCISAL
Externa à Instituição - ANA CAROLINA ROCHA GOMES FERREIRA - UNCISAL
Presidente - 011.018.964-77 - GIORVAN ANDERSON DOS SANTOS ALVES - UFPB
Interno - 859.099.124-53 - SILVIA DAMASCENO BENEVIDES - UFBA

Notícia cadastrada em: 08/02/2021 10:42
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao