Banca de DEFESA: ALINE GABRIEL FREIRE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALINE GABRIEL FREIRE
DATA : 27/02/2020
HORA: 14:00
LOCAL: A DEFINIR
TÍTULO:

NANOENCAPSULAMENTO DE HEXAPEPTÍDEO BIOATIVO COM BIOPOLÍMERO TÊXTIL PARA APLICAÇÃO DERMOCOSMÉTICA


PALAVRAS-CHAVES:

Bionanotecnologia. Fibroína da seda. Nanopartículas. Acetil Hexapeptídeo. Análise físico-química. Citotoxicidade.

 


PÁGINAS: 85
RESUMO:

A utilização dos biopolímeros derivados de fibras têxteis, veiculados em complexos nanoestruturados para administração e liberação controlada de fármacos vem emergindo em diversas áreas da tecnologia. Na área cosmética, o uso de nanopartículas como agente encapsulante de moléculas ativas tem como vantagem a proteção contra oxidação, fotólise e hidrólise, melhor permeação cutânea, aumento do prazo de validade, liberação controlada, diminuição de irritação na pele, melhora da biodisponibilidade, direcionamento do fármaco para a derme, entre outros. A fibroína extraída da fibra da seda é um promissor biopolímero para aplicação na área biomédica devido suas caraterísticas de biocompatilidade, biodegradabilidade, não toxicidade e a resistência microbiana. Neste contexto, o biopolímero acetil hexapeptídeo, comercialmente conhecido como Argireline® é uma macromolécula sintética desenvolvida para mimetizar a toxina botulínica na redução de rugas e linhas de expressão. Este biopolímero possui um elevado peso molecular e tem característica hidrofílica, o que dificulta a permeação para as camadas mais profundas da pele, se aglomerando apenas na superfície do estrato córneo. O objetivo deste trabalho foi desenvolver nanopartículas do acetil hexapeptídeo utilizando a fibroína da seda como matriz polimérica, para potencial aplicação em formulações dermocosméticas de uso tópico que permita a liberação controlada da droga em uma camada profunda da pele e avaliar a citotoxicidade in vitro utilizando fibroblastos da linhagem L929. As nanopartículas foram preparadas pelo método de dessolvatação em diferentes concentrações. As nanopartículas foram analisadas quanto sua morfologia, tamanho, carga superficial, eficiência de encapsulamento, liberação do ativo e citotoxicidade, utilizando as técnicas espalhamento dinâmico de luz (DLS), potencial zeta, microscopia eletrônica de varredura com efeito de campo (MEV-FEG), espectroscopia de absorção molecular no ultravioleta e visível (UV-Vis), espectroscopia de absorção no Infravermelho por Transformada de Fourier (FTIR), análise termogravimétrica (TG), viabilidade celular e liberação controlada in vitro. As nanopartículas obtidas apresentam diâmetros entre 70 e 150 nm, com morfologia esférica. Os resultados de FTIR demonstraram a presença do fármaco no nanossistema. No perfil de liberação observou-se uma liberação de 6% do bioativo após 1h e 30 minutos de ensaio e após 24h, apresentou liberação de 28%, em pH 5,5. E em pH neutro, houve a liberação de 43% do bioativo após 24h. As nanopartículas com o acetil hexapeptídeo não apresentaram citotoxicidade em concentrações de 0,1 mg/mL e 0,05 mg/mL, tornando-se viável a aplicação no tecido epitelial.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2941160 - JOSE HERIBERTO OLIVEIRA DO NASCIMENTO
Interna - 2212519 - JULIANA DE SOUZA NUNES
Interna - 2614285 - KESIA KARINA DE OLIVEIRA SOUTO SILVA
Externa à Instituição - MARIA APARECIDA MEDEIROS MACIEL - UnP
Externa ao Programa - 1754360 - WALDENICE DE ALENCAR MORAIS LIMA
Notícia cadastrada em: 21/02/2019 14:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao