Banca de DEFESA: JULIANA RANGEL DE MORAIS PIMENTEL

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JULIANA RANGEL DE MORAIS PIMENTEL
DATA: 27/09/2012
HORA: 09:00
LOCAL: Sala B3 do Setor de Aulas IV - UFRN
TÍTULO:

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DAS PROPRIEDADES DA FIBRA DE MACAMBIRA (BROMELIA LACINIOSA)


PALAVRAS-CHAVES:

Macambira (Bromelia laciniosa), fibra lignocelulósicas, caracterização.


PÁGINAS: 62
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Mecânica
RESUMO:

A preocupação com o meio ambiente e com o aproveitamento de recursos naturais tem motivado o desenvolvimento de pesquisas na área de materiais lignocelulósicos, principalmente de fibras vegetais.Os grandes atrativos desses materiais incluem o fato das fibras serem biodegradáveis, serem um recurso natural renovável, terem geralmente baixo custo e produzirem menor desgaste nos equipamentos de fabricação quando comparadas com as fibras sintéticas. Suas aplicações estão voltadas para a área tecnológica, incluindo indústrias automotiva, aeroespacial, naval, civil entre outras, devido ao uso vantajoso em termos econômicos e ecológicos. Portanto, o presente trabalho tem como objetivo caracterizar e analisar as propriedades da fibra vegetal macambira(bromelialaciniosa), cuja foram obtidas no município de Ielmo Marinho, no estado do Rio Grande do Norte, situado na região do Agreste Potiguar. A caracterização da fibra se deu pelas análises de MEV, ensaio de tração, TG, FTIR, análise química, além da obtenção de seu título e densidade. Os resultados mostraram que na extração das fibras, apenas 0,5% do material é convertido em fibras. Os resultados para título e densidade foram satisfatórios quando comparados com outras fibras de mesma natureza. Sua estrutura é constituída por microfibrilas e sua superfície é rugosa. A seção transversal não apresenta uma geometria uniforme, portanto, entende-se que seu diâmetro é variável ao longo de toda fibra. Os valores para resistência a tração foram inferiores aos das fibras de sisal e curauá. A temperatura de degradação permaneceu equivalente às temperaturas de degradação das demais fibras vegetais. Na análise de FTIR, mostrou-se que o tratamento térmico pode ser uma alternativa para tornar a fibra hidrofóbica, uma vez que, a alta temperatura consegue remover a camada de hemicelulose, responsável pela absorção de umidade. Sua constituição química é dotada de elementos de natureza polar, portanto, sua umidade está em torno de 8,5% que é equivalente aos percentuais de umidades das fibras hidrofílicas. Pode-se concluir que a fibra de macambira destaca-se como mais uma alternativa dentre os materiais de fontes renováveis e dependendo da sua real aplicação e finalidade, a mesma pode alcançar resultados satisfatórios.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 6346998 - RASIAH LADCHUMANANANDASIVAM
Externo ao Programa - 350248 - MARIA GORETE FELIPE
Externo à Instituição - ROBERTO SILVA DE SOUZA - IFRN
Notícia cadastrada em: 18/09/2012 17:30
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao