Banca de QUALIFICAÇÃO: JULIANA RANGEL DE MORAIS PIMENTEL

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JULIANA RANGEL DE MORAIS PIMENTEL
DATA: 13/08/2012
HORA: 15:00
LOCAL: Sala 94 do Centro de Tecnologia - CT/UFRN
TÍTULO:

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DAS PROPRIEDADES DA FIBRA DE MACAMBIRA (BROMELIA LACINIOSA)


PALAVRAS-CHAVES:

Macambira (Bromelia laciniosa), fibra lignocelulósicas, caracterização.


PÁGINAS: 62
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Mecânica
RESUMO:

A preocupação com o meio ambiente e com o aproveitamento de recursos naturais, tem motivado o desenvolvimento de pesquisas na área de materiais lignocelulósicos, principalmente de fibras vegetais. Os grandes atrativos desses materiais incluem o fato das fibras serem biodegradáveis, serem um recurso natural renovável, terem geralmente baixo custo e produzirem menor desgaste nos equipamentos de fabricação quando comparadas com as fibras sintéticas. Suas aplicações estão voltadas para as áreas tecnológicas, incluindo indústrias automotiva, aeroespacial, naval, civil etc. devido ao uso vantajoso em termos econômicos e ecológicos. Portanto, o presente trabalho tem como objetivo caracterizar e analisar as propriedades da fibra de macambira (bromelia laciniosa), cuja mesma foi obtido no Município de Ielmo Marinho no estado do Rio Grande do Norte, situado na região do Agreste Potiguar. A caracterização da fibra se deu pelas análises de MEV, DMA, TG, FTIR, análise química, além da obtenção de seu título e densidade. Os resultados mostraram que na extração das fibras, apenas 0,5% do material é convertido em fibras. Isto pode estar associado ao título da fibra ser muito fino e sua densidade ser baixa, caracterizando-se um material leve. Sua estrutura é constituída por microfibrilas e sua superfície é rugosa, com imperfeições que podem proporciona uma melhor acomodação da resina sobre a fibra, se a mesma for utilizada como reforço em materiais compósitos. Sua seção transversal não apresenta uma forma geométrica uniforme, constatando-se ao longo desta um diâmetro variável. Os valores para resistência a tração foram inferiores aos das fibras de sisal e curauá. A temperatura de degradação permaneceu equivalente às temperaturas de degradação das fibras de mesma natureza. Na análise de FTIR, mostrou-se que o tratamento térmico pode ser uma alternativa para tornar a fibra hidrofóbica, uma vez que, a alta temperatura consegue remover a camada de hemicelulose, responsável pela absorção de umidade. Sua constituição química é dotada de elementos de natureza polar, portanto, sua umidade está em torno de 8,5%. Pode-se concluir que a fibra de macambira destaca-se como mais uma alternativa dentre os materiais de fontes renováveis e dependendo da sua real aplicação e finalidade, a mesma pode alcançar resultados satisfatórios.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 350248 - MARIA GORETE FELIPE
Presidente - 6346998 - RASIAH LADCHUMANANANDASIVAM
Externo à Instituição - ROBERTO SILVA DE SOUZA - IFRN
Notícia cadastrada em: 30/07/2012 18:11
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao