Banca de DEFESA: FRANCISCO CLAUDIVAN DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FRANCISCO CLAUDIVAN DA SILVA
DATA: 16/07/2012
HORA: 14:30
LOCAL: Sala 94 do Centro de Tecnologia - CT/UFRN
TÍTULO:

FABRICAÇÃO DE ECO-COMPOSITO COM A FIBRA DE LÃ CANINA


PALAVRAS-CHAVES:

Fibras têxteis, eco-compósitos, Lã Canina.


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Mecânica
RESUMO:
A sustentabilidade tem sido cada dia mais um tema em evidência no mundo, atualmente organizações têm buscado estar cada vez mais dentro deste conceito, seja em seus processos, produtos ou serviços. No presente trabalho foram fabricados ecocompósitos com a fibra animal (lã canina) que atualmente é descartada no ambiente sem nenhum aproveitamento. As fibras foram caracterizadas em seguida confeccionado as mantas na forma de não-tecidos. As fases do projeto consistiram em desenvolver métodos para converter estas fibras (reforço) misturadas com resina de poliéster (matriz) em diferentes proporções (10%, 20% e 30%) em compósitos. Foram estudadas as características da fibra, propriedades mecânicas, absorção de água, e microscopia eletrônica de varredura. Inicialmente as fibras foram tratadas com uma solução de 0,05 mol de hidróxido de sódio (NaOH), em seguida levadas a um preparador de mantas no Laboratório de Engenharia Têxtil da UFRN. Os compósitos foram fabricados em molde por compressão, utilizando a resina de poliéster ortofitálico e 1% de peróxido MEK (peróxido de metil etil cetona) como iniciador (catalizador). Para avaliação dos ensaios mecânicos (tração e flexão) e absorção d’agua, foram confeccionados doze corpos de prova com as dimensões 150x25x3 mm. De acordo com as normas, os ensaios de tração (ASTM 3039) e flexão em três pontos (ASTM D790) foram realizados no Laboratório de Metais e Ensaios Mecânicos da UFRN. Analisando os resultados destes ensaios, observou-se que o compósito reforçado com 30% apresentou um melhor comportamento quando expostos a carregamentos de tração, enquanto que no teste de flexão observou-se que o compósito reforçado com 10% apresentou um melhor comportamento. No ensaio de absorção d’agua foi possível observar um equilíbrio na absorção de umidade dos compósitos sendo seu maior percentual de absorção no compósito de 30%. Nas micrografias, foi possível ver as regiões de ruptura do compósito e seu comportamento (fibra/matriz).

MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1941160 - JOSE HERIBERTO OLIVEIRA DO NASCIMENTO
Externo ao Programa - 350248 - MARIA GORETE FELIPE
Presidente - 6346998 - RASIAH LADCHUMANANANDASIVAM
Externo à Instituição - ROBERTO SILVA DE SOUZA - IFRN
Notícia cadastrada em: 05/07/2012 14:56
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao