Banca de QUALIFICAÇÃO: KACIÊ KAROLINE DE ARAÚJO TRINDADE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KACIÊ KAROLINE DE ARAÚJO TRINDADE
DATA : 15/09/2017
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 414 do CTEC - UFRN
TÍTULO:

ANÁLISE DA TRAJETÓRIA DE FERRAMENTA NO FRESAMENTO TROCOIDAL PARA AÇO TEMPERADO E REVENIDO


PALAVRAS-CHAVES:

Trajetórias trocoidais, ângulo de hélice, força de usinagem, mecanismos de desgaste, fresamento de aço AISI 4340.


PÁGINAS: 63
RESUMO:

A usinagem de canais, com elevada relação entre profundidade e largura, em aços temperados e revenidos é uma demanda frequente da indústria de moldes e matrizes, mas inexequível, em um único passe, ao fresamento com trajetória linear. Isso se deve ao elevado carregamento mecânico e térmico sobre as arestas de corte. A trajetória trocoidal mostra-se uma eficiente estratégia para o desbaste de canais em materiais com elevada dureza, pois evita o uso de um elevado ângulo de contato ferramenta-peça e reduz os esforços sobre a ferramenta. As trajetórias trocoidais têm variações quanto ao seu modelo, influenciando principalmente o tempo direto de usinagem. Contudo, há restritas informações na literatura sobre a aplicação dessas variações, além da influência do ângulo de hélice da ferramenta e da variação da trajetória na força de usinagem, na vida da ferramenta e nos mecanismos de desgaste. Portanto, esta pesquisa tem como objetivo avaliar a influência das estratégias trocoidais e do ângulo de hélice no fresamento de aço temperado e revenido no tempo direto de usinagem, na força de usinagem e nos mecanismos de degaste nas arestas de corte. Dois tipos de trajetórias trocoidais (circular e elipsoidal), baseadas em equações paramétricas, foram aplicadas para o fresamento de canais, com fresas de topo reto de metal duro com cobertura, em aço AISI 4340 com 40 HRC de dureza. Ensaios preliminares mostraram a viabilidade técnica do fresamento trocoidal de canais com largura de 15 mm e profundidade igual ao diâmetro da fresa (10 mm). A trajetória elipsoidal promoveu uma redução de 22% no tempo direto de usinagem, quando comparada à trajetória circular. O mecanismo de desgaste predominante nas arestas de corte foi o abrasivo, o qual mostrou uma taxa de crescimento estável ao longo do tempo testado. Ensaios definitivos terão como objetivo avaliar as variáveis descritas, ao longo da vida da ferramenta, e entender o comportamento da força de usinagem no fresamento trocoidal.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1792669 - ADILSON JOSE DE OLIVEIRA
Interno - 1545410 - ANDERSON CLAYTON ALVES DE MELO
Interno - 2266607 - FABIO JOSE PINHEIRO SOUSA
Interno - 1481705 - SALETE MARTINS ALVES
Notícia cadastrada em: 25/08/2017 18:23
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao