Banca de DEFESA: THAYSA FERNANDES TEIXEIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : THAYSA FERNANDES TEIXEIRA
DATA : 30/04/2024
HORA: 08:30
LOCAL: Sala virtual [plataforma meet]
TÍTULO:

DAS FERROVIAS AO PLANO RODOVIÁRIO DO NORDESTE: planejamento, cartografia e estruturação viária do território do Rio Grande do Norte (1880-1944)


PALAVRAS-CHAVES:

Planos de Viação, redes técnicas, cartografia histórica


PÁGINAS: 132
RESUMO:

As redes de transporte constituem elementos indispensáveis para se pensar o desenvolvimento urbano dos territórios onde são implantadas. No Brasil, essas redes de transporte começaram a ser introduzidas a partir da segunda metade do século XIX com a chegada das ferrovias fundamentadas na narrativa de propulsoras da modernidade. Associada à chegada da nova tecnologia de transporte emergiu por parte do governo imperial a demanda de fomentar e gerir a implantação dessas redes, a tentativa de cumprir essa tarefa ficou a cargo da criação dos Planos de Viação Nacionais, instrumentos desenvolvidos ora por agentes políticos, ora por agentes técnicos e em sua grande maioria com o intuito de direcionar essas redes para o objetivo de integração do território. Posteriormente, a partir da década de 1920, o mesmo discurso acerca da modernização serve como arcabouço na defesa da implantação das estradas de rodagem e esse movimento reforça a valorização do automóvel em detrimento do trem. Isso passa a ser refletido nos Planos de Viação Nacionais a partir de 1926 com a publicação do primeiro plano com modelo de transporte exclusivamente rodoviário. Dentro do recorte temporal estabelecido para esse estudo, de 1838 a 1944, encontramos vinte e dois Planos de Viação distribuídos entre três modelos de transporte: fluvial, ferroviário e rodoviário. Dentre os vinte e dois planos estudados um tem uma característica muito relevante o Plano Rodoviário do Nordeste de 1931, criado pela Inspetoria Federal de Obras Contra as Secas (IFOCS). Diferente dos demais – dedicados ao território nacional – esse plano é direcionado para uma região específica do país. Nos estados do Nordeste e mais especificamente no Rio Grande do Norte (RN) a construção de estradas de ferro e de rodagem estava em grande parte atrelada às obras contra as secas, servindo como medida emergencial de socorro às populações atingidas pelo fenômeno climático. Considerando estes fatos este trabalho tem, portanto, como principal objetivo realizar a análise do contexto da elaboração do Plano Rodoviário do Nordeste do ano de 1931 relacionando-o com as propostas dos Planos Nacionais de Viação e os agentes que os promoveram através da cartografia histórica. Sob esse olhar a intenção da investigação é entender os condicionantes da elaboração do Plano Rodoviário do Nordeste e seus desdobramentos, interpretar o papel político dos decretos-leis e o papel técnico de quem produziu os mapas e apontar as resultantes da introdução das rodovias propostas pelo plano no processo de (re)configuração territorial do estado do Rio Grande do Norte. O aporte teórico empregado para auxiliar o desenvolvimento desse estudo parte das ideias de Milton Santos em seus conceitos gerais sobre “redes” e Horacio Capel acerca das “redes técnicas”, leituras necessárias para o entendimento dos Planos de Viação Nacionais como os norteadores dessas redes. Para contribuir com a interpretação dos documentos foram utilizados os conceitos ligados a análise do documento histórico, análise cartográfica e cartografia histórica encontrados nas obras de Jacques Le Goff, Antônio Carlos Robert Moraes, Adielson Silva, Gabriel Leopoldino Paulo de Medeiros, entre outros. As principais fontes empregadas na pesquisa são: de ordem primária, os Planos de Viação Nacional, mapas e cartas geográficas desenvolvidas no mesmo período dos planos, imagens pertencentes ao acervo do Grupo de Estudo História da Cidade e do Urbanismo (HCURB), mensagens e relatórios oficiais do governo além de periódicos da época; de ordem secundária a revisão bibliográfica dos autores citados. Ao final pretende-se com este trabalho contribuir para o enriquecimento da historiografia do estado do Rio Grande do Norte e gerar subsídios para novas pesquisas.



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1720813 - GEORGE ALEXANDRE FERREIRA DANTAS
Interno - 1149450 - RUBENILSON BRASAO TEIXEIRA
Externo ao Programa - ***.212.674-** - GABRIEL LEOPOLDINO PAULO DE MEDEIROS - UFRN
Externa à Instituição - ELISÂNGELA DE ALMEIDA CHIQUITO - UFMG
Notícia cadastrada em: 31/03/2024 22:58
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao