Banca de QUALIFICAÇÃO: FRITZ MIGUEL MORAIS MOURA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FRITZ MIGUEL MORAIS MOURA
DATA : 30/05/2023
HORA: 08:30
LOCAL: videoconferência
TÍTULO:

 

 

 

A OCUPAÇÃO FÍSICA ESPACIAL DE TERESINA (NORDESTE/BRASIL) E A FERROVIA, ENTRE 1929 E 2000.


PALAVRAS-CHAVES:

 

 

Modernização das Cidades. Sistemas de Transportes. Espaço Urbano.


PÁGINAS: 124
RESUMO:

A ferrovia, que marcou a história da cidade de Teresina na década de 1920, apresenta-se como uma cicatriz na ortogonalidade de seu traçado e cria descontinuidades introduzindo modificação na malha urbana originalmente planejada. A cisão na forma urbana separa as áreas ao norte da via das áreas consolidadas do centro, provoca um sentido sudeste na direção de seu crescimento, influenciando na composição urbana. Ao longo das décadas de 1930 a 1950 ocorreu intensa operação do sistema ferroviário no transporte interurbano de pessoas e mercadorias. Entre 1950 e 1970, a ferrovia foi afetada pela concorrência das rodovias, encerrando as atividades de deslocamento interurbano de passageiros nos anos 1970, mantendo-se as atividades de transporte de mercadorias. Na década de 1990, foram executadas obras para aproveitamento do traçado da via existente com a implantação do transporte intraurbano de passageiros, o “Pré-Metrô”. Mas, como a introdução dessas inovações técnicas e a materialização do traçado da ferrovia interferiram na configuração e contornos do crescimento físico de Teresina? Seguramente a implantação da ferrovia influenciou no sentido de criar conexões e desconexões na natureza e forma da ocupação do espaço urbano no entorno da estrada de ferro. Ademais promoveu uma expansão progressiva da ocupação física espacial da cidade. Fatores como protagonismo direcionador e privilegiado alcance na inserção urbana foram determinantes na implantação do sistema de transporte intraurbano do Pré-Metrô. Tem-se como objeto de estudo a relação entre a modernização das redes de circulação sobre trilhos e a transformação ocorrida na morfologia urbano da cidade. Tal estudo justifica-se, na necessidade de ampliação do entendimento sobre a relação entre a ferrovia e a cidade, mas também pela necessidade de identificação das potencialidades e riscos, bem como conflitos e convergências do processo influenciador no crescimento da ocupação dos espaços urbanos, estimuladas pela existência de ferrovias dentro do tecido urbano. O objetivo principal é compreender as repercussões e implicações do processo histórico de implantação da via férrea na estruturação do desenho físico e socioespacial da cidade. Especificamente, busca-se analisar as transformações na configuração espacial da forma urbana em decorrências da introdução de inovações técnicas/tecnológicas na qualificação do sistema de circulação sobre trilhos; entender a interferência dos usos e formas de ocupação nos conflitos e convergências do processo de transformação do tecido urbano; analisar as influências do sistema de transportes ferroviário na modernização da cidade; e, por fim identificar as potencialidades e riscos do deslocamento de pessoas e mercadorias pela rede técnica ferroviária como modal de mobilidade intraurbana para Teresina. A discussão se concentra na metodologia utilizada na abordagem Geográfica Histórica e da Morfologia Urbana, que se fundamenta em um conjunto histórico e teórico conceitual sobre a ocupação dos espaços urbanos e a rede técnica de transportes ferroviários em contexto urbano. Para tanto, tem-se como base aportes de autores, como: Manuel Castells (1983), Raquel Rolnik (1995), Jean Lojkine (1997), Lewis Mumford (1998), José Lamas (2000), Ermínia Maricato (2000), Henri Lefebvre (2002), David Harvery (2006), Milton Santos (2006), Ana Fani Carlos (2007), Anthony Giddens (2008), Gercinair Gandara (2011), Horacio Capel (2011), Vitor Oliveira (2015) e Doralice Maia (2016), dentre outros. Utiliza-se, ainda, os “Mapas dos Conflitos” de Henri Acselrad e Luis Coli (2008) como método para a análise e compreensão das novas territorialidades e ordenamentos territoriais. A partir do embasamento histórico, teórico e metodológico inicia-se o desenvolvimento pela contextualização geográfica e histórica da cidade de Teresina e uma reflexão sobre as contribuições da modernização dos sistemas de transportes para o crescimento urbano da cidade, para tirar as conclusões preliminares sobre o tema.

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 347654 - ANGELA LUCIA DE ARAUJO FERREIRA
Interno - 1149450 - RUBENILSON BRASAO TEIXEIRA
Externa à Instituição - NÍCIA BEZERRA FORMIGA LEITE - UFPI
Externa à Instituição - JULIANA LOPES ARAGÃO - UFPI
Notícia cadastrada em: 11/05/2023 09:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao