Banca de QUALIFICAÇÃO: CLARISSA FREITAS DE ANDRADE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CLARISSA FREITAS DE ANDRADE
DATA : 25/04/2023
HORA: 15:00
LOCAL: sala virtual - meet.google.com/adq-zcpm-art
TÍTULO:

Crianças e espaços públicos: a percepção da infância como subsídio para transformar áreas com vulnerabilidade socioambiental


PALAVRAS-CHAVES:

Crianças; Cidades; Vulnerabilidade sócio-ambiental; Apropriação do espaço; Percepção ambiental.


PÁGINAS: 281
RESUMO:

As configurações dos espaços frequentados pelas crianças, as oportunidades que oferecem e as interações sociais que ali acontecem têm influência sobre o desenvolvimento infantil, e permanecem na memória das pessoas adultas. Por outro lado, a desigualdade social gera lacunas na garantia dos direitos básicos dos indivíduos não-favorecidos socioeconomicamente, dificultando seu acesso a muitos espaços e serviços. Assim, pressupondo-se que entender a percepção infantil pode promover oportunidades para a incorporação de novos conhecimentos ao planejamento das cidades, questiona-se: Que tipos de espaços públicos são frequentados/utilizados por crianças moradoras de áreas em situações de vulnerabilidade socioeconômica? Quais são seus lugares favoritos e desprezados? Quais destes lugares permanecem presentes em suas memórias? Que características devem ter os espaços públicos localizados em áreas vulneráveis para que as crianças se apropriem deles e os convertam em lugares de bem-estar e capazes de eliciar boas memórias da cidade? A pesquisa será alicerçada na Psicologia Ambiental, e em conceitos como percepção ambiental, apropriação do espaço, identidade de lugar, vinculação ao lugar e ambiências restauradoras. Como pressuposto, considera-se que, em geral, os moradores de áreas socioeconomicamente vulneráveis têm dificuldade de acesso a locais que sejam adequados ao uso, reforcem sensações de segurança, se caracterizem como ambientes restauradores e promovam memórias positivas da cidade. Assim, a hipótese de pesquisa indica que, como as crianças em situação de pobreza se apropriam de lugares pouco propícios ao seu desenvolvimento saudável, conhecer suas percepções e memórias pode subsidiar propostas para dotar a área próxima de seu local de moradia de equipamentos voltados para o atendimento das necessidades desta população, repercutindo em sua qualidade de vida e no surgimento de boas memórias da cidade. A tese se aproximou desta realidade por meio de um estudo na cidade de Fortaleza, capital do Ceará, tendo como recorte espacial a Comunidade Dom Hélder Câmara, localizada na Praia do Futuro, Fortaleza. O objetivo geral da pesquisa foi compreender a apropriação desta área vulnerável com base nas percepções e memorias de pessoas que moraram no local na infância e de crianças que ali vivem atualmente, a fim de elaborar indicativos para melhorar a qualidade de vida desta população. A investigação empírica teve abordagem qualitativa, e recorreu a multimétodos, por meio de levantamento bibliográfico, questionários, entrevistas estruturadas e semiestruturadas, aplicação de ficha de avaliação contendo mapas de emoções e poema dos desejos. Os participantes se enquadraram em três categorias: (1) crianças atualmente moradoras da comunidade; (2) adultos responsáveis pelas crianças participantes e que viveram no local durante a infância; (3) técnicos/especialistas que estudam a realidade de crianças em situação de pobreza na cidade ou trabalham com ela. Como resultados parciais foram sistematizados os principais problemas encontrados, evidenciando possíveis caminhos a considerar em seu enfrentamento, de modo a enriquecer o debate sobre a temática em questão e gerar subsídios que contribuam para políticas públicas no setor. Ressalta-se a importância de, não apenas contar com resiliência da população, mas, sobretudo, favorecer que a infância usufrua de direitos essenciais, incluindo um ambiente capaz de proporcionar dignidade e qualidade de vida para todos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149643 - GLEICE VIRGINIA MEDEIROS DE AZAMBUJA ELALI
Interna - 347575 - AMADJA HENRIQUE BORGES
Externa ao Programa - 2140673 - GLAUCE LILIAN ALVES DE ALBUQUERQUE - UFRNExterna à Instituição - TEREZA GLAUCIA ROCHA MATOS - UNIFOR
Externa à Instituição - SYLVIA CAVALCANTE - UNIFOR
Notícia cadastrada em: 05/04/2023 19:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao