Banca de DEFESA: CAMILA CAVALCANTI RESENDE

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CAMILA CAVALCANTI RESENDE
DATA : 23/02/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Ambiente virtual
TÍTULO:

A integração da concepção estrutural no processo de ensino e aprendizagem do projeto de arquitetura


PALAVRAS-CHAVES:

Ensino de projeto; concepção estrutural; aprendizado ativo; integração de conteúdos.


PÁGINAS: 296
RESUMO:

A inserção da concepção estrutural no ateliê de projeto é um dos aspectos comentados dentro do debate da formação em Arquitetura, por sua influência direta na forma e na função desta. Historicamente, o distanciamento do arquiteto do campo da tecnologia da construção, somado a um ensino focado no trabalho individual e no produto final e longe do processo, trouxe repercussões na prática desse tipo de formação até os dias atuais. Essa separação das outras áreas acarretou uma departamentalização dentro do curso e, consequentemente, ampliou a dificuldade de integração de conteúdos dentro do ateliê. Além disso, o desenvolvimento da Engenharia culminou em uma didática de Estruturas pautada no cálculo e afastada do aprendizado prático-reflexivo, característico do ensino de Projeto, o que resulta no desinteresse neste assunto por parte dos estudantes e em uma ideia de que tais disciplinas são apenas obstáculos a serem vencidos na graduação. Com isso, alguns autores afirmam que, para uma melhor integração do pensamento estrutural dentro do ateliê, faz-se necessária a implementação de exercícios de aprendizado ativo, dentre eles, um dos mais citados é a produção de modelos físicos reduzidos, a fim de criar oportunidades de compreensão da relação da forma arquitetônica com a resistente, o que pode contribuir no processo de projeto dos discentes. Assim, objeto de estudo da tese focaliza a integração e a didática da concepção estrutural no âmbito do ensino de Projeto de Arquitetura em Instituições de Ensino Superior (IES) no Brasil. O objetivo geral é entender e avaliar como ocorre a integração da concepção estrutural no ensino/aprendizagem do Projeto de Arquitetura nos cursos de AU em âmbito nacional. Tendo como hipótese a existência de estratégias didáticas que podem melhor auxiliar nesse tipo de ensino integrado. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa com procedimentos observacionais, com a análise de disciplinas, e experimentais com a realização de oficinas. Para tanto, foram elaborados roteiros analíticos com os aspectos a serem observados em cada etapa da pesquisa: análise dos planos de curso, observação direta, entrevistas com professores e estudantes e análise dos projetos desenvolvidos. Foram, no total, analisadas duas disciplinas, uma na UFRN e outra na UNICAMP, o que configurou a primeira fase da pesquisa. Nelas observou-se em alguns casos certa imparcialidade dos estudantes frentes às características estruturais, requerendo intenso incentivo para resolução dos elementos de suporte. Por outro lado, verificaram-se alguns pontos positivos como a preocupação e o esforço dos docentes de projeto no trato dos assuntos tecnológicos e estruturais, além da colaboração de um professor visitante de Estruturas, no caso da UNICAMP. A segunda fase da investigação procurou testar o método de aprendizagem por meio da fabricação de modelos físicos estruturais em duas oficinas realizadas nas Semanas de Arquitetura das instituições estudadas, com base na sequência pensar-fazer-quebrar. Como resultados, em consonância ao já comentado por outros autores, notou-se certa relutância dos estudantes à participação neste tipo de exercício, o que foi se modificando após o início da atividade prática, quando passaram a mostrar mais interesse e entusiasmo, até o momento do teste de cargas dos modelos. Em síntese, percebeu-se, nas duas fases da pesquisa, a necessidade de melhoria do ensino da concepção estrutural de maneira a mudar a postura reticente dos estudantes quanto a este assunto e ampliar sua inserção dentro do processo de projeto. Desse ponto de vista, a parceria e colaboração entre professores se mostraram uma solução importante, do mesmo modo que os exercícios do tipo “mão-na-massa” apontaram para uma aproximação com a materialidade inerente à Arquitetura e permitiram a visualização de pequenas amostras das possibilidades estruturais, o que pode ser positivo se também feito no âmbito do ateliê de Projeto.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1298938 - MAISA FERNANDES DUTRA VELOSO
Interna - 1149643 - GLEICE VIRGINIA MEDEIROS DE AZAMBUJA ELALI
Interno - 2508732 - HEITOR DE ANDRADE SILVA
Externa à Instituição - GERMANA COSTA ROCHA - UFPB
Externa à Instituição - RAFAELA SANTANA BALBI - UFERSA
Notícia cadastrada em: 12/01/2022 09:30
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao