Banca de DEFESA: MARIANA DE QUEIROZ SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIANA DE QUEIROZ SILVA
DATA : 20/11/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Defesa Autorizada para realização 100% à distância
TÍTULO:

PROJETANDO PARA AS SENSAÇÕES, CONSTRUINDO ATMOSFERAS: a imersão
corpórea na experiência museal


PALAVRAS-CHAVES:

experiência multissensorial, formas geométricas, fenomenologia, percepção espacial.


PÁGINAS: 193
RESUMO:

Firmado na primazia da análise psicológica da experiência vivenciada, a arquitetura que explora os princípios fenomenológicos foi adotada pelos arquitetos em um momento de transformação, quando os profissionais se viram impulsionados a criar ambientes que favorecessem uma experiência humana mais pessoal e sensível às particularidades dos indivíduos; aos lugares que resgatassem a história/memória do espaço e das pessoas através da valorização do genius loci e que compreendessem o corpo como o meio para a apreensão multissensorial do ambiente. Neste contexto, as propriedades dos materiais, as formas geométricas arquitetônicas e o modo de manipulação de fatores imateriais tais quais a iluminação, a temperatura, o ruído e até os odores deveriam ser capazes de criar um laço mais íntimo e suscitar sensações e emoções nos usuários. Tendo como objeto de estudo a forma arquitetônica e a percepção espacial no Museu Judaico de Berlim, projetado por Daniel Libeskind, e no Museu do Oceano e do Surf, idealizado pelos arquitetos Steven Holl e Solange Fabião, essa pesquisa teve como objetivo geral compreender a experiência fenomenológica nos museus a partir da análise da combinação entre os fenômenos naturais (luz e sombra, água, vento, temperatura) e as formas geométricas arquitetônicas utilizadas nos projetos. Têm-se como objetivos específicos (1) interpretar a presença da fenomenologia na arquitetura; (2) identificar a presença dos aspectos culturais, ambientais e sensoriais na criação de atmosferas arquitetônicas dos estudos de caso; e, principalmente, (3) identificar a correlação entre as formas geométricas e as emoções e sentimentos que os usuários têm dentro de uma edificação. Para isso, o trabalho subdivide-se em três etapas: (i) a abordagem teórica através da análise bibliográfica pertinente ao tema; (ii) análise dos edifícios com base nos elementos tratados nos capítulos 02 e 03, como também a apreciação do discurso dos arquitetos; (iii) a vivência do espaço, momento em que a autora visitou os edifícios citados a fim de identificar como o espaço contribuiu para as sensações sentidas. Os resultados mostraram que nos casos escolhidos as sensações são resultantes tanto dos aspectos espaciais quanto da própria expografia e dos recursos interativos presentes nos espaços.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 783.827.344-72 - NATALIA MIRANDA VIEIRA DE ARAUJO - UFPE
Interno - 1720813 - GEORGE ALEXANDRE FERREIRA DANTAS
Externo à Instituição - FERNANDO DINIZ MOREIRA
Notícia cadastrada em: 28/10/2020 12:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao