Banca de DEFESA: NICHOLAS SARAIVA MARTINO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : NICHOLAS SARAIVA MARTINO
DATA : 26/04/2019
HORA: 10:00
LOCAL: Miniauditório do PPGAU/UFRN
TÍTULO:

Legados Urbanos e Suburbanos: Analisando indicadores morfológicos de vitalidade urbana em duas Vilas Olímpicas certificadas pelo selo LEED-ND


PALAVRAS-CHAVES:

vizinhanças sustentáveis, morfologia urbana, vitalidade urbana, animação urbana.


PÁGINAS: 81
RESUMO:

As Vilas Olímpicas construídas para os jogos do Rio de Janeiro (Condomínio Ilha Pura, CIP, 2016) e Vancouver (Southeast False Creek, SFC, 2010) receberam a certificação LEED-ND para desenvolvimento de vizinhança sustentável com base em critérios de avaliação pensados para promover comunidades habitáveis e sustentáveis. Considerando que a obtenção dessas qualidades é parcialmente dependente das propriedades morfológicas e funcionais que facilitam movimento, visibilidade e encontros entre sujeitos nos espaços públicos – ingredientes considerados como favorecedores da vitalidade urbana – o objetivo dessa pesquisa foi verificar se o desenho dessas Vilas Olímpicas certificadas pelo LEED-ND facilita ou dificulta essa vitalidade nos espaços públicos, avaliando a incidência de indicadores morfológicos em múltiplas escalas espaciais. Primeiramente analisou-se a relação entre configuração da malha viária e destinos diários (bancos, farmácias, escolas, etc.) em Vancouver e no Rio de Janeiro a fim de entender como essas Vilas Olímpicas estão inseridas no todo urbano em termos do uso do caminhar como um meio de locomoção. Indicadores de acessibilidade, densidade e diversidade, relacionados ao conceito de caminhabiliade, foram agregados em um raio de 800m a partir de cada segmento de rua das vizinhanças e seu entorno imediato. Em segundo lugar, mapas de usos e integração dos espaços abertos foram graficamente justapostos, na tentativa de responder como o desenho de cada empreendimento integra ou segrega diferentes usos. Por fim, mapas de constitutividade de fachadas (acessos aos edifícios), mobiliário e vegetação foram justapostos a modelos georreferenciados de visibilidade e permeabilidade espacial que indicam movimento potencial de pedestres. Padrões que representam um alto potencial de movimento em SFC surgem da sua relação com o todo urbano, da diversidade de usos do solo e da integração entre edifícios, espaços públicos, corredores de transporte e orla. Enquanto isso, o CIP é segregado tanto da cidade do Rio de Janeiro como do seu entorno imediato, resultando em uma distribuição desigual de espaços verdes e de lazer, altamente integrados àqueles que vivem dentro do condomínio e pouco integrados às comunidades do entorno. As diferentes intenções subjacentes aos planos das vizinhanças estão “impressas” na forma urbana em ambos os casos. Enquanto SFC foi construído em terras públicas para conectar a cidade à orla e reabilitar uma área industrial abandonada, o CIP foi construído em terras privadas como uma “ilha” verde e de lazer que pouco contribui para a vitalidade urbana do entorno, deficiente de infraestrutura e cercado por comunidades informais. Os resultados levantam questões sobre a necessidade de aplicar processos de acreditação dispendiosos (como o LEED-ND) com o objetivo de avaliar conceitos amplos e subjetivos de "sustentabilidade" e "smart growth".


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 350255 - EDJA BEZERRA FARIA TRIGUEIRO
Externo à Instituição - LUCAS FIGUEIREDO DE MEDEIROS - UFPB
Interno - 1149528 - MARCIO MORAES VALENCA
Notícia cadastrada em: 02/04/2019 15:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao