Banca de QUALIFICAÇÃO: GIORDANA CHAVES CALADO TIMENI

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GIORDANA CHAVES CALADO TIMENI
DATA : 19/12/2016
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Aula do PPGAU/UFRN
TÍTULO:

O ESPAÇO NO ESCURO: a vivência dos cegos como base para a compreensão da área urbana sensível


PALAVRAS-CHAVES:

Cego; Espaço Urbano, Experiência Ambiental; Percepção ambiental; Orientação e Mobilidade.


PÁGINAS: 70
RESUMO:

Este projeto de pesquisa desenvolve-se com base em uma pergunta de partida: Como o entendimento do espaço urbano por pessoas que não dispõem do sentido da visão pode contribuir para o planejamento de uma cidade mais adequada a todas as pessoas?  Como respostas preliminares a essa questão, inferimos duas hipóteses: (i) entender a vivência urbana dos cegos permitirá o reconhecimento de elementos urbanos identificáveis por meio de sentidos diferentes da visão (audição, olfato, tato, paladar, térmico e cinestésico) e que são essenciais ao uso e orientação em meio urbano; (ii) os espaços que oferecem condições de serem percebidos de modo multissensorial são mais acessíveis a todos. Conduzido por um paradigma de análise espacial fundamentado no ser humano e na relação pessoa-ambiente, a investigação pretendida trata da percepção de pessoas cegas durante sua movimentação pela cidade, tendo como alicerce os conceitos de ambiência urbana, experiência ambiental, affordance, wayfinding, orientação e mobilidade, desenvolvidos no quadro teórico conceitual (item 2 deste projeto).  O principal objetivo do trabalho empírico é investigar os recursos (perceptivos e cognitivos) utilizados pela pessoa cega durante sua locomoção no ambiente urbano, com o intuito de propor alternativas arquitetônicas e urbanísticas que favoreçam a acessibilidade e a participação de todas as pessoas na vida da cidade. Serão discutidas estratégias multissensoriais para ampliar a orientabilidade das pessoas no meio urbano a partir do estudo bibliográfico e por meio de um trabalho empírico realizado em duas etapas: (a) averiguar o tipo de informação proporcionada aos cegos em seu treinamento de Orientação e Mobilidade, (b) investigar com pessoas cegas que apresentem condições para mobilidade autônoma pela cidade, visando compreender os recursos utilizados cotidianamente por elas nesse processo, etapa que corresponde a um experimento planejado que ocorrerá em Natal/RN, incluindo percurso comentado, entrevistas individualizadas, desenho estória e grupo focal, os quais subsidiarão a confecção de mapas sensoriais de uma área urbana. Entendemos que a análise do movimento do corpo cego no espaço, estruturada na percepção, cognição e memoria como forma de reconhecimento e identificação do ambiente possibilitará a definição de subsídios multissensoriais para uma projetação arquitetural que priorize a inclusão espacial, uma vez que a produção de espaços que acolham as pessoas cegas contribuirá, ao mesmo tempo, para ampliar a qualidade ambiental para todas as pessoas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149643 - GLEICE VIRGINIA MEDEIROS DE AZAMBUJA ELALI
Interno - 1720813 - GEORGE ALEXANDRE FERREIRA DANTAS
Externo à Instituição - KATIA CRISTINA LOPES DE PAULA - CSC
Notícia cadastrada em: 02/12/2016 18:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao