Banca de QUALIFICAÇÃO: VANY PATRICK CORTEZ MORENO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VANY PATRICK CORTEZ MORENO
DATA: 20/11/2014
HORA: 09:00
LOCAL: Miniauditório do PPGAU/UFRN
TÍTULO:
ESTRATÉGIAS DE PROJETO E ILUMINAÇÃO NATURAL EM ESCOLAS:

UMA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ABERTURAS PARA O CLIMA TROPICAL QUENTE E ÚMIDO


PALAVRAS-CHAVES:

Iluminação natural, ambiente escolar, estratégias projetuais, luz natural


PÁGINAS: 100
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Arquitetura e Urbanismo
RESUMO:

Esta dissertação tem como objetivo analisar tipos de sistemas de aberturas para proporcionar luz natural em salas de aula na cidade de Natal-RN. Embora haja muita luz natural disponível localmente, faltam recomendações arquitetônicas apropriadas que relacionem o comportamento de céu, as dimensões de aberturas, sombreamento da abertura e sua fração de céu visível, iluminâncias requeridas sem ofuscamento, período de utilização de luz natural, e profundidade de área iluminada.  São selecionadas diferentes soluções arquitetônicas para aberturas com elementos de sombreamento visando explorar o potencial de uso de luz natural. O método de análise deste estudo baseia-se na metodologia desenvolvida por Portela (2014) e consiste em três fases. A primeira fase é de modelagem econsiste na construção do modelo tridimensional da sala de aula no programa Sketchup 2014, cujas caraterísticas, dimensões, geometria e localização das aberturas seguem as recomendações apontadas por Kowaltowski 2011: salas de 7,20m x 7,20m, três tamanhos de abertura (PAFT 20, 40 e 60%) direção ao Norte e protegidas com marquise e brise. Nas paredes internas, teto e piso foram utilizadas cores claras para evitar diferentes níveis de refletância da superfície da tarefa visual. Nas paredes próximas das aberturas foram aplicadas texturas de alta refletância para evitar contrastes com a janela evitando o ofuscamento. Foram selecionadas três tipologias arquitetônicas consideradas como viáveis para o ambiente escolar e classificadas por: tipologia “A” (janela unilateral com proteções), tipologia “B” (iluminação bilateral com janela e clerestório) e tipologia “C” (iluminação com shed). Todas as tipologias possuem aberturas sombreadas com marquise e brise e orientadas para o norte. A segunda fase se baseia na simulação computacional dinâmica do desempenho luminoso por meio do software Daysim. Os dados de entrada são o arquivos climático do ano 2009 da cidade de Natal-RN, a volumetria da sala de aula no formato 3ds com a atribuição das propriedades óticas de cada superfície e o arquivo de ocupação do usuário. Os resultados produzidos na simulação são iluminâncias a cada cinco minutos para cada ponto, durante o ano, de 5 a 17 horas. Esses dados são tratados em planilha eletrônica para determinar as ocorrências de UDI entre 300 e 3.000lux, para obter de gráficos de curva de iluminância e isolinhas de UDI para identificar uniformidade na distribuição de luz, falta de luz e ofuscamento.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1454154 - ALDOMAR PEDRINI
Externo à Instituição - LEONARDO SALAZAR BITTENCOURT - UFAL
Presidente - 350497 - MARCELO BEZERRA DE MELO TINOCO
Notícia cadastrada em: 21/10/2014 17:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao