Banca de DEFESA: JULIANA VIÉGAS DE LIMA VALVERDE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JULIANA VIÉGAS DE LIMA VALVERDE
DATA: 30/05/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Miniauditório do PPGAU/UFRN
TÍTULO:

A influência do conforto luminoso na satisfação dos profissionais que atuam no ginásio do Centro de Reabilitação Infantil, Natal-RN.


PALAVRAS-CHAVES:

Iluminação natural, Arquitetura hospitalar, Humanização, Avaliação Pós-Ocupação.


PÁGINAS: 206
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Arquitetura e Urbanismo
RESUMO:

Este trabalho aborda a qualidade lumínica em espaços terapêuticos destinados à reabilitação infantil. Partindo da premissa de que o espaço é atuante e interfere nas relações interpessoais,  corrobora com a humanização em saúde ao destacar os efeitos fisiológicos e emocionais da luz natural como facilitadores do processo de reabilitação, ao incorporar locais para inspirar, estimular e auxiliar a recuperação.

No Brasil as normas para projetos hospitalares não contemplam o conforto luminoso. Em projetos hospitalares, os sistemas de abertura são definidos apenas para seguirem as exigências do código de obras, que não consideram a paisagem, mas apenas a ventilação e insolação; e os níveis de iluminação são tratados a partir de recomendações para iluminação artificial. A Política Nacional de Humanização da Assistência à Saúde apresenta o conforto ambiental como uma das prioridades. Todavia, não apresenta diretrizes para alcançá-la.

Neste contexto, o objetivo desta pesquisa foi avaliar a qualidade lumínica nos espaços terapêuticos de ginásios de reabilitação a partir da satisfação dos profissionais a fim de identificar as preferências humanas diante das variáveis: aspectos técnico-construtivos, relação com o exterior, relação visual interna e elementos de qualidade. Para isso, adotou-se como estratégia de pesquisa a Avaliação Pós-Ocupação (Técnico Funcional) por meio de uma abordagem multimétodos, que contemplou um estudo de caso no ginásio de reabilitação do Centro de Reabilitação Infantil, Natal, Rio Grande do Norte, e um estudo de referência no Centro de Reabilitação SARAH, Unidade Fortaleza, Ceará.

Os resultados apontam que a definição dos sistemas de aberturas deve considerar fatores externos e internos do edifício, como a paisagem  natural disponível no entorno imediato e as atividades realizadas.  A APO constatou a preferência dos profissionais pela privacidade visual em detrimentos aos demais aspectos analisados. Portanto, a definição de atributos ambientais desejáveis deve considerar aspectos técnicos, funcionais, sociais e culturais. Assim, espera-se que este estudo possa contribuir para a discussão sobre conforto visual e gerar insumos para futuros projetos ou reformas em Centros de Reabilitação Infantil, que não devem ser projetados como hospitais.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CLÁUDIA NAVES DAVID AMORIM - UnB
Interno - 1149643 - GLEICE VIRGINIA MEDEIROS DE AZAMBUJA ELALI
Presidente - 1804939 - SOLANGE VIRGINIA GALARCA GOULART
Interno - 347627 - VIRGINIA MARIA DANTAS DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 06/05/2014 18:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao