Banca de DEFESA: AMANDA KATARINNY GOES GONZAGA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: AMANDA KATARINNY GOES GONZAGA
DATA: 19/02/2016
HORA: 14:30
LOCAL: AUDITÓRIO DO DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA
TÍTULO:

Expressão imuno-histoquímica da COX-2 em queilites actínicas e avaliação do diclofenaco sódico gel como uma terapia alternativa para queilites actínicas


PALAVRAS-CHAVES:

Queilite; Ciclo-oxigenase 2; Diclofenaco; Inibidores de Ciclo-oxigenase


PÁGINAS: 86
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

A queilite actínica (QA) é uma lesão potencialmente maligna que acomete o vermelhão do lábio e resulta da exposição crônica aos raios solares. Atualmente, não é possível predizer quais os casos de QA progredirão para o carcinoma de células escamosas e, portanto, alguns marcadores biomoleculares têm sido estudados. A ciclo-oxigenase 2 (COX-2) é uma enzima associada com a resposta inflamatória e superexpressa no câncer oral; no entanto, pouco se sabe sobre o papel desta proteína em queilites actínicas. Além disso, as modalidades terapêuticas atualmente disponíveis para QA podem ocasionar efeitos deletérios e citotóxicos aos pacientes. Portanto, o objetivo desse trabalho foi avaliar a expressão imuno-histoquímica da COX-2 em QAs de diferentes riscos de transformação maligna e analisar, através de acompanhamento clínico, a eficácia do gel de diclofenaco sódico a 3% no tratamento dessa lesão. A imunoexpressão da COX-2 foi analisada semi-quantitativamente em 90 casos de QAs graduadas em baixo risco (n = 55) e alto risco (n = 35) de transformação maligna. O teste Qui-quadrado de Pearson foi realizado para verificar possíveis associações entre a imunoexpressão da COX-2 e a gradação histológica das queilites actínicas. O coeficiente ponderado de Kappa denotou uma boa concordância interobservador (0.677). Para o estudo clínico, dezenove pacientes diagnosticados com QA foram orientados a realizar aplicação tópica do gel de diclofenaco, três vezes por dia, durante 90 dias. A cada visita, os casos foram documentados através de fotografia digital e, ao final do tratamento, dois pesquisadores analisaram todas as imagens para avaliar o aspecto clínico do lábio. Também foi avaliada a tolerabilidade ao fármaco e satisfação do paciente ao final do tratamento. A COX-2 esteve superexpressa em 74.4% dos casos de queilites actínicas. Ambos os grupos, de baixo e alto risco, revelaram predominância do escore 3 (elevada imunoexpressão), seguida dos escores 2 e 1 (baixa expressão e ausência de expressão, respectivamente). Não foi observada associação significativa (p = 0.283) entre a expressão de COX-2 e a gradação histológica das QAs analisadas. Dos indivíduos que participaram do estudo clínico, dez apresentaram remissão total das características clínicas da lesão (escore 1), e em três pacientes, a melhora foi considerada parcial (escore 2). Um participante apresentou piora do quadro clínico (escore 4). Em cinco casos, o tratamento foi descontinuado devido ao desenvolvimento de leves efeitos adversos no local de aplicação do gel. Quanto à análise de satisfação e tolerabilidade ao fármaco, a maioria dos pacientes mostrou-se plenamente satisfeita com a terapia (n = 11) e relatou que o fármaco não era irritante para os lábios (n = 9). Os resultados desse estudo demonstram que a elevada imunoexpressão da COX-2 é frequente em QAs; no entanto, essa proteína não esteve associada ao risco de transformação maligna nos casos analisados. A aplicação tópica do gel de diclofenaco sódico a 3% forneceu uma abordagem conveniente, não invasiva e bem tolerada na maioria dos casos, podendo constituir uma alternativa promissora no tratamento da queilite actínica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 347125 - ANA MIRYAM COSTA DE MEDEIROS
Externo à Instituição - CASSIANO FRANCISCO WEEGE NONAKA - UEPB
Interno - 1258693 - LELIA MARIA GUEDES QUEIROZ
Notícia cadastrada em: 15/02/2016 11:55
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao