Banca de DEFESA: VIVIANE ALVES DE OLIVEIRA MAIA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: VIVIANE ALVES DE OLIVEIRA MAIA
DATA: 14/02/2014
HORA: 14:00
LOCAL: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA ORAL
TÍTULO:

Imunoexpressão do EGFR e da PODOPLANINA em cistos radiculares e dentígeros


PALAVRAS-CHAVES:

Cistos odontogênicos. Cisto dentígero. Cisto radicular. EGFR. Podoplanina. Imunoistoquímica.


PÁGINAS: 108
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

Cistos radiculares (CRs) e dentígeros (CDs), apesar de etiologias diferentes, formam uma cavidade cística revestida por epitélio, a qual cresce em função do acúmulo de líquido em seu interior, à medida que o osso ao redor é reabsorvido e o epitélio vai sendo induzido a proliferar. A proliferação epitelial, que tem sido apontada como um dos processos determinantes no crescimento das lesões císticas odontogênicas, é influenciada por fatores de crescimento, muitos dos quais podem ter sua produção estimulada principalmente durante processos inflamatórios. Assim, é possível que variações vistas na cápsula fibrosa desses cistos, com relação ao infiltrado inflamatório, possam refletir diferenças na atividade de crescimento dessas lesões. Dentre os fatores estimuladores epiteliais se destacam o EGFR (receptor do fator de crescimento epidérmico) e a podoplanina (PDPN). O objetivo desta pesquisa foi avaliar e comparar a expressão imunoistoquímica do EGFR e da PDPN em CRs e CDs, de forma semiquantitativa, em microscopia de luz, associando-a com o grau de inflamação, localização celular da imunocoloração e camadas epiteliais imunomarcadas. Utilizou-se 30 casos de CRs e 30 de CDs, os quais foram analisados através de estudo morfológico e imunoistoquimico. Os dados foram avaliados estatisticamente por meio de testes do Qui-quadrado e Exato de Fisher, considerando-se um nível de significância de 5%. Os resultados mostraram que houve elevada imunorreatividade das duas proteínas nas lesões estudadas, sendo observada apenas diferença estatística significativa na imunoexpressão de PDPN (p=0,033), que se mostrou mais elevada nos CRs. Os demais parâmetros analisados não demonstraram diferenças significativas relevantes. Conclui-se que, como o EGFR e a PDPN apresentaram elevada imunoexpressão nas lesões císticas analisadas, essas proteínas participam do processo de estabelecimento e crescimento dessas lesões através da estimulação epitelial, apesar de apresentarem etiologias diferentes. A maior imunomarcação de PDPN em CRs do que em CDs não se mostrou indicador de distinção entre as duas lesões, uma vez que nestes últimos essa proteína também apresentou expressão marcante.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1660087 - BRUNO CESAR DE VASCONCELOS GURGEL
Interno - 2492713 - ERICKA JANINE DANTAS DA SILVEIRA
Externo à Instituição - FERNANDO JOSE DE OLIVEIRA NOBREGA - UERN
Notícia cadastrada em: 04/02/2014 10:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao