Apresentação

Um pouco de história...

O atual Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFRN iniciou suas atividades acadêmicas em fevereiro de 1978, sob a denominação de Curso de Mestrado em Odontologia Social, tendo sido aprovado pelo Colegiado Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFRN-CONSEPE, através da Resolução 60/77, de 03 de junho de 1977, se constituindo no primeiro curso de pós-graduação “stricto sensu” desta Universidade

A proposta de um Curso em Odontologia Social na UFRN está relacionada com o grande prestígio atribuído à Faculdade de Odontologia, por ter um Curso de Graduação considerado de nível elevado dentro da Universidade local e no País à época, bem como pela presença de pessoal titulado naquela área, em nível de doutorado. Tratava-se, também de um momento conjuntural importante pela chegada do programa americano "Health Opportunities for People Everywhere - HOPE" que através de convênio com a UFRN e Secretaria de Saúde do RN, passa a trabalhar em programas extra-muros junto à disciplina de Odontologia Preventiva do Departamento de Odontologia da UFRN. Neste contexto, no ano de 1978, tem-se a implantação do Curso de Mestrado em Odontologia Social na UFRN, com forte influência deste projeto, tanto no suporte oferecido através de docente com titulação, como através de recursos materiais de natureza didática e bibliográfica.

As linhas de pesquisa definidas no projeto de curso, inicialmente, eram duas: “Epidemiologia de Problemas Orais Prevalentes na Região Nordestina e Afetos ao Campo Odontológico” e a “Utilização da Fluorita na Prevenção da Cárie Dentária”. A partir de 1985 surgem iniciativas de introdução de trabalhos num outro plano teórico, buscando na metodologia a análise histórica e dialética do objeto estudado. Há uma diminuição progressiva da influência do Projeto Hope e, a partir da primeira metade dos anos 1990, há uma expansão do corpo docente, porém ainda todos com nível de mestrado. Ao longo da década de 1990 ocorre uma capacitação massiva do corpo docente, tendo todos os participantes, da graduação e pós-graduação, o nível de doutorado.

Após os 20 anos de sua criação e contabilizando a formação de inúmeros docentes e técnicos, tanto para atuação no âmbito da própria UFRN, quanto em outras tantas universidades da região e do país, em 2003, o curso é alvo de um processo de auto avaliação que resultou no redimensionamento de suas ações. A principal mudança foi a estruturação de uma nova área de concentração que permitiu maior abrangência, contemplando as temáticas relativas à Promoção de Saúde e Odontologia Preventiva, associadas àquelas de ênfase clínica.

O Programa reafirmou uma área de atuação abrangente, contemplando as temáticas relativas à promoção da saúde e prevenção de agravos à saúde bucal, associadas àquelas especificamente afeitas ao campo da Saúde Coletiva. Além disso, decidiu por manter-se aberto à ampliação de novas áreas, conforme as potencialidades institucionais de docentes e pesquisadores. Nesse sentido, como resultado dessa ação institucional, foram incorporados novos professores no quadro permanente.

Orquestrou-se, portanto, a partir da necessidade e da grande e diversificada demanda de orientação que chegava aos professores do antigo programa de Pós-graduação em Odontologia, a construção do projeto da Pós-graduação em Saúde Coletiva, levada a cabo no ano de 2010 e aprovada em 2011. Tratou-se de um projeto que, além de contemplar a diversidade de estudos realizados pelos professores que constituíram o corpo de docentes permanentes, os quais já trabalhavam no Programa anterior de modo multiprofissional e interdisciplinar, contemplou a extrema necessidade de formação e educação continuada de uma pletora de profissionais que advinham dos cursos de graduação da nossa universidade e de universidades de estados vizinhos, dos serviços de saúde e do corpo docente de diversas instituições de ensino e pesquisa do Norte-Nordeste.

O contexto apresentado foi pautado num cenário político bastante favorável do ponto de vista das articulações exitosas no âmbito institucional, a partir dos docentes e pesquisadores da área, assim como pela busca de interação com setores institucionais da comunidade científica e técnica do campo da Saúde Coletiva. Além das condições políticas institucionais traduzidas no efetivo apoio da Pró-Reitoria de Pós-Graduação da UFRN e da visão estratégica de articular a presente proposta a um projeto de desenvolvimento institucional que configurasse o fortalecimento da Saúde Coletiva na UFRN, contou-se com o compromisso de um grupo de profissionais militantes da Saúde Coletiva do Estado do Rio Grande do Norte, egressos da UFRN, principalmente, mas com a colaboração e muito trabalho de personalidades da Odontologia nacional.

A proposta também teve como base o corpo docente permanente da área de concentração em Saúde Coletiva que mantinha produção intelectual compatível para tal, acrescido de quatro novos professores, dos quais dois pertenciam ao Departamento de Saúde Coletiva, um professor recém-contratado no Departamento de Odontologia para a área de Saúde Coletiva e um professor do Departamento de Morfologia da UFRN. Desse modo, a área da Saúde Coletiva se estrutura com base em duas linhas abrangentes e de caráter interdisciplinar. Uma linha relativa à “distribuição e fatores determinantes dos agravos à saúde nas populações humanas” que contemplava todos os estudos epidemiológicos dos principais agravos à saúde e o  “estudo das políticas, gestão e planejamento em saúde”, que contempla todos os esforços no sentido de compreender como se estruturam as políticas de saúde e seus reflexos sobre a população brasileira, assim como várias questões relacionadas ao planejamento e gestão em saúde, além dos estudos de avaliação que estão em consonância com as diretrizes do Ministério da Saúde.   

Em relação à área de Odontologia, esta se estruturou como uma área de concentração do novo Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva, tendo suas linhas de pesquisa sido reestruturadas. Tais linhas de pesquisa baseavam-se nas antigas linhas do Programa de Pós-graduação em Odontologia (área de concentração Periodontia e Prótese Dentária), respeitando a nova configuração assumida pela Pós-graduação, com incorporação de novos professores contratados pelo Departamento de Odontologia. Sendo assim, à época de sua criação, a área de Odontologia na referida área de concentração contava com quatro linhas de pesquisa. Tais linhas mantiveram a base da área de Periodontia (antiga área de concentração do Programa de Pós-graduação em Odontologia) que havia sido ampliada com a incorporação da Prótese Dentária. A abrangência da área de Prótese Dentária foi muito importante para o desenvolvimento da pesquisa da referida área no Nordeste, visto que na nossa região ainda não havia nenhum programa com atuação em Prótese Dentária.

Além destas áreas que alicerçaram a construção das linhas de pesquisa da nova área de concentração em Odontologia, incorporou-se uma linha de pesquisa da extinta área de concentração em Odontologia Preventiva e Social relativa aos estudos dos principais agravos à saúde bucal (nova denominação), linha esta relacionada à antiga configuração do Programa. Ademais, incorporou-se uma última linha que abrangia os estudos básicos e que fundamentavam os procedimentos cirúrgicos afeitos à reabilitação de tecidos e órgãos craniofaciais e sua integração com biomateriais.

Desse modo, hoje, a área de concentração em Odontologia conta com três linhas de pesquisa: a) Estudos dos agravos epidemiologicamente relevantes à saúde orofacial.; b) Estudo das tecnologias aplicadas à Odontologia e c) Biopatologia dos tecidos craniofaciais e sua integração com biomateriais. A área de concentração em Saúde Coletiva, por sua vez, manteve as duas linhas de pesquisa para os cursos de mestrado e doutorado: (a) Distribuição e fatores determinantes dos agravos à saúde nas populações humanas e (b) Políticas, gestão e planejamento em saúde.

Perspectivas atuais

A perspectiva do programa é que essa conformação de áreas e linhas abrangentes possibilite uma visão ampliada e integral do cuidado em saúde, desde a promoção à reabilitação, ao trabalho em saúde e às políticas públicas de saúde. Percebe-se, nesse sexto ano de funcionamento do Programa nessa nova configuração, que a participação de profissionais de diferentes áreas de formação como mestrandos e doutorandos, convivendo diariamente e discutindo conjuntamente nas disciplinas do núcleo docente estruturante, tem contribuído sobremaneira para a formação acadêmica dos mesmos, garantindo a estruturação de projetos com caráter multiprofissional e interdisciplinares.

Outros aspectos importantes no alcance dos objetivos do nosso programa de pós-graduação dizem respeito à internacionalização do mesmo, a captação de recursos através de projetos que garantam a sua interdisciplinaridade, a constante avaliação do corpo docente e a grande demanda, comprovada no processo seletivo e procura por vagas de alunos especiais. Ainda sobre este aspecto, pelo sexto ano consecutivo, a parceria com a Agência de Saúde Pública de Barcelona (Espanha) tem proporcionado a vinda de um professor que ministra a disciplina de Determinantes Sociais da Saúde em língua espanhola, garantindo assim a oferta de disciplina em língua estrangeira. Acredita-se que houve um salto qualitativo na formação dos alunos que outrora discutiam de forma pouco aprofundada os determinantes sociais da saúde, apesar de viverem imersos nas desigualdades.

A constante avaliação do corpo docente do Programa tem proporcionado uma adequação do mesmo às condições de professores permanentes e colaboradores. Quanto à captação de novos professores, o Programa mantém regularmente, antes do processo seletivo do ano em questão, uma abertura de candidatura a professores para que estes se integrem ao corpo docente. Publicação científica relativa às linhas do Programa, proposta de participação em disciplinas (proposição de novas de caráter contemporâneo) e os projetos desenvolvidos são alguns dos critérios avaliados.

Outro aspecto importante para o nosso Programa e que reforça a importância regional do mesmo tem sido a grande demanda para o processo seletivo de alunos regulares e especiais. A cada ano temos mais candidatos por vaga. Desde 2012 a média de inscritos para o curso de mestrado foi de quase 200 candidatos e, para o doutorado, a média foi de quase 60 candidatos. Em relação aos alunos especiais, o Programa abre vagas para seleção após a matrícula dos alunos regulares para inscrição em algumas disciplinas. No processo seletivo de 2016 mais de 100 alunos se inscreveram.  Essa política de abertura de vagas para alunos especiais visa oportunizar a qualificação dos projetos de alunos não aprovados no processo seletivo como também para alunos que não se inscreveram no processo seletivo.  Com isso estamos qualificando alunos, potenciais candidatos, que integrarão o corpo discente do Programa.

Finalmente, um marco importante para o Programa ocorreu em 2015, com a criação da “Revista Ciência Plural”, o veículo de divulgação científica do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFRN. Trata-se de uma publicação eletrônica abrigada no Portal de Periódicos da nossa Universidade, gerenciado pela Biblioteca Central Zila Mamede (http://www.periodicos.ufrn.br/rcp). É destinada ao público de nível universitário, alunos da graduação, da pós-graduação e profissionais de saúde em geral. Visa sobretudo estimular o debate de ideias, a integração de saberes e a difusão das publicações na área da saúde como um todo.

Como o próprio título ilustra, a revista é plural, tanto por abranger a diversidade de estudos e trabalhos que se abrigam na área da Saúde, quanto na pluralidade de tipos de trabalhos que podem ser submetidos, quer sejam artigos científicos originais, relatos de casos clínicos, artigos de análise crítica, artigos de Revisão Sistemática e Meta-análise (Estudos quantitativos) ou Metassíntese (Estudos qualitativos).

Tem um Conselho Editorial composto por 57 professores brasileiros e estrangeiros de diversas especialidades da área da saúde e áreas afins, das mais prestigiadas universidades do Brasil como USP, UNESP, UNICAMP, UFMG, UFC, UFBA, UFPE, UFCG, UFPI, UERJ, UEL, UESB, UEPB, UERN, UNISUL e da UFRN, além de renomados professores da Espanha (precisamente Agencia Nacional de Saúde Pública de Barcelona e da Universidade de Zaragoza) e da Universidade do México.

Desse modo, o quadriênio 2013-2016 mostra um programa em constante evolução e amadurecimento. Do ponto de vista da incorporação de novos docentes em suas duas áreas de concentração (Saúde Coletiva e Odontologia), o programa contava em 2013 com 30 docentes, dos quais 23 eram permanentes. Em 2016 já somos 40 docentes, dos quais 31 são permanentes, distribuídos de modo bastante equitativo entre as áreas (15 são da área de Odontologia e 16 da área de Saúde Coletiva). Isto coloca o programa dentro de uma perspectiva institucional importante, na medida em que amplia as possibilidades para a capacitação de recursos humanos em suas áreas de concentração ao mesmo tempo em que aproveita da melhor maneira possível a capacidade do seu corpo de professores. Seguindo as diretrizes políticas mais recentes da Capes e da própria UFRN, o programa tem procurado incorporar egressos e jovens doutores recém-contratados, de modo que, atualmente, 5 docentes se enquadram na categoria de Jovem Docente Permanente (informações mais detalhadas adiante).

Com relação à produção intelectual, o programa tem mantido uma média anual de artigos por docente permanente relativamente estável ao longo do quadriênio. Entretanto, a pontuação média por docente tem crescido, como reflexo de uma redução na proporção de artigos nos estratos inferiores (B4 e B5) e um aumento na proporção dos estratos intermediários (B1 a B3) e superiores (A1 e A2). Em uma avaliação preliminar, é provável que tenhamos uma média no quadriênio de cerca de um quinto das publicações nos estratos A1 e A2 a qual, apesar de não ser ainda uma proporção ideal, indica que a produção intelectual qualificada tem grande potencialidade de crescimento nos próximos anos.

 

Missão do Programa

Contribuir para aperfeiçoamento contínuo e consolidação do Sistema Único de Saúde, a partir do aprofundamento conceitual de seus princípios, da busca por novas propostas de estratégias tecnológicas nos processos de trabalho, na investigação de novas alternativas para aumento da cobertura à população, no desenvolvimento de pesquisas em múltiplos cenários e agregação de tecnologias apropriadas para a promoção de saúde, prevenção, diagnóstico precoce e reabilitação, visando melhorar a condição de saúde e a qualidade de vida da população.

 

Perfil do Egresso

Profissionais da área de saúde capazes de desenvolver atividades no ensino superior, caracterizadas pela docência, pesquisa e extensão que representem real melhoria da qualidade de vida da população, a partir dos resultados de pesquisas, do conhecimento científico e do vínculo com a comunidade.


Concepção Pedagógica do Programa

O Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva desenvolve-se a partir de componentes curriculares que visam à formação de um futuro docente apto a construir habilidades e competências para o desenvolvimento de ações na dimensão do ensino, da pesquisa e da extensão na educação superior. Para tanto, prevê o papel do aluno como responsável pela construção de seu conhecimento, com postura crítica e reflexiva, baseado na pesquisa e em suas próprias vivências como elementos norteadores de sua futura função docente. Em função disto, cabe ao corpo docente do Programa oferecer atividades didáticas comprometidas com a busca pelo aluno de referencial teórico, do exercício da reflexão e da criatividade como mecanismos de aprendizado e desenvolvimento de pesquisas científicas.

Desta forma, o corpo docente deve ser apto para que possa pensar na perspectiva da educação permanente enquanto estratégia para constantes processos de aperfeiçoamento nas várias áreas de conhecimento, tendo como referência metodologias ativas de aprendizagem.

 

 

Informações: Secretaria do Programa de Pós-Graduação

Secretário: Lucas Soares de Araújo

Av. Sen. Salgado Filho, 1787 - Lagoa Nova, Natal/RN. Departamento de Odontologia

Fone: +55-84-3342-2338

Horário de funcionamento: 7:30 às 11:30h  /  13:30 às 17:30h

Endereço eletrônico: ppgscol@dod.ufrn.br / sacul.ufrn@gmail.com



Endereço Alternativo


Coordenação do Programa

  • - LUIZ ROBERTO AUGUSTO NORO

    Telefone/Ramal: (84) 3342-2338/401

    Telefone/Ramal 2: Nenhum conteúdo disponível até o momento

    E-mail: ppgscol@dod.ufrn.br

  • - MARIA ANGELA FERNANDES FERREIRA

    Telefone/Ramal: 84 3342-2338/405

    Telefone/Ramal 2: Nenhum conteúdo disponível até o momento

    E-mail: mangelaf50@gmail.com

SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao