CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA / CT CENTRO DE TECNOLOGIA - CT Telefone/Ramal:
Projeto Pedagógico do Curso

O egresso do curso de Engenharia Elétrica da UFRN, seguindo as orientações dadas na proposta de diretrizes curriculares do MEC, deverá ter uma formação técnico-científica e profissional que o capacite a absorver e desenvolver novas tecnologias. Para o exercício de sua prática profissional deve ser estimulado para ter um desempenho ético, crítico e criativo, na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, em atendimento às demandas da sociedade.

Empresas concessionárias de energia elétrica; operadoras de telecomunicações fixas e celulares consultoria e assessoramento; indústrias em geral; indústrias de materiais, de dispositivos e instrumentos elétricos, eletrônicos e de informática; instituições de ensino, científicas e de pesquisa.

O currículo do curso de Engenharia Elétrica dará condições a seus egressos para adquirir competências e habilidades para:

. Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais aos problemas de engenharia elétrica em todas as suas modalidades;

. Projetar e conduzir experimentos em engenharia elétrica e interpretar seus resultados;

. Conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos na área de engenharia elétrica; 9 Desenvolver a criatividade, iniciativa e sociabilidade;

. Desenvolver a capacidade de organização, liderança, postura ética, elevada capacidade técnica/científica e atenção especial com os impactos para o meio ambiente.

. Planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia elétrica em todas as suas modalidades;

. Identificar, formular e resolver problemas de engenharia elétrica em todas as suas modalidades; 9 Desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas;

. Supervisionar a operação e a manutenção de sistemas de engenharia elétrica;

. Avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas da área da engenharia elétrica; 9 Comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica;

. Atuar em equipes multidisciplinares;

. Compreender e aplicar a ética às responsabilidades profissionais;

. Avaliar o impacto das atividades da engenharia elétrica no contexto social e ambiental;

. Avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia elétrica em todas as suas modalidades;

. Assumir a postura de permanente busca de atualização profissional;

. Conhecer os principais aspectos jurídicos relacionados às questões constitucionais, trabalhistas e contratuais.

No PPP de Engenharia Elétrica se buscou aperfeiçoar as disciplinas, suas ementas e seu encadeamento na estrutura curricular, por considerar essas estratégias essenciais para garantir a qualidade e flexibilidade na formação do egresso. Desta forma, a estrutura curricular foi organizada de forma temporal homogênea, viabilizando a consolidação dos conhecimentos adquiridos e a prática das atividades complementares, trazendo, sempre que possível, conteúdos profissionais para serem ministrados nos primeiros anos do curso, numa tentativa clara de fazer com que o aluno perceba estar em um curso de Engenharia Elétrica desde o seu ingresso. Com a redução da carga horária e a distribuição possível de disciplinas em um único turno, ficam favorecidos os trabalhos extras classe, individuais e em equipe. Viabiliza-se também a participação do aluno em atividades de extensão e de pesquisa.

As disciplinas básicas contemplam uma sólida formação, compatível com as exigências, conceitos e conhecimentos tecnológicos introdutórios de um curso de Engenharia Elétrica. A estrutura curricular viabiliza ainda o estudo de um conjunto forte e coerente de disciplinas de conhecimentos específicos, para as quatro ênfases oferecidas no curso (Automação, Eletrônica, Eletrotécnica e Telecomunicações), de maneira a garantir o perfil desejado do egresso e o desenvolvimento das competências e habilidades técnicas esperadas.

Cabe a Coordenação do Curso criar mecanismos que motivem o aluno para a importância da profissão do engenheiro eletricista desde o seu ingresso no curso. Sugere-se que no primeiro semestre do curso sejam proferidas palestras por engenheiros eletricistas bem sucedidos que possam incentivar e mostrar, aos ingressantes, os campos de atuação e as oportunidades de mercado que existem para a Engenharia Elétrica.

Foram centrados esforços na construção de uma formação computacional adequada, acreditando que o desenvolvimento do raciocínio lógico do aluno, a habilidade de construção de algoritmos, o entendimento e a manipulação das estruturas de dados sejam fundamentais na formação de um engenheiro eletricista, podendo constituir-se na base de suas ações computacionais de mais alto nível em outras disciplinas e em sua atividade profissional.

Os fundamentos essenciais da Matemática e da Física foram mantidos. Os conteúdos, considerados redundantes, com disciplinas introdutórias de eletricidade e magnetismo, básicas da engenharia elétrica, foram excluídos da matéria Física.

As disciplinas Circuitos Elétricos I, Circuitos Elétricos II, Fundamentos de Eletrônica e Teoria Eletromagnética, foram incluídas dentro da matéria Eletricidade e Magnetismo, de conteúdo geral e são elas responsáveis pelos fundamentos teóricos básicos do curso.

Considerando as ênfases definidas para o curso de Engenharia Elétrica, as disciplinas foram associadas em grupos de igual nome, e definidos conteúdos obrigatórios para uma formação generalista básica. Adicionalmente, foram criados conjuntos de disciplinas optativas que, submetidas à escolha dos alunos, e, respeitada a carga horária mínima, de cada um deles, possibilita fortalecer o conhecimento referente a uma das áreas. Dessa forma, o aluno com o auxilio de uma orientação acadêmica adequada, poderá planejar a qualificação desejada. Considera-se que o aprofundamento de uma das ênfases não deve comprometer a formação generalista.

Em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais, é previsto que o aluno deva ser estimulado a desenvolver atividades de iniciação científica, de monitoria e de pesquisa (individual ou associado a grupos de pesquisa) e conscientizado que estas atividades, associadas a um bom estágio e ao trabalho de conclusão do curso, contribuirão com o desenvolvimento de habilidades de geração de novas tecnologias.

Com a experiência absorvida nos últimos anos, a realização de práticas de laboratório da matéria de Eletrônica Digital foi concentrada em uma única disciplina, posterior às de cunho teórico básico e concomitante às de aplicação. Fato equivalente ocorreu com a matéria de Eletrônica Analógica. Duas disciplinas práticas de laboratório foram criadas na área de Telecomunicações atendendo antiga reivindicação de alunos e professores. Nas outras matérias, como nas de Automação e Eletrotécnica, foram mantidas disciplinas teórico-práticas ou de práticas concomitantes com as teóricas.

As habilidades de comunicação através de esquemas, desenhos, grafos, diagramas ou de outras formas e modelos de projetos na Engenharia Elétrica, são desenvolvidas ao longo de inúmeras disciplinas do curso, sem no entanto, ter o cunho obrigatório de disciplinas específicas de desenho ou de computação gráfica, sem concatenação objetiva com o curso. O entendimento das representações gráficas de circuitos elétricos e eletrônicos, portas  lógicas e subsistemas digitais também são tratadas ao longo das disciplinas que cobrem esses assuntos.

Para que o egresso desenvolva habilidades de comunicação oral e escrita, serão exigidos o relatório e a apresentação oral da experiência adquirida no Estágio Curricular Supervisionado e o relatório e a defesa do Trabalho de Conclusão de Curso. Transversal à estrutura curricular devem também ser incentivadas apresentações e relatórios de trabalhos, participações em palestras, seminários e congressos, como forma de desenvolver essas habilidades.

Como forma de criar no egresso as habilidades de liderança, gerência, gestão de negócios, gestão e supervisão, além das disciplinas ofertadas no grupo de Produção e Empreendedorismo, será estimulada a realização de trabalhos em equipe, a participação em organizações de representação estudantil e em órgãos colegiados e a participação em Empresa Júnior. Esta última atividade, que deve ser meta departamental, tem sido marcada por iniciativas de grupos isolados de alunos do curso. A tomada de decisão e a gestão de negócios, ausentes no atual currículo, farão parte deste contexto.

No percurso acadêmico o aluno deve ser motivado a buscar, permanentemente, a atualização profissional. Como exemplo, o corpo docente envolvido em sua formação, deve estar constantemente envolvido em atividades de pesquisa e extensão universitária. Deve ser ressaltada a constante atualização bibliográfica, inerente a cada disciplina do curso.

A preocupação com o meio ambiente e os efeitos causados por algumas tecnologias e produtos serão objetos de estudo da disciplina de Ciências do Ambiente. Como forma de consolidar a formação humanística e os princípios da ética profissional, o aluno será incentivado a usar neste intento, através da orientação acadêmica, a carga horária reservada às disciplinas eletivas. Como forma de pré-orientação a esta formação, foi criado o grupo de Humanidades.

Nenhum conteúdo disponível até o momento

O Projeto Político Pedagógico do curso de Engenharia Elétrica, construído coletivamente, é uma tomada de posição diante de uma realidade que se pretende superar.

Baseado no princípio da ação-reflexão-ação, o PPP não tem um caráter conclusivo, de terminalidade. Necessita de um acompanhamento e avaliação permanente para que responda a dinamicidade das demandas colocadas para o curso.

Assim sendo, o PPP de Engenharia Elétrica adotará um conjunto de ações, visando garantir a sua gestão e aperfeiçoamento.

Ao término de cada período letivo, o Curso de Engenharia Elétrica deverá promover a avaliação do projeto por meio de reuniões específicas com o objetivo de discutir as dificuldades encontradas e apresentar sugestões baseadas nas experiências adquiridas para aprimorar as atividades do período subseqüente.

Nesse processo, deverão ser consideradas as avaliações institucionais da docência, dos discentes e do curso, disponíveis na ocasião. Essas informações permitirão ao colegiado do curso acompanhar e avaliar o projeto pedagógico periodicamente.

É importante considerar a avaliação dos docentes pelos discentes no desenvolvimento do projeto. Os resultados devem ser analisados em reunião com a participação dos professores por departamento acadêmico, visando superar as dificuldades e propor melhorias para o ensino da graduação.

Caberá ao Colegiado a condução do processo de avaliação interna do Curso de Engenharia Elétrica, que deve envolver o maior número possível de professores e de alunos. Essa avaliação deverá ser efetuada com periodicidade máxima de dois anos. Dentre outros indicadores de avaliação, além dos já citados, também deverão ser considerados:

. Legislação pertinente em vigor na UFRN;

. Atualização científica e didático-pedagógica dos professores;

. Cumprimento dos programas pré-estabelecidos nas disciplinas;

. Atuação dos alunos e professores em atividades complementares e de extensão, extra-sala de aula;

Baixar Arquivo
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2018 - UFRN - sigaa10-producao.info.ufrn.br.sigaa10-producao