Banca de DEFESA: ÍTALO JOSÉ LOPES DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ÍTALO JOSÉ LOPES DE ALMEIDA
DATA : 30/05/2018
HORA: 16:30
LOCAL: Setor 4
TÍTULO:

ANÁLISE DA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRÁVES DA BIOMASSA DA CANA-DE-AÇÚCAR: UM ESTUDO DE CASO


PALAVRAS-CHAVES:

Usina Sucroalcooleira. Biomassa de cana-de-açúcar. Comercialização de
Energia Elétrica. Geração e Exportação de energia elétrica.


PÁGINAS: 80
RESUMO:

A produção de energia elétrica é uma atividade de grande importância no planejamento do crescimento de qualquer economia no mundo. O Brasil possui, em relação às outras nações, a vantagem de poder planejar sua matriz energética utilizando grandes quantidades de fontes renováveis. Uma delas, focalizada neste trabalho, é a biomassa da cana-de-açúcar, a qual através da cogeração contribui para o fortalecimento da matriz brasileira. Apesar de há muito tempo disponível, observa-se que esta fonte tem sido pouca utilizada para a geração comercial de energia elétrica. O Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia (PROINFA), instituído pelo Governo Federal em 2002, hoje extinto, e o surgimento do mercado de créditos de carbono, impulsionado pelo Protocolo de Kyoto, ajudaram este quadro na ultima década, fazendo com que a biomassa da cana-de-açúcar fosse utilizada de forma mais intensa, tornando-se um importante componente na matriz energética brasileira. Esta dissertação analisam os dados de moagem, a quantidade de energia elétrica gerada, exportada, entre outros, de uma usina sucroalcooleira que comercializa energia no ambiente de contratação regulada (ACR) e no ambiente de contratação livre (ACL), a partir do bagaço da cana-deaçúcar. O trabalho também verificou que só com a utilização do bagaço como combustível a energia acordada com as concessionarias de energia não era atingida todos os anos, devido à instabilidade na produção de cana de açúcar. Para resolver o problema, neste trabalho estudase a viabilidade da utilização da palha em conjunto com o bagaço da cana, aumentando-se a quantidade de combustível queimado na caldeira e consequentemente a geração de energia. Conclui-se, que o bagaço e a palha juntos como combustíveis para usina estudada teriam um ganho e tanto na energia exportada, como no cumprimento da meta, além de um lucro considerável com a venda excedente de energia elétrica.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 347429 - JOSE LUIZ DA SILVA JUNIOR
Presidente - 1045672 - MAX CHIANCA PIMENTEL FILHO
Externo à Instituição - NEILTON FIDELIS DA SILVA - UFRJ
Notícia cadastrada em: 29/05/2018 09:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao