Banca de DEFESA: RICARDO CEZAR CARDOZO DE MEDEIROS JUNIOR

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RICARDO CEZAR CARDOZO DE MEDEIROS JUNIOR
DATA : 18/03/2024
HORA: 11:45
LOCAL: Online - link: https://conferenciaweb.rnp.br/webconf/ppg-es-ufrn
TÍTULO:

AVALIAÇÃO E TREINAMENTO EM AMBIENTE SIMULADO DE ESTUDANTES DE MEDICINA DA UFRN SOBRE A TÉCNICA DE INTUBAÇÃO OROTRAQUEAL.


PALAVRAS-CHAVES:

Intubação Intratraqueal; Treinamento por Simulação; Educação em Saúde.


PÁGINAS: 46
RESUMO:

INTRODUÇÃO: A intubação orotraqueal (IOT) se caracteriza por um procedimento invasivo, privativo do profissional médico, no qual uma cânula é introduzida na traqueia com objetivo principal de garantir uma via aérea definitiva. Com o surgimento da pandemia do COVID-19, a preocupação com o adequado domínio da técnica, principalmente pelos médicos recém-formados, ficou mais evidente. O procedimento apresenta inúmeros riscos e complicações inerentes, que apresentam altas taxas morbidade e mortalidade. A principal forma de reduzir os riscos associados ao procedimento é através de treinamento adequado e contínuo dos profissionais médicos, aperfeiçoando a parte técnica/prática, além de preparar para a identificação e tratamento precoce de potenciais complicações. Uma importante ferramenta de ensino para o desenvolvimento de técnicas como essa são os treinamentos em ambientes simulados, através de estações práticas, com listas de verificação e feedback. OBJETIVOS: Avaliar e comparar os conhecimentos teórico-práticos dos estudantes do internato do curso Medicina da UFRN acerca de IOT antes e após o treinamento em ambiente simulado, além de propor um treinamento estruturado em IOT para os estudantes no início do internato em Cirurgia e elaboração de guia de aula. MÉTODOS: 69 estudantes do décimo período do curso de medicina da UFRN foram avaliados sobre a técnica de IOT antes e após a relização de um treinamento simulado, com estação prática e lista de verificação. Houve ainda aplicação de questionário, nas fases pré e pós, sobre conteúdo ministrado, importância do tema e confiaça dos alunos para realização de IOT. No fim, cada aluno recebeu o feedback individual e os dados foram analisados e compados, com análise estatística. RESULTADOS E DISCUSSÃO: Após o treinamento, observou-se uma melhora substancial no desempenho dos alunos. No pré-teste, 30,4% dos alunos foram classificados com desempenho insatisfatório na técnica de IOT contra apenas 1,4% no pós. Para o resultado considerado acima do esperado, este resultado saltou de 26,1% para 88,4%. Além disso, infere-se que houve mudança significativa nas respostas do pré e pós testes em relação ao sucesso na realização da IOT entre os alunos. No pré-teste, 68,2% dos alunos tiveram sucesso e 31,8% não tiveram. No pós-teste, 89,9% dos alunos tiveram sucesso na técnica, enquanto apenas 10,1% não conseguiram, com essa mudança sendo estitiscamente significativa (p-valor de 0,0013). Podemos observar também um aumento na confiança dos alunos para realizar o procedimento após o período de prática e capacitação. CONCLUSÕES: A instrução prática simulada na técnica de intubação orotraqueal (IOT) revela-se fundamental para a formação dos internos de medicina. A utilização de abordagens metodológicas e simuladores resultou em um aumento notável na competência e autoconfiança dos alunos após a intervenção. Esta forma de abordagem, com a integração de simuladores, está ganhando crescente aceitação na área de ensino médico. Porém, ainda existe uma carência de estudos mais robustos, principalmente a nível nacional, que consigam demonstrar a real vantagem desta técnica.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2495698 - JOSE DINIZ JUNIOR
Externo à Instituição - LANA LACERDA DE LIMA - UFERSA
Interno - 2171948 - PAULO JOSE DE MEDEIROS
Notícia cadastrada em: 29/02/2024 13:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao