Banca de DEFESA: ADRIANA DOS SANTOS FERREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ADRIANA DOS SANTOS FERREIRA
DATA : 15/07/2020
HORA: 14:00
LOCAL: meet.google.com/mxv-hcvu-mjx
TÍTULO:

ALTERAÇÕES MORFOFISIOLÓGICAS E BIOQUÍMICAS EM MUDAS DE Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong SOB ESTRESSES ABIÓTICOS


PALAVRAS-CHAVES:

Fabaceae, salinidade, déficit hídrico, solutos orgânicos, osmorreguladores, produção de mudas.


PÁGINAS: 67
RESUMO:

Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong é uma espécie arbórea de rápido crescimento e que possui finalidades múltiplas como medicinal, recuperação de áreas degradadas, fabricação de barcos, móveis e caixotaria em geral. Objetivou-se avaliar as alterações morfofisiológicas e bioquímicas em mudas de E. contortisiliquum submetidas aos estresses abióticos. O experimento foi realizado na Unidade Acadêmica Especializada em Ciências Agrária (UAECIA), pertencente à Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Macaíba, RN - Brasil, no primeiro semestre de 2019. O delineamento utilizado foi em blocos casualizado, com cinco tratamentos e quatro repetições, sendo a unidade experimental constituída por vinte plantas. A experimentação dos diferentes estresses ocorreu de forma independente. O estresse hídrico foi realizado nos períodos: 0; 4; 8; 12 e 16 dias, já o estresse salino foi simulado nas seguintes condutividades elétricas das águas de irrigação (CEa): 0,3 (controle); 2; 4; 6 e 8 dS.m-1. Antes da semeadura, realizou-se o tratamento pré-germinativo de superação de dormência com o auxílio de uma lixa. Como substrato, utilizou-se a mistura de terra comum e esterco bovino curtido (1:1). As avaliações foram realizadas aos 30 dias após a semeadura. As variáveis avaliadas para os estresses hídrico e salino foram: altura de plantas, número de folhas, área foliar, diâmetro do caule, comprimento da raiz, índice de qualidade de Dickson, relação altura e massa seca da parte aérea, massa seca da parte aérea, raiz e massa seca total, além de testes bioquímicos (aminoácidos livres totais, prolina, açúcares solúveis totais e amido). Os resultados foram submetidos à análise de variância pelo teste F a 5% de probabilidade e em caso de significância submetidos às análises de regressão. Mudas de E. contortisiliquum obtêm crescimento inicial maior em ambiente com disponibilidade de água. O período de quatro dias de estresse hídrico proporciona mudas de E. contortisiliquum com melhor capacidade de tolerância à seca. Os solutos osmoticamente ativos atuam de forma positiva para minimizar os danos provocados pelo aumento do estresse hídrico, cujos mecanismos podem ser os principais determinantes utilizados pelas plantas nesta condição. O aumento gradativo de salinidade da água de irrigação foi prejudicial ao crescimento e acúmulo de massa seca de plantas de E. contortisiliquum com decréscimo acentuado a partir do limiar de 2 dS.m-1. O mecanismo bioquímico de tolerância ao estresse salino deu-se pelo aumento de aminoácidos, prolina e açúcares totais, concomitantemente ao consumo das reservas de amido.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 270.392.004-06 - SALVADOR BARROS TORRES - EMPARN
Externo à Instituição - FRANCISCO DE ASSIS DE OLIVEIRA - UFERSA
Externo à Instituição - ALEK SANDRO DUTRA - UFC
Externa à Instituição - CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE - UERN
Notícia cadastrada em: 13/06/2020 12:58
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao