Banca de QUALIFICAÇÃO: TALITA GEOVANNA FERNANDES ROCHA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TALITA GEOVANNA FERNANDES ROCHA
DATA: 30/09/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de video conferencia do CVT
TÍTULO:

VIGOR DE SEMENTES DE MORINGA OLEIFERA LAM. PELO TESTE DE EMISSÃO DA RAIZ PRIMÁRIA  


PALAVRAS-CHAVES:

Análise de sementes. Potencial fisiológico. Germinação. 


PÁGINAS: 30
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Recursos Florestais e Engenharia Florestal
SUBÁREA: Silvicultura
ESPECIALIDADE: Sementes Florestais
RESUMO:

O teste de emissão da raiz primária baseia-se no princípio de que as sementes com alto vigor emitem mais rapidamente a raiz primária em detrimento daquelas menos vigorosas na comparação entre lotes. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivo adequar a metodologia do teste de emissão de raiz primária para a determinação do vigor de lotes de sementes de Moringa oleifera Lam. Foram utilizados quatro lotes de sementes coletadas manualmente em diferentes localidades: Caiçara do Rio do Vento – RN, Parelhas – RN, Assentamentos do Estado de São Paulo – SP e Ceará Mirim – RN. Inicialmente determinou-se o teor de água das sementes e, posteriormente, foi avaliada a sua qualidade fisiológica através dos testes germinação, massa seca de plântulas em laboratório, emergência em casa de vegetação, primeira contagem de emergência, índice de velocidade de emergência, comprimento de plântulas e teste frio. Para esses testes, o delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado. Na avaliação da metodologia do teste de emissão da raiz primária adotou-se o delineamento inteiramente casualizado, com dois regimes de temperaturas (30°C e 35°C), três dias de avaliações (3°, 5° e 7° dia) e quatro repetições de 50 sementes, sendo utilizado o critério de plântulas com protrusão da raiz primária de 1mm de comprimento. O processo de germinação iniciou-se com a protrusão da raiz primária no terceiro dia de avaliação para os dois regimes de temperatura. Com relação a percentagem de plântulas que emitiram raiz primária no terceiro, quinto e sétimo dia após a instalação do teste, os resultados obtidos para os diferentes lotes permitiram a diferenciação consistente quanto ao vigor e apresentaram coerência com os resultados obtidos para o índice de velocidade de emergência de plântulas em casa de vegetação. Conclui-se que a temperatura de 30°C e o terceiro dia de avaliação mostrou-se mais adequada para avaliação da emissão da raiz primária em sementes de moringa, pois apresentou uma boa porcentagem de emissão da raiz primária logo no terceiro dia avaliação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1880265 - MARCIO DIAS PEREIRA
Interno - 914.897.250-91 - CIBELE DOS SANTOS FERRARI - UFRN
Externo ao Programa - 1575330 - CASSIA REGINA DE ALMEIDA MORAES
Notícia cadastrada em: 18/09/2015 12:08
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao