Banca de DEFESA: MARCIO HUMBERTO ALMEIDA DE CARVALHO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARCIO HUMBERTO ALMEIDA DE CARVALHO
DATA : 16/06/2016
HORA: 10:00
LOCAL: Setor V - Sala D4
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO AR INTERIOR EM AMBIENTES ACADÊMICOS: um estudo de caso.


PALAVRAS-CHAVES:

Política Nacional do Meio Ambiente; Programa Nacional de Controle da qualidade do ar; Índices de Qualidade do Ar Interno; Ambientes acadêmicos; UFRN.


PÁGINAS: 121
RESUMO:

Os agravos da poluição atmosférica nas grandes cidades brasileiras são eventos antigos, conhecidos e recorrentes e, atualmente, tem sido um dos pontos principais de importância no meio científico. A partir da instituição do Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar – PRONAR, em 1989 e mais recentemente, em 2009, com a concepção do Plano Nacional de Qualidade do Ar – PNQA, surgiram novas perspectivas focadas na redução desses agravos que, dentre elas, cita-se a melhora da qualidade do ar em interiores climatizados artificialmente, visando à maximização do conforto ambiental e efetividade na minimização de prejuízos à saúde da coletividade. A presente pesquisa teve como objetivo identificar, em ambientes acadêmicos, em que medida os teores de CO, CO2, umidade relativa e temperatura do ar, estão em conformidade com as normas e se atendem aos padrões estabelecidos pela Política Nacional do Meio Ambiente – PNMA e seus instrumentos. O referencial tem como base os aportes teóricos propostos por Satish et al. (2012), Mesquita e Araújo (2006), instrumentos da política Nacional do Meio Ambiente (CONAMA, 1981), PRONAR (1989) e ANVISA (2003). Trata-se de uma pesquisa exploratório-descritiva. Procedeu-se medições e coletou-se dados em salas de aula, escolhidas aleatoriamente nos setores de aula I, II, III e IV, dos Centros do Campus Central, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Aplicou-se também questionário com perguntas abertas e fechadas, preconizado pela ABNT NBR 16401-3/2008. Sobre os índices da qualidade do ar – IQA, a metodologia utilizada foi desenvolvida pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos da América - EPA. Por fim, a partir da análise empreendida com referência ao parâmetro relativo ao CO2 e ao compará-lo com os parâmetros legais, postos pelo Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar - PRONAR e Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, ficou evidenciado que, nos ambientes acadêmicos da UFRN, ora pesquisados, os teores de CO2 estão além dos limites legais, ou, dito de outra forma, não estão em conformidade com os padrões estabelecidos pelas normas vigentes no país.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 345845 - JOMARIA MATA DE LIMA ALLOUFA
Externo ao Programa - 347303 - MARCIANO FURUKAVA
Externo à Instituição - MARIA ROSIMAR DE SOUSA - IFRN
Notícia cadastrada em: 03/06/2016 09:30
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa26-producao.info.ufrn.br.sigaa26-producao