Banca de DEFESA: JULIANA LUIZA ROCHA DE LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JULIANA LUIZA ROCHA DE LIMA
DATA : 13/11/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Realizada por videoconferência
TÍTULO:

Fungos Micorrízicos Arbusculares (Glomeromycota) em Diferentes Fitofisionomias da Chapada do Araripe, Ceará, Brasil


PALAVRAS-CHAVES:

Diversidade, ecologia, micologia, micorriza, taxonomia.


PÁGINAS: 100
RESUMO:

Os brejos de altitudes são áreas de exceção ou frações da floresta tropical perenifólia, reunindo tanto características do bioma Mata Atlântica quanto da Caatinga, sendo “ilhas” de floresta úmida em meio a vegetação seca. Esses ambientes geralmente são áreas com características particulares (vegetação, clima, fauna e solo) diferentes dos ambientes que os circundam. Em tais ambientes, pouco se conhece sobre quais são os fatores bióticos e abióticos que estão relacionados à modificação da biodiversidade dos microorganismos presentes no solo. Dentre estes, encontram-se os Fungos Micorrízicos Arbusculares (FMA), que vivem simbioticamente associados a maioria das raízes das plantas, aumentando principalmente a absorção de nutrientes e facilitando o crescimento vegetal. Esses fungos são mundialmente e amplamente estudados em diversos ecossistemas, principalmente devido a sua importância ecológica para a manutenção do ambiente, sendo distribuídos nos principais biomas terrestres, nos quais frequentemente são conhecidas novas espécies, porém o conhecimento da diversidade, riqueza e estratégias ecológicas desses fungos em áreas de brejos de altitude é escasso e requer mais pesquisas. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi comparar a diversidade das espécies de FMA entre diferentes fitofisionomias de um brejo de altitude, afim de caracterizar a riqueza e diversidade de FMA na Chapada do Araripe, Ceará, Brasil. As amostras de solo foram coletadas em Abril/2019. Foram selecionados dois tipos de fitofisionomias: Cerradão (CE) e Mata úmida (MT). Os esporos foram quantificados e identificados morfologicamente, para realização de análises ecológicas da comunidade de FMA. Foi registrado o total de 95 espécies, distribuídas em quatro ordens, 11 famílias e 17 gêneros. Foram detectadas algumas espécies como indicadoras de determinada fitofisionomia. O número de esporos foi maior em CE em relação a MT, porém a riqueza foi maior em MT. Foi observado que a composição das comunidades de FMA diferiu significativamente entre as fitofisionomias da Chapada do Araripe. Além disso, também foi observado mudança significativa entre a comunidade de FMA e os parâmetros químicos do solo, destacando a influência de algumas variáveis. Além disso, uma espécie ainda não descrita é caracterizada morfologicamente para a área. Os resultados obtidos demonstram a importância de ambientes como os brejos de altitude serem estudados com suas diferentes fitofisionomias, quanto a comunidade de FMA e que as diferenças na composição vegetal, associada a outros fatores, podem fornecer condições ambientais para criação de diferentes microhabitats e possuir influência na composição, diversidade e distribuição das comunidades de FMA.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1755051 - BRUNO TOMIO GOTO
Externa à Instituição - KHADIJA JOBIM
Interna - 025.390.185-56 - PATRICIA OLIVEIRA FIUZA - UFRN
Notícia cadastrada em: 09/11/2020 09:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao