Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRN

2021
Dissertações
1
  • PAOLLA GABRYELLE CAVALCANTE DE SOUZA
  • REVISÃO DE TROGOLAPHYSA MILLS, 1938 (COLLEMBOLA, ENTOMOBRYOMORPHA, PARONELLIDAE), COM A DESCRIÇÃO DE NOVAS ESPÉCIES DE CAVERNAS DO DOMÍNIO CAATINGA, BRASIL

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • ANAMARIA DAL MOLIN
  • RUDY CAMILO NUNES
  • Data: 26/02/2021

  • Mostrar Resumo
  • Trogolaphysa Mills (Paronellidae) é amplamente distribuído em regiões tropicais, com 65 espécies descritas em todo o mundo. As espécies neotropicais de Trogolaphysa são melhor compreendidas que as afrotropicais, porém há grandes lacunas de conhecimento para várias espécies nas duas regiões, que são reconhecidas principalmente pelos padrões de coloração, número de olhos, morfologia do complexo empodial e da fúrcula. Muitas espécies de Trogolaphysa são troglófilas, e algumas apresentam troglomorfismos evidentes, como redução ou ausência de olhos, corpo sem pigmentos e antenas alongadas. As cavernas desempenham um papel importante na compreensão dos processos biológicos devido à sua estabilidade ambiental, mas também possuem um papel econômico na mineração brasileira, sendo a extração de calcário a principal atividade econômica nos municípios que possuem cavernas de rochas carbonáticas no Rio Grande do Norte (RN). Levantamentos anteriores demonstraram que Trogolaphysa é o gênero de Collembola dominante em cavernas do RN. Este gênero abriga espécies com status questionáveis e o seu estudo taxonômico pode auxiliar em políticas de conservação. Por isso, este trabalho apresenta uma detalhada revisão taxonômica com base em bibliografia de Trogolaphysa, com uma diagnose revisada e um resumo da morfologia geral do gênero, diagnoses detalhadas para todas as espécies, tabelas comparativas, chave para todos os táxons do gênero e descrições de duas novas espécies do gênero presentes em cavernas do RN. Os espécimes representantes de espécies novas foram coletados com aspiradores entomológicos e pincéis, fora e dentro de 10 cavernas calcárias inseridas no bioma Caatinga. A sugestão de species inquirendae na avaliação do status das espécies considerou descrições pouco informativas, características taxonômicas duvidosas e/ou localização pouco informativa ou imprecisa. Foram identificadas 14 species inquirendae e consideradas 51 espécies com diagnoses válidas de Trogolaphysa. Foi também apresentada uma síntese da morfologia geral do gênero, demonstrando as variações na quetotaxia e em suas principais estruturas. A descrição de duas novas espécies de Trogolaphysa amplamente distribuídas nas cavernas do RN em conjunto com a revisão do gênero proporcionam dados mais precisos no diagnóstico de espécies, aumentam o conhecimento sobre a fauna mundial de Trogolaphysa e podem auxiliar políticas de conservação de cavernas no RN.


  • Mostrar Abstract
  • Trogolaphysa Mills (Paronellidae) is widely distributed in tropical regions, with 65 species described worldwide. Neotropical species of Trogolaphysa are better understood than the Afrotropical ones, however there are large gaps in knowledge for several species from the two regions, which are mainly recognized by color patterns, number of eyes, empodial complex and furcula morphologies. Many species of Trogolaphysa are troglophiles, and some have evident troglomorphisms such as the reduction or absence of eyes, body lacking pigments and elongated antennae. Caves provide an important role for biological processes due to the unique environmental stability, but they also have an important economic role in Brazilian mining, with limestone extraction being the main economic activity in municipalities that share carbonate rock caves in Rio Grande do Norte (RN). Previous surveys have shown that Trogolaphysa is the dominant Collembola genus in RN caves. This genus has species with questionable status and its taxonomic study may assist in conservation policies. For this reason, this work presents a detailed taxonomic review based on Trogolaphysa bibliography, with a revised diagnosis and a summary of the general morphology of the genus, detailed diagnoses for all species, comparative tables, key for all taxa of the genus and the description of two new species of Trogolaphysa. The specimens representing new species were collected with entomological aspirators and brushes, outside and inside of 10 limestone caves from the Caatingaa biome. We suggested as species inquirendae taxa which status was considered doubtful due to uninformative diagnoses, dubious taxonomic characteristics and/or inaccurate data on distribution. Fourteen species inquirendae were identified and 51 valid Trogolaphysa diagnoses were remarked. A synthesis on the general morphology of the genus was also presented, summarizing the variations in the chaetotaxy and in other main structures. The description of two new species of Trogolaphysa widely distributed in RN caves, along with the genus revision, provide more accurate data in the species diagnoses, increases the knowledge to the world fauna of Trogolaphysa which can assist in the conservation policies of caves in the RN.

2
  • CARLA TATIANE PEREIRA SILVA
  • TAXONOMIA DE ENTOMOBRYOIDEA (COLLEMBOLA, HEXAPODA) EM UMA ÁREA DE CERRADO NO BRASIL

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • RENATA ANTONACI GAMA
  • RONIERE ANDRADE DE BRITO
  • Data: 30/03/2021

  • Mostrar Resumo
  • Os colêmbolos são hexápodes de tamanho reduzido que vivem em diversos habitats, especialmente no ambiente edáfico úmido. Existem aproximadamente 9.200 espécies nominais de colêmbolos no mundo, sendo a maioria encontrada nas regiões de clima temperado, mas é evidente o déficit de cobertura dos estudos taxonômicos em regiões tropicais. A ordem Entomobryomorpha é a mais diversa de Collembola, apresentando quase 4000 espécies descritas. Também abriga a maior superfamília da classe, Entomobryoidea, que possui ampla distribuição e é constituída por três famílias: Orchesellidae, Entomobryidae e Paronellidae. No Brasil há registros de 445 espécies distribuídas em todas as regiões, com a maior concentração de espécies pertencentes à Mata Atlântica e Floresta Amazônica. O Cerrado é o segundo maior bioma no Brasil, e embora seja um dos hotspots mundiais de biodiversidade, é subamostrado para a fauna de Collembola. Assim, este trabalho teve como objetivo realizar o primeiro estudo taxonômico da fauna de Entomobryoidea da Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil. A coleta foi realizada em 12 pontos utilizando armadilhas do tipo pitfall durante dois dias. O material biológico foi armazenado em álcool a 70% e foi triado e montado para identificação e estudo morfológico. Os espécimes representantes de novas espécies foram desenhados e descritos seguindo literatura específica. Foram identificadas quatro espécies de Entomobryoidea no estudo, todas novas para a ciência: Trogolaphysa sp. nov., Entomobrya sp. nov., Salina sp. nov. e Seira sp. nov. Os quatro táxons são similares a outras espécies neotropicais de seus respectivos gêneros, mas apresentam morfologia distinta quanto à quetotaxia dorsal, quetotaxia do colóforo e/ou morfologia do complexo empodial. Apesar de ser mais comum em ambientes florestais úmidos, E. sp. nov. é o primeiro registro do gênero para o domínio do Cerrado. Os dados representam um acréscimo de 28,5% no número de espécies previamente reconhecidas para o Cerrado brasileiro e sugerem que o domínio deve possuir rica, e ainda desconhecida, fauna de Collembola. Portanto, inventários, estudos ecológicos e biogeográficos, principalmente em unidades de conservação, são necessários
    para conservação e compreensão da distribuição do grupo dentro do Cerrado.


  • Mostrar Abstract
  • Springtails are microhexapods associated to different habitats, especially to humid edaphic environments. There is currently about 9,200 nominal species of springtails, most of them found in temperate regions, and the deficit in the coverage of taxonomic studies from tropical regions is apparent. The Entomobryomorpha is the most diverse order of Collembola, holding almost 4000 described species. It also houses the largest superfamily, Entomobryoidea, which has a wide distribution and consists of three families: Orchesellidae, Entomobryidae and Paronellidae. In Brazil there are 445 species registered in all regions, with most of them recorded from the Atlantic and the Amazon Forests.The Cerrado is second largest biome in Brazil, and although it is one of the world's biodiversity hotspots, it is undersampled for the Collembola fauna. Thus, this study aimed to carry out the first taxonomic study of the Entomobryoidea fauna from the Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brazil. at the samples were collected from 12 sites using pitfall traps for two days. The biological material was stored in 70% alcohol, screened and assembled to identification and morphological study. Specimens representing the new species were drawn and described following the literature. Four species of Entomobryoidea were identified in this study, all new to science: Trogolaphysa sp. nov., Entomobrya sp. nov., Salina sp. nov and Seira sp. nov. The four taxa are similar to other Neotropical congeners, but they have a distinctive morphology related to the dorsal and ventral tube chaetotaxy and/or the morphology of the empodial complex. Despite being more common in humid forest environments, E. sp. nov. is the record of the genus for the Cerrado domain. Our data represents a increase of 28,5% in the number of species previously recognized for the Brazilian Cerrado, and suggests that the domain may shelter a rich fauna of Collembola. Therefore, inventories, ecological and biogeographic studies, mainly within protected areas, are necessary for the conservation and understanding of the group's distribution within the Cerrado.

3
  • MATHEUS ARTHUR LÚCIO DA ROCHA
  • Taxonomia iterativa de crustáceos troglóbiosdo gênero Potiberaba Fišer, Zagmajster & Ferreira 2013 (Crustacea: Amphipoda) na Caatinga

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANDRÉ RESENDE DE SENNA
  • PAULO CESAR DE PAIVA
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • Data: 30/07/2021

  • Mostrar Resumo
  • Sistemas subterrâneos podem ser encontrados em diversas formações minerais, abrigando uma fauna com diferentes estratégias de vida, que de forma conjunta, podem utilizar o ambiente subterrâneo permanentemente ou temporariamente. Dentre esses habitantes, destacam-se os troglóbios, grupo que reúne organismos que apresentam uma série de adaptações ecológicas, fisiológicas, morfológicas e comportamentais associadas ao ambiente subterrâneo. No Brasil, a fauna troglóbia vem sendo descrita com maior intensidade nas duas últimas décadas, com a prospecção de novos locais e a integração de diferentes ferramentas analíticas. Apesar disso, as regiões Sul e Sudeste ainda se destacam em detrimento das demais, concentrando a maior parte dos estudos taxonômicos, ecológicos e genéticos de organismos troglóbios. No entanto, o Nordeste, em especial o estado do Rio Grande do Norte (RN), vem se destacando no conhecimento dessa fauna, com a descobertas de novas espécies de invertebrados troglóbios, como crustáceos, platelmintos e insetos. Dentre os novos organismos descritos no RN, está o gênero de anfípodes Potiberaba, monotípico e endêmico das cavernas da região, que durante sete anos apresentou distribuição restrita à localidade tipo. Após novas expedições, exemplares foram registrados em mais onze localidades, e cujos dados moleculares indicaram possíveis novas espécies nas cavernas da região. Até então a hipótese se sustentava apenas em delimitações utilizando um marcador mitocondrial. Dessa forma, através de uma abordagem integrada entre ferramentas moleculares (incluindo marcadores nucleares) e morfológicas, o estudo se propôs a avaliar a convergência entre as diferentes informações para sustentar a hipótese de um complexo de espécies, assim como identificar caracteres morfológicos capazes de distingui-las, e ao final, propor a descrição das novas espécies de Potiberaba. Através de uma abordagem iterativa entre informações morfológicas e marcadores moleculares (cox1 e 28S), o estudo propõe a existência de cinco espécies alopátricas, das quais quatro apresentam distribuição restrita, com baixa diversidade genética e morfológica, enquanto P. porakuara é amplamente encontrada no sul da Formação Jandaíra. O estudo também indicou que além das divergências genéticas, as linhagens podem ser identificadas através de caracteres morfológicos com alta taxa de acerto, evidenciando que a riqueza de espécies dessa formação está subestimada.


  • Mostrar Abstract
  • Underground systems can be found in several mineral formations, sheltering a fauna with different life strategies, which together can use the underground environment permanently or temporarily. Among these inhabitants, the troglobites stand out, a group that brings together organisms that present a series of ecological, physiological, morphological and behavioral adaptations associated with the underground environment. In Brazil, the troglobite fauna has been described with greater intensity in the last two decades, with the prospect of new places and the integration of different analytical tools. Despite this, the South and Southeast regions still stand out at the expense of the others, concentrating most of the taxonomic, ecological and genetic studies of troglobite organisms. However, the Northeast, especially the state of Rio Grande do Norte (RN), has stood out in terms of knowledge of this fauna, with the discovery of new species of troglobite invertebrates, such as crustaceans, flatworms and insects. Among the new organisms described in RN, there is the amphipod genus Potiberaba, monotypic and endemic to caves in the region, which for seven years had a distribution restricted to the type locality. After new expeditions, specimens were registered in another eleven locations, and whose molecular data indicated possible new species in caves in the region. Until then, the hypothesis was based only on delimitations using a mitochondrial marker. Thus, through an integrated approach between molecular (including nuclear markers) and morphological tools, the study proposed to assess the convergence between different information to support the hypothesis of a complex of species, as well as to identify morphological characters capable of distinguishing. las, and at the end, propose the description of the new species of Potiberaba. Through an iterative approach between morphological information and molecular markers (cox1 and 28S), the study proposes the existence of five allopatric species, four of which have a restricted distribution, with low genetic and morphological diversity, while P. porakuara is widely found in the south of the Jandaíra Formation. The study also indicated that in addition to genetic divergences, the strains can be identified through morphological characters with a high hit rate, showing that the species richness of this formation is underestimated.

4
  • JEFFERSON DOS SANTOS GOIS
  • Revisão das espécies do gênero Cyathus Haller (Nidulariaceae, Basidiomycota) para o Brasil

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • JULIETH DE OLIVEIRA SOUSA
  • RENATO JUCIANO FERREIRA
  • Data: 27/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • Os nidulariáceos são fungos de tamanho diminuto que possuem distribuição cosmopolita, ocorrendo em diversos tipos de substratos. Dentre os seus representantes, o gênero Cyathus Haller é o mais representativo, com cerca de 84 espécies publicadas. O gênero é caracterizado por apresentar basidiomas em forma de vaso ou cone, além de possuir estruturas internas que se assemelham a pequenos ovos dentro um ninho de pássaro. Devido a essa característica, esses organismos são conhecidos popularmente como fungos “ninho de pássaro”. No Brasil, há registros de distribuição desses organismos em todos os biomas, porém com maior concentração na Amazônia e Mata Atlântica. A maior parte dos estudos envolvendo Cyathus está direcionada à publicação de novas espécies, formulando uma ampla base de dados que se acumulou ao longo dos anos. Além disso, a falta de padronização das características morfológicas resultou em inúmeras identificações incorretas, e após análises realizadas com os espécimes tipo, observou-se que existiam diferenças significativas entre estes e as exsicatas brasileiras. Diante disso, esse trabalho objetivou realizar uma extensa revisão taxonômica de Cyathus, reavaliando os materiais previamente publicados para o gênero, com o intuito de identificá-los corretamente. Para isso, foram realizados empréstimos de coleções brasileiras de fungos, além da realização de coletas em áreas de Mata Atlântica presentes no Rio Grande do Norte. Foram analisadas 145 amostras oriundas das coleções institucionais provenientes de coletas realizadas em diversos biomas, com exceção do Pantanal, totalizando 31 espécies ocorrentes para o Brasil. Todas as espécies foram listadas e discutidas nessa revisão. Adicionalmente, descrições atualizadas, pranchas de fotos, mapas de distribuição e uma chave dicotômica para todos os táxons ocorrentes para o Brasil são apresentadas. A distribuição de Cyathus foi ampliada para 12 novas áreas ainda inexploradas e dois materiais foram considerados como potenciais novidades taxonômicas para o gênero. Os resultados obtidos nessa revisão permitiram elucidar problemas taxonômicos existentes, além de fornecer uma base de dados atualizada para trabalhos posteriores com o gênero.


  • Mostrar Abstract
  • Nidulariaceae are small size fungi that have a cosmopolitan distribution, occurring on various types of substrates. Among its members, the genus Cyathus Haller is the most representative, with about 84 published species. The genus is characterized by a fruitbody vase or cone-shaped, besides having internal structures that resemble small eggs inside a bird’s nest. Due to this feature, these organisms are popularly known as “bird’s nest fungi”. In Brazil, there are records of distribution of these organisms in all biomes, but with major concentration in the Amazon and Atlantic rainforest. Most of the studies involving Cyathus are focused in publish new species, formulating a large database that has accumulated over the years. In addition, lack of standardization of morphological characteristics has resulted in numerous misidentifications, and after analyses performed with type specimens, it was observed that there were significant differences between these and the Brazilian samples. Thus, this work aimed to perform an extensive taxonomic revision of Cyathus, reevaluating previously published material for the genus, to identify them correctly. For this, loans from Brazilian fungi collections were made, and surveys were performed in areas of Atlantic Forest in Rio Grande do Norte state. A total of 145 samples from institutional collections were analyzed from materials of several biomes, with exception of the Pantanal, totalizing 31 species occurring in Brazil. All species were listed and discussed in this review. In addition, updated descriptions, photo plates, distribution maps and a dichotomous key for all taxa occurring for Brazil are presented. The distribution of Cyathus was extended to 12 new unexplored areas and two samples were considered as potential taxonomic novelties for the genus. The results obtained in this review allowed the elucidation of existing taxonomic problems and provided an updated database for further works with the genus.

5
  • JULIMAR FREIRE DE FREITAS NETO
  • TAXONOMIA INTEGRATIVA DOS COMPLEXOS GEASTRUM JAVANICUM LÉV. E G. VELUTINUM MORGAN (GEASTRALES, BASIDIOMYCOTA) COM ÊNFASE EM ESPÉCIES NEOTROPICAIS

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • RENATO JUCIANO FERREIRA
  • Data: 31/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • O gênero Geastrum Pers. é o mais representativo (100-120 spp) da família Geastraceae e caracteriza-se fundamentalmente por seus basidiomas com deiscência estrelada, tornando-os conhecidos como “estrelas-da-terra”. Possui distribuição em todos os continentes, com exceção da Antártida, a última estimativa feita em 2019 reportou 71 espécies de Geastrum em território brasileiro, o que representa cerca de 50% das espécies conhecidas. Este gênero apresenta um grande potencial farmacológico e biotecnológico, além da importante participação no ciclo de moléculas como carbono e nitrogênio, reforçando a importância de conhecer e identificar corretamente estes organismos. A identificação de fungos utilizando apenas caracteres morfológicos, em alguns casos tem se revelado insuficiente devido a presença de espécies crípticas e semi-crípticas. As espécies nominais Geastrum javanicum Lév. e Geastrum velutinum Morgan abrigam complexo de espécies, ocultando a diversidade do gênero, sobretudo devido ao emprego desses nomes em espécies distintas e ainda não descritas pela ciência. Assim, foram realizados estudos comparativos utilizando dados moleculares (sequenciamento de regiões do DNA ribossômico) e morfológicas de exsicatas nominadas G. javanicum e G. velutinum, a fim de identificar corretamente os espécimes. As análises foram baseadas em metodologias específicas para Geastrum e acrescentando-se novos caracteres taxonômicos (tamanho das hifas do exoperídio, tamanho da ornamentação dos basidiósporos, cristais encontrados na rizomorfa). Foram analisadas 62 exsicatas nominadas como G. javanicum e G. velutinum, destas, três espécies novas foram identificadas: Geastrum calycicoriaceum, G. tupiense e Geastrum sp. nov. O presente trabalho contribuiu ainda com a geração de novas sequências de Geastrum para a região Neotropical, elucidando a posição destes indivíduos na sistemática do gênero a partir dos estudos morfológicos e filogenéticos, promovendo uma maior compreensão evolutiva e sistemática do grupo.


  • Mostrar Abstract
  • The genus Geastrum Pers. is the most representative (100-120 spp) of the family Geastraceae and is characterized by its basidiomes with starlike dehiscence, making them known as earthstars. It has distribution in all continents except Antarctica. In the last estimate, 71 species of Geastrum were cataloged in Brazilian territory, which represents about 50% of the known species. This genus presents a great pharmacological and biotechnological potential, besides the important role in the cycle of molecules such as carbon and nitrogen, reinforcing the importance of correctly identifying these organisms. The identification of fungi based only on morphological aspects aggravates taxonomic problems such as the cryptic or semi-cryptic species. The nominal species Geastrum javanicum Lév. and Geastrum velutinum Morgan harbor a species complex, concealing the diversity of the genus, mainly due to the use of these names for species not yet described by science. Thus, comparative studies using molecular (sequencing of ribosomal DNA regions) and morphological data from exsiccata named G. javanicum and G. velutinum were performed to correctly identify the specimens. The analyses were based on methodologies specific for Geastrum and adding new taxonomic characters (size of hyphae of the exoperidium, basidiospores ornamentation size, crystals found in the rhizomorph). 62 exsiccates named G. javanicum and G. velutinum have been analyzed and three new species identified: Geastrum calycicoriaceum, G. tupiense e Geastrum sp. nov. The present work can also contribute to the generation of new Geastrum sequences for the Neotropical region, elucidating the position of these individuals in the systematics of the genus from morphological and phylogenetic studies, promoting a greater evolutionary and systematic understanding of the group.

6
  • ERICKA WANNESCKA DOS SANTOS
  • Redução cariotípica em espécies da família Apogonidae (Kutiformes): rearranjos envolvidos e associação com aspectos biológicos do grupo

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • KARLLA DANIELLE JORGE AMORIM
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • Data: 11/10/2021

  • Mostrar Resumo
  • A família Apogonidae (Kurtiformes), conhecida como cardeais, representa um grupo muito diverso de peixes recifais, presente em todos os oceanos. Algumas de suas espécies exibem o raro comportamento de incubação bucal dos ovos, o que pode influenciar no potencial de dispersão das espécies. Este grupo possui cariótipos com valores diploides reduzidos (2n=34-46), mas dados citogenéticos para a família ainda são escassos. Nesse sentido, a ampliação dos dados cromossômicos para a família, envolvendo representantes de diferentes oceanos, representa um modelo evolutivo relevante de evolução cariotípica. Com vista a compreender a evolução cariotípica da família, aqui são apresentados dados citogenéticos que expandem o espectro filogenético, e permitem analisá-los quanto ao potencial dispersivo das espécies e da organização das sequências repetitivas nos cromossomos. Para isso, foram empregadas técnicas citogenéticas convencionais (coloração Giemsa, Ag-RONs e bandamento C); mapeamento de sequências de seis classes de DNA repetitivo (DNAr 18S, DNAr 5S; retrotransposon Rex3; Microssatélites (CA) 15 e (CGG) 10 e sequência telomérica) utilizando-se a técnica de FISH, nas espécies Apogon americanus, Phaeoptyx pigmentaria (Oceano Atlântico), Sphaeramia nematoptera e Pterapogon kauderni (Indo-Pacífico). Os números diploides se mostraram reduzidos (2n=36, A. americanus; 2n=38, P. pigmentaria; e 2n=46, S. nematoptera e P. kauderni), sobretudo nas espécies do Atlântico. As regiões heterocromáticas são reduzidas e as regiões Ag-RONs/DNAr 18S são simples. Os sítios DNAr 18S e 5S se mostram não sintênicos nas espécies do Pacífico e co-localizados em um mesmo par cromossômico nas espécies do Atlântico. As duas sequências microssatélites, bem como Rex3, estão dispersas nos cromossomos. As sequências teloméricas exibiram sítios teloméricos intersticiais (ITS) em A. americanus, indicando uma redução cariotípica mediada pelo mecanismo de fusão in tandem com participação ativa de inversões pericêntricas. A diversidade cariotípica da família contrasta com o conservadorismo numérico de outros grupos de peixes recifais, sugerindo uma possível relação com fatores biológicos (incubação bucal de ovos), que reduzem o potencial dispersivo e favorecem a diferenciação cariotípica do grupo. As particularidades cariotípicas dos Apogonidae amplia o entendimento sobre como fatores biológicos e ambientais (fatores extrínsecos) contribuem como gatilhos para a elevada taxa de diferenciação cromossômica (fatores intrínsecos) em alguns grupos de peixes marinhos.


  • Mostrar Abstract
  • The Apogonidae family (Kurtiformes), known as cardinals, represents a very diverse group of reef fish, present in all oceans. Some of its species exhibit the rare buccal incubation behavior of eggs, which can influence the potential for dispersal of the species. This group has karyotypes with reduced diploid values (2n = 34-46), but cytogenetic data for the family are still scarce. In this sense, the expansion of chromosomal data for the family, involving representatives from different oceans, represents a relevant evolutionary model of karyotype evolution. In order to understand the karyotypic evolution of the family, here are given the cytogenetic data that expand the phylogenetic spectrum, and allow the analysis of the dispersive potential of the species and the organization of repetitive sequences in chromosomes. For this, conventional cytogenetic techniques were used (Giemsa staining, Ag-NORs and C-banding); Fluorescent in situ mapping (FISH) of six repetitive DNA classes (18S rDNA, 5S rDNA; retrotransposon Rex3; Microsatellites (CA) 15 and (CGG) 10 and telomeric sequence), in the species Apogon americanus, Phaeoptyx pigmentaria (Atlantic Ocean), Sphaeramia nematoptera and Pterapogon kauderni (Indo-Pacific). The diploid numbers if decreased (2n = 36, A. americanus; 2n = 38, P. pigmentaria; and 2n = 46, S. nematoptera and P. kauderni), large in Atlantic species. The heterochromatic regions are reduced and the Ag-NORs / 18S rDNA regions are simple. The 18S and 5S rDNA sites are non-synthenic in the Pacific species and co-participant in the same chromosome pair in the Atlantic species. As two microsatellite sequences, as well as Rex3, they are dispersed in chromosomes. The telomeric sequences exhibited interstitial telomeric sites (ITS) in A. americanus, indicating a karyotypic reduction mediated by the tandem fusion mechanism with active participation of pericentric inversions. The family's karyotypic diversity contrasts with the numerical conservatism of other reef fish groups, suggesting a possible relationship with biological factors (buccal egg incubation), which shifts the dispersive potential and favors a karyotypic differentiation of the group. The karyotypic characteristics of Apogonidae broadens the understanding of how biological and environmental factors (extrinsic factors) contribute as triggers for a high rate of chromosomal differentiation (intrinsic factors) in some groups of marine fish.

7
  • DALVAN HENRIQUE LUIZ ROMEIRO
  • Contrastes da evolução cromossômica e diversificação do DNA repetitivo em peixes-anjos (Pomacanthidae, Teleostei)

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLÓVIS COUTINHO DA MOTTA NETO
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • Data: 11/10/2021

  • Mostrar Resumo
  • Processos de estase cariótipica e intensas mudanças cromossômicas exemplificam fenômenos extremos de mudanças cariotípicas. Alguns grupos de peixes marinhos apresentam essas duas condições refletidas nos cariótipos de suas espécies. Um desses grupos, Pomacanthidae apresenta 12% das espécies com cariótipos com elevado grau de conservadorismo do número diploide (2n = 48), mas com estruturas cariotípicas que podem ser muito divergentes. Aqui são apresentados dados citogenéticos de seis espécies da família, Pomacanthus paru, P. arcuatus, Holacanthus tricolor, H. ciliaris, Centropyge aurantonotus (oceano Atlântico), e C. eibli (oceano Índico), obtidos por métodos convencionais e hibridização fluorescente in situ de seis classes de DNA repetitivos (rDNAs, microssatélites, elementos transponíveis, histonas) que demonstram a diversidade cariotípica e padrões contrastantes de evolução cromossômica do grupo. As espécies analisadas compartilham um mesmo número diploide (2n = 48), com cariótipos formados principalmente por cromossomos acrocêntricos, exceto C. aurantonotus que exibe grande profusão de elementos bi-braquiais. Apesar do conservadorismo númérico e estrututral dos cariótpos, ocorreram variações na distribuição e organização de algumas classes de DNA repetitivos. Todas as espécies exibiram apenas um loci DNAr 18S, enquanto que as regiões DNAr 5S se mostraram mais variáveis, ocorrendo na maioria dos cromossomos de C. aurantonotus. Pomacanthus paru e P. arcuatus, com divergência recente exibem cariótipos muito similares, incluindo os arranjos dos sítios 18S DNAr, mas diferem quanto ao posicionamento das regiões DNAr 5S. As espécies de Holacanthus apresentaram considerável variação em número e posição dos sítios de histona H4. A ocorrência de rasgos evolutivos relacionados a estrutura cromossômica e organização de sequências repetitivas em algumas espécies, indicam eventos disruptivos sobre a limitada diversificação cariotípica do grupo, mediados por inversões pericêntricas e processos de heterocromatinização.


  • Mostrar Abstract
  • Karyotypic stasis processes and intense chromosomal changes exemplify extreme phenomena of karyotypic changes. Some groups of marine fishes have both conditions reflected in the karyotypes of their species. One of these groups, Pomacanthidae, presents 12% of the species with karyotypes with a high degree of conservatism in the diploid number (2n = 48), but with karyotype structures that can be very divergent. Here are presented cytogenetic data of six species of the family, Pomacanthus paru, P. arcuatus, Holacanthus tricolor, H. ciliaris, Centropyge aurantonotus (Atlantic ocean), and C. eibli (Indian ocean), obtained by conventional methods and fluorescent in situ hybridization of six repetitive DNA classes (rDNAs, microsatellites, transposable elements, histones) that demonstrate the karyotypic diversity and contrasting patterns of chromosomal evolution of the group. The analyzed species share the same diploid number (2n = 48), with karyotypes formed mainly by acrocentric chromosomes, except for C. aurantonotus, which exhibits a large profusion of bi-brachial elements. Despite the numerical and structural conservatism of karyotypes, there were variations in the distribution and organization of some repetitive DNA classes. All species exhibited only one 18S rDNA loci, while the 5S rDNA regions were more variable, occurring in most chromosomes of C. aurantonotus. Pomacanthus paru and P. arcuatus, with recent divergence, exhibit very similar karyotypes, including the arrangements of the 18S rDNA sites, but differ in the positioning of the 5S rDNA regions. Holacanthus species showed considerable variation in number and position of histone H4 sites. The occurrence of evolutionary traits related to chromosomal structure and organization of repetitive sequences in some species indicate disruptive events on the limited karyotypic diversification of the group, mediated by pericentric inversions and heterochromatinization processes.

Teses
1
  • Xochitl Margarito Vista
  • FUNGOS MICORRIZICOS ARBUSCULARES (GLOMEROMYCOTA) ASSOCIADAS A PLANTAS AQUÁTICAS EM ECOSSISTEMAS LÊNTICOS NEOTROPICAL

  • Orientador : BRUNO TOMIO GOTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ROSILAINE CARRENHO
  • INDRA ELENA ESCOBAR
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • FRANCISCO ADRIANO DE SOUZA
  • PATRICIA OLIVEIRA FIUZA
  • Data: 29/01/2021

  • Mostrar Resumo
  • Os Fungos Micorrizicos Arbusculares (FMA) são amplamente estudados nos ecossistemas terrestres, pela simbiose formada com mais de 80% das espécies vegetais, entretanto, existe pouco estudo sobre os FMA em espécies de macrófitas aquáticas, sobretudo em ambientes lênticos no Brasil. Com o objetivo de testar a hipótese de que ambientes aquáticos tropicais possuem elevada diversidade e colonização de FMA análises de
    diversidade e distribuição de FMA associadas a macrófitas aquáticas em quatro lagoas perenes do Rio Grande do Norte (RN), a fim de verificar a diversidade, composição de espécies além da colonização das raízes das macrófitas que habitam esse peculiar ecossistema foram realizadas. Amostras de sedimento aquático e rizosfera de macrófitas aquáticas foram coletadas durante a estação chuvosa (julho/agosto) 2017. Avaliou-se a composição de espécies, riqueza, abundância e colonização de FMA em macrófitas aquáticas, assim como fatores abióticos da água. Um total de 11,760 glomerosporos foram registrados, em 51 espécies de FMA associadas a 14 hospedeiros vegetais onde 11 estavam colonizadas por FMA. Em geral, Glomus e Acaulospora foram os gêneros mais predominantes, além disso, foram encontradas cinco novos registros de espécies de FMA para os ambientes aquáticos. Algumas espécies, gêneros, famílias e ordens foram indicadoras de determinadas áreas de estudo. A riqueza e abundância de FMA diferiu entre as lagoas, a lagoa do Jiqui foi a mais rica (35 spp. e 5,266 esporos), porém não diferiu quando se considerou o efeito planta. A variável turbidez foi relacionada com a variação da composição de FMA de três lagoas (Azul, Jiqui e Jenipabu), e o sólidos dissolvidos totais (SDT) foi correlacionado com a variação da composição de FMA da lagoa do Boqueirão. Nymphoides indica apresentou uma taxa alta de colonização (99%). A família Cyperaceae apesar de ser considerada não micotrófica apresentou colonização micorrízica (1-97%). Xyridaceae foi registrada como novo hospedeiro em abrigar FMA, e as famílias Nymphaeaceae e Characeae não foram colonizadas. Foi apresentada uma diferença significativa entre os tipos de estrutura de FMA, hifa (%H) foi a mais representativa. A estrutura morfológica tipo paris foi a única e mais frequente nas áreas de estudo. Foi observado uma correlação positiva entre porcentagem de colonização radicular e riqueza e abundância de FMA no sedimento aquático. Os valores altos obtidos no presente estudo mostra que os ambientes aquáticos são ricos em FMA, chamando a atenção para ser mais estudada.


  • Mostrar Abstract
  • Arbuscular Mycorrhizal Fungi (AMF) are widely studied in terrestrial ecosystems, due to the symbiosis formed with more than 80% of plant species, however, there is little study on AMF in aquatic macrophyte species, especially in lentic environments in Brazil. In order to test the hypothesis that tropical aquatic environments have high diversity and colonization of AMF analyzes of diversity and distribution of AMF associated with aquatic macrophytes in four perennial ponds in Rio Grande do Norte (RN), in order to verify diversity, species composition besides the colonization of the roots of macrophytes that inhabit this peculiar ecosystem were carried out. Samples of aquatic sediment and rhizosphere of aquatic macrophytes were collected during the rainy season (July/August) 2017. The composition of species, richness, abundance and colonization of AMF in aquatic macrophytes was evaluated, as well as abiotic factors of water. A total of 11,760 glomerospores were recorded in 51 AMF species associated with 14 plant hosts where 11 were colonized by AMF. In general, Glomus and Acaulospora were predominated genera, in addition, five new records of AMF species were found for aquatic environments. Some species, genera, families and orders were indicative of certain areas of study. The richness and abundance of AMF differed between the ponds, the Jiqui ponds was the richest (35 spp. and 5,266 spores), however it did not differ when considering the plant effect. The turbidity variable was related to the variation in the composition of AMF from three ponds (Azul, Jiqui and Jenipabu), and the total dissolved solids (SDT) was correlated with the variation in the AMF composition of the Boqueirão pond. Nymphoides indica had a high colonization taxa (99%). The Cyperaceae family, despite being considered non-mycotrophic, presented mycorrhizal colonization (1-97%). Xyridaceae was registered as a new host to harbor AMF, and the families Nymphaeaceae and Characeae were not colonized, a significant difference was presented between the types of AMF structure, hyphae (%H) was the most representative. The Paris morphological structure was the only and most frequent in the study areas. A positive correlation was observed between percentage of root colonization and AMF richness and abundance in the aquatic sediment. The high values obtained in the present study show that the aquatic environments are rich in AMF, drawing attention to be more studied.

2
  • DIEGO DE MEDEIROS BENTO
  • Filogeografia de artrópodes troglóbios do oeste da formação Jandaíra, nordeste do Brasil: evolução e conectividade biológica em ambientes subterrâneos como base para ações de conservação

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CHRISTIANE RAMOS DONATO
  • ANTÔNIO MATEO SOLÉ-CAVA
  • LÍVIA MEDEIROS CORDEIRO
  • SANDRO SANTOS
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • Data: 29/06/2021

  • Mostrar Resumo
  • Cavernas sempre despertaram a curiosidade dos cientistas em função dos troglóbios, organismos exclusivamente subterrâneos que frequentemente apresentam distribuição restrita e elevados níveis de endemismo. Eventos paleoclimáticos têm sido apontados como os principais responsáveis pela origem de espécies troglóbias, e o oeste da formação Jandaíra, nordeste do Brasil, alia a ocorrência de extensas áreas cársticas, enorme concentração de cavernas e aquíferos subterrâneos em uma região atualmente semiárida. Esta região é reconhecida pela riqueza e concentração de espécies troglóbias, algumas das quais (isópodes, anfípodes e hemípteros) possuem distribuição relativamente ampla em áreas geológica e hidrologicamente distintas. Por meio de análises filogenéticas e filogeográficas, objetivamos avaliar os padrões de variação genética destes táxons, investigar possível diversidade críptica e delimitar Unidades Taxonômicas Operacionais (UTO´s), bem como indicar os fatores que possivelmente influenciaram sua diversificação. Além disso, objetivamos avaliar o estado de conservação das linhagens e identificar áreas prioritárias para sua conservação. Com exceção de Cirolanidae sp.1 (Isopoda), os demais grupos apresentaram extensa diversidade de linhagens crípticas e, além da identificação de três UTO´s para Cirolanidae sp.2 e cinco para Potiberaba (Amphipoda), K. troglobia (Hemiptera) provavelmente é um complexo com sete espécies crípticas, distribuídas de acordo com as microbacias (táxons aquáticos) e lajedos (Kinnapotiguara). Somente uma pequena parcela das linhagens encontra-se em áreas protegidas, enquanto a maioria ocorre em áreas expostas a ameaças antrópicas e podem ser consideradas ameaçadas de extinção: Cirolanidae sp.1 foi categorizada como Vulnerável, enquanto Cirolanidae sp.2 possui uma linhagem Menos Preocupante (LC) e duas Criticamente Ameaçadas (CR). Para Potiberaba, há duas linhagens LC, uma Em Perigo (EN, P. porakuara) e duas CR, e, para Kinnapotiguara, há quatro linhagens EN e três CR (incluindo K. troglobia). Foram identificadas duas áreas prioritárias para conservação destas linhagens, com destaque para a região da microbacia do riacho do Abreu e lajedo do Rosário, em Felipe Guerra/RN, que abriga metade (oito, sendo seis endêmicas) das linhagens identificadas. O lajedo do Rosário, que pode ser considerado um sistema de cavernas e abriga 24 espécies troglóbias, é um hotspot de biodiversidade subterrânea. Por fim, apresentamos a cartilha “Vida nas CaveRNas”, elaborada como uma estratégia educacional com o objetivo de despertar o interesse sobre as cavernas, seus habitantes e sua conservação.


  • Mostrar Abstract
  • Caves have historically attracted attention of scientists due to troglobites, exclusively subterranean organisms that often have restricted distribution and high levels of endemism. Paleoclimatic events have been pointed out as the main responsible for the origin of troglobitic species, and the west of the Jandaíra formation, northeast of Brazil, combines the occurrence of extensive karst areas, huge concentration of caves and subterranean aquifers in a region that is currently semi-arid. This region is recognized due to the richness and concentration of troglobitic species, some of which (isopods, amphipods and planthoppers) have a relatively wide distribution in geologically and hydrologically distinct areas. Through phylogenetic and phylogeographic analyzes, we aim to assess the patterns of genetic variation of these taxa, investigate possible cryptic diversity and delimit operational taxonomic units (OTU’s), as well as indicate the factors that possibly influenced their diversification. In addition, we aim to assess the conservation status of the lineages and identify priority areas for their conservation. With the exception of Cirolanidae sp.1 (Isopoda), the other taxa showed extensive diversity of cryptic lineages and, in addition to the identification of three OTU’s for Cirolanidae sp.2 and five for Potiberaba (Amphipoda), K. troglobia (Hemiptera) probably is a complex with seven cryptic species, distributed according to microbasins (aquatic taxa) and outcrops (Kinnapotiguara). Only a small portion of the lineages are found in protected areas, while the majority occur in areas exposed to anthropic threats and can be considered endangered: Cirolanidae sp.1 was categorized as Vulnerable, while Cirolanidae sp.2 has one Least Concern (LC) and two Critically Endangered (CR) lineages. For Potiberaba, there are two LC, one Endangered (EN, P. porakuara) and two CR lineages, and, for Kinnapotiguara, there are four EN and three CR (including K. troglobia) lineages. Two priority areas were identified for the conservation of these lineages, with emphasis on the region of Abreu stream microbasin and Rosário outcrop, in Felipe Guerra municipality, which harbor half (eight, six of which are endemic) of the identified lineages. The Rosário outcrop, which can be considered a cave system and harbor 24 troglobitic species, is a new hotspot of subterranean biodiversity. Finally, we present the booklet “Vida nas CaveRNas”, designed as an educational strategy with the aim of arousing interest in caves, their inhabitants and their conservation.

3
  • ALEXANDRE GONÇALVES DOS SANTOS E SILVA FILHO
  • Sistemática filogenética de Lactifluus (Russulales) com ênfase em espécies do norte e nordeste brasileiro

  • Orientador : FELIPE WARTCHOW
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DIRCE LEIMI KOMURA
  • FELIPE WARTCHOW
  • MARCELO ALOISIO SULZBACHER
  • MARIANA CAVALCANTE E ALMEIDA SÁ
  • VAGNER GULARTE CORTEZ
  • Data: 24/09/2021

  • Mostrar Resumo
  • Lactifluus (Rusulaceae, Rusulales) reúne fungos que produzem em sua forma reprodutiva basidioma agaricoide, pleurotoide e gasteroide; e se caracterizam principalmente pela exudação de látex. Lactifluus possui aproximadamente 210 espécies distribuídas principalmente nos trópicos, onde frequentemente faz associação ectomicorrízica com uma ampla variedade de plantas. A diversidade do gênero vem sendo melhor investigada na África e na Ásia, enquanto permanece ainda pouco explorada na região Neotropical. No Brasil, apenas nove espécies de Lactifluus foram descritas ou reportadas para a Amazônia, Mata Atlântica e Caatinga, e outras dez espécies ainda tratadas como Lactarius necessitam ser revisadas e confirmadas. Com isso, o projeto proposto visou sistematizar e interpretar o gênero Lactifluus a partir de análises morfológicas e moleculares, com o incremento de novas coletas e a revisão de coleções de herbário provenientes dos diferentes biomas das regiões Norte e Nordeste do Brasil. As análises basearam-se em dados morfológicos e moleculares de dez espécimes depositados nos Herbários PACA, INPA JPB, UFRN-Fungos e URM; e de 31 espécimes coletados em diferentes ecossistemas da Amazônia, Caatinga e Mata Atlântica. A revisão morfológica das coleções herborizadas resultou na recombinação de Lactifluus amazonensis, Lactifluus brasiliensis, Lactifluus braunii, Lactifluus mamorensis, Lactifluus rupestres e Lactifluus russula; e na designação de um lectótipo para Lf. annulifer, Lf. braunii e Lf. russula. Novas amostras coletadas resultaram na identificação e no sequenciamento de Lf. amazonensis, Lf. annulifer, Lactifluus dunensis, Lactifluus lepus, Lactifluus mamorensis e Lactifluus neotropicus. Outras 11 espécies são propostas como novas para a ciência, e são elas: Lactifluus aurantioceraceus nom. prov., Lactifluus brunneoruber nom. prov., Lactifluus candidus nom. prov., Lf flavuscaespitosus nom. prov., Lactifluus guttulatus sp. nov., Lactifluus perforatus nom. prov., Lactifluus piperogalactus sp. nov., Lactifluus reniformis nom. prov., Lactifluus restingae nom. prov., Lactifluus sphatuliformis sp. nov. e Lactifluus umbilicatus sp. nov. A análise molecular das regiões ITS, LSU e RPB2 do DNA dos espécimes coletados confirmam as espécies citadas como linhagens distintas em Lactifluus, estando elas distribuídas em cinco diferentes clados nos subgêneros Gymnocarpi, Lactariopsis e Pseudogymnocarpi. Além disso, os estudos filogenéticos dos espécimes coletados deram suporte para a delimitação de duas seções: Lactifluus secão Piperogalacti sec. nov. e Lactifluus seção multicepis nom prov.; e para a emenda de Lactifluus sect. Panuoidei.


  • Mostrar Abstract
  • Lactifluus (Rusulaceae, Rusulales) groups fungi that produce in their reproductive form agaricoid, pleurotoid and gasteroid basidiomata, mainly characterized by latex exudation. Lactifluus has approximately 210 species distributed mostly in the tropics, where they frequently form ectomycorrhizal association with a wide variety of plants. The diversity of the genus has been better investigated in Africa and Asia, while remains underexplored in Neotropical region. In Brazil, only nine Lactifluus species were described or reported from Amazon, Atlantic Forest and Caatinga, and another ten species still treated as Lactarius needed to be revised and confirmed. Thus, the proposed project aimed to systematize and interpret the genus Lactifluus from morphological and molecular analysis, with the increase of new collections and review of collection of Herbaria from different biomes in the North and Northeast regions of Brazil. The analyzes were based on morphological and molecular data from ten specimens deposited in the PACA, INPA, JPB UFRN-Fungos and URM Herbaria; and also of 31 specimens collected in different ecosystems of Amazonia, Caatinga and Atlantic Forest. The morphological review of herborized collections resulted in recombination of Lactifluus amazonensis, Lactifluus brasiliensis, Lactifluus braunii, Lactifluus mamorensis, Lactifluus russula and Lactifluus rupestris; and in the designation of one lectotype for Lactifluus annulifer, Lf. braunii and Lf. russula. New sample resulted in the identification and sequencing of Lf. amazonensis, Lf. annulifer, Lactfluus dunensis, Lactifluus lepus, Lactifluus neotropicus and Lactifluus mamorensis. Another 11 species were proposed as new to science: Lactifluus aurantioceraceus nom. prov., Lactifluus brunneoruber nom. prov., Lactifluus candidus nom. prov., Lactifluus flavuscaespitosus nom. prov., Lactifluus guttulatus sp. nov., Lactifluus perforatus nom. prov., Lactifluus piperogalactus sp. nov., Lactifluus reniformis nom. prov., Lactifluus restingae nom. prov., Lactifluus sphatuliformis sp. nov. and Lactifluus umbilicatus sp. nov. Molecular analysis of the ITS, LSU and RPB2 DNA regions of the collected specimens confirm the distinct lineages of the cited species in Lactifluus, in which are distributed in five different clades in the subgenera Gymnocarpi, Lactariopsis and Pseudogymnocarpi. Furthermore, the phylogenetic analyses of the collected specimens provided support for delimitation of two sections: Lactifluus section Piperogalacti sec. nov. and Lactifluus section multicepis nom prov.; and emend of Lactifluus sect. Panuoidei.

4
  • RENATA CLICIA DOS SANTOS COSTA
  • Filogenia de Collembola (Arthropoda, Hexapoda) baseada em mitogenomas completos e novas espécies de Entomobrya Rondani (Entomobryomorpha: Entomobryidae)

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANAMARIA DAL MOLIN
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • RENATA ANTONACI GAMA
  • RONIERE ANDRADE DE BRITO
  • RUDY CAMILO NUNES
  • Data: 10/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Os colêmbolos são pequenos artrópodes hexápodes que surgiram no Devoniano e são considerados um dos táxons de invertebrados terrestres mais antigos. Collembola é amplamente distribuída e atualmente conta com mais de 9.300 espécies descritas no mundo. O monofiletismo de Collembola é amplamente aceito, uma vez que o grupo possui sinapomorfias importantes, como o colóforo, fúrcula e tenáculo, entre outras. Atualmente Collembola é representada por quatro ordens, Entomobryomorpha, Poduromorpha, Symphypleona e Neelipleona, no entanto, o relacionamento entre estas ordens e entre seus grupos internos ainda não está totalmente claro. O principal objetivo deste trabalho é propor uma hipótese filogenética para as ordens e famílias de Collembola com base em mitogenomas completos, com ênfase nos Entomobryoidea. Para isso, foram utilizadas 105 sequências de genomas mitocondriais completos disponíveis no GenBank, das quais 101 pertenciam a Collembola e quatro eram sequências de Diplura e Protura que foram utilizados como grupos externos. As análises filogenéticas foram conduzidas por análise de Máxima Verossimilhança utilizando os 13 genes codificantes proteicos que juntos compõem o DNAmt (mitogenoma). Os resultados corroboraram com o monofiletismo de Collembola e traz Diplura como seu grupo-irmão. Entomobryomorpha e Poduromorpha foram recuperadas como polifiléticas, com posições inesperadas de Oncopoduridae e Tullbergiidae; Symphypleona e Neelipleona foram recuperadas como monofiléticas e ocuparam posições basais na filogenia. O clado Entomobryoidea + Isotomidae foi recuperado, porém o monofiletismo de Isotomidae não foi recuperado. Orchesellidae reuniu as subfamílias com e sem escamas; Entomobryidae foi resgatada como parafilética e Paronellidae como polifilética, com os Salininae entre os Entomobryinae; por fim, o agrupamento Seirinae + Lepidocyrtinae foi recuperado.


  • Mostrar Abstract
  • Springtails are small hexapods which emerged during the Devonian and are considered one of the oldest taxa of terrestrial invertebrates. Collembola is widely distributed and currently holds more than 9,300 described species in the world. Collembola monophyly is widely accepted, since the group show important and clear synapomorphies, like the colophore, furcula and tenaculum, among others. Currently Collembola is represented by four orders, Entomobryomorpha, Poduromorpha, Symphypleona and Neelipleona, however, the relationship between these orders and among their internal groups are not resolved. The main objective of this study is to propose a phylogenetic hypothesis for the Collembola orders and families based on complete mitogenomes, with emphasis on Entomobryoidea. For this, 105 sequences of complete mitochondrial genomes available in GenBank were used, of which 101 belong to Collembola and four from Diplura and Protura used as outgroups. Phylogenies were based on Maximum Likelihood analysis using the 13 protein coding genes that together almost correspond to the entire DNAmt (mitogenome). The results corroborate Collembola's monophyly and show Diplura as its sister group. Entomobryomorpha and Poduromorpha were recovered as polyphyletic, with unexpected positions of Oncopoduridae and Tullbergiidae; Symphypleona and Neelipleona as monophyletic and on basal positions in the phylogeny. The Entomobryoidea + Isotomidae clade was recovered, but the monophyly of Isotomidae has not been recovered. Orchesellidae gathered the subfamilies with and without scales; Entomobryidae was recovered as paraphyletic and Paronellidae as polyphyletic, with Salininae among Entomobryinae; finally, the Seirinae + Lepidocyrtinae grouping was recovered.

2020
Dissertações
1
  • NATHÁLIA MICHELLY DA CUNHA SANTOS
  • Novas espécies de Trogolaphysa Mills, 1938 (Collembola) de um complexo de cavernas em Minas Gerais, Brasil

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • RUDY CAMILO NUNES
  • Data: 14/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Entomobryoidea é a maior superfamília de Collembola, sendo também a mais representativa para táxons cavernícolas. O gênero Trogolaphysa Mills, 1935 (Entomobryoidea, Paronellidae) pode ser encontrado em cavernas neotropicais e possui três espécies cavernícolas registradas para o sudeste do Brasil, sendo uma delas T. hauseri Yosii, 1988, espécie troglomórfica considerada vulnerável pelo Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. A identificação e descrição da fauna subterrânea é importante para a conservação ambiental, uma vez que cada ecossistema cavernícola possui características particulares e pode abrigar táxons endêmicos. Este estudo busca descrever novas espécies de Trogolaphysa de um complexo de cavernas inserido em um remanescente de Mata Atlântica no Carste Lagoa Santa, Minas Gerais no sudeste do Brasil. Os espécimes foram coletados em cavernas do município de Matozinhos nas estações secas (2017) e úmidas (2018). O material foi montado em lâminas semipermanentes, estudado e desenhado sob microscópio óptico. Foram encontradas quatro novas espécies de Trogolaphysa. Trogolaphysa sp. nov. 1 é diagnosticada pela presença de 8+8 olhos, cabeça com macrocerdas A0, A3, S5 e Pa5, 21–23 espinhos no órgão metatrocanteral, unguículo lanceolado com borda externa serrilhada e 22–24 espinhos internos no dente da fúrcula; Trogolaphysa sp. nov. 2 pela presença de 8+8 olhos, cabeça com macrocerdas A0, A2, S3, Pa5 e Pm3, 20 espinhos no órgão metatrocanteral, unguículo lanceolado com borda externa serrilhada e presença de 22–33 espinhos internos no dente da fúrcula; Trogolaphysa sp. nov. 3 é diagnosticada pela ausência olhos e pigmentos, cabeça com macrocerdas A0, A2, S3 (S3 também como microcerda), Pa5 e Pm3,tórax II com 3 macrocerdas no complexo p3, 18 espinhos no órgão metatrocanteral, unguículo truncado com borda externa lisa e presença de 21–23 espinhos internos no dente da fúrcula; e Trogolaphysa sp. nov. 4 é diagnosticada pela presença de 8+8 olhos, cabeça com macrocerdas A0, A2, S3S5, Pa5 e Pm3,tórax II com 4–6 macrocerdas (2–3 delas no complexo p3), 32 espinhos no órgão metatrocanteral, unguículo lanceolado com borda externa lisa e presença de 33–36 espinhos internos no dente da fúrcula. Os novos registros e descrições de espécies, especialmente Trogolaphysa sp. nov. 3 que apresenta claros troglomorfismos (ausência de olhos e pigmento corporal), sugerem que parte das cavernas estudadas podem apresentar fauna endêmica, e portanto, estas podem ser consideradas áreas prioritárias para conservação, devendo ser poupadas de exploração e outras atividades antrópicas.


  • Mostrar Abstract
  • Entomobryoidea is the largest superfamily of Collembola and the most representative considering cave taxa. Trogolaphysa Mills, 1935 (Entomobryoidea, Paronellidae) is commonly found in Neotropical caves and there are three cave species registered from southeastern Brazil, of which T. hauseri Yosii, 1988 is considered vulnerable by the Brazilian Red Book of Endangered Fauna. In this sense the identification and description of subterranean fauna is important for conservation of an area since each cave ecosystem has particular features and could hold endemic taxa. This study aims to describe new species of Trogolaphysa from a cave complex, Lagoa Santa Karst, Minas Gerais, southeastern Brazil. Specimens were collected from caves in Matozinhos municipality during the dry season (2017) and wet season (2018). The material was mounted on slides, analysed and drew under an optical microscope. Four new species of Trogolaphysa were found and described. Trogolaphysa sp. nov. 1 is diagnosed by 8+8 eyes, head with macrochaetae A0, A3, S5 and Pa5, 21–23 spines on trochanteral organ, unguiculus lanceolate with serrated external edge and 22–24 inner spines on dens; Trogolaphysa sp. nov. 2 present  8 + 8 eyes, head with macrochaetae A0, A2, S3, Pa5 and Pm3, 20 spines on trochanteral organ, unguiculus lanceolate with external serrated edge and 22–33 inner spines on dens; Trogolaphysa sp. nov. 3 is diagnosed by absence of eyes and pigments, head with macrochaetae A0, A2, S3 (S3 as microchaeta in some specimens), Pa5 e Pm3,  thorax II with three macrochaetae on p3 complex, 18 spines on trochanteral organ, unguiculus truncate with smooth external edge and 21–23 inner spines on dens; and Trogolaphysa sp. nov. 4 is diagnosed by 8+8 eyes, head with macrochaetae A0, A2, S3, S5, Pa5 e Pm3, thorax II with 4–6 macrochaetae (2–3 macrochaetae on p3 complex), 32 spines on trochanteral organ, unguiculus lanceolate with smooth external edges and 33–36 inner spines on dens. The new records and descriptions of species, especially Trogolaphysa sp. nov. 3 bearing clear troglomorphisms (absence of eyes and body pigment) suggests some sampled caves possibly hold endemic fauna and therefore such areas could be considered priority areas for conservation which should be spared of exploration and other anthropic activities.

2
  • JÉSSICA FERNANDA RAMOS COELHO
  • Nicho abiótico e efeitos do aquecimento global em Riorajini (Rajiformes, Arhynchobatidae), raias do Atlântico Sudoeste

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • FRANÇOISE DANTAS DE LIMA
  • MARIA CRISTINA ODDONE
  • Data: 20/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • O nicho abiótico de espécies conta parte de sua história ecológica e evolutiva, bem como pode ajudar a identificar grupos mais susceptíveis à extinção em um contexto de rápidas mudanças climáticas. Espécies marinhas de ambientes temperados estão entre as mais vulneráveis, pois o estresse térmico e demais impactos em cascata do aquecimento global podem resultar em perda de habitat e deslocamento de distribuição geográfica para maiores latitudes. A tribo Riorajini é composta por quatro espécies de raias marinhas – classificadas pela IUCN como vulneráveis ou em perigo de extinção – que coocorrem no sudoeste Neotropical do Atlântico: Atlantoraja castelnaui, A. cyclophora, A. platana e Rioraja agassizii. A presente dissertação, dividida em dois capítulos, usa esse agrupamento como modelo de estudos ecológico-evolutivos. No primeiro capítulo, questiona-se o conservatismo filogenético de nicho para um clado de espécies potencialmente competidoras em simpatria. Tratando-se de espécies filogeneticamente próximas, espera-se que uma baixa sobreposição de nicho reduza competição interespecífica. No segundo capítulo, estimaram-se os impactos das mudanças climáticas sobre a atual distribuição geográfica da tribo Riorajini. Modelos de nicho ecológico para cada espécie do grupo foram desenvolvidos sob condições geofísicas e climáticas atuais e futuras (2100, sob cenário climático extremo) do ambiente marinho. Dados ambientais e de ocorrência das espécies foram compilados de bancos de dados públicos e literatura. Análises de sobreposição e deslocamento de nicho foram conduzidas a níveis inter- e intraespecíficos. Os resultados indicam conservatismo filogenético de nicho no qual águas rasas, proximidade da costa e baixa concentração de nitrato são as variáveis mais importantes para a ocorrência das espécies. Em um cenário climático futuro projetado, as áreas de maior adequabilidade ambiental à ocorrência de cada espécie analisada aumentam em até 20% em direção a áreas de maior profundidade, sugerindo que esse clado resistirá ao estresse térmico decorrente do aquecimento global. Apesar disso, estudos futuros devem considerar efeitos combinados do aumento da temperatura a outros fatores potencialmente determinantes à coexistência dessas espécies, como a disponibilidade de presas.


  • Mostrar Abstract
  • The abiotic niche of species tells part of their ecological and evolutionary history, as well as helps to identify groups that are more susceptible to extinction in a context of a rapidly changing climate. Marine species from temperate regions are among the most vulnerable taxa because habitat loss as a consequence of thermal stress and other cascading impacts can constrain the availability of suitable area of occurrence, or result in distribution shift towards higher latitudes. The tribe Riorajini comprises four species of neotropical skates that are evaluated by IUCN as vulnerable or endangered, and cooccur in the subtropical Atlantic Ocean: Atlantoraja castelnaui, A. cyclophora, A. platana and Rioraja agassizii. The present dissertation is divided into two chapters and uses this group as a model for eco-evolutionary studies. In the first chapter, phylogenetic niche conservatism is questioned for a clade of sympatric and competitive sister-species. Low niche overlap was expected to reduce interspecific competition between closely-related species. The second chapter assessed the impacts of climate change on the current geographical distribution of the tribe Riorajini. Ecological niche models for each species of the group were developed under current and future (2100, for the most extreme scenario) geophysical and climatic conditions of the marine environment. Environmental data and species occurrence data were compiled from public databases and literature. Niche shift and overlap were measured within and between species. Results indicate phylogenetic niche conservatism in which shallow waters, proximity to the coast, and low nitrate concentration are the most important variables for the occurrence of these species. Under the future climatic scenario projected, the areas of higher environmental suitability for the occurrence of each species analysed increases up to 20% towards deeper areas, suggesting that this clade will resist the thermal stress resulting from global warming. Nevertheless, future studies should consider the combined effects of temperature increase with other factors potentially determining the coexistence of these species, such as prey availability.

3
  • LUCAS SILVA DE MEDEIROS
  • Descrição de duas novas espécies de bagrinhos do gênero Microcambeva Costa & Bockmann (Siluriformes: Trichomycteridae) de bacias costeiras do sudeste da Mata Atlântica

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • JULIANO FERRER DOS SANTOS
  • LEANDRO VILLA VERDE DA SILVA
  • Data: 28/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Representado por seis espécies nominais, o gênero Microcambeva compreende pequenos bagres psamófilos e endêmicos de bacias costeiras da Mata Atlântica no sudeste do Brasil, ocorrendo desde o norte do Estado do Paraná até o extremo sul da Bahia. Coletas recentes elencaram novos exemplares do gênero nas porções médias das bacias do rio Doce, nos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo e na bacia do rio Guapi-Macacu no Estado do Rio de Janeiro que representam novas espécies. A nova espécie, Microcambeva sp. n. “Doce” é facilmente diagnosticada de todos os congêneres, por possuir barbilhões nasais, maxilares e rictais de tamanho médio e pelo padrão de coloração cefálico assemelhar-se a um coração. Distingue-se de M. ribeirae e M. filamentosa, exceto das espécies do “Clado M. draco”, por possuir uma ossificação na porção anterior do autopalatino. Difere de M. barbata¸ exceto de M. mucuriensis, M. jucuensis e M. draco por possuir ossificação do autopalatino rudimentar. Difere de M. mucuriensis e M. draco, exceto M. jucuensis, por possuir o processo anterior do opérculo bifurcado. Por fim, difere de M. jucuensis por possuir nove odontódeos operculares. Microcambeva sp. n. “Guanabara” é facilmente diagnosticada das demais espécies, exceto M. ribeirae e M. filamentosa pela ausência de uma pequena ossificação na porção superior do autopalatino e pela fusão do poro supraorbital s6, na porção central da cabeça. Distingue-se de todas espécies, exceto M. ribeirae¸ por possuir o primeiro raio da nadadeira peitoral não modificado em filamento enquanto nas demais espécies os filamentos podem varia de 5% a 80% maiores que os demais raios. Microcambeva sp. n. “Guanabara” difere de M. filamentosa, por possuir oito odontódeos na placa opercular e inter-opercrular. A nova espécie difere de M. ribeirae por possuir um barbilhão rictal alongado, alcançando a porção anterior da placa inter-opercular de odontódeos, origem da nadadeira anal verticalmente na 19ª vértebra e três manchas formadas por cromatóforos marrons escuros na porção média do tronco três manchas.


  • Mostrar Abstract
  • Represented by six species, the genus Microcambeva comprises small psamophilic catfishes endemics of costal basins of Antlantic
    forest, southeastern Brazil, occurring from north of Paraná state until to south extreme of Bahia state. Recent samplings listed new records of the genus in median
    portions in Doce river basin, states of Minas Gerais and Espírito Santo, and in Guapi-Macacu river basin, in state of Rio de Janeiro, represents a new species. A new
    specie, Microcambeva sp. n. “Doce” easily diagnosed from all congeners for nasal, maxillary and rictal barbells medium in size and by the cephalic staining pattern a
    heart. Distinguish from M. ribeirae and M. filamentosa, except of species “Clade M. draco” for presenting ossification in anterior poriton of autopalatine. Differ, M.
    barbata¸ except de M. mucuriensis, M. jucuensis and M. draco for presenting ossification on autopaletine rudimentary. Differ of M. mucuriensis and M. draco, except
    M. jucuensis for anterior process of opercle forked. Distinguish from M. jucuensis for nine odontodes opercle. Microcambeva sp. n. “Guanabara” easily diagnosed from
    other species, except M. ribeirae and M. filamentosa for absence ossification on anterior portion of autopalatine and fusion of supraorbital pore s6, in central portion of
    head. Distinguish from all species, excepted M. ribeirae, pectoral din ray not modified in filament, in all species the first ray may change to 5%-80%. Microcambeva sp.
    n. “Guanabara” differs M. filamentosa for eight odontodes in opercular and interocular patch. The new species differs from M. ribeirae for a rictal barbell elongated,
    reaching anterior portion of interopercular patch, origin of anal fin verticality in 19th vertebra and a patterns color formed for dark chromatophores in median of trunk.

4
  • VALÉRIA FONSECA VALE
  • Regras macroecológicas em caranguejos ermitões do Atlântico Ocidental

  • Orientador : FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • PABLO ARIEL MARTINEZ
  • TIEGO LUIZ DE ARAÚJO COSTA
  • Data: 28/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • Duas regras macroecológicas são fortemente relacionadas a morfologia dos organismos: a regra de Bergmann e a regra de Rensch. A regra de Bergmann afirma que os organismos são maiores em regiões mais frias (altas latitudes). A Regra de Rensch afirma que o dimorfismo sexual de tamanho aumenta quando os machos são maiores. Além do tamanho corporal, a forma do corpo é uma covariável nos taxa. Dessecação, temperatura, gastos energéticos distintos de crescimento, reprodução e história de vida podem influenciar o viés destas regras. Alguns organismos que têm seu crescimento mediado por abrigo, os ermitões por exemplo, têm uma relação de metabiose obrigatória com conchas de gastrópodes tornando-se excelentes modelos para avaliar padrões macroecológicos e evolutivos frente à estas restrições. Assim, este estudo objetiva testar os padrões das regras de Bergmann e de Rensch em três espécies de ermitões do gênero Clibanarius (C. antillensis, C. sclopetarius e C. symmetricus) no Atlântico Ocidental em macro e microescala evolutiva. Com dados de tamanho corporal (literatura e in situ) foram designados modelos de regressão para avaliar as regras isoladas e conjuntamente e os tipos de abrigos utilizados. Além do tamanho, a abstração da forma foi empregada nas investigações in situ. Na avaliação da divergência específica do sexo em resposta aos gradientes latitudinais (regras de Bergmann e Rensch conjuntamente), a latitude magnificou o efeito corporal interpopulacional em fêmeas. Sugere-se que a variação de tamanho corporal pode ser modulada pela seleção de fecundidade em fêmeas independentemente do tipo de abrigo.


  • Mostrar Abstract
  • Body size is one of the fundamental eco-evolutionary variables of species and populations, reflecting the life history of taxa, i.e. physiological variations and fitness traits. Two macroecological rules are strongly related to the body size of organisms: Bergmann and Rensch. Bergmann’s rule states that organisms are larger in colder regions (high latitudes). The Rensch’s rule states that sexual size dimorphism increases when males are larger. In addition to body size, body shape is a covariate in taxa. Desiccation, temperature, distinct energy expenditures during growth, reproduction and life history can all influence the bias of these rules. Some organisms that have their growth mediated by shelter, hermit crabs, for example, have a mandatory metabiosis relationship with gastropod shells, making them excellent models for assessing macroecological and evolutionary patterns in the face of these constraints. Using body size data (literature and in situ), regression models were designed to evaluate the rules separately and their interaction and types of used shelters. In addition to size, shape abstraction was used in investigations in situ data (sexual dimorphism). The three species of Clibanarius showed interpopulation clines consistent with Bergmann’s rule. There was no sexual size dimorphism for Clibanarius between or within species and for evaluation of Rensch’s rule, C. antillensis revealed an inverse pattern to the rule. In the assessment of sex-specific divergence in response to latitudinal gradients, latitude magnified the interpopulation body effect in females. This reveals that body size variation is modulated by fecundity selection.

5
  • FERNANDA GONDIM LAMBERT MOREIRA
  • e-Flora das Trepadeiras da Estação Ecológica do Seridó, Rio Grande do Norte, Brasil

  • Orientador : FERNANDA ANTUNES CARVALHO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • FERNANDA ANTUNES CARVALHO
  • RUBENS TEIXEIRA DE QUEIROZ
  • Data: 17/04/2020

  • Mostrar Resumo
  • As florestas tropicais sazonalmente secas (FTSS) são formações amplamente distribuídas ao longo da região tropical. No Brasil, são representadas pela Caatinga, que apresenta uma grande riqueza e endemismo de angiospermas dentre as FTSS Neotropicais. No entanto, apenas uma pequena parcela (7,8%) da sua área total é protegida. O bioma também segue deficiente quanto ao estudo da flora, principalmente em áreas remotas e negligenciadas cientificamente, como a região do Seridó. Localizada entre os estados do Rio Grande do Norte (RN) e Paraíba (PB), a região do Seridó possui uma diversidade florística subestimada, principalmente em componentes não arbóreos, como as trepadeiras. Diante deste cenário, é indispensável aumentar esforços nos levantamentos de flora, principalmente em áreas remotas e historicamente negligenciadas cientificamente. A realização dessas medidas beneficia a divulgação das informações taxonômicas dessas regiões, e consequentemente, favorece ações de conservação da flora local. Deste modo, o trabalho proposto tem como objetivos: realizar um levantamento das trepadeiras da Estação Ecológica do Seridó, unidade de conservação federal localizada no estado do Rio Grande do Norte, bem como disponibilizar uma chave de identificação de múltiplo acesso online, tratamento taxonômico e guias de campo para as espécies existentes na unidade. Para isso, foram realizadas coletas entre 2018 e 2019 bem como consulta de material depositado no herbário UFRN. Ao todo, foram listadas 52 espécies de trepadeiras, dentre elas, 32 herbáceas e 20 lenhosas. Dentre essas espécies, cinco são novas ocorrências para o estado, bem como um gênero (Tetrapterys). Além disso, houve um aumento de 23,1% o número de espécies em relação ao checklist anterior realizado na unidade. A chave de identificação segue depositada na plataforma online do Xper³ (disponível em:
    xper3.fr/xper3GeneratedFiles/publish/identification/-4505993480748774750/mkey.html), e a flora completa, juntamente com os demais produtos serão disponibilizados no site do projeto “E-flora da ESEC do Seridó”, facilitando o acesso aos mais diversos públicos.


  • Mostrar Abstract
  • Seasonally dry tropical forests (SDTF) are widely distributed throughout the tropical region. In Brazil, this formation is represented by the Caatinga, which presents a great richness and endemism of angiosperms among the Neotropical SDTF. However, only a small portion (7.8%) of its total area is protected. The biome is also deficient in the study of flora, especially in remote and scientifically neglected areas, such as the Seridó region. Located between the states of Rio Grande do Norte (RN) and Paraíba (PB), the Seridó region has an underestimated floristic diversity, mainly in non-tree components, such as climbers. Given this scenario, it is essential to increase efforts in surveying flora, especially in remote and historically neglected areas. The implementation of these measures benefits the dissemination of taxonomic information from these regions, and consequently, favors actions for the conservation of local flora. Thus, the proposed work aims to: survey the climbers of the Seridó Ecological Station, a federal conservation unit located in the state of Rio Grande do Norte, as well as providing a multi-access key, taxonomic treatment and guides field for the species existing in the unit. For this, collections were carried out between 2018 and 2019 as well as consultation of material deposited in the UFRN herbarium. Altogether, 52 species of climbers were listed, among them, 32 herbaceous and 20 woody. Among these species, five are new occurrences for the RN, as well as one genus (Tetrapterys). In addition, there was an increase of 23.1% the number of species in relation to the previous checklist performed at the unit. The identification key is already available on the Xper³ online platform (available at: xper3.fr/xper3GeneratedFiles/publish/identification/-4505993480748774750/mkey.html) and the complete flora, together with the others products will be made available on the website of the “E-flora of ESEC do Seridó” project, facilitating access to the most diverse audiences.

6
  • THAÍS FERREIRA PINTO DE ARAÚJO
  • Da ginga à sardinha: etnoictiologia e sistemática molecular de pequenos peixes de valor cultural da costa brasileira

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARINA VIANNA LOEB
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • UEDSON PEREIRA JACOBINA
  • Data: 23/04/2020

  • Mostrar Resumo
  • A avaliação de estoques pesqueiros para o manejo sustentável e medidas conservacionistas são feitas através da estatística pesqueira, que demanda dados confiáveis e é, na maioria dos casos, baseada em nomes populares. Entretanto, dados básicos como taxonomia, nomes populares, distribuição geográfica e delimitação de estoques, por exemplo, muitas vezes não estão disponíveis comprometendo o manejo pesqueiro. Assim, esse trabalho une etnoictiologia e análises filogeográficas de dois táxons de clupeídeos Opisthonema oglinum e Harengula spp. com o objetivo de identificar seus nomes populares e investigar seus padrões filogeográficos, no intuito de delimitar estoques pesqueiros na costa brasileira. No primeiro capítulo, descrevo a percepção dos pescadores e dos consumidores locais acerca da ginga, que são pequenos peixes costeiros que compõem o prato típico “ginga com tapioca”, patrimônio imaterial do Estado do Rio Grande do Norte. Através de entrevistas e obtenção de espécimes em feiras ou mercados de peixe de seis localidades, em três estados do nordeste brasileiro, verifiquei que ginga
    consiste em indivíduos juvenis de algumas espécies de sardinhas e arenques, e que a única diferença entre ginga e sardinha é o tamanho, representando a ginga os peixes menores e a sardinha os maiores, às vezes da mesma espécie. O termo é basicamente restrito à região metropolitana de Natal. Além disso, a ginga pode ser considerada uma “espécie culturalmente importante” e, consequentemente, deve estar entre as espécies-alvo para conservação e manejo local. No segundo capítulo,
    comparo os padrões filogeográficos dos dois grupos mais representativos da ginga, O. oglinum e Harengula spp., ao longo de suas supostas distribuições no Atlântico Oeste, dos EUA até o sul do Brasil, usando marcadores mitocondriais. Ademais, investigo quantos estoques pesqueiros existem desses táxons na costa brasileira e no arquipélago oceânico de Fernando de Noronha. Nesse arquipélago, onde as sardinhas são usadas como isca para pesca artesanal, um conflito entre os pescadores e os órgãos ambientais está em andamento, e a carência de dados básicos, inclusive a identidade das espécies, é fundamental para o manejo sustentável. Nossos resultados apontam O. oglinum como sendo uma única espécie em todo o Atlântico Oeste e com estruturação populacional entre Brasil, EUA+México e Bermudas, e Harengula como sendo três espécies, Harengula clupeola e H. jaguana na América do Norte e Caribe e uma distinta espécie no Brasil. Além do que, a datação da separação entre as espécies de Harengula do hemisfério norte e do Brasil coincide com o aumento do fluxo de desague dos rios Amazonas e Orinoco. Com esses resultados é possível observar que, apesar da biologia similar, O. oglinum e Harengula spp. não apresentam o mesmo padrão filogeográfico e devem ser manejadas de maneira distinta.


  • Mostrar Abstract
  • The assessment of fishery stocks for sustainable management and conservation measures are made using fishery statistics, which requires reliable data and is, in most cases, based on popular names. However, basic data such as taxonomy, popular names, geographical distribution, and delimitation of stocks, for example, often are not available, which compromise fishery management. Thus, this project combines ethnoichthyology and phylogeographic analyses of two clupeids Opisthonema oglinum and Harengula spp. to identify their popular names and investigate their phylogeographic patterns, and then delimit fish stocks on
    the Brazilian coast. In the first chapter, I describe the perception of fishers and local consumers of what is “ginga”, which are small coastal fish and are part of the typical dish “ginga com tapioca”, an intangible cultural heritage of the Rio Grande do Norte state. Through interviews and specimens at fish markets in six locations in three states of northeastern Brazil, I found that “ginga” consists of juvenile individuals of some sardine and anchovy species, and that the only difference between “ginga” and sardine is the size, “ginga” representing the smaller fishes and sardines the larger, sometimes of the same species. The popular name is basically restricted to the metropolitan region of Natal city. In addition, the “ginga” can be considered a "culturally important species" and, therefore, should among the target species for conservation and local management. In the second chapter, I compare the phylogeographic patterns of the two most representative groups of “ginga”, O. oglinum and Harengula spp., along their supposed Western Atlantic distributions using mitochondrial markers. In addition, I investigate how many stocks of these taxa are on the Brazilian coast and in the oceanic archipelago of Fernando de Noronha. In this archipelago, where sardines are used as bait for artisanal fishing, a conflict between fishermen and environmental agencies is underway, and the lack of basic data, including the identity of the species, is essential for sustainable management. Our results indicate O. oglinum as a single species in the entire Western Atlantic and with population structure between Brazil, USA + Mexico and Bermuda, and Harengula as three species, Harengula clupeola and H. jaguana in North America and the Caribbean and one distinct species in Brazil. Furthermore, the date of separation between the Harengula species in the northern hemisphere and Brazil coincides with the increased discharge of the Amazon and Orinoco rivers. With these results it is possible to observe that, despite the similar biology, O. oglinum and Harengula spp. they do not have the same phylogeographic pattern and must be handled differently.

7
  • GLAICON DE SOUSA SANTOS
  • Aspectos citogenéticos de peixes das famílias Gempylidae e Balistidae do Arquipélago de São Pedro e São Paulo, região Meso-Atlântica

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • RODRIGO XAVIER SOARES
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • Data: 04/06/2020

  • Mostrar Resumo
  • Apesar do acúmulo de informações citogenéticas, que já ultrapassam 3.000 espécies, diferentes grupos de peixes, independente de sua diversidade, ainda são carentes de informações citogenéticas úteis em inferências evolutivas. Entre esses grupos, famílias pouco diversas como Gempylidae (Scombriformes) com 16 gêneros e 26 espécies meso ou bentopelágicas e relativa importância na pesca comercial, não possui qualquer informação citogenética. Da mesma forma, a diversificada família Balistidae (Tetraodontiformes), com 42 espécies, apresenta menos da metade das espécies com cariótipos conhecidos. Visando contribuir para a mitigação de lacunas no conhecimento de aspectos citogenéticos de peixes marinhos, sobretudo as que habitam ambientes insulares brasileiros, aqui foram analisadas as espécies Promethichthys prometheus e Ruvettus pretiosus (Gempylidae) e Canthidermis maculata e C. sufflamen (Balistidae), provenientes do Arquipélago de São Pedro e São Paulo, região meso-Atlântica. As análises citogenéticas empregaram metodologias convencionais (coloração com Giemsa, coloração Ag-RONs e bandamento-C), coloração com fluorocromos base-específicos (CMA³/DAPI) e mapeamento de sequências repetitivas DNAr 18S, DNAr 5S, sequências microssatélites (CA)15 e (GA)15, transposon Tol2 e retrotransposon Rex3, através da hibridação fluorescente in situ (FISH). Promethichthys prometheus e R. pretiosus possuem 2n=48 cromossomos, no entanto, divergem consideravelmente quanto à fórmula cariotípica (NF=84 e NF=50), respectivamente. Os padrões de mapeamento das diferentes classes de DNA repetitivo, sugerem no entanto pequena divergência na microestrutura dos cromossomos. Por outro lado, C. maculata (2n=44 e NF=56) e C. sufflamen (2n=44 e NF= 58), exibem cariótipos reduzidos, resultado de fusões in tandem, que contribuem para uma evolução cariotípica modelada pela variação estrutural e numérica dos cariótipos, mas seguida pequena diversificação na organização interna dos cromossomos. Esses resultados corroboram que a notável diversidade de grupos de peixes marinhos, em alguns grupos é acompanhada por tendências carioevolutivas particulares.


  • Mostrar Abstract
  • Despite the accumulation of cytogenetic information, which already exceeds 3,000 species, different fish groups, regardless of their diversity, are still lacking useful cytogenetic information in evolutionary inferences. Gempylidae (Scombriformes) with 16 genera and 26 meso or bentopelagic species and relative importance in commercial fishing, has no cytogenetic information. Similarly, the diverse family Balistidae (Tetraodontiformes), with 42 species, has less than half of species with known karyotypes. Aiming to contribute to the mitigation of gaps in the knowledge of cytogenetic aspects of marine fish, especially those that inhabit Brazilian island environments, the Promethichthys prometheus and Ruvettus pretiosus (Gempylidae) and Canthidermis maculata and C. sufflamen (Balistidae) species from Archipelago of St. Peter and St. Paul, Meso-Atlantic region. Cytogenetic analyzes employed conventional methodologies (Giemsa staining, Ag-NORs staining and C-banding), base-specific fluorochrome staining (CMA³ / DAPI) and repetitive DNAr18S, rDNA 5S, microsatellite (CA)15 and (GA)15, and transposable elements Tol2 and Rex3, by fluorescence in situ hybridization (FISH). Promethichthys prometheus and R. pretiosus have 2n = 48 chromosomes, however, differ considerably in karyotype formula (NF = 84 and NF = 50, respectively.) The mapping patterns of the different classes of repetitive DNA, however, suggest a small divergence in microstructure. On the other hand, C. maculata (2n = 46 and NF = 58) and C. sufflamen (2n = 44 and NF = 58) exhibit reduced karyotypes resulted from tandem fusions rearrangements, which contributed to structural and numerical variation of karyotypes, followed by small diversification in the internal organization of chromosomes. The present results corroborate that the remarkable diversity of marine fish groups in some groups is accompanied by particular karyoevolutionary tendencies.

8
  • JULIANA LUIZA ROCHA DE LIMA
  • Fungos Micorrízicos Arbusculares (Glomeromycota) em Diferentes Fitofisionomias da Chapada do Araripe, Ceará, Brasil

  • Orientador : BRUNO TOMIO GOTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • KHADIJA JOBIM
  • PATRICIA OLIVEIRA FIUZA
  • Data: 13/11/2020

  • Mostrar Resumo
  • Os brejos de altitudes são áreas de exceção ou frações da floresta tropical perenifólia, reunindo tanto características do bioma Mata Atlântica quanto da Caatinga, sendo “ilhas” de floresta úmida em meio a vegetação seca. Esses ambientes geralmente são áreas com características particulares (vegetação, clima, fauna e solo) diferentes dos ambientes que os circundam. Em tais ambientes, pouco se conhece sobre quais são os fatores bióticos e abióticos que estão relacionados à modificação da biodiversidade dos microorganismos presentes no solo. Dentre estes, encontram-se os Fungos Micorrízicos Arbusculares (FMA), que vivem simbioticamente associados a maioria das raízes das plantas, aumentando principalmente a absorção de nutrientes e facilitando o crescimento vegetal. Esses fungos são mundialmente e amplamente estudados em diversos ecossistemas, principalmente devido a sua importância ecológica para a manutenção do ambiente, sendo distribuídos nos principais biomas terrestres, nos quais frequentemente são conhecidas novas espécies, porém o conhecimento da diversidade, riqueza e estratégias ecológicas desses fungos em áreas de brejos de altitude é escasso e requer mais pesquisas. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho foi comparar a diversidade das espécies de FMA entre diferentes fitofisionomias de um brejo de altitude, afim de caracterizar a riqueza e diversidade de FMA na Chapada do Araripe, Ceará, Brasil. As amostras de solo foram coletadas em Abril/2019. Foram selecionados dois tipos de fitofisionomias: Cerradão (CE) e Mata úmida (MT). Os esporos foram quantificados e identificados morfologicamente, para realização de análises ecológicas da comunidade de FMA. Foi registrado o total de 95 espécies, distribuídas em quatro ordens, 11 famílias e 17 gêneros. Foram detectadas algumas espécies como indicadoras de determinada fitofisionomia. O número de esporos foi maior em CE em relação a MT, porém a riqueza foi maior em MT. Foi observado que a composição das comunidades de FMA diferiu significativamente entre as fitofisionomias da Chapada do Araripe. Além disso, também foi observado mudança significativa entre a comunidade de FMA e os parâmetros químicos do solo, destacando a influência de algumas variáveis. Além disso, uma espécie ainda não descrita é caracterizada morfologicamente para a área. Os resultados obtidos demonstram a importância de ambientes como os brejos de altitude serem estudados com suas diferentes fitofisionomias, quanto a comunidade de FMA e que as diferenças na composição vegetal, associada a outros fatores, podem fornecer condições ambientais para criação de diferentes microhabitats e possuir influência na composição, diversidade e distribuição das comunidades de FMA.


  • Mostrar Abstract
  • Brejos de Altitude are areas of exception or fractions of the perennial tropical rainforest, bringing together both characteristics of the Atlantic Forest and Caatinga biomes, being “islands” of humid forest amid dry vegetation. These environments are usually areas with particular characteristics (vegetation, climate, fauna and soil) different from the environments that surround them. In such environments, little is known about what are the biotic and abiotic factors that are directly related to the modification of the biodiversity of microorganisms present in the soil. Among these, there are the Arbuscular Mycorrhizal Fungi (AMF), which live symbiotically associated with most of the roots of the plants, mainly increasing the absorption of nutrients and facilitating plant growth. These fungi are worldwide and widely studied in several ecosystems, mainly due to their ecological importance for the maintenance of the environment, being distributed in the main terrestrial biomes, in which new species are often known, however the knowledge of the diversity, richness and ecological strategies of these fungi in areas of brejos de altitude it is scarce and requires more research. In this sense, the objective of this work was to compare the diversity of FMA species between different phytophysiognomies of an brejo de altitude, in order to characterize the richness and diversity of FMA in Chapada do Araripe, Ceará, Brazil. The soil samples were collected in April/2019. Two types of phytophysiognomies were selected: cerradão and humid forest. Spores were quantified and morphologically identified to carry out ecological analyzes of the FMA community. A total of 95 species were recorded, distributed in four orders, 11 families and 17 genera. Some species were detected as indicators of a certain phytophysiognomy. The number of spores was higher in cerradão compared to humid forest, but the richness was higher in humid forest. It was observed that the composition of the FMA communities differed significantly between the phytophysiognomies of Chapada do Araripe. In addition, a significant change was also observed between the FMA community and the chemical parameters of the soil, highlighting the influence of some variables. This work also proposes the morphological description of a new species for the area. The results obtained demonstrate the importance of environments such as brejos de altitude to be studied with their different phytophysiognomies, as for the FMA community and that differences in plant composition, associated with other factors, can provide environmental conditions for the creation of different microhabitats and have influence in the composition, diversity and distribution of FMA communities.

Teses
1
  • FLÁVIA DE FIGUEIREDO PETEAN
  • Evolução e biogeografia do gênero de raias marinhas Hypanus Rafinesque, 1818 (Myliobatiformes, Dasyatidae)

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • LUIZ ALVES ROCHA
  • VICENTE VIEIRA FARIA
  • FRANÇOISE DANTAS DE LIMA
  • KARLA DIAMANTINA DE ARAUJO SOARES
  • Data: 19/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • As raias do gênero Hypanus Rafinesque (1818) possuem ampla distribuição ao longo das costas Atlântica e Pacífica do continente americano, assim como uma espécie no Golfo da Guiné, no Atlântico Oriental. Como a maioria das espécies de Hypanus está classificada como “dados insuficientes” (DD) na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN, há uma necessidade de se resolver problemas taxonômicos e de distribuição geográfica para futuras avaliações de seus estados de conservação. Com o estudo dos genomas mitocondriais de todas as espécies até o momento válidas do gênero (H. americanus (Hildebrand & Schroeder, 1928) , H. dipterurus (Jordan & Gilbert, 1880), H. guttatus (Bloch & Schneider, 1801), H. longus (Garman, 1880), H. marianae (Gomes et al., 2000), H. rudis (Günther, 1870) , H. sabinus (Lesueur, 1824) e H. say (Lesueur, 1817) ) delimitamos 14 linhagens, sendo duas referentes às espécies H. geijskesi (Boeseman, 1948) e H. colarensis (Santos et al., 2004), que antes pertenciam ao gênero Fontitrygon (Last et al., 2016), e agora foram alocadas para o gênero Hypanus. A espécie com a maior distribuição geográfica, H. americanus, é um grupo não monofilético e a linhagem que ocorre desde o deságue do Rio Amazonas ao Sudeste do Brasil é uma espécie ainda não descrita e irmã de H. rudis, na costa Africana do Atlântico. Examinamos exemplares do clado H. americanus (H. americanus, H. longus e H. rudis), a fim de descrever uma nova espécie usando uma abordagem integrativa de dados de DNA barcode, morfologia e modelagem de nicho ecológico. Além disso, inferimos os tempos de divergência e identificamos as possíveis barreiras biogeográficas impostas pelo continente americano às linhagens de Hypanus: Istmo do Panamá, Península da Flórida, deságue do Rio Amazonas, distâncias entre os continentes separados pelos Oceanos Atlântico e Pacífico, e limitações de temperatura nos hemisférios norte e sul (águas temperadas e tropicais). Os resultados obtidos indicam que a distribuição geográfica das espécies de Hypanus é menor do que o que se definia, abrigando espécies ainda não descritas. Na costa brasileira ocorrem seis espécies do gênero, H. colarensis, H. geijskesi, H. guttatus, H. marianae, H. say e H. sp. 1, com pelo menos quatro espécies endêmicas, incluindo a nova espécie aqui descrita. Assim, com a delimitação morfológica, genética, de distribuição geográfica e hábitats adequados é possível fazer uma avaliação do status de conservação de algumas espécies que estão classificadas como “dados insuficientes” na IUCN, porém são amplamente pescadas e consumidas na costa brasileira.


  • Mostrar Abstract
  • Stingrays of the genus Hypanus Rafinesque (1818) have distribution areas along Atlantic and Pacific coasts of the American continent, as well as a species at the Guinea Gulf, in Eastern Atlantic. Since most Hypanus species are classified under Data Deficiency (DD) at IUCN Red List of Threatened Species, there is a need to solve their taxonomic and geographic distribution issues for future evaluations of their conservation statuses. By studying mitochondrial genomes of all valid species (H. americanus (Hildebrand & Schroeder, 1928), H. dipterurus (Jordan & Gilbert, 1880), H. guttatus (Bloch & Schneider, 1801), H. longus (Garman, 1880), H. marianae (Gomes et al., 2000), H. rudis (Günther, 1870), H. sabinus (Lesueur, 1824), and H. say (Lesueur, 1817))) we delimited 14 lineages, and two of them are the species H. geijskesi (Boeseman, 1948) and H. colarensis (Santos et al., 2004), that used to belong to the genus Fontitrygon (Last et al., 2016), and were now allocated to the genus Hypanus. The species with the widest distribution, H. americanus, is a non-monophyletic group and the lineage that occurs south of Amazon river discharge to Southeastern Brazil is a yet undescribed species and sister to H. rudis, in Atlantic African coast. We examined specimens of the clade H. americanus (H. americanus, H. longus, and H. rudis) to describe a new species using an integrative approach of data from DNA barcode, morphology, and ecological niche modeling. Besides, we inferred Hypanus’ lineages divergence times and identified possible biogeographic barriers posed by the American continent: Isthmus of Panama, Florida Peninsula, Amazon River water discharge, distance between continents separated by the Atlantic and Pacific Oceans, and temperature limitations in Northern and Southern Hemispheres (temperate and tropical waters). The results indicate the geographic distribution of Hypanus species is smaller than previously defined, encompassing yet undescribed species. At the Brazilian coast there are six species of the genus, H. colarensis, H. geijskesi, H. guttatus, H. marianae, H. say, and H. sp. 1,with at least four endemic ones, including the newest herein described. Therefore, with the morphological, genetic, geographical distribution and identification of suitable habitats it is possible to accomplish an evaluation of the conservation status of some species que are classified under Data Deficient in IUCN, even though they are widely fished and consumed in the Brazilian coast.  

2
  • KARLLA DANIELLE JORGE AMORIM
  • Diversificação citogenômica em Serranidae (Perciformes), um modelo de estase cariotípica: Aspectos evolutivos e aplicados

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • CLÓVIS COUTINHO DA MOTTA NETO
  • LUIZ ANTONIO CARLOS BERTOLLO
  • MARCELO DE BELLO CIOFFI
  • PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO
  • Data: 13/03/2020

  • Mostrar Resumo
  • A família Serranidae, cujos representantes são conhecidos como garoupas, constitui um dos mais diversos grupos de peixes em ambientes recifais. São predadores eficientes que podem ocupar desde poças de maré a recifes profundos. Algumas espécies podem alcançar porte considerável e, em geral, significativo valor econômico. Com distribuição circunglobal, o grupo é composto por 577 espécies, distribuídas em 75 gêneros, dos quais Epinephelus é o mais representativo. Apesar do crescente conjunto de informações genéticas, menos de 10% das espécies apresentam aspectos citogenéticos conhecidos. Abordagens citogenéticas para a família se mostram dissociadas quanto aos seus aspectos filogenéticos, geográficos e taxonômicos, limitando a compreensão de seus aspectos evolutivos e aplicados ao manejo. Assim, visando uma estimativa mais ampla da evolução cromossômica desta família e obtenção de dados aplicados ao manejo, foram realizadas análises citogenéticas convencionais e mapeamento por hibridização in situ fluorescente das sequências DNAr 18S, DNAr 5S, elementos transponíveis Tol2 e Rex3, microssatélites (CA)15, (GA)15, (CAA)10 e (CGG)10, e sequências teloméricas (TTAGGG)n, nas espécies Epinephelus coioides, E. sexfasciatus, E. erythrurus, E. tauvina, E. coeruleopunctatus, E. adscensionis, E. itajara, E. striatus, Cephalopholis formosa, C. fulva e Rypticus saponaceus. Todas as espécies apresentaram 2n=48, das quais apenas três possuem cariótipos não compostos exclusivamente por elementos acrocêntricos. O conservadorismo cariotípico, apenas perturbado por inversões pericêntricas, se estende à organização do DNA repetitivo, onde sítios DNAr 18S e 5S refletem um baixo dinamismo evolutivo, aliado a arranjos das demais sequências repetitivas essencialmente similares. A divergência citogenética e genômica entre espécies decorrente de ancestralidade comum ocorrida em períodos entre 15 a 11 M.a aparentemente proporciona reduzido nível de bloqueio reprodutivo pós-zigótico, com valiosas implicações para a hibridização induzida na aquicultura. Sob perspectiva biogeográfica e filogenética, os grupos mais basais do Atlântico apontam 2n=48a como o padrão ancestral para a família, indica que a especiação no grupo não foi seguida por modificações cariotípicas significantes e a despeito de uma relativa frequência de cariótipos divergentes, esse grupo de peixes se adequa a um padrão evolutivo de estase cariotípica.  


  • Mostrar Abstract
  • The Serranidae family, whose representatives are known as groupers, is one of the most diverse groups of fish in reef environments. They are efficient predators that can occupy everywhere from tide pools to deep reefs. Some species can reach considerable size and, in general, significant economic value. With a circunglobal distribution, the group consists of 577 species, distributed in 75 genera, of which Epinephelus is the most representative. Despite the growing set of genetic information, less than 10% of species have known cytogenetic aspects. Cytogenetic approaches to the family are dissociated in terms of their phylogenetic, geographical and taxonomic aspects, limiting the understanding of their evolutionary aspects and applied to management. Thus, aiming at a broader estimate of the chromosomal evolution of this family and obtaining data applied to management, conventional cytogenetic analyzes and fluorescent in situ hybridization mapping of the DNAr 18S, DNAr 5S sequences, transposable elements Tol2 and Rex3, microsatellites (CA) were performed 15, (GA) 15, (CAA) 10 and (CGG) 10, and telomeric sequences (TTAGGG) n, in the species Epinephelus coioides, E. sexfasciatus, E. erythrurus, E. tauvina, E. coeruleopunctatus, E. adscensionis, E. itajara, E. striatus, Cephalopholis formosa, C. fulva and Rypticus saponaceus. All species presented 2n = 48, of which only three have karyotypes not composed exclusively of acrocentric elements. Karyotypical conservatism, only disturbed by pericentric inversions, extends to the organization of repetitive DNA, where DNAr 18S and 5S sites reflect a low evolutionary dynamism, combined with arrangements of other essentially similar repetitive sequences. The cytogenetic and genomic divergence between species due to common ancestry that occurred in periods from 15 to 11 M.a apparently provides a reduced level of post-zygotic reproductive block, with valuable implications for the hybridization induced in aquaculture. From a biogeographic and phylogenetic perspective, the most basal groups in the Atlantic demonstrate 2n = 48a as the ancestral pattern for the family, indicating that speciation in the group was not followed by significant karyotype changes and despite a relative frequency of divergent karyotypes, this group of fish is adapted to an evolutionary pattern of karyotype stasis.

3
  • KHADIJA JOBIM
  • Espécies esporocárpicas de fungos micorrízicos arbusculares (Glomeromycota): taxonomia, sistemática e evolução

  • Orientador : BRUNO TOMIO GOTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • DANIELLE KARLA ALVES DA SILVA
  • IURI GOULART BASEIA
  • PATRICIA OLIVEIRA FIUZA
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • Data: 31/03/2020

  • Mostrar Resumo
  • Os Fungos Micorrízicos Arbusculares (FMA) desempenham associação simbiótica mutualística com a maioria das espécies de plantas nos mais variados ecossistemas terrestres, contudo, as espécies esporocárpicas de FMA (os únicos representantes do grupo com estruturas macroscópicas) têm sido pouco investigadas e levadas em consideração nos inventários taxonômicos. Esse fato se atribui, principalmente, a restrições metodológicas. O uso do termo esporocarpo no filo Glomeromycota é controverso, tendo em vista a diversidade de linhagens que apresentam esse hábito, consequência da complexa morfologia encontrada no grupo, que até o presente momento não dispõe de uma análise ampla acerca dos caracteres informativos para a delimitação das espécies. Além disso, 77% das espécies reconhecidas como esporocárpicas foram descritas exclusivamente com base em dados de morfologia, fato que torna a sistemática filogenética desse grupo limitada. Dessa maneira, o presente estudo objetivou propor uma revisão morfológica e molecular das espécies de FMA esporocárpicas através da análise de dados morfológicos e de sequências de SSU, LSU e região ITS do DNA. Para isso, foram analisadas espécies depositadas em coleções institucionais e coletadas em áreas pertencentes aos domínios estratégicos como a Amazônia, Brejos de Altitude e Mata Atlântica. Um total de 64 espécimes provenientes das coleções institucionais foi revisado, dos quais 6 constituíram emendas. Nas áreas amostradas, 17 espécies foram coletadas, das quais 5 representam espécies novas e um novo gênero para ciência. Os resultados obtidos permitiram elucidar aspectos da taxonomia, sistemática e evolução do grupo, incluindo uma delimitação do termo esporocarpo para o filo Glomeromycota, bem como fornecer registros de ocorrência para o país, descrições de táxons e acréscimo de dados para a implementação de chaves de identificação.


  • Mostrar Abstract
  • Arbuscular Mycorrhizal Fungi (AMF) play a symbiotic mutualistic association with most plant species in the most varied terrestrial ecosystems, however, AMF sporocarp species (the only members of the group with macroscopic structures) have been little investigated and taken into account in the taxonomic studies. This fact is mainly attributed to methodological restrictions. The use of the term sporocarp in the Phylum Glomeromycota is controversial, considering diversity of species that present this habit, a consequence of the complex morphology found in the group, which up to the present moment does not have a comprehensive analysis about the informative characters for the delimitation of species. In addition, 77% of the species recognized as sporocarpous were included exclusively on the basis of morphology data, a fact that makes a phylogenetic systematic of this group limited. Thus, the present study aimed at a morphological and molecular review of the sporocarpous species of AMF through the analysis of morphological data and sequences of SSU, LSU and ITS region of DNA. For this, species deposited in institutional collections and collected in areas belonging to strategic domains such as the Amazon, “Brejos de Altitude” and Atlantic Rainforest were analyzed. A total of 64 specimens from institutional collections were reviewed, of which 6 constituted emendations.  In the sampled areas, 17 species were collected, of which 5 new species and a new genus for science. The results obtained allowed to elucidate aspects of the taxonomy, systematics and evolution of the group, including a delimitation of the term sporocarp for the film Glomeromycota, as well as the records of occurrence records for the country, descriptions of taxa and addition of data for use of keys identification.

4
  • SILVIA YASMIN LUSTOSA COSTA
  • Taxonomia integrativa e biogeografia dos cascudos do gênero Hypostomus Lacépède, 1803 (Siluriformes: Loricariidae) nas drenagens do nordeste brasileiro

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLAUDIO HENRIQUE ZAWADZKI
  • LÚCIA HELENA RAPP PYDANIEL
  • PEDRO HOLLANDA CARVALHO
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • UEDSON PEREIRA JACOBINA
  • Data: 20/05/2020

  • Mostrar Resumo
  • O Nordeste do Brasil abrange quatro biomas (Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e o Amazônico) e cinco ecorregiões hidrográficas continentais: Nordeste Médio-Oriental (NEMO), Maranhão-Piauí (MAPI), São Francisco (SAFR), Mata Atlântica Nordeste (MANE), e Estuário da bacia Amazônica e drenagens costeiras (EADC). Nas últimas décadas, diversas espécies de peixes foram descritas destas ecorregiões, incluindo algumas de cascudos do gênero Hypostomus, o mais rico da família Loricariidae, e um dos mais amplamente distribuídos em toda a região Neotropical. Em duas das cinco ecorregiões mencionadas acima (NEMO e MAPI), são conhecidas nove espécies nominais de Hypostomus, sete para o NEMO e duas para o MAPI. No entanto, muitas dessas espécies, descritas até meados do século XX, possuem problemas como definição das localidades-tipo, poucos exemplares que compõe a série tipo, descrições sucintas, e são diagnosticadas com base em poucos caracteres morfológicos externos. Estes fatores têm dificultado a identificação da riqueza e distribuição das espécies do gênero nas ecorregiões estudadas, o que acarreta problemas ao avaliar o estado de conservação das mesmas. O objetivo do presente estudo foi realizar uma revisão taxonômica das espécies de Hypostomus nas ecorregiões NEMO e MAPI, utilizando taxonomia integrativa, e discutir a diversificação do gênero nas drenagens do semiárido do nordeste. Com base em nossos resultados,
    Hypostomus carvalhoi, H. jaguribensis, H. nudiventris, H. papariae e H. salgadae são sinônimos júnior de H. pusarum, espécie primeiramente descrita para o NEMO. A distribuição geográfica de H. pusarum foi expandida para o MAPI, e duas novas espécies do gênero, aqui descritas, foram reveladas para essa ecorregião. Fornecemos dados acerca da distribuição das espécies do gênero nas ecorregiões estudadas, e registramos a ocorrência de um total de seis espécies de Hypostomus (H. johnii, H. pusarum e H. vaillanti, duas descritas nesse estudo e outra possível espécie nova) na ecorregião MAPI. Os resultados indicam que a riqueza de espécies do gênero no NEMO está superestimada, enquanto no MAPI ainda é subestimada. Verificamos relações filogenéticas entre um grupo de espécies do NEMO e MAPI com as espécies da região do Amazonas e das Guianas, assim como foram evidenciadas relações pretéritas destas ecorregiões com o SAFR, e deste último com os tributários do sistema La Plata. Ademais, concluímos que o padrão de coloração das espécies não é informativo quanto a relação de parentesco. Nossas inferências biogeográficas sugerem que houve pelo menos duas invasões no MAPI e NEMO, e no mínimo três no SAFR, e os processos que atuaram na diversificação da maioria das espécies de Hypostomus na região do semiárido do nordeste, foram os eventos de captura de cabeceiras. Segundo nossos resultados, as espécies se diversificaram entre o Mioceno tardio e o Plioceno, o que coincide com o período de menores temperaturas no globo, condição que possivelmente propiciou a expansão das áreas semiáridas da região.


  • Mostrar Abstract
  • The Northeast of Brazil comprises four biomes (Caatinga, Cerrado, Atlantic Forest and the Amazon) and five continental hydrographic ecoregions: Mid-East Northeast (NEMO), Maranhão-Piauí (MAPI), São Francisco (SAFR), Northeast Atlantic Forest (MANE), and Estuary of the Amazon basin and coastal drainages (EADC). In the last few decades, several species of fish have been described from these ecoregions, including some of the armored catfish of the genus Hypostomus, the richest genus in the Loricariidae family and one of the most widely distributed throughout the Neotropical region. In two of the five ecoregions
    mentioned above (NEMO and MAPI), nine nominal species of Hypostomus are known: seven from NEMO, and two from MAPI. However, many of these species, described in the mid-twentieth century, present problems with the definition of type locality, insufficient specimens making up the type series, undetailed descriptions, and diagnosis based on few external morphological characters. These factors have hindered estimations of richness and distribution of species of the genus in these ecoregions,
    which causes problems when assessing their conservation status. The aim of the present study was to carry out a systematic review of Hypostomus in the NEMO and MAPI ecoregions using integrative taxonomy, and to discuss the diversification of the genus in drainages in the northeast semiarid. Based on our results, Hypostomus carvalhoi, H. jaguribensis, H. nudiventris, H. papariae and H. salgadae are junior synonyms of H. pusarum. The geographical distribution of H. pusarum was expanded
    to MAPI, and two new species of the genus were revealed for this ecoregion and were described here. We provided data on the distribution of species of the genus in the studied ecoregions, and recorded the occurrence of a total of six species of Hypostomus (H. johnii, H. pusarum and H. vaillanti, two described in this study and another possible new species) in the MAPI ecoregion. The results indicate that the species richness of the genus in NEMO is overestimated, while in MAPI it is underestimated. We verified phylogenetic relationships between a group of NEMO and MAPI species with species from the Amazon and Guyana regions, as well as past relationships between these ecoregions with the SAFR, as well as the latter with the tributaries of the La Plata system, in addition as concluding that the color pattern of the species is not very informative about the phylogenetic relationships. Our biogeographic inferences suggest that there were at least two invasions in MAPI and NEMO, and at least three in SAFR, and the processes that acted in the diversification of the majority of Hypostomus species in the northeast semiarid region were the headland capture events. According to our results, the species diversified between the late Miocene and the Pliocene, which coincides with the period of lowest temperatures on the globe, a condition that possibly led to the expansion of the semiarid areas of the region.

5
  • LUCIANO DE FREITAS BARROS NETO
  • Taxonomia integrativa e biogeografia dos cascudinhos da subfamília Hypoptopomatinae (Siluriformes: Loricariidae) do Nordeste do Brasil

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • ADRIAN ANTONIO GARDA
  • PRISCILA CAMELIER DE ASSIS CARDOSO
  • ROBERTO ESSER DOS REIS
  • WALDIR MIRON BERBEL FILHO
  • Data: 05/06/2020

  • Mostrar Resumo
  • A região Nordeste do Brasil, que inclui cinco ecorregiões hidrográficas distintas, é adequada para a captura de rios principalmente devido às características litológicas e geológicas, bem como às sucessivas fases de reativação de falhas. No entanto, a história biogeográfica das bacias hidrográficas dessa região, permanece pouco compreendida, apesar de seu alto nível de endemismo de peixes. O gênero Parotocinclus apresenta alta riqueza de espécies endêmicas na região, com espécies com distribuição restrita à apenas uma única bacia e outras com ocorrência mais ampla, ocorrendo em algumas ecorregiões. Nesse sentido, desvendar a história evolutiva do gênero Parotocinclus pode ajudar a elucidar os processos que estruturaram a variação genética dos peixes de água doce nessas bacias costeiras, refinando o conhecimento sobre a biota aquática de água doce. Enquanto algumas espécies novas foram recentemente descritas, a validade de algumas espécies é questionada. Além disso, a maioria das descrições de espécies do gênero são antigas e pouco informativas, e não apresentam caracteres diagnósticos que possibilitem o reconhecimento de complexos específicos. Assim, alguns outros autores consideraram P. cearensis e P. cesarpintoi como sinônimo júnior de P. spilosoma. Entretanto, testes realizados com material recentemente coletado nas localidades tipo, bem como dados das séries-tipo, revelaram alguns caracteres morfológicos que podem ser utilizados para diferenciar essas espécies. Análises filogenéticas com dados moleculares foram feitas para contrastar com os dados morfológicos e biogeograficos. Como resultado da análise integrativa (morfologia e molecular), no primeiro capítulo a validade de Parotocinclus cearensis foi confirmada, diferenciando-a de P. spilosoma e P. cesarpintoi. São apresentadas as redescrições de P. cearensis, P. cesarpintoi e P. spilosoma, acrescentando novos caracteres diagnósticos. No segundo capítulo são observadas as relações de parentescos das espécies, identificadas possíveis novas espécies, bem como investigada a diversificação das linhagens do gênero no Nordeste brasileiro. Também foi avaliado quais eventos podem estar associados aos padrões biogeográficos. No terceiro capítulo é descrito um novo gênero para a subfamília Hypoptomatinae, sendo descritas quatro novas espécies, corroboradas por dados morfológicos e moleculares, além de apresentarem isolamento geográfico.


  • Mostrar Abstract
  • The Northeastern region of Brazil, which includes five distinct hydrographic ecoregions, is suitable for river capture mainly due to
    lithological and geological characteristics as well as successive fault reactivation phases. However, the biogeographic history of neotropical watersheds in this region remains poorly understood despite their high level of fish endemism. The genus Parotocinclus presents high richness of endemic species in region, with species with restricted distribution to only one basin and others with wider distribution, occurring in some ecoregions. In this sense, unravel the evolutionary history of the genus Parotocinclus can help to elucidate the processes that structured the genetic variation of freshwater fish in these coastal basins. However, the validity of some species is questioned. Moreover, most descriptions of species of genus are old and little informative, and do not present diagnostic characters that enable the recognition of specific complexes. Thus, some other authors considered P. cearensis and P. cesarpintoi as junior synonym of P. spilosoma. However, tests performed with material recently collected in type localities, as well as type series data, revealed some morphological characters that can be used to differentiate these species. Phylogenetic analyzes with molecular data were made to contrast with morphological and biogeographic data. As a result of integrative analysis (morphology and molecular), in first chapter the validity of Parotocinclus cearensis was confirmed by differentiating it from P. spilosoma and P. cesarpintoi. The redescriptions of P. cearensis, P. cesarpintoi and P. spilosoma are presented, adding new diagnostic characters. In second chapter are observed the relationships of species, identified possible new species, as well being investigated the diversification of lineages of genus in Brazilian Northeast. It was also evaluated which events may be associated with bioogeographic patterns. In third chapter, a new genus for subfamily Hypoptomatinae is described, with four new species being described, corroborated by morphological and molecular data, besides presenting geographic isolation.

6
  • MARIANA RAMOS FANTINATI
  • Filogenia molecular e evolução da subtribo Cereinae (Cactoideae, Cactaceae)

  • Orientador : ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • BRUNO FRANCISCO SANT’ANNA DOS SANTOS
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • PÂMELA LAVOR ROLIM
  • RAFAEL BATISTA LOUZADA
  • Data: 24/07/2020

  • Mostrar Resumo
  • À luz de uma recente revisão filogenética, Cereinae foi proposta como uma das três subtribos da tribo Cereeae s.l. que inclui a maioria dos cactos colunares que representam principalmente as linhagens sul-americanas em Cactoideae. Atualmente, Cereinae compreende espécies distribuídas em 14 gêneros, com relevante importância florística no leste do Brasil, principalmente nas formações de matas secas como a Caatinga. No entanto, a circunscrição do grupo ainda é bastante controversa, as delimitações genéricas são problemáticas e o conhecimento da anatomia das espécies é incipiente. Os objetivos deste estudo foram testar o monofiletismo de Cereinae com base em dados multigênicos usando uma ampla amostragem, avaliar a sistemática da subtribo, em particular as circunscrições genéricas, e pesquisar possíveis caracteres anatômicos diagnósticos e filogenéticos do sistema dérmico e parte do sistema fundamental de representantes de 11 gêneros da subtribo. Os resultados apontam para uma Cereinae monofilética fortemente suportada nas análises bayesianas, de máxima parcimônia e de máxima verossimilhança com base em matrizes combinadas, além de expandir o conhecimento das relações genéricas na subtribo. Em relação aos resultados das análises anatômicas, algumas características da skin se mostraram informativas para alguns grupos da subtribo, como o contorno celular epidérmico fortemente plicado compartilhado por todas as espécies de Melocactus, a abundância de cristais prismáticos nas células da epiderme de todas as espécies de Arrojadoa e Stephanocereus, a presença de drusas com contorno arredondado no parênquima lacunoso de todas as espécies de Cereus e Cipocereus e a presença de drusas com contorno arredondado e em concreções no parênquima lacunoso compartilhada pelas espécies de Cereus. Estes grupos emergem como clados fortemente suportados pelas análises bayesianas em nossa filogenia, demonstrando a relevância dos caracteres anatômicos para a taxonomia. Nossos resultados mostraram novidades tanto na anatomia das espécies quanto na filogenia de Cereinae, podendo servir como base para futuras investigações sistemáticas, bem como para o estudo da história evolutiva e dos padrões das florestas secas da América do Sul e da biota associada.


  • Mostrar Abstract
  • In the light of a recent phylogenetic review, Cereinae was proposed as one of the three subtribes of tribe Cereeae s.l., which includes most of South American columnar cacti lineages in Cactoideae. Current Cereinae comprises species in 14 genera with a remarkable occurrence in eastern Brazil, mainly in dry forest formations such as Caatinga. Nevertheless, the circumscription of the group is still quite controversial, generic delimitations are problematic, and the knowledge of the anatomy of species is incipient. The aims of this study were to test the monophyletism of Cereinae based on multigenic data and in a broad sampling, evaluate the subtribe systematics, in particular the generic circumscriptions, and survey potential diagnostic and phylogenetic anatomical traits of the dermal system and part of the fundamental system of representatives of 11 genera of the subtribe. The results point to a monophyletic Cereinae with high support in Bayesian, maximum parsimony, and maximum likelihood analyses based in combined matrices, and expand the knowledge of generic relationships within the subtribe. Regarding the morphological analyses results, some skin features are informative for some groups within the subtribe, such as the markedly plicate cell outline shared by all Melocactus species, the abundant prismatic crystals in the epidermal cells shared by all species of Arrojadoa and Stephanocereus, the presence of druses with the round-oval-shaped outline in the spongy parenchyma shared by all species of Cereus and Cipocereus, and the combination of druses with the round-oval-shaped outline and in concretions in the spongy parenchyma shared by Cereus species. These groups emerge as clades strongly supported by Bayesian analyses in our phylogeny, demonstrating the relevance of anatomical characters for taxonomy. Our results showed novelties both in the anatomy of the species and in the phylogeny of Cereinae as a base of future investigations in a systematic framework also serving to support the study of
    the evolutionary history and patterns of South American dry forests and the associated biota as a whole.

2019
Dissertações
1
  • ORQUIANNE JUDY RAFAEL SIQUEIRA
  • Novas Espécies de Entomobryoidea (Collembola; Entomobryomorpha) em áreas de Caatinga da Chapada Diamantina, Nordeste do Brasil

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • RENATA ANTONACI GAMA
  • NERIVANIA NUNES GODEIRO
  • Data: 11/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Colêmbolos são microartrópodes bastante diversificados, frequentemente encontrados no solo. São integrantes da mesofauna edáfica, e compõem a base da cadeia alimentar de muitos táxons predadores, atuam na ciclagem de nutrientes e decomposição de matéria orgânica. Considerados bioindicadores da qualidade do solo, fornecem respostas rápidas às variações ambientais, inclusive àquelas associadas à ação antrópica. A superfamília Entomobryoidea é a mais rica em espécies entre os Collembola, sendo constituída por espécies majoritariamente epiedáficas, apresentando Entomobryidae e Paronellidae como principais famílias bem representadas no Brasil. O foco deste estudo foi identificar e descrever novas espécies seguindo literatura especializada, além da ampliação da lista de registros dos táxons para a região. As coletas foram realizadas nos municípios de Abaíra, Andaraí e Lençóis, todos na Bahia, com uso de armadilha de queda (pitfall) e aspiradores entomológicos para captura de espécimes diretamente do substrato. Em laboratório foram executadas a triagem, morfotipagem e montagem dos indivíduos em lâmina para microscopia. Quatro espécies novas para a ciência foram descritas: Dicranocentrus sp. nov.; Entomobrya sp. nov.; Seira (Lepidocyrtinus) sp. nov. e Trogolaphysa sp. nov. Estas espécies foram comparadas quanto aos aspectos morfológicos distintivos como padrão de coloração, número de espinhos do órgão metatrocanteral, quetotaxia dorsal da cabeça e do corpo, incluindo também a composição das cerdas da região labial. Os resultados apresentados neste trabalho apontam a Chapada Diamantina como uma região rica em Entomobryoidea, potencialmente com mais espécies novas que o esperado. Este levantamento promove o conhecimento da ocorrência do grupo em áreas de Caatinga e consequentemente, leva a uma maior compreensão da biodiversidade neste domínio. Além disso, este estudo taxonômico gera dados que podem viabilizar a efetivação de futuras medidas de conservação. 


  • Mostrar Abstract
  • Springtails are very diversified microarthropods, often found in the soil. They are members of the edaphic mesofauna, where they compose the basis of soil food chain, as well as they act in the cycling of nutrients and organic matter decomposition. Considered as bioindicators of soil quality, they provide rapid responses to environmental variations, including those associated with anthropogenic action. The superfamily Entomobryoidea is the richest in species among the Collembola, being constituted mainly by epiedaphic species, with Entomobryidae and Paronellidae as its main families, both well represented in Brazil. The focus of this study was to identify and describe new species following specialized literature, in addition to expanding the list of taxa records for the region. The collections were carried out in Bahia State, in the municipalities of Abaíra, Andaraí and Lençóis, using pitfall traps and entomological aspirators to capture specimens directly from the substrate. In the laboratory it was performed the screening, morphotyping and assembly of the individuals in slide for microscopy. Four new species were described: Dicranocentrus sp. nov.; Entomobrya sp. nov.; Seira (Lepidocyrtinus) sp. nov. and Trogolaphysa sp. nov. These species were compared for distinctive morphological aspects such as colour pattern, number of spines of the metatrochanteral organ, dorsal head and body chaetotaxy, and also the chaetae composition of the labial region. The results point out Chapada Diamantina as a rich region to the Entomobryoidea fauna, possibly with more new species to be described. This survey promotes the knowledge of the group in Caatinga areas and, consequently, leads to a greater understanding of biodiversity in this biome. In addition, this taxonomic study generates data that can make viable the realization of future conservation measures.

2
  • RENAN DE LIMA OLIVEIRA
  • Taxonomia de fungos gasteroides (Basidiomycota) em áreas de caatinga do Rio Grande do Norte e Paraíba, Brasil

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • PAULO SERGIO MARINHO LUCIO
  • THIAGO ACCIOLY DE SOUZA
  • Data: 18/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Estima-se que existam cerca de 3,8 milhões de espécies de fungos, das quais cerca de 120 mil foram descritas até o presente. Os fungos gasteroides, atualmente, representam um grupo polifilético com cerca de 10.000 espécies, das quais 324 espécies são conhecidas e descritas para o Brasil. Desde a antiguidade, os fungos gasteroides tem demostrado importante valor sendo utilizados pela humanidade para diversos fins como econômico, medicinal, silvicultura e gastronômica. A Caatinga, foco desta pesquisa, tem sido descrita como um ecossistema pobre em espécies e endemismos. Entretanto, estudos recentes têm desafiado esse ponto de vista e demonstrado a importância da Caatinga para a conservação da biodiversidade brasileira. Nesse contexto, o presente estudo objetivou ampliar o conhecimento dos fungos gasteroides em duas áreas de importância biológica no domínio fitogeográfico Caatinga nos estados do Rio Grande do Norte (Serra do Torreão - João Câmara) e Paraíba (Serra de Cuité - Cuité). Para isso, foram realizadas 12 excursões de campo nos períodos com maior incidência pluviométrica (fevereiro a julho de 2017 e março a abril de 2018). A metodologia de coleta foi baseada em literatura especializada do grupo. Os basidiomas coletados foram levados ao Laboratório de Biologia de Fungos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde foram realizadas a herborização e estudo dos espécimes seguindo a tradicional metodologia para os fungos gasteroides. De forma complementar foi realizado microscopia eletrônica de varredura (MEV) em espécies que necessitam de maiores detalhes morfológicos. Foram identificadas 19 espécies distribuídas em oito gêneros: Bovista (2 spp.), Calvatia (5 spp.), Cyathus (2 spp.), Disciseda (2 spp.), Geastrum (2 spp.), Podaxis (1 sp.), Sphaerobolus (1 sp.) e Tulostoma (4 spp.). Destas, quatro são novas espécies para a ciência, quatro são primeiros registros para a América do Sul, nove primeiros registros para o Brasil, um segundo registro para o Brasil, doze primeiros registros para o Semiárido, três segundos registros para o Semiárido, três primeiros registros para o estado da Paraíba, doze primeiros registros para o estado do Rio Grande do Norte e quatro segundos registros para o estado do Rio Grande do Norte. A Serra do Torreão e a Serra de Cuité demostraram serem favoráveis a estudos de fungos gasteroides. Assim, faz-se necessário estudos taxonômicos adicionais em áreas de Caatinga, possibilitando aumento da conservação dessas espécies.


  • Mostrar Abstract
  • It is estimated that there are about 3.8 million species of fungi, of which about 120,000 have been described to date. Gasteroid fungi currently represent a polyphyletic group with about 10,000 species, of which 324 species are known and described for Brazil. Since ancient times, the gasteroid fungi have demonstrated important value being used by the humanity for diverse purposes like economic, medicinal, forestry and gastronomic. The Caatinga, the focus of this research, has been described as a poor ecosystem in species and endemism. However, recent studies have challenged this point of view and demonstrated the importance of the Caatinga for the conservation of Brazilian biodiversity. In this context, the present study aimed to increase the knowledge of the gasteroid fungi in two areas of biological importance in the Caatinga phytogeographic domain in the states of Rio Grande do Norte (Serra do Torreão - João Câmara) and Paraíba (Serra de Cuité - Cuité). For this, 12 field trips were carried out in the periods with the highest rainfall incidence (February to July 2017 and March to April 2018). The collection methodology was based on specialized literature of the group. The collected basidiomas were taken to the fungal biology laboratory of the Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN), where the herborization and study of the specimens were carried out following the traditional methodology for the gasteroid fungi. Scanning electron microscopy (SEM) in species requiring greater morphological detail. It was identified 19 species distributed in eight genera: Bovista (2 spp.), Calvatia (5 spp.), Cyathus (2 spp.), Disciseda (2 spp.), Geastrum (2 spp.), Podaxis (1 sp.), Sphaerobolus (1 sp.) and Tulostoma (4 spp.). Of these, four are new species for science, four are first records for South America, nine first records for Brazil, a second record for Brazil, twelve first records for the semiarid, three second record for the semiarid, three first records for the state of Paraíba, twelve first records for Rio Grande do Norte and four are second record for Rio Grande do Norte. The Serra do Torreão and the Serra de Cuité have been shown to be favorable for studies of gasteroid fungi. Thus, additional taxonomic studies are necessary in areas of Caatinga, allowing an increase in the conservation of these species.

3
  • MARCOS JOSÉ DO NASCIMENTO JÚNIOR
  • Revisão taxonômica dos Seirinae (Collembola, Entomobryidae) em remanescentes urbanos de Mata Atlântica no Rio Grande do Norte - Brasil

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • NERIVANIA NUNES GODEIRO
  • Data: 25/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • A Região Nordeste do Brasil, especificamente o Rio Grande do Norte, abriga remanescentes urbanos de Mata Atlântica com potencial grande diversidade biológica, porém ainda com um número bastante reduzido de registros de colêmbolos, particularmente, da subfamília Seirinae. Ao mesmo tempo, esses remanescentes urbanos têm uma grande influência antrópica, e o reconhecimento de sua diversidade é de suma importância para o seu manejo e manutenção. Sendo assim, este trabalho tem por objetivo realizar um estudo taxonômico das espécies de Seirinae ocorrentes em parte destes remanescentes, através da análise de indivíduos depositados em coleção que foram coletados entre os períodos de julho 2012 a julho de 2017, com o uso de aspiradores entomológicos e armadilhas de queda (pitfall traps). Foram redescritas quatro espécies do gênero Seira: S. paraibensis, S. arenicola, S. harena e S. brasiliana, utilizando novos métodos de montagem das lâminas, bem como descrição quetotáxica de estruturas não representadas anteriormente. A espécie Seira dapeste, recentemente descrita na área de estudo, também foi incluída no trabalho. S. arenicola quando comparada com S. brasiliana, S. coroatensis e S. mataraquensis apresenta divergências na quantidade de macroquetas da quetotaxia dorsal da cabeça como também na quantidade de espinhos do órgão metatrocanteral. S. paraibensis foi comparada com outras três espécies do gênero: S. harena, S. dapeste e S. diamantinae sinalizando diferenças no número de macroquetas da série “An” da quetotaxia cefálica e quantidade de espinhos no órgão metatrocanteral. S. harena comparada a S. dapeste, S. diamantinae e S. prodiga difere na quantidade de macroquetas da região cefálica, Abd I e Th III, pseudoporos da placa manubrial e espinhos do órgão metatrocanteral. S. brasiliana foi sinonimizada com S. potiguara e comparada com S. arenicola, S. jiboiensis e S. tinguira apresentando diferenças na quantidade de macroquetas do Abd. II e espinhos do colóforo posterior. Este trabalho além de mostrar a riqueza de colêmbolos em áreas de Mata Atlântica, contribui com o aumento do conhecimento da fauna de Entomobryoidea para Região Nordeste do Brasil, gerando metadados que são úteis para manutenção e manejo do Parque Estadual Dunas de Natal.


  • Mostrar Abstract
  • The northeastern region of Brazil, specifically Rio Grande do Norte state, holds several spots of Atlantic Rainforest with potentially large biological diversity, nevertheless still with a quite limited number of registers of springtails, particularly, of the subfamily Seirinae. At the same time, urban remnants of forested areas present great anthropic influence and the recognition of this diversity is the first step for their maintenance. This study had for main objective to perform a taxonomic study of the Seirinae species in such urban remnants, through the analysis of specimens deposited at the Collembola Collection of UFRN, collected between the July 2012 to July of 2017 with entomological aspirators and pitfall traps. Four species of Seira were redescribed in detail: S. paraibensis, S. arenicola, S. harena and S. brasiliana. S. dapeste, recently described from the study area was also included in the study. S. arenicola when compared with S. brasiliana, S. coroatensis and S. mataraquensis is dissimilar especially in number of macrochaetae on dorsal head as well as in the quantity of spines of the metatrocanteral organ. S. paraibensis was compared with another three species: S. harena, S. dapeste and S. diamantine signaling differences in the number of macrochaetae on “An” series of the cephalic chaetotaxy and quantity of spines on metatrocanteral organ. S. harena compared to S. dapeste, S. diamantinae and S. prodiga differs in the quantity of the macrochaetae of cephalic region, Abd I, Th III, pseudopores in the manubrial plate and thorns on metatrocanteral organ. S. potiguara was identified as a junior synonym of S. brasiliana and it was compared with S. arenicola, S. jiboiensis e S. tinguira, and all species differ in number of the macrochaetae of Abd II and ventral tube chaetotaxy. This study contributes with the increase of knowledge of Entomobryoidea fauna from Northeastern region of Brazil, producing metadata which can be used for maintenance of Parque Estadual Dunas do Natal.

4
  • JOSEMÁRIA SILVA DE FRANÇA
  • Novas espécies de Nothobrya Arlé, 1961 (Collembola, Entomobryidae)

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • NERIVANIA NUNES GODEIRO
  • Data: 25/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Collembola inclui pequenos artrópodes, comumente encontrados no solo, vivendo em ambientes úmidos e ricos em matéria orgânica em decomposição. Entre as formas mais diversificadas e numerosas do grupo estão os Entomobryidae, cuja classificação atual, inclui sete subfamílias. Nothobrya Arlé está inserido na subfamília Nothobryinae, sendo caracterizado pela presença de: órgão pós-antenal; ausência de escamas no corpo; 8+8 ocelos; antenas com seis antenômeros (primeiro e segundo segmentos subdivididos) e órgão metatrocanteral com 4-15 cerdas espiniformes. Este gênero possui duas espécies descritas até o momento: N. schubarti Arlé e N. arlei Silveira & Mendonça, registradas respectivamente para os estados do Piauí, Pernambuco e Rio de Janeiro. N. schubarti apresenta descrição pouco detalhada e carece de informações sobre quetotaxia cefálica e abdominal, já N. arlei omite em sua descrição a quetotaxia cefálica, assim como a nomenclatura das cerdas do tronco, e informações sobre a morfologia do triângulo labial e face dorsal do manúbrio. Este trabalho tem como objetivo descrever duas novas espécies de Nothobrya, apresentando informações morfológicas desconhecidas para o gênero. As coletas foram realizadas em dois municípios: Jardim do Seridó, Rio Grande do Norte e Porto Velho, Rondônia, utilizando-se armadilhas de queda do tipo pitfall trap e aspiradores entomológicos. Os espécimes foram identificados em laboratório e descritos de forma detalhada através de consulta a literatura específica. Nothobrya sp. nov. 1, Nothobrya sp. nov. 2 se assemelham às demais espécies do gênero pelo habitus e coloração do corpo, no entanto, essas espécies diferem entre si pelo número de cerdas no órgão metatrocanteral, número de cerdas do tenáculo e tenent hair. Nothobrya sp. nov. 1 e Nothobrya sp. nov. 2 e Nothobrya arlei podem ser diferenciadas também em relação ao número de macrocerdas nos segmentos torácicos e abdominais, fórmula das sensilas do tronco e o número de cerdas na face anterior e posterior do colóforo. Esse trabalho contribui com o reconhecimento de novas espécies para o gêneroNothobrya, adicionando informações morfológicas detalhadas para o táxon. Por outro lado, o registro e a descrição, de novas espécies permitem o planejamento e esforços de futuras ações no campo da conservação ambiental. 


  • Mostrar Abstract
  • Collembola holds small arthropods, commonly found on soil, living in humid environments rich in decaying organic matter. Entomobryidae gathers the most diversified and numerous forms of the group, and its current systematics includes seven subfamilies. Nothobrya Arlé is inserted in the subfamily Nothobryinae, being characterized by the presence of post-antennal organ; absence of body scales; 8 + 8 eyes; antennae with six segments (first and second segments subdivided); and trochanteral organ with 4–15 chaetae. The genus is currently represented by two described species: N. schubarti Arlé and N. arlei Silveira & Mendonça, recorded from Piauí, Pernambuco and Rio de Janeiro States. The two descriptions of N. schubarti are poorly detailed, lacking information about dorsal head and body chaetotaxy, while N. arlei has some omissions in the dorsal chaetotaxy description and nomenclature of the chaetae, as well as in the morphology of labial triangle and dorsal manubrium. This study consists in the description of two new species of Nothobrya, presenting new morphological information to the genus previously unknown. The collections were made in two municipalities: Jardim do Seridó, Rio Grande do Norte and Porto Velho, Rondônia, using pitfall traps and entomological aspirators. The specimens were analyzed and described using specific literature. Nothobrya sp. nov. 1 and Nothobrya sp. nov. 2 differs from known species of the genus in the number of dorsal chaetae and resembles these species by the colour pattern and habitus. However, Nothobrya sp. nov. 1 differs from Nothobrya sp. nov. 2 by the number of spine-like chaetae in the trochanteral organ, chaetae in the tenaculum, morphology tenent hair shape. Nothobrya sp. nov. 1 and Nothobrya sp. nov. 2 also differs from Nothobrya arlei by number of dorsal chaetae and the body sensillae formula plus anterior and posterior collophore chaetotaxy. This study contributed with the description of two new species to the genus Nothobrya, adding detailed morphological information to the taxon. Additionally, the record and description of new species allows the planning and efforts related to future actions in the environmental conservation field

5
  • MATEUS GERMANO SOUZA LIRA
  • Os peixes-anfíbios do complexo Kryptolebias marmoratus (Cyprinodontiformes: Cynolebiidae) nos manguezais neotropicais: história natural, distribuição geográfica e ecologia evolutiva

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CARLOS EDUARDO ROCHA DUARTE ALENCAR
  • FELIPE CAMURUGI ALMEIDA GUIMARÃES
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • Data: 26/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • A família Cynolebiidae, pertencente a ordem Cyprinodontiformes, anteriormente conhecida como Rivulidae, é mais conhecida pelos peculiares peixes-anuais, que compõe um grupo diversificado de pequenos peixes que vivem em ambientes aquáticos temporários ou perenes rasos. Com cerca de 350 espécies válidas e ampla distribuição geográfica em diversos micro-habitats continentais, geralmente córregos e pântanos rasos de água doce, com poucas espécies encontradas em águas salobras. Dentre as linhagens não-anuais está um grupo monofilético do gênero Kryptolebias, composta por sete espécies nominais válidas, ocorrendo da Flórida nos Estados Unidos a Santa Catarina no Brasil. Dentro do gênero, destacamos o grupo de espécies K. marmoratus (K. hermaphroditus, K. marmoratus e K. ocellatus) exclusivas de regiões estuarinas. Essas linhagens apresentam uma confusa taxonomia, com diagnose e distribuição geográfica incerta, devido à incompatibilidade de informações morfológicas e moleculares. Um Estudo recente com dados morfológicos sugeriu que duas espécies-irmãs, K. marmoratus (conhecida dos EUA e Caribe) e K. hermaphroditus, os únicos vertebrados auto-fecundantes conhecidos, ocorreriam no nordeste e sudeste do Brasil, respectivamente. Além de pequenas diferenças morfológicas entre as supostas espécies da costa brasileira, outras ecológicas foram apontadas, relacionadas com a distância do mar e aspectos do micro-habitat, assim como lacunas geográficas (Bahia e Sergipe e a oeste do Rio Grande do Norte) entre a distribuição geográfica das mesmas. No entanto, um amplo estudo molecular indicou que o complexo é formado por três linhagens distintas, com a ocorrência apenas de K. hermaphroditus no Brasil, conhecida somente no sudeste do Brasil até 2010. Portanto, uma ampla amostragem ao longo dos manguezais da costa brasileira foi feita nos últimos anos para levantar dados moleculares, morfológicos e ecológicos, para integrativamente determinar quais espécies ocorrem no país, e sua distribuição geográfica, assim como fornecer dados ecológicos originais destas linhagens. Foramamostradas localidades registradas em artigos e banco de dados online, inclusive a localidade-tipo, assim como novos registros, incluindo algumas áreas protegidas. Todas as coletas foram feitas de forma ativa, com peneiras de mão, além de coletas com esforço padronizado em parcelas delimitadas, aferições de dados ambientais e fauna acompanhante, para fornecer informações ecológicas. Com os dados obtidos até o momento, as áreas de ocorrência das espécies do complexo K. marmoratus para o Brasil foram ampliadas. O limite do clado Sul (K. hermaphroditus) foi expandido em cerca de 300 km ao sul, na ESEC Jureia-Itatins em São Paulo, e do clado Central de aproximadamente 1.590 km para o sul, na bacia do rio Marajó, no Pará. Novos registros foram feitos além do Pará, no Piauí, Ceará, Sergipe, Bahia, Sergipe, abrangendo assim a suposta lacuna no norte e nordeste do Brasil, descartando a hipótese de que a ausência de registros indicava a existência de uma barreira entre K. marmoratus no nordeste e K. hermaphroditus do Sudeste. As populações de K. hermaphroditus que apresentaram indivíduos com fenótipo masculino, só foram registrados em localidades do Sudeste que apresentavam dados abióticos extremos, o que levanta a hipótese de que a perda da integridade ambiental possa ativar gatilhos no desenvolvimento que resultem em machos primários. No Rio Grande do Norte, um único macho secundário foi coletado em 2015, dentro de um período de mais de seis anos de visitas ao manguezal no meio de um evento climático extremo com intensa seca na região nordeste do Brasil. As supostas lacunas de ocorrência nos manguezais do Brasil mostram que de fato a espécie apresenta ampla distribuição geográfica, mas ocupa um micro-habiat especifico, composto de poças rasas, difíceis de serem acessadas e geralmente negligenciadas por ictiólogos, corroborando a falta de inventários nas áreas intertidais nos manguezais. Embora esses peixes hermafroditas anfíbios sejam conhecidos desde o século XIX no Brasil, esses são os primeiros dados ecológicos padronizados de K. hermaphroditus, uma espécie que por suas peculiaridades reprodutivas e fisiológicas apresenta elevado potencial para estudos experimentais e ambientais. Os dados moleculares apontaram para uma maior diversidade genéticas nas populações nordeste, e um extrema homogeneidade no sudeste com um único haplótipo, além de indicar que os indivíduos do Pará estão inseridas no clado Central, indicando a presença de duas linhagens distintas do complexo K. marmoratus no norte do Brasil. Foram identificadas três linhagens na costa brasileira associadas com os regimes de marés (norte macrotidal, nordeste mesotidal, e sudeste microtidal). Assim, as diferenças morfológicas encontradas em estudo prévio podem indicar uma separação de populações, ao invés de espécies, entre o sudeste e nordeste, que pode estar realçada pela reprodução individual peculiar deste grupo de vertebrados.


  • Mostrar Abstract
  • The family Cynolebiidae, belonging to the family Cyprinodontiformes, was annulled as Rivulidae, is best known for the peculiar species of anise, which makes up a diverse group of small mammals that live in aquatic or glassy environments. With about 350 valid species and companies, the distribution of continental microhabitats, in all streams and shallow freshwater marshes, with roots of species in brackish waters. The non-series ranges are in a monophyletic group of the genus Kryptolebias, composed of seven valid nominal species, occurring in Florida in the United States to Santa Catarina in Brazil. Within the genus, the group of species K. marmoratus (K. hermafrodito, K. marmoratus and K. ocellatus), exclusive of estuarine regions, stand out. These lines have a liquid taxonomy, with diagnostic and distribution in the genesis, based on incompatibility of information on an important factors. A recent study with morphological data suggested that two sibling species, K. marmoratus (known from the US and Caribbean) and K. hermaphrodites, the only known self-fertilizing vertebrates, improvised in southeastern and southeastern Brazil, respectively. In addition to morphological differences between species of the Brazilian coast, other ecological aspects were pointed out, related to the distance of the sea and aspects of the microhabitat, as well as the geographic gaps (Bahia and Sergipe and west of Rio Grande do Norte) between geographic themselves. However, a large molecular study indicated that the complex is formed by three variants, with only one sample along the mangroves of the Brazilian coast. The latest data were performed in terms of morphological and ecological data, so that the data has been corrected in the country, and its geographic distribution, as well as providing original ecological data of these lines. Locations with data and online database, including a locality type, were cataloged as well as new records, including some protected areas. All the collections were done in an active way, with hand sieves, in addition to collections with standardized effort, delimited parcels, environmental data and monitoring of fauna, to provide ecological information. With the dates of contact to date, as areas of incidence of the species of the K. marmoratus complex for Brazil were expanded. The southern clade boundary (K. hermafrodito) was expanded about 300 km to the south, at ESEC Jureia-Itatins in São Paulo, and from the Central Clado of approximately 1,590 km to the south, in the Marajó river basin, in Pará. New records were made beyond Pará, in Piauí, Ceará, Sergipe, Bahia, Sergipe, thus covering a gap in northern and northeastern Brazil, ruling out a hypothesis that the absence of records indicates the existence of a barrier between K. marmoratus in northeast and K. hermaphrodito of the Southeast. The herdability of hermaphroditus, which individual affairs, pheneview male, the beenised by locality of Southeast that its read data computed extremes, or that shall a hypothesis of an a loss of the ambience in case in the primary machous. In Rio Grande do Norte, a single secondary male was collected in 2015, during a period of more than six years of visits to the mangrove swamp. The supposed emission gaps in Brazilian countries are in fact pointed out by a large number of gemstones, but they occupy a specific micro-fact, composed of traits, de-insurances and neglected by ichthyologists, corroborating a lack of invent in the intertidal areas in the mangroves. These amphibian hermaphrodites are broadwed from the 19th century in Brazil, they are the first standardized ecological data of K. hermaphroditus, a species that for its reproductive and physiological peculiarities presents high potential for experimental and environmental studies. The molecular data pointed to a greater genetic extension in the northeastern wings, and a non-oceanic homogeneous end with a single haplotype, besides indicating the individuals of Pará are inserted in the center, presenting a presence of two distinct species of the K. marmoratus complex in the north of Brazil. Three regimes were included in the Brazilian coast associated to the tide regimes (macrotidal north, mesotidal northeast, and microtidal southeast). Thus, as the morphological differences in the study may include a separation of spaces, at the same time as the territory of a nation, the southeast and northeast, which may be being enhanced by the peculiar individual reproduction of this group of vertebrates.

6
  • EDUARDO CALISTO TOMAZ
  • Taxonomia e biogeografia de Bromeliaceae na distribuição norte da Caatinga e Mata Atlântica do Brasil

  • Orientador : LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • GARDENE MARIA DE SOUSA
  • LEANDRO DE OLIVEIRA FURTADO DE SOUSA
  • RAFAEL BATISTA LOUZADA
  • Data: 27/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Bromeliaceae é um grupo natural amplamente distribuído nos Neotrópicos e reconhecido principalmente pelo caule extremamente reduzido e folhas alterno-espiraladas. Das cerca de 3.630 espécies conhecidas, 1.177 são exclusivamente brasileiras. O Nordeste do Brasil apresenta expressiva riqueza, potencial para a descoberta de novos táxos e alarmante estado de conservação, o que torna imprescindível a realização de estudos com a família na região. Assim, este trabalho objetiva analisar padrões biogeográficos de bromélias em uma porção do Nordeste do Brasil e descrever sua diversidade taxonômica, com ênfase nos estados do Ceará (CE) e Rio Grande do Norte (RN), buscando contribuir para medidas de conservação. Utilizando 2.671registros georreferenciados compilados de plataformas online, analisamos riqueza, densidade de coleta, endemismo e como variáveis ambientais influenciam a distribuição de bromélias em uma ecorregião de água doce. Para os tratamentos taxonômicos, foram realizadas expedições para coleta, observação de aspectos ecológicos, fenológicos e de distribuição geográfica, e cinco herbários foram visitados para complemento das análises morfológicas. Nossa amostragem registrou 23 gêneros e 108 espécies na área estudada. Para o CE, 39 espécies foram registradas, com duas novas ocorrências e uma de variedade, além de 26 espécies para o RN, das quais quatro são novas ocorrências. Precipitação média anual e altitude são fatores importantes que afetam a riqueza e distribuição dos gêneros na área estudada, fazendo da Mata Atlântica o domínio com maior riqueza, densidade de coleta e endemismo. Por outro lado, uma faixa de baixa precipitação pode estar agindo como barreira geográfica para gêneros dependentes de umidade. Concluímos que os dois estados de fato possuem riqueza subestimada e que a riqueza e endemismo de Bromeliaceae na área de estudo como um todo estão ligados a fragmentos de floresta úmida ou regiões de altitude elevada, que devem ser considerados áreas prioritárias para a conservação do grupo.


  • Mostrar Abstract
  • Bromeliaceae is a natural group widely distributed in the Neotropics and recognized mainly by the extremely reduced stem and alternate-spiraled leaves. Of the approximately 3,630 known species, 1,177 are exclusively Brazilian. Northeastern Brazil has a significant richness, potential for the discovery of new taxa and an alarming state of conservation, which makes it essential to carry out studies with the family in that region. Thus, this work aims to analyze biogeographical patterns of bromeliads in a portion of Northeast Brazil and to describe their taxonomic diversity, with emphasis on the states of Ceará (CE) and Rio Grande do Norte (RN), seeking to contribute to conservation measures. Using 2,671 georeferenced records compiled from online platforms, we analyzed richness, collection density, endemism, and how environmental variables influence the distribution of bromeliads in a freshwater ecoregion. For the taxonomic treatments, expeditions were carried out for collection, observation of ecological, phenological and geographical distribution aspects, and five herbaria were visited to complement the morphological analysis. Our sample recorded 23 genera and 108 species in the studied area. Thirty-nine species were registered in CE, with two new occurrences and one of variety, besides 26 species for RN, of which four are new occurrences. Mean annual precipitation and altitude are important factors that affect the richness and distribution of the genera in the studied area, making the Atlantic Forest the domain with greater richness, collection density and endemism. On the other hand, a belt of low rainfall may be acting as a geographic barrier to moisture-dependent genera. We conclude that the two states in fact possess underestimated richness and that the richness and endemism of Bromeliaceae in the study area as a whole are linked to fragments of wet forest or high-altitude regions, which should be considered priority areas for the conservation of the group.

7
  • SIMIÃO ALEFE SOARES DA SILVA
  • Dinâmica evolutiva do DNAr em cromossomos da família Eleotridae e notas sobre a evolução cariotípica em Gobiiformes (Osteichthyes,Teleostei) 


  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • CLÓVIS COUTINHO DA MOTTA NETO
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • Data: 27/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • A ordem Gobiiformes é composta por 9 famílias, 268 gêneros e 2.210 espécies, representando como um dos grupos mais diversificados dentre os teleósteos. A alta diversidade de espécie neste grupo é acompanhada por significativa diversidade cariotípica. De fato, apesar dos dados citogenéticos ainda serem bastantes escassos (5% das espécies), eles refletem a rica história evolutiva desse grupo. A associação da diversidade cariotípica deste grupo com possíveis parâmetros biológicos promotores de diversificação ainda não foi completamente estabelecida. Dentre as famílias menos diversificadas encontra-se a família Eleotridae, com 23 gêneros e 171 espécies. Na costa do Atlântico brasileira este grupo é formado por apenas 6 espécies, habitando rios próximos à costa e regiões estuarinas. Com vistas a ampliar os dados citogenéticos para o grupo, aqui foram analisadas quatro espécies da família Eleotridae (Dormitator maculatus, Eleotris pisonis, Erotelis smaragdus e Guavina guavina) com ocorrência no Atlântico Sul. As análises citogenéticas incluíram metodologias convencionais (coloração com Giemsa, impregnação por nitrato de prata, bandamento-C), coloração com fluorocromos base-específicos (MM/DAPI), hibridação in situ com sondas fluorescentes DNAr 18S e 5S e microssatélites de sequencias CAA e CA. Três espécies apresentaram 2n=46 cromossomos e uma apresentou 2n=52, com alguma variação nos cariótipos. Assim, enquanto Er. Smaragdus, E. pisonis e G. guavina apresentaram apenas cromossomos acrocêntricos (NF=46), (NF=52) respectivamente, D. maculatus exibe fórmula cariotípica com 36sm+4st+6a (NF=86). Os sítios Ag-RONs ocorrem em um único par cromossômico em Er. smaragdus (par 10), E. pisonis (par 21), D. maculatus (par 4) e G. guavina (par 19). O padrão heterocromático em E. pisonis e G. guavina é preferencialmente centromérico, enquanto em Er. smaragdus e D. maculatus, blocos heterocromáticos podem ocorrer nas regiões centroméricas, pericentroméricas e em regiões terminais dos cromossomos. Os sítios DNAr 18S demonstram correspondente com as marcações Ag-RONs e apresentaram alguma estabilidade evolutiva entre as espécies. Por outro lado, os sítios DNAr 5S revelaram considerável variação entre as espécies destes gêneros de Eleotridae. De fato, ocorrem em dois pares acrocêntricos em E. pisonis, mostram-se co-localizados com sítios DNAr 18S na porção intersticial do par 21 em Er. smaragdus e apresentaram-se duplicados, em G. guavina foi encontrado marcações comuns em teleosteis, e um notável polimorfismo estrutural foi encontrado em D. maculatus. Nesta última espécie os sítios DNAr apresentaram dois padrões de organização. Enquanto alguns indivíduos apresentam sítios simples de DNAr 18S e DNAr 5S em dois diferentes pares cromossômicos, outros indivíduos apresentaram cariótipos com um cromossomo portando um sítio DNAr 18S, um cromossomo com um sítio DNAr 5S e terceiro cromossomo com sítios DNAr 18S e 5S co-localizados. Apesar de apresentarem conservadorismo numérico dos cromossomos (2n=46), as variações macroestruturais (D. maculatus) ou na organização interna de sequências ribossomais (D. maculatus, E. pisonis e Er. smaragdus), indicam uma intensa participação de inversões cromossômicas na evolução cariotípica da família.


  • Mostrar Abstract
  • The order Gobiiformes is composed of 9 families, 268 genera and 2,210 species, representing one of the most diversified groups among teleosts. The high species diversity in this group is accompanied by significant karyotype diversity. In fact, although the cytogenetic data are still very scarce (5% of the species), they reflect the rich evolutionary history of this group. The association of the karyotype diversity of this group with possible biological parameters promotes diversification has not yet been fully established. Among the less diversified families is the family Eleotridae, with 23 genera and 171 species. In the Brazilian Atlantic coast this group is formed by only 6 species, inhabiting rivers near the coast and estuarine regions. In order to increase the cytogenetic data for the group, four species of the family Eleotridae (Dormitator maculatus, Eleotris pisonis, Erotelis smaragdus and Guavina guavina) were analyzed in the South Atlantic. Cytogenetic analyzes included conventional methodologies (Giemsa staining, impregnation base-specific (MM / DAPI) staining, in situ hybridization with 18S and 5S DNAr fluorescent probes and CAA and CA sequence microsatellites. Three species presented 2n = 46 chromosomes and one presented 2n = 52, with some variation in karyotypes. So while Er. Smaragdus, E. pisonis and G. guavina presented only acrocentric chromosomes (NF = 46), (NF = 52) respectively, D. maculatus exhibits karyotype formula with 36sm + 4st + 6a (NF = 86). Ag-RON sites occur in a single chromosomal pair in Er. smaragdus (par 10), E. pisonis (par 21), D. maculatus (par 4) and G. guavina (par 19). The heterochromatic pattern in E. pisonis and G. guavina is preferably centromeric, while in Er. smaragdus and D. maculatus, heterochromatic blocks can occur in the centromeric, pericentromeric and terminal regions of the chromosomes. The 18S rDNA sites correlate with Ag-RONs and showed some evolutionary stability between species. On the other hand, 5S rDNA sites revealed considerable variation among the species of these genera of Eleotridae. In fact, they occur in two acrocentric pairs in E. pisonis, they are co-located with 18S rDNA sites in the interstitial portion of pair 21 in Er. smaragdus and duplicates were found, in G. guavina common markings were found in teleosteis, and a remarkable structural polymorphism was found in D. maculatus. In this last species the DNAr sites presented two patterns of organization. While some individuals show single sites of 18S rDNA and 5S rDNA in two different chromosome pairs, other individuals presented karyotypes with one chromosome carrying a 18S rDNA site, one chromosome with a 5S rDNA site, and a third chromosome with 18S and 5S rDNA sites co-located . Although macroscopic (D. maculatus) or internal arrangement of ribosomal sequences (D. maculatus, E. pisonis and Er. Smaragdus) indicate a strong participation of chromosomal inversions in the karyotype evolution of the family.

8
  • HIPÓCRATES MATHEUS JOSÉ DA SILVA FORTUNATO
  • Taxonomia integrativa de Streptoprocne biscutata (Sclater, 1866) (Aves:Apodidae) no Brasil

  • Orientador : MAURO PICHORIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MAURO PICHORIM
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • GUILHERME GERHARDT MAZZOCHINI
  • Data: 27/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Em 1991, H. Sick descreveu a subespécie Streptoprocne biscutata seridoensis a partir de espécimes coletados de uma colônia do estado do Rio Grande do Norte. A diagnose desta subespécie é baseada exclusivamente em diferenças de tamanho de asa e cauda daquela população com as do sul e sudeste do Brasil. Porém, as subespécies que representam apenas seções arbitrárias de um cline não devem ser consideradas como entidades evolutivamente distintas. As diferenças apontadas pelo autor entre estas duas populações de Streptoprocne biscutata não foram justificadas por nenhum teste estatístico. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi verificar estatisticamente se a subespécie S. b. seridoensis possui medidas menores que S. b. biscutata e pretende-se verificar se elas se tratam ou não de uma variação gradual ao longo de um gradiente latitudinal. Para verificar se as subespécies possuem tamanhos diferentes comparamos as medidas entre S. b. seridoensis e S. b. biscutata.  As medidas analisadas foram envergadura, comprimento total, asa (flat), cauda, peso, tarso e culmen exposto. A subespécie S. b. biscutata obteve médias maiores: envergadura, comprimento total, peso, asa, cauda e tarso, foi identificado também uma influência da latitude sobre todas as medidas morfométricas. Considerando que as diferenças de morfologia e peso observadas entre populações representam apenas variações clinais, sugerimos que a classificação da categoria subespécie baseada apenas neste critério seja revogada.


  • Mostrar Abstract
  • In 1991, H. Sick described the subspecies Streptoprocne biscutata seridoensis based on specimens collected from a colony in the state of Rio Grande do Norte. The diagnosis of this subspecies is based exclusively on differences in wing and tail size of that population compared to those in southern and southeastern Brazil. However, subspecies that represent only arbitrary sections of a cline should not be considered as evolutionarily distinct entities. The differences pointed out by the author between these two populations of Streptoprocne biscutata were not justified by any statistical test. Therefore, the objective of this work was to verify statistically if the subspecies S. b. seridoensis has measures smaller than S. b. biscutate is intended to verify whether or not they are a gradual variation along a latitudinal gradient. To verify if the subspecies have different sizes, we compare the measures between S. b. seridoensis and S. b. biscutata. The measures analyzed were wingspan, total length, wing (flat), tail, weight, tarsus and exposed culmen. The subspecies S. b. biscutata obtained larger averages: wingspan, total length, weight, wing, tail and tarsus, an influence of latitude was also identified on all the morphometric measures. Considering that the differences in morphology and weight observed between populations represent only clonal variations, we suggest that the classification of the subspecies category based only on this criterion be repealed.

9
  • NATHALIA MENDONÇA DE ASSIS
  • Sistemática e Taxonomia de Fungos Gasteroides (Basidiomycota) na Amazônia Meridional, Brasil

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • PAULO SERGIO MARINHO LUCIO
  • THIAGO ACCIOLY DE SOUZA
  • Data: 07/03/2019

  • Mostrar Resumo
  • A Floresta Amazônica é caracterizada como a maior floresta tropical úmida do mundo com alta biodiversidade de organismos. O domínio Amazônico no Estado do Mato Grosso está inserido em uma região conhecida como “arco do desmatamento”, onde a fronteira agrícola avança em direção as florestas e os índices de desmatamento são os mais altos em todo o bioma Amazônico. Em relação aos fungos, principalmente os gasteroides, esta biodiversidade ainda é pouco conhecida. Situados dentro do filo Basidiomycota, os fungos gasteroides são reconhecidos pela maturação dos basidiósporos dentro do basidioma e pela liberação passiva dos esporos.  O objetivo deste trabalho é investigar as espécies de fungos gasteroides em áreas florestais no estado do Mato Grosso, através de estudos taxonômicos de espécimes coletados e de revisão bibliográfica. Durante parte do período chuvoso de 2017 e 2018 (fevereiro e março, respectivamente) foram realizadas incursões a campo para coleta dos basidiomas nas áreas de estudo. Os basidiomas foram fotografados e posteriormente descritos e ilustrados macro- e microscopicamente. Os dados obtidos são 14 espécies dos gêneros Geastrum, Cyathus, Morganella, Phallus e Xylophallus. Das espécies identificadas, duas são novos registro para a ciência (Geastrum hialimum e Geastrum sp. nov.) e Geastrum pusillipilosum, G. albonigrum G. entomophilum, G. javanicum, G. schweinitzii, G. rusticum, G. javanicum, G. triplex, Lycoperdon fuligineum, Phallus indusiatus, Cyathus amazonicus e Xylophallus xylogenus constituem novos registros para o Estado do Mato Grosso e, no caso de G. pusillipilosum e G. rusticum, novos registros para o domínio Amazônico.


  • Mostrar Abstract
  • The Amazon Rainforest is the largest tropical rainforest in the world, with high biodiversity of organisms. In relation to fungi, mainly the gasteroids, this biodiversity is little known. Gasteroid fungi belongs to the phylum Basidiomycota. They are recognized by the maturation of basidiospores inside the basidioma and by the passive release of spores. The Amazonian domain in the State of Mato Grosso, Brazil, is located in a region known as "deforestation arc", where the agricultural frontier advances towards the forests. This region encompass the highest rates of deforestation along the entire Amazonian domain. This corroborates the urgency of research establishment in the region, both to exploit this little-known biodiversity and to delineate effective conservation strategies. This work aims to investigate gastrophobic fungi species in forest areas in the state of Mato Grosso, through taxonomic studies of collected specimens and bibliographic review. During the rainy season of 2017 and 2018 (February and March, respectively), field trips were made to collect the basidiomas at the study areas.  The basidiomas were photographed, described and illustrated macro- and microscopically. The data obtained are 14 species of the genus Geastrum, Cyathus, Morganella, Phallus and Xylophallus. From the species identified, two are a new species (Geastrum hialimum e Geastrum sp. nov.) and Geastrum pusillipilosum, G.albonigrum, G.entomophilum, G.javanicum, G.schweinitzii, G. rusticum, G.javanicum, G.triplex, Lycoperdon fuligineum, Phallus indusiatus, Cyathus amazonicus and Xylophallus xylogenus constitute new records for the State of Mato Grosso. G. pusillipilosum and G. rusticum are new records for the Amazonian domain.

10
  • ALEF KENNEDY ROCHA DA SILVA
  • Ostracoda (Arthropoda, Crustacea) subrecente da plataforma continental setentrional do Rio Grande do Norte, Brasil

  • Orientador : SIMONE NUNES BRANDÃO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SIMONE NUNES BRANDÃO
  • EMANUELLE FONTENELE RABELO
  • MARIANA SANTANA SANTOS PEREIRA DA COSTA
  • Data: 22/08/2019

  • Mostrar Resumo
  • A classe Ostracoda apresenta um dos mais diversos e abundantes registros fósseis dentre todos os animais, além de uma ampla distribuição estratigráfica (do Ordoviciano ao Recente) e distribuição geográfica cosmopolita. Estas características fazem com que o grupo seja amplamente utilizado como indicador ecológico e paleoecológico. A presente dissertação de mestrado teve como objetivo fazer um levantamento taxonômico da fauna de Ostracoda subrecente da plataforma continental setentrional do Rio Grande do Norte, Nordeste do Brasil, assim como investigar aspectos ecológicos desta fauna. Vinte e uma amostras foram coletadas com auxílio de um busca fundo do tipo Van Veen na plataforma interna e externa ao largo do Rio Açu. Um total de 63 espécies, 31 gêneros e 16 famílias foram identificados. Hemicytheridae foi a família com maior riqueza de gêneros e também com maior abundância (número de valvas / 100g de amostra seca). Pellucistoma Coryell & Fields, 1937 e Bythocythere Sars, 1866 foram os gêneros mais abundantes. Neonesidea Maddocks, 1969, Semicytherura Wagner, 1957 e Paracytheridea Mueller, 1894 apresentaram as maiores riquezas de espécies. Com base nas assembleias de Ostracoda, as regiões interna e externa da plataforma se mostraram significativamente diferentes. Dos 31 gêneros presentes nas amostras, nove foram encontrados somente na região externa, quatro na interna e 18 apresentaram ocorrência comum às duas regiões. Dentre as variáveis ambientais analisadas, a profundidade e o tipo de sedimento foram os fatores que melhor explicaram a distribuição atual dos ostracodes marinhos bentônicos ao longo das porções interna e externa da plataforma continental setentrional do Rio Grande do Norte.


  • Mostrar Abstract
  • The class Ostracoda has one of the most diverse and abundant fossil records among all animals, as well as a wide stratigraphic distribution (from the Ordovician to the Recent) and cosmopolitan geographical distribution. For these characteristics the group is widely used as an ecological and paleoecological indicators. This Master Thesis aimed to at performing a taxonomic survey of the Ostracoda fauna in the northern continental shelf of Rio Grande do Norte state, Northeast Brazil, as well as to investigate ecological aspects of this fauna. Twenty-one samples were collected with a Van Veen gral from the internal and external platform regions off the Açu River. A total of 63 species, 31 genera and 16 families were identified. Hemicytheridae was the family with the highest genus richness and also with the highest abundance (number of valves / 100g of dry sample). Pellucistoma Coryell & Fields, 1937 and Bythocythere Sars, 1866 were the most abundant genera. Neonesidea Maddocks, 1969, Semicytherura Wagner, 1957 and Paracytheridea Mueller, 1894 presented the highest species richness. Based on the Ostracoda assemblages, the internal and external regions of the platform were significantly different. Of the 31 genera present in the samples, nine were found only in the external region, four were found only in the internal region and 18 were common to both regions. Among the environmental variables analyzed, depth and sediment type were the factors that best explained the current distribution of benthic marine ostracodes along the internal and external regions of the northern continental shelf of Rio Grande do Norte state, Northeastern Brazil.

Teses
1
  • JULIETH DE OLIVEIRA SOUSA
  • REVISÃO DA FAMÍLIA GEASTRACEAE CORDA (GEASTRALES, BASIDIOMYCOTA) COM ÊNFASE EM ESPÉCIES NEOTROPICAIS

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BIANCA DENISE BARBOSA DA SILVA
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • IURI GOULART BASEIA
  • RAQUEL CORDEIRO THEODORO
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • Data: 26/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Cerca de 97% das espécies fúngicas existentes ainda não foram descritas pela ciência, mesmo a identificação sendo embasamento para uma gama de estudos aplicados (e.x. bioprospecção, evolução, ecologia, conservação). A utilização dos códigos de barras moleculares (barcodes) vem auxiliando a delimitação de espécies. Sobretudo para os fungos gasteroides (Basidiomycota), o espaçador transcrito interno do DNA ribossômico nuclear (ITS) vem demostrando eficiência para o descobrimento de uma diversidade escondida. A família Geastraceae é constituída pelos gêneros gasteroides Geastrum e Myriostoma, sendo os espécimes popularmente conhecidos como estrelas-da-terra (earthstars). Embora seja uma das mais ricas do filo, o conhecimento sobre a diversidade desta família apresenta lacunas, especialmente na região Neotropical, onde há países megadiversos, “hotspots” e ecossistemas tropicais, os quais demonstram elevado potencial para abrigar uma diversidade escondida. Assim, objetiva-se revisar coleções de representantes da família Geastraceae, enfatizando os que apresentam distribuição Neotropical. As análises basearam-se em dados morfológicos e moleculares. Foram investigadas 215 amostras provenientes de 10 diferentes herbários nacionais e internacionais; sendo destas 14 coleções tipo. A metodologia consistiu em uma profunda revisão dos caracteres morfológicos, além de análises filogenéticas moleculares das regiões ITS, LSU, ATP6, RPB2 e TEF1α, sobre os critérios de Máxima Parcimônia, Máxima Verossimilhança e Inferência Bayesiana. Foram geradas 186 sequências novas, as quais foram comparadas com 294 sequências homólogas provenientes do banco de dados GenBank. Foram descritas 12 espécies novas de Geastrum: G. laevisporum J.O. Sousa & Baseia; G. pusillipilosum J.O. Sousa et al.; G. verrucoramulosum T.S. Cabral, J.O. Sousa & Baseia; G. magnosporum J.O. Sousa et al.; G. caatingense J.O. Sousa, M.P. Martín & Baseia; G. parvistellum J.O. Sousa, M.P. Martín & Baseia; G. baculicrystallum J.O. Sousa et al.; G. brunneocapillatum J.O. Sousa et al.; G. courtecuissei P.-A. Moreau & C. Lécuru, G. neoamericanum J.O. Sousa et al.; G. rubellum P.-A. Moreau & C. Lécuru; G. rubropusillum J.O. Sousa et al. Para o gênero Myriostoma duas espécies novas foram descritas: M. calongei Baseia, J.O. Sousa, & M.P. Martín e M. australianum J.O. Sousa Baseia & M.P. Martín; ademais, foram propostas duas combinações novas: M. areolatum (Calonge & M. Mata) M.P. Martín, J.O. Sousa & Baseia e M. capillisporum (V.J. Stanek) L.M. Suz et al., e eleito um epitipo para este gênero. Os dados gerados por esta revisão modificaram as interpretações sobre a sistemática de Geastraceae, sendo possível contribuir com o conhecimento sobre a riqueza dessa família. 


  • Mostrar Abstract
  • About 97% of fungi species have not been described by science, although the identification being the basis for many applicate studies (ex: bioprospecting, evolution, ecology, conservation). Barcodes have been very useful to species delimitation. Mainly for gasteroid fungi (Basidiomycota), the Internal Transcribed Spacer of DNA (ITS) has demonstrated to be very efficcacy to discover hidden diversity.  The family Geastraceae is constituted by the gasteroid genus Geastrum and Myriostoma, being the specimens popularly known as earthstars. Although it is one of the richest families in the phylum, the knowledge about the diversity of this family has gaps, especially in the Neotropical region, where there are megadiverse countries, “hotspots” and tropical ecosystems, which have high potential to shelter hidden diversity. Thus, this study aimed to review collections of family Geastraceae, emphasizing those with Neotropical distribution. Two hundred and fifteen samples from ten distinct international and national fungal collections were studied, which 14 of these are type collections. The methods consisted in a deep revision of morphological characters, besides the molecular phylogentic analyses of the DNA regions ITS, LSU, ATP6, RPB2 e TEF1α, following Maximum Parsimony, Maximum Likelihood and Bayesian analyses. There were generated 186 new sequences, which were compared with 294 homologue sequences from GenBank data. Twelve news species of Geastrum were described:  G. laevisporum J.O. Sousa & Baseia; G. pusillipilosum J.O. Sousa et al.; G. verrucoramulosum T.S. Cabral, J.O. Sousa & Baseia; G. magnosporum J.O. Sousa et al.; G. caatingense J.O. Sousa, M.P. Martín & Baseia; G. parvistellum J.O. Sousa, M.P. Martín & Baseia; G. baculicrystallum J.O. Sousa et al.; G. brunneocapillatum J.O. Sousa et al.; G. courtecuissei P.-A. Moreau & C. Lécuru, G. neoamericanum J.O. Sousa et al.; G. rubellum P.-A. Moreau & C. Lécuru; G. rubropusillum J.O. Sousa et al. For the genus Myriostoma, two new species were described: M. calongei Baseia, J.O. Sousa, & M.P. Martín and M. australianum J.O. Sousa Baseia & M.P. Martín; moreover, two new combinations were proposed: M. areolatum (Calonge & M. Mata) M.P. Martín, J.O. Sousa & Baseia and M. capillisporum (V.J. Stanek) L.M. Suz et al.; the epitype for the genus was elected. The data generated by this revision changed the systematic interpretations about the family Geastraceae and it was possible to enhance the knowledge about the richness of this family.

2
  • RICARDO AMBRÓSIO SOARES DE PONTES
  • Revisão taxonômica, conservação e morfoanatomia de Araeococcus Brong. (Bromeliaceae, Bromelioideae)

  • Orientador : LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GARDENE MARIA DE SOUSA
  • LEANDRO DE OLIVEIRA FURTADO DE SOUSA
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • RAFAEL BATISTA LOUZADA
  • RAFAELA CAMPOSTRINI FORZZA
  • Data: 27/02/2019

  • Mostrar Resumo
  • Araeococcus Brong. é um pequeno, raro e interessante gênero de Bromeliaceae, subfamília Bromelioideae. Aqui apresentamos a revisão taxonômica baseado em extenso trabalho de campo, pesquisa morfoanatômica e taxonomia clássica em uma tese estruturada em seis capítulos. Araecoccus possui afinidades morfológicas com o gênero Lymania Read, sendo diferenciado principalmente pela ausência de calosidade na pétala, estame antipétalo adnato à pétala e morfologia dos ovários e frutos. É endêmico da região Neotropical, ocorrendo na Costa Rica, Panamá, Colômbia, Trinindad-Tobago, toda a Amazônia Legal e na Floresta Atlântica Nordestina. São epífitas, ou mais raramente terrestres, ocorrendo em florestas úmidas e semidecíduas bem conservadas. Historicamente, dois distintos grupos morfo-biogeográficos (Araeococcus subgen. Araeococcus e A. subgen. Pseudoaraeococcus) são aceitos, baseados na presença ou ausência de flores pediceladas. Esse caráter tem mostrou-se artificial e de valor fraco taxonômico. O grupo apresenta-se ora como polifilético, ora como monofilético, tendo sua história evolutiva ainda incerta, mas forte evidência de formação de pelo menos dois clados distintos. Foram realizadas seis expedições de campo, sendo duas para a floresta amazônica (Amapá, Roraima/Amazonas) e quatro para a floresta atlântica (Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Bahia). Os herbários HAMAB, INPA (Amazonas), CEPEC, HURB (Bahia) e RB, HB e R (Rio de Janeiro) foram visitados, além de material sob a forma empréstimos de outros herbários (NY, UFP, ALCB, CEN, UFMT, MG) foram analisados, além de, visitas virtuais a coleções on line. Um total de 300 espécimes foram analisados, destes, nove espécies foram reconhecidas como tradicionalmente estabelecidas e foram expandidas quanto a sua caracterização morfológica. Neste trabalho quatro novas espécies para o grupo estão sendo propostas (A. serranensis, A. longipedicellatus, A. prancei e Araecoccus sp. nov.), totalizando 14 táxons, tendo um aumento de 55% no número de espécies para o grupo. Uma nova espécie (A. lageniformis), foi proposta e aceita para publicação. A morfologia externa demostrou ser útil para segregar os dois subgêneros, como a arquitetura foliar, tipo de reprodução vegetativa, morfologia dos estigmas, morfologia da superfície da testa das sementes. Também foram realizadas duas neotipificações (Araeococcus micranthus e A. flagellifolius) e uma emenda à uma descrição original. Estudos anatômicos (microscopia de luz e microscopia eletrônica de varredura) de folhas e flores foram realizados e revelaram dados desconhecidos para o grupo, como a variabilidade dos tipos de estigma. A anatomia revelou que a densidade e morfologia dos tricomas na superfície da folha, a disposição dos estômatos, oclusão das câmaras subestomáticas e distribuição das fibras no mesofilo, são características úteis para separar os subgêneros. Dada as evidências morfológicas, anatômicas e biogeográficas, propomos um novo gênero, Pseudaraeococcus. Características morfológicas diagnósticas, habitat, observações sobre conservação, distribuição geográfica foram analisadas. São apresentados a chave de identificação de espécies, ilustrações, mapas de distribuição geográfica, pranchas fotográficas das espécies e detalhes de flores, brácteas e sementes.


  • Mostrar Abstract
  • Araeococcus Brong. is a small and rare genus of Bromeliaceae that is placed in core of the subfamily Bromelioideae. Here we provide its taxonomic revision through an extensive morphological, taxonomic and anatomical work in thesis structured in six chapters. Araeococcus has morphological affinities with Lymania Read, being distinguished mainly by the absence of lateral folders in the petal, antipetalous petal stamen adnate to the petal and morphology of the ovary and fruit. It is endemic to the Neotropical region, occurring in Costa Rica, Panamá, Colombia, Trinindad-Tobago, all of the Amazonian região and in the Northeastern Atlantic Forest. Araeococcus is epiphytic, or more rarely terrestrial, occurring in conserved humid and semi-deciduous forests. Historically, two distinct morpho-biogeographical groups (Araeococcus subgenus Araeococcus and Araeococcus subgenus Pseudaraeococcus) are accepted, based on the presence or absence of pedicellate flowers. This character has shown to be artificial and of weak value for taxonomy. The group appears either as polyphyletic, sometimes as monophyletic, and its evolutionary history is still uncertain but at least two clades are resolved. Six field expeditions were carried out, two for the Amazon forest (Amapá, Roraima and Amazonas) and four for the Atlantic forest (Paraíba, Pernambuco, Alagoas and Bahia). The herbaria HAMAB, INPA (Amazonas), CEPEC, HURB (Bahia) and RB, HB and R (Rio de Janeiro) were visited, as well as loans from other herbaria (NY, UFP, ALCB, CEN, UFMT, MG) were analyzed, as well as virtual visits to online collections. A total of 300 specimens were analyzed, of which nine species were recognized as traditionally established but with an expanded morphological characterization. Four new species for the group are being proposed (A. serranensis, A. longipedicellatus, A. prancei and Araecoccus sp. nov.), Totaling 14 taxa, with a 55% increase in the number of known species. A new species (A. lageniformis) has been proposed and accepted for publication. The external morphology showed to be useful to segregate the two subgenera, by the foliar architecture, type of vegetative reproduction, stigmas morphology, seed surface morphology. Two neotypifications (Araeococcus micranthus and A. flagellifolius) were also performed and one amendment to the original description. Anatomic studies (light microscopy and scanning electron microscopy) of leaves and flowers were performed. The anatomy revealed that the density and morphology of the trichomes on the leaf surface, the arrangement of the stomata, occlusion of the sub-stomatic chambers and distribution of the fibers in the mesophyll are useful characteristics to separate the subgenera. Given the morphological, anatomical and biogeographic evidences, we propose here the segregation of the genus Araeococcus, raising the subgenus Pseudaraeococcus to the category of a new genus. Diagnostic morphological characteristics, habitat, observations on conservation, geographic distribution were analyzed. Identification keys, illustrations, geographic distribution maps, photographic and line drawings plates of the species and details of flowers, bracts and seeds are presented.

3
  • RUDY CAMILO NUNES
  • Estudo taxonômico dos Entomobryoidea (Arthropoda: Collembola) em áreas prioritárias para conservação da caatinga

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • NIKOLAS GIOIA CIPOLA
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • RENATA ANTONACI GAMA
  • TACIANO DE MOURA BARBOSA
  • Data: 26/08/2019

  • Mostrar Resumo
  • Collembola são pequenos artrópodes amplamente distribuídos por todos os ecossistemas terrestres, com tamanho corporal variando entre 0.12 e 17 mm, e cerca de 9,000 espécies descritas no mundo. Entomobryoidea é a maior superfamília de Collembola, englobando Microfalculidae, Entomobryidae e Paronellidae, sendo que apenas as duas últimas possuem registros para o Brasil, onde a riqueza taxonômica de Collembola é subestimada, com cerca de 291 espécies registradas. A Caatinga está entre os domínios menos amostrados, embora compreenda uma enorme diversidade de ambientes e micro-hábitats, formando um mosaico de diferentes tipos de vegetação caducifólia e com altos índices de endemismo. Para Collembola, a morfologia é a fonte primordial de caracteres taxonômicos e o estudo da quetotaxia dorsal é quase que universalmente utilizado como um caráter preponderante. Neste trabalho, foram amostradas quatro áreas prioritárias para a conservação da biodiversidade da Caatinga, mas que possuem pouquíssimas informação sobre Collembola: Parques Nacionais Serra da Capivara, Serra das Confusões e Sete Cidades, e zona rural do município de Picos, todas no Estado do Piauí. Ao final, foi possível delinear um perfil inicial da fauna de Entomobryoidea nas áreas amostradas, onde provemos um inventário das espécies que ocorrem nessas áreas e sua distribuição pontual. Ao todo foram descritas oito novas espécies: Capbrya sp. n., Cyphoderus equidenticulati Nunes e Bellini, Lepidosira neotropicalis Nunes e Bellini, Nothobrya sertaneja Nunes e Bellini, Pseudosinella triocellata Nunes e Bellini, Seira sp. nov.1, Seira sp. nov.2 e Trogolaphysa piracurucaensis Nunes e Bellini. Foram fornecidas chaves de identificação para as espécies brasileiras de Cyphoderus, Pseudosinella e Trogolaphysa, para os gêneros Neotropicais de Entomobryinae, para as espécies conhecidas de Nothobryinae, e para as espécies de Entomobryoidea das quatro áreas amostradas. Os registros de Entomobryoidea na área estudada passaram de 4 para 22 espécies, 9 gêneros, 6 subfamílias e 2 famílias. Após uma revisão bibliográfica extensa propusemos uma nova diagnose para Lepidosira, descrevemos pela primeira vez a quetotaxia dorsal completa de uma espécie do gênero, e propusemos uma hipótese de posicionamento filogenético baseada em dois marcadores nucleares (18SrRNA e 28SrRNA) e um mitocondrial (COI), corroborando pela primeira vez a transferência do grupo-Lepidosira de Seirinae para Entomobryinae. Elucidamos caracteres chave para a sistemática de Nothobryinae, propusemos sua divisão em duas tribos, e sua inclusão na subfamília Orchesellinae.


  • Mostrar Abstract
  • Collembola are small arthropods widely distributed all over terrestrial ecosystems, with a body size ranging between 0.12 and 17 mm, and about of 9,000 described species in the world. Entomobryoidea is the largest Collembola superfamily, encompassing Microfalculidae, Entomobryidae and Paronellidae, with only the last two recorded from Brazil, where the Collembola taxonomic richness is subestimated, with about of 291 recorded species. Caatinga is among the less sampled Brazilian domains, although it comprises a huge diversity of environments and microhabitats, forming a mosaic of different types of deciduous vegetation with high endemism rates. In Collembola, morphology is the primordial source of taxonomic characters and the study of the dorsal chaetotaxy is almost universally used as a preponderant character. In this study, four priority areas for the Caatinga biodiversity conservation were sampled, all of them with very few information about Collembola: Serra da Capivara, Serra das Confusões and Sete Cidades National Parks, and Picos municipality, all these areas in the Piauí State. At the end of this study it was possible to delineate an initial profile of the Entomobryoidea fauna in the sampled areas, providing an inventory of species occurring in these areas and their distribution. Eight new species were described: Capbrya sp. n., Cyphoderus equidenticulati Nunes and Bellini, Lepidosira neotropicalis Nunes and Bellini, Nothobrya sertaneja Nunes and Bellini, Pseudosinella triocellata Nunes and Bellini, Seira sp. nov.1, Seira sp. nov.2 and Trogolaphysa piracurucaensis Nunes and Bellini. Identification keys were provided for the Brazilian species of Cyphoderus, Pseudosinella and Trogolaphysa, for the Neotropical genera of Entomobryinae, for the known species of Nothobryinae, and for the Entomobryoidea species from the four sampled areas. Records of Entomobryoidea from the studied areas went from 4 to 22 species, 9 genera, 6 subfamilies and 2 families. After an extensive bibliographic revision, we proposed a new diagnosis for Lepidosira, described the complete dorsal chaetotaxy of a species of this genus for the first time, and proposed a hypothesis of phylogenetic positioning based on two nuclear (18SrRNA and 28SrRNA) and one mitochondrial (COI) markers, corroborating the transfer of the Lepidosira-group from Seirinae to Entomobryinae for the first time. We also elucidate key characters for the Nothobryinae systematics and proposed its division in two tribes (Capbryini and Nothobryini), and their inclusion in the subfamily Orchesellinae, invalidating Nothobryinae as an independent subfamily.

4
  • MARIA APARECIDA FERNANDES
  • Evolução cariogenômica em peixes recifais das famílias Acanthuridae (Acanthuriformes) e Holocentridae (Holocentriformes)

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLÓVIS COUTINHO DA MOTTA NETO
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • KATIA CASTANHO SCORTECCI
  • PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • Data: 30/08/2019

  • Mostrar Resumo
  • As famílias Acanthuridae e Holocentridae constituem grupos de peixes marinhos com alta representatividade em recifes de corais, onde desempenham importantes funções ecológicas no equilíbrio ambiental. Aspectos biológicos, filogeográficos e taxonômicos destas famílias são amplamente conhecidos, contudo, seus aspectos citogenéticos são incipientes. Com vistas a ampliar o conhecimento acerca da evolução cariotípica e possíveis variações citogenéticas interpopulacionais foram analisadas quatro espécies de Acanthuridae (A. coeruleus, A. bahianus e A. chirurgus – Atlântico Ocidental; e Acanthurus triostegus - Indo-Pacífico) e três espécies de Holocentridae (Myripristis jacobus, Holocentrus adscensionis – Atlântico Ocidental; e Sargocentron rubrum – Índico). As análises utilizaram técnicas citogenéticas convencionais, coloração com fluorocromos base-específicos e mapeamento de sequências repetitivas DNAr 18S, DNAr 5S, histonas H3 e H2B-H2A e retrotransposon Rex3, através da hibridação fluorescente in situ. Nos Acanthuridae, A. triostegus apresentou um padrão cariotípico considerado basal para Percomorpha (2n=48; NF=48), enquanto as espécies do Atlântico Ocidental exibiram uma divergência cariotípica sequencial associada a divergência filogenética. Variação interpopulacional de sítios 18S DNAr foi identificada entre populações de A. coeruleus do Atlântico Ocidental e do Caribe. O mapeamento de sítios DNAr 18S, DNAr 5S, DNAhis H2B-H2A e H3 mostraram padrões diversificados, indicativos de uma evolução cariotípica dinâmica no gênero Acanthurus. As espécies de holocentrídeos M. jacobus e S. rubrum apresentaram 2n=48 cromossomos acrocêntricos, enquanto H. adscensionis, 2n=50 (2m+6sm+16st+26a). Neste grupo os sítios DNAr 18S e 5S constituem marcadores citotaxonômicos discriminantes, onde elementos Rex e repetições microssatélites (GA)15 se mostraram co-localizados. Apesar das amplas distâncias geográficas não foram evidenciadas variações interpopulacionais em M. jacobus e H. adscensionis. Os resultados obtidos, indicaram uma evolução de horotélica e mais diversificada nas espécies de Acanthurus do Atlântico, com colonização mais recente, em relação a A. triostegus, pertencente ao Indo-Pacífico, centro de origem deste grupo. Enquanto a presença de cariótipos 2n=48a em espécies de Holocentrinae (Sargocentron) e Myripristinae (Myripristis), destaca o compartilhamento de uma condição conservada em Percomorpha, que entre esses grupos remonta a 50 M.a. e sugere uma condição ancestral para a Holocentriformes. Esses grupos de peixes marinhos revelam divergências filogenéticas, mas também a manutenção de homeologias cromossômicas, e indícios de variação populacional (A. coeruleus), destacando a importância das análises citogenômicas correlacionadas aos padrões biogeográficos na compreensão das mudanças cariotípicas em grupos marinhos.


  • Mostrar Abstract
  • The families Acanthuridae and Holocentridae are groups of marine fish with high representation in coral reefs, where they play important ecological functions in environmental balance. Biological, phylogeographic and taxonomic aspects of these families are widely known, however, their cytogenetic aspects are incipient. In order to increase the knowledge about karyotypic evolution and possible interpopulation cytogenetic variations, four species of Acanthuridae (A. coeruleus, A. bahianus and A. chirurgus - Western Atlantic; and Acanthurus triostegus - Indo-Pacific) and three Holocentridae species were analyzed. (Myripristis jacobus, Holocentrus adscensionis - West Atlantic; and Sargocentron rubrum – Indian Ocean). The analyzes used conventional cytogenetic techniques, base-specific fluorochrome staining and repetitive sequence mapping of rDNA 18S, rDNA 5S, histones H3 and H2B-H2A and retrotransposon Rex3 by fluorescence in situ hybridization. In Acanthuridae, A. triostegus showed a karyotypic pattern considered basal for Percomorpha (2n = 48; NF = 48), while West Atlantic species exhibited a sequential karyotypic divergence associated with phylogenetic divergence. Interpopulation variation of 18S rDNA sites was identified between A. coeruleus populations of the Western Atlantic and Caribbean. The mapping of 18S rDNA, 5S rDNA, DNAhis H2B-H2A and H3 sites showed diversified patterns, indicative of a dynamic karyotypic evolution in the Acanthurus genus. Holocentric species M. jacobus and S. rubrum presented 2n = 48 acrocentric chromosomes, while H. adscensionis, 2n = 50 (2m + 6sm + 16st + 26a). In this group the 18S and 5S rDNA sites constitute discriminating cytotaxonomic markers, where Rex elements and microsatellite repeats (GA)15 were co-located. Despite the wide geographical distances, no interpopulation variations were observed in M. jacobus and H. adscensionis. The results indicated a more diverse horotelic evolution in Atlantic Acanthurus species, with more recent colonization in relation to A. triostegus, belonging to the Indo-Pacific, center of origin of this group. While the presence of 2n = 48a karyotypes in Holocentrinae (Sargocentron) and Myripristinae (Myripristis) species, highlights the sharing of a conserved condition in Percomorpha, which among these groups dates back to 50 M.a. and suggests an ancestral condition for the Holocentriformes. These groups of marine fish reveal phylogenetic divergences, but also the maintenance of chromosomal homeologies, and evidence of population variation (A. coeruleus), highlighting the importance of cytogenomic analyzes correlated with biogeographic patterns in understanding karyotypic changes in marine groups.

2018
Dissertações
1
  • GISLAINE CRISTINA DE SOUZA MELANDA
  • Revisão do gênero Blumenavia Möller (Phallales): integração de dados morfológicos e moleculares

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • TIARA SOUSA CABRAL
  • BIANCA DENISE BARBOSA DA SILVA
  • Data: 15/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Os fungos da ordem Phallales utilizam odores atrativos e uma gleba adesiva para propagar seus esporos através de agentes dispersores, principalmente artrópodes, sendo chamados de stinkhorns (chifres fedorentos). O gênero Blumenavia Möller é um representante desta ordem e pertence à família Clathareae, atualmente, com base em dados morfológicos, apenas duas espécies são consideradas: Blumenavia rhacodes Möller e B. angolensis (Welw. & Curr.) Dring, cujas localidades tipo são Brasil e África, respectivamente. Outras duas espécies descritas foram consideradas sinônimos por alguns autores, Blumenavia toribiotalpaensis Vargas-Rodr. sinonimizada com B. rhacodes, e B. usambarensis Henn. sinonimizada com B. angolensis. Foi constatada a inconsistência dos caracteres morfológicos utilizados para a delimitação das espécies do gênero e a escassez de dados moleculares, em especial da região ITS. Este trabalho objetivou revisar e identificar os caracteres informativos e melhor delimitar as espécies de Blumenavia. Foram analisadas 32 exsicatas provenientes de herbários nacionais e internacionais indexados, além de uma basidioma coletado no estado do Ceará, por meio de um estudo comparativo morfológico e molecular, usando sequências ITS, LSU, ATP6, RPB2 e TEF1α. Para descrição morfológica destes espécimes foram analisados macro e microestruturas (rizomorfa, volva, braços, glebíferos e esporos) em KOH 5%, Reagente de Melzer, Vermelho Congo 1% e Azul de Algodão. Os resultados concatenados (morfológicos e moleculares, com 42 novas sequências geradas) permitiram delimitar sete espécies para o gênero, Blumenavia rhacodes e B. angolensis se mantiveram, B. usambarensis e B. toribiotalpaensis foram reconsideradas e foram propostas três espécies novas para o gênero. Os caracteres: cor, espessura (da base ao ápice) e sulco na face exterior e interior dos braços, bem como a disposição e formas dos glebíferos, tamanho e forma dos esporos, hifas do exoperídio apical (filamentosa e/ou globosas), presença de cristais nas camadas do perídio foram delimitados como pertinentes para a segregação e delimitação das espécies dentro do gênero.


  • Mostrar Abstract
  • Phallales is the order represented by fungi called stinkhorns that use attractive odors and an adhesive gleba to propagate its spores through dispersing agents, mainly arthropods. The genus Blumenavia is a gasteroid fungi. This genus is included in the family Clathraceae. Currently, based on only in morphological data, two species are considered for the genus: Blumenavia rhacodes and B. angolensis, whose type localities are Brazil and Africa, respectively. Two other species, described previously, were considered synonymous by some authors: Blumenavia toribiotalpaensis originally described for Mexico and synonimized with B. rhacodes and B. usambarensis synonimized with B. angolensis. It was verified the inconsistency of the morphological characters used for the delimitation of the species and the scarcity of molecular data, especially of the ITS region. With the objective of reviewing and identify informative characters of the genus and the best species delimitation, the present work was conducted by comparative morphological and molecular studies using ITS, LSU, ATP6, RPB2 and TEF1α sequences from 32 collections from several herbaria, as well a specimen collected from the state of Ceará-BR. For the morphological description of these specimens were analyzed macro and microstructures (rhizomorph, volva, columns, glebiferous and spores) in 5% KOH, Melzer Reagent, 1% Congo Red and Cotton Blue. Seven species for this genus was delimited based on the concatenated results (morphological and molecular, with 42 new sequences generated). Blumenavia rhacodes and B. angolensis manteined, B. usambarensis and B. toribiotalpaensis were reconsidered here, and three new species are proposed for the genus. The characters: arms color and thickness, as well as the presence of grooves on their faces; shape and arrangement of glebifers; size and shape of basidiospores; hyphae of apical exoperium and criytals in peridium layers were defined as relevant for segregation and delimitation of species within the genus.

2
  • BRAYAN PAIVA CAVALCANTE
  • Biologia reprodutiva, polinização e barreiras reprodutivas em duas Bromeliaceae da Mata Atlântica no Rio Grande do Norte

  • Orientador : LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • CHRISTIANO PERES COELHO
  • GLORIA MATALLANA TOBÓN
  • Data: 22/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • Bromeliaceae é um grupo de monocotiledôneas neotropicais com 3543 espécies em 73 gêneros. Reconhecida como um dos mais notórios casos de irradiação adaptativa, apresentam uma variedade grande de características reprodutivas, contudo, diversas bromélias correlacionadas ocorrem em simpatria, e para isto, devem haver fortes barreiras reprodutivas que mantenham essas espécies coesas. Partindo disso, esta dissertação teve como objetivo descrever a biologia reprodutiva de duas bromélias simpátricas na Mata Atlântica do Rio Grande do Norte, de maneira a entender como ocorre a dinâmica reprodutiva e os mecanismos que permitem a coesão de ambas, analisando o fluxo polínico e as barreiras reprodutivas existentes. Este trabalho foi realizado na Floresta Nacional de Nísia Floresta, um fragmento de Mata Atlântica no estado do Rio Grande do Norte, e as espécies amostradas foram Wittmackia patentissima e Hohenbergia ridleyi. No Capítulo I, foram abordados os processos envolvendo a biologia reprodutiva, a ecologia da polinização e a fenologia floral de Wittmackia patentissima e Hohenbergia ridleyi, buscando descrever seus processos reprodutivos, bem como possíveis barreiras pré-polinização e o fluxo polínico entre ambas. Como resultados, constatamos que ambas possuem flores delicadas, aromatizadas, diurnas, disponíveis por 1-2 dias. Além disso, a floração é sincrônica, acontecendo entre agosto e outubro, com vários indivíduos se sobrepondo e prolongando a estação reprodutiva. Os principais visitantes florais são as abelhas, mas podem ser vistos outros himenópteros, lepidópteros, coleópteros e dípteros, sendo que todos utilizam o néctar floral como recurso. Basicamente todas as características florais são compartilhadas, não sendo identificado nenhum tipo de barreira reprodutiva do tipo pré-polinização entre as duas. No Capítulo II, foram descritos os sistemas reprodutivos deste par de espécie, de maneira a entender como ocorre a dinâmica de polinização e quais os mecanismos que possibilitam a frutificação. Além disso, foram realizados testes de hibridação entre estas espécies, analisando o crescimento do tubo polínico ao longo do gineceu, para observar se existem barreiras pós-polinização que evitem a formação de híbridos naturais. Como resultado, notou-se que ambas são altamente autocompatíveis, e que existe deposição espontânea de pólen ainda na fase de botão, e isso pode maximizar o sucesso reprodutivo da planta genitora. Nos testes de hibridação foi possível observar que os grãos de pólen germinaram e cresceram até o 1/3 superior do estilete em todos os tratamentos em ambas as espécies. Não houve diferença no desenvolvimento polínico nos tratamentos de autogamia e polinização cruzada para nenhuma das duas espécies, entretanto, foi possível observar anormalidades a partir do 2/3 do estilete nos testes de hibridação. Neste ponto, foi possível observar a deposição irregular de calose ao longo do estilete, bem como a paralização dos tubos polínicos em todos os testes de hibridação, o que indica que existem fortes barreiras pós-polinização que inibem a formação de híbridos naturais.


  • Mostrar Abstract
  • Bromeliaceae is a group of neotropical monocotyledons with 3543 species in 73 genera. Recognized as one of the most notorious cases of adaptive radiation, it has a large variety of reproductive traits. However, several correlated bromeliads occur in sympatry, and to allow this, there must be strong reproductive barriers that keep these species cohesive. This dissertation aimed to describe the reproductive biology of two sympatric bromeliads in the Atlantic Forest of Rio Grande do Norte, in order to understand how reproductive dynamics occurs and the mechanisms that allow the cohesion of both, by analyzing the pollen flow and reproductive barriers. This work was carried out in the Nísia Floresta National Forest, a fragment of Atlantic Forest in the state of Rio Grande do Norte, and the species sampled were Wittmackia patentissima and Hohenbergia ridleyi. In Chapter I, the processes involving reproductive biology, pollination ecology and floral phenology of Wittmackia patentissima and Hohenbergia ridleyi, were analyzed, trying to describe their respective reproductive mechanisms, as well as possible pre-pollination barriers and the pollen flow between them. We found that both have delicate, aromatized, diurnal, flowers that are available for 1-2 days. In addition, flowering is synchronous, occurring between August and October, with several individuals overlapping and prolonging the reproductive season. The main floral visitors are bees, but other hymenoptera, lepidoptera, coleoptera and diptera can be seen, all of which use floral nectar as a resource. Basically, all the floral characteristics are shared, not being identified any type of reproductive barrier of the type pre-pollination between them. In Chapter II, the reproductive systems of this pair of species were described, in order to understand how the dynamics of pollination occurs and what mechanisms enable fruiting. In addition, hybridization tests were performed between these species, analyzing the growth of the pollen tube along the gynoecium, to observe if there are post-pollination barriers that prevent the formation of natural hybrids. As a result, it has been found that both taxa are highly self-compatible, and that there is spontaneous pollen deposition while in flower bud stage, and this can maximize their reproductive success. In the hybridization tests it was possible to observe that the pollen grains germinated and grew until the first portion of the style in all treatments in both species. There was no difference in pollen development in the self- versus cross pollination treatments for either species, however, it was possible to observe abnormalities from the second portion of the style in the hybridization tests. At this point, it was possible to observe the irregular deposition of callose along the style, as well as the stoppage of the pollen tubes in all the hybridization tests, indicating that there are strong post-pollination barriers that inhibit the formation of natural hybrids.

3
  • NIELSON FELIX CAETANO FRANÇA
  • Relações morfológicas e morfométricas dos camarões rosa Farfantepenaeus Burukovsky, 1997 (Decapoda, Penaeidae) em simpatria no Nordeste do Brasil

  • Orientador : FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • JULIANA DEO DIAS
  • VIRGINIA MARIA CAVALARI HENRIQUES
  • TIEGO LUIZ DE ARAÚJO COSTA
  • Data: 06/03/2018

  • Mostrar Resumo
  • O gênero Farfantepenaeus é um dos recursos pesqueiros mais explorados em todo o mundo. Possuindo nove espécies, incluindo a recém-descrita F. isabelae, apresentada como espécie críptica junto a F. subtilis. Pode-se registrar a ocorrência de ambas as espécies, na costa do estado Rio Grande do Norte, Brasil, onde convivem simpatricamente com a F. brasiliensis. Destaca-se na literatura, a problemática da grande similaridade, carência de chaves de identificação que contemplem o estágio juvenil e a necessidade de novas abordagens na busca de novos caracteres para melhor distingui-las. Esse estudo apresenta a descrição dos caracteres sexuais secundários, através do desenvolvimento ontogenético, seguida da sua respectiva alometria com relação ao cefalotórax, para F. subtilis e F. brasiliensis; assim como, uma análise morfológica aliada à utilização de microscopia eletrônica de varredura na busca de novos caracteres, para uma melhor identificação e diferenciação entre F. subtilis, F. brasiliensis e F. isabelae. As coletas foram realizadas no litoral setentrional e oriental do estado. Foi definido um padrão quantitativo específico para os sulcos de cada uma das três espécies. Foram definidos novos caracteres morfológicos eficazes, para sua distinção. Foi relatada a alometria positiva para as relações entre o Comprimento da Carapaça (CC) x Comprimento do Petasma, CC x Largura das Placas Laterais do Télico e CC x Altura das Placas Laterais do Télico. Os resultados apresentados servem de fomento a futuros estudos de sistemática, evolução e ecologia, entre espécies do gênero; para uma melhor diferenciação e para elaboração de um manejo mais eficaz para essas espécies.


  • Mostrar Abstract
  • The genus Farfantepenaeus is one of the most exploited fisheries resources in the world. The genus is composed by nine species, including the recently described F. isabelae, presented as a cryptic species with F. subtilis. There are evidences of the occurrence of both species in the coast of Rio Grande do Norte State, Brazil, where they would coexist sympatrically with F. brasiliensis. The great similarity between the species of the genus, the lack of identification keys that contemplate the juvenile stage, and the need for new approaches to search for new characters to better distinguish them, are remarkable. Thus, this study proposes the characterization of the secondary sexual characters through ontogeny and the evaluation of allometry of these characters in relation to of the cephalothorax for F. subtilis and F. brasiliensis. A quantitative evaluation of adrostral groove; a morphological analysis, including scanning electron microscopy, in the search for new characters to a better identification and differentiation between F. subtilis, F. brasiliensis and F. isabelae. The samples were collected on the north and east coast of the state. Identification of the specimens was confirmed by molecular analysis. A specific quantitative pattern was defined for the groove of each of the three species. New and effective diagnostic characters were defined to distinguish them, from the juvenile stage, for both sexes in for F. subtilis and F. brasiliensis, with highlighting to the found differences between F. subtilis and F. isabelae; positive allometry was reported for Carapace Length vs Petasma Length ratios (males), Carapace Length vs Height of side plates and Carapace Length vs Width of side plates (females). The results presented, serve as basis to future studies of systematics, evolution and ecology, among species of the genus.

4
  • ALEXANDRO DE ANDRADE DE LIMA
  • FUNGOS GASTEROIDES (BASIDIOMYCOTA) NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL PIQUIRI-UNA E NO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA, RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • PAULO SERGIO MARINHO LUCIO
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • Data: 08/03/2018

  • Mostrar Resumo
  • Os fungos gasteroides compreendem um grupo de organismos com grande diversidade morfológica, representados por várias linhagens distintas de basidiomicetos que, apesar de não compartilharem a mesma ancestralidade, possuem características em comum como o desenvolvimento angiocárpico dos basidiomas e dispersão passiva dos basidiosporos. Além de terem influência na ecologia dos mais variados ecossistemas, sua importância também tem sido demonstrada em diversas áreas como biotecnologia, medicina, silvicultura e gastronomia. Os fragmentos de Mata Atlântica, foco desta pesquisa, abrigam importante riqueza e diversidade de fungos gasteroides. No entanto, esses locais sofrem ação antrópica cada vez mais presente e se encontram em risco de destruição. Durante os últimos anos, os esforços dos micologistas brasileiros têm contribuído para a ampliação do conhecimento sobre fungos gasteroides no país sobretudo, através da descoberta de espécies novas. O Rio Grande do Norte possui áreas de extrema importância biológica com grande riqueza de espécies, porém os estudos já realizados concentram-se em poucas áreas. Desta forma, este estudo teve como objetivo determinar a diversidade de fungos gasteroides em dois remanescentes ainda inexplorados de Mata Atlântica do estado do Rio Grande do Norte e, com isso, suprir lacunas do conhecimento taxonômico sobre a riqueza de espécies desses organismos dessa região. Para isso, foram realizadas catorze excursões de campo no período de maio a setembro de 2016 e março a julho de 2017. A herborização e análise dos espécimes seguiu a metodologia tradicionalmente adotada em estudos de fungos gasteroides. A identificação dos espécimes foi realizada com base na literatura especializada. Adicionalmente foi realizada microscopia eletrônica de varredura (MEV) de espécies potencialmente novas ou crípticas. Foram identificadas 20 espécies distribuídas em 7 gêneros [Abrachium (1 sp.), Clathrus (1 sp.), Cyathus (3 spp.), Geastrum (12 spp.), Phallus (1 sp.), Scleroderma (1 sp.) e Tulostoma (1 sp.)]. Destas, quatro são espécies novas para a ciência, 5 constituem novos registros para o Brasil e 7 para o Rio Grande do Norte. Com estes resultados, houve um aumento de cerca de 14,6% na lista de fungos gasteroides para o estado do Rio Grande do Norte, 4,1% para o Nordeste, 1,5% para o Brasil e 2,2% para a Mata Atlântica. A Área de Proteção Ambiental Piquiri-Una e o Parque Estadual Mata da Pipa, mostraram-se propícios ao desenvolvimento de fungos gasteroides, inclusive a descoberta de espécies novas. Portanto, inventários em áreas de Mata Atlântica ainda são extremamente essenciais e urgentes principalmente em áreas ainda inexploradas.


  • Mostrar Abstract
  • The gasteroid fungi comprise a group of organisms with great morphological diversity, represented by several distinct lineages of basidiomycetes which, although not sharing the same ancestors, have common characteristics such as the angiocarpic development of the basidiomata and the passive basidiospores dispersion. Besides having influence on the ecology of the most varied ecosystems, its importance has also been demonstrated in several areas such as biotechnology, medicine, forestry and gastronomy. The Atlantic rainforest fragments, the focus of this research, harbor important richness and diversity of gasteroid fungi. However, these sites are increasingly present in anthropic action and are at risk of destruction. During the last years, the efforts of the brazilian mycologists have contributed to the expansion of the knowledge about gasteroid fungi in the country mainly through the discovery of new species. The Rio Grande do Norte state has areas of extreme biological importance with great species richness, but the studies already carried out are concentrated in a few areas. Thus, this study aimed to determine the diversity of gasteroid fungi in two still unexplored remains of Atlantic rainforest in the state of Rio Grande do Norte and, thereby, to fill gaps in taxonomic knowledge about the richness of species of these organisms in that region. For that, fourteen field trips were carried out from May to September 2016 and March to July 2017. The herborization and analysis of the specimens followed the methodology traditionally adopted in studies of gasteroid fungi. The identification of the specimens was carried out based on the specialized literature. Additionally, scanning electron microscopy (SEM) of potentially new or critical species was realized. Twenty species were identified, distributed in 7 genera [Abrachium (1 sp.), Clathrus (1 sp.), Cyathus (3 spp.), Geastrum (12 spp.), Phallus (1 sp.), Scleroderma (1 sp.), and Tulostoma (1 sp.)]. Of these, four are new species to science, 5 constitute new records for Brazil and 7 for Rio Grande do Norte. With these results, there was an increase of about 14.6% in the list of gasteroid fungi for the state of the Rio Grande do Norte, 4.1% for the Northeast, 1.5% for Brazil and 2.2% for the Atlantic rainforest. The Piquiri-Una Environmental Protection Area and Mata da Pipa State Park, were shown to be favorable for the development of gasteroid fungi, including the discovery of new species. Therefore, inventories in areas of the Atlantic rainforest are still extremely essential and urgent mainly in unexplored areas.

5
  • ANA CAROLINA CARVALHO XAVIER
  • Diversidade molecular dos camarões de água doce do grupo Macrobrachium amazonicum (Heller, 1862) (Decapoda, Palemonidae) nas ecorregiões hidrográficas do nordeste do Brasil

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • FRANÇOISE DANTAS DE LIMA
  • RODRIGO AUGUSTO TORRES
  • Data: 05/07/2018

  • Mostrar Resumo
  • Macrobrachium amazonicum (Heller, 1862) é uma espécie de camarão de água doce com ampla distribuição geográfica na região Neotropical e de grande importância socioeconômica no Brasil. A espécie é encontrada em diversas ecorregiões hidrográficas cisandianas, ocorrendo desde grandes bacias hidrográficas, como as dos rios Amazonas e Paraná-Paraguai, até bacias costeiras menores em diferentes domínios fitofisionômicos. No entanto, parte dessa ocorrência pode ser decorrente de introduções antrópicas. Por se tratar de uma espécie de água doce é esperado que a dispersão seja limitada e que apresente estruturação populacional relacionada com as ecorregiões hidrográficas. Mas a ocorrência nas áreas estuarinas pode permitir a conexão entre bacias hidrográficas adjacentes. Apesar disso, poucos estudos sobre a sistemática e distribuição geográfica desta espécie foram efetuados no nordeste brasileiro, onde supostamente a espécie foi introduzida. O presente estudo tem como objetivo investigar a diversidade molecular das linhagens do camarão do grupo M. amazonicum das bacias das ecorregiões do nordeste brasileiro (Maranhão-Piauí, Nordeste Médio-Oriental e São Francisco), no intuito de determinar se a estruturação genética da espécie está relacionada com as ecorregiões hidrográficas, e verificar possíveis áreas de introdução da espécie. Para isso foram utilizadas sequências de DNA mitocondrial do gene citocromo oxidade sub-unidade I (COI) e análises filogenéticas e filogeográficas. Os dados moleculares mostraram a existência de três clados – Amazonas, Costeiro e Paraná/Paraguai. As amostras do nordeste brasileiro pertencem ao clado Costeiro e apresentaram baixa diversidade haplotípica na ecorregião do Nordeste Médio-Oriental, além de apresentarem haplótipos idênticos ao da ecorregião do Estuário do Amazonas, e distintos da ecorregião adjacente (Maranhão-Piauí), corroborando a hipótese de que as populações dessa região, bem como da ecorregião do Alto Paraná, também com baixa diversidade haplotípica, são de fato provenientes de introduções antropogênicas. Essas informações sobre a evolução e distribuição geográfica do grupo M. amazonicum no Brasil podem auxiliar no manejo e conservação, ao reconhecer uma linhagem distinta, como ocorreu com a descrição de M. pantanalense Santos, Hayd & Anger, 2013, os resultados das delimitações de linhagens e valores de distância p indicam uma possível nova espécie dentro desse grupo, bem como é possível reconhecer áreas de introdução antrópica.


  • Mostrar Abstract
  • Macrobrachium amazonicum (Heller, 1862) is a species of freshwater prawns with wide geographical distribution in the Neotropical region and of great socioeconomic importance in Brazil. The species is found in several cisandian hydrographic ecoregions, occurring from large hydrographic basins, such as the Amazon and Paraná-Paraguay rivers, to smaller coastal basins in different phytophysiognomic domains. However, part of this occurrence may be due to anthropic introductions. Because it is a freshwater species, it is expected that the dispersion will be limited and that it will present population structuring related to the hydrographic ecoregions. But occurrence in estuarine areas may allow connection between adjacent watersheds. Despite this, few studies on the systematics and geographic distribution of this species were carried out in the Brazilian northeast, where the species was supposedly introduced. The present study aims to investigate the molecular diversity of the shrimp strains of the M. amazonicum group of the ecoregions of the Brazilian northeast (Maranhão-Piauí, Northeast Middle East and São Francisco), in order to determine if the genetic structure of the species is related to hydrographic ecoregions, and to verify possible areas of introduction of the species. Mitochondrial DNA sequences of the cytochrome oxidase subunit I gene (COI) and phylogenetic and phylogeographic analyzes were used. The molecular data showed the existence of three clades - Amazonas, Coastal and Paraná/Paraguay. Northeastern Brazilian specimens belong to the coastal clade and present low haplotypic diversity in the ecoregion of the Northeast of the Middle East, as well as haplotypes similar to those in the Amazon Estuary ecoregion, and distinct from the adjacent ecoregion (Maranhão-Piauí), corroborating the hypothesis that the populations of this region, as well as the ecoregion of the Upper Paraná, also with low haplotype diversity, are in fact derived from anthropogenic introductions. This information on the evolution and geographic distribution of the M. amazonicum group in Brazil can help in the management and conservation, when recognizing a distinct lineage, as occurred with the description of M. pantanalense Santos, Hayd & Anger, 2013, the results of the delimitations of lineages and distance values p indicate a possible new species within this group, as well as it is possible to recognize areas of anthropic introduction.

Teses
1
  • LEANDRO COSTA SILVESTRE
  • Samambaias e Licófitas: florística e aspectos biogeográficos na Floresta Atlântica no Nordeste do Brasil

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • AUGUSTO CESAR PESSOA SANTIAGO
  • CLEBER IBRAIM SALIMON
  • JEFFERSON GUEDES DE CARVALHO SOBRINHO
  • Data: 26/02/2018

  • Mostrar Resumo
  • As samambaias e licófitas compreendem um grupo de plantas vasculares sem sementes que apresentam dependência de água para a sua reprodução. No mundo é estimada a existência de 13.600 espécies, com ocorrência de pelo menos 1.253 no Brasil, dividido entre 1.111 samambaias e 142 licófitas. O Brasil em conjunto com o México e os Andes são as três regiões primárias para a biodiversidade de samambaias nas Américas. Uma das maiores riquezas de espécies ocorre na Floresta Atlântica (883 spp.), um dos 25 hotspots para a conservação da biodiversidade mundial. A história da Floresta Atlântica está relacionada as variações climáticas dos ciclos glaciais, com expansões durante os períodos mais úmidos e retração nos mais secos. Esta variação em sua extensão influenciou na troca de espécies com a Floresta Amazônia e das Yungas, de modo que esta relação continua a ser estuda por diferentes metodologias. Considerando o atual conhecimento da riqueza de samambaias encontrados na Floresta Atlântica Setentrional do Brasil. Este trabalho visa apresentar a riqueza de áreas com déficit de conhecimento e destinadas a conservação, e elaborar modelos de paleodistribuição potencial, buscando evidenciar conexões pretéritas entre florestas úmidas da América do Sul por meio da família Pteridaceae e a compatibilidade de refúgios florestais com áreas de riqueza biológica. As áreas inventariadas apresentaram predominância de espécimes das famílias Pteridaceae, Thellypteridaceae e Polypodiacae. Entretanto o número de espécies foi reduzido, principalmente nas unidades de conservação com maior influência de atividades antrópicas e menor estabilidade climática. Neste caso, foram encontradas também espécies típicas de áreas de Caatinga, como Doryopterys concolor, Adiantum deflectens, Anemia dentata, A. villosa, e de áreas perturbadas ou em regeneração (Macrothelypteris torresiana e Christella dentata). Os modelos obtidos para os principais biomas detectam alterações na cobertura vegetal da América do Sul durante o Último Máximo Glacial e Holoceno Médio. Mesmo com os eventos de retração e expansão dos diversos biomas, sempre ocorreram áreas remanescentes que poderiam atuar como pontes entre as Florestas Amazônica e Atlântica. A retração durante o Último Máximo Glacial, na Floresta Amazônica, não reduziu estas áreas em fragmentos isolados. No entanto, a retração observada na Floresta Atlântica foi mais ampla, gerando núcleos isolados de floresta ao longo da costa brasileira. As homologias espaciais encontradas neste trabalho, através dos traços generalizados, corroboram com as rotas principais para o intercâmbio de espécies entre as Florestas Atlântica e Amazônica, ocorrendo através da via Sudeste, na sub-bacia do rio Paraná; no Nordeste, através dos brejos de altitude, e nas florestas de galeria do Cerrado central brasileiro. Os valores obtidos quanto à sobreposição de nichos, evidenciam a conformidade da adequação do habitat a condições mais amenas nos corredores pretéritos identificados pelos traços generalizados.


  • Mostrar Abstract
  • The fern and the licophytes shall comprise a group of vascular plants without seeds that presents water dependence for its reproduction. In the world, it is estimated 13.600 species, with at least 1.253 in Brazil, divided between 1.111 ferns and 142 licophytes. Brazil with Mexico and the Andes are three primary regions for the biodiversity of fern in America. One of the biggest wealth of species occur in Atlantic Forest (883 spp.), one of the 25 hotspots for the conservation of global biodiversity. The history of Atlantic Forest is related to the climate variations of glacial cycles, with expansions during the moister periods and retraction in drier. This variation in its extension influenced in the species exchange with the Atlantic and Amazon Forest, so that this relation continue being studied by different methodologies. Considering the current knowledge of wealth of fern found in Northerly Atlantic Forest of Brazil. This paper aims to presents the area wealth with knowledge deficit and indicated to conservation, develop model of potential paleodistribution, looking for evidence historical connections between Tropical and subtropical moist broadleaf forests of South America by the Pteridaceae Family and the compatibility of forest refugium with biological wealth areas. The inventoried areas present specimens predominance of Pteridaceae, Thelypteridaceae and Polypodiacae families. Although the species number was reduced, mainly in the conservation units with more influence in anthropic activities and less climate stability. In this case, it were also found species typical Caatinga area, as Doryopterys concolor, Adiantum deflectens, Anemia dentata, A. villosa and disturbed or regenerating area (Macrothelypteris torresiana and Christella dentata). The obtained models for the main biomes detected alteration in the vegetation cover of South America during the Last Glacial Maximum and the Mid Holocene. Even with the retraction events and the expansion of various biomes, always occurred remaining areas that could operate like connection between the Amazon and Atlantic Forest. The retraction during the Last Glacial Maximum, in the Amazon Forest, did not reduce these areas in isolated fragments. However, the observed retraction in the Atlantic Forest was broader, generating isolated nucleus in the forest along the Brazilian coast. The spatial homologies found in this paper, throughout the generalized track, corroborate to the main routes for the species exchange between the Atlantic and Amazon Forest, occurring along the southeast via, in the sub-basin of Paraná River; In the northeast, along the enclaves, and in gallery forest of Brazilian central Savanna. The obtained values about niche overlap, evidence the adequacy conformity of habitat to milder conditions in the past corridors identified by the generalized tracks.

2
  • RUY ANDERSON ARAÚJO DE LIMA
  • Fungos micorrízicos arbusculares em áreas costeiras no estado do Rio Grande do Norte, Brasil

  • Orientador : BRUNO TOMIO GOTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • CARLA REJANE SOUSA DE LIRA
  • FELIPE WARTCHOW
  • MARCELO ALOISIO SULZBACHER
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • Data: 26/03/2018

  • Mostrar Resumo
  • Dois estudos sobre a influência de fatores ambientais na distribuição de fungos micorrízicos arbusculares (FMA) foram conduzidos em duas áreas costeiras no estado do Rio Grande do Norte, entre os anos de 2013 a 2015. As coletas de material biológico ocorreram durante os períodos de chuva e estiagem. O primeiro estudo ocorreu em uma área de Mata Atlântica, em duas fitofisionomias distintas, onde foi avaliado se a comunidade de FMA local respondia à variação na concentração de elementos do solo, sob a hipótese de que a deficiência nutricional poderia favorecer a diversidade de FMA e está diretamente associada ao padrão de distribuição desses organismos. Divergente do esperado, os FMA da localidade não se mostraram significativamente influenciados pelas variáveis edáficas observadas, apresentando indícios de sua distribuição estar positivamente relacionada à diversidade vegetal da localidade onde estão inseridos. Nesse estudo foi encontrado o primeiro registro de Septoglomus furcatum para áreas de Mata Atlântica. O segundo estudo ocorreu em região de dunas costeiras que apresenta uma vegetação de Caatinga, no qual foi observada a distribuição dos FMA em áreas alagáveis e não alagáveis por influência fluvial hipersalina. Nesse estudo, foi observado que as águas fluviais atuam como um filtro ambiental influenciando na distribuição das espécies de FMA. Das espécies registradas no segundo estudo, três representam novos registros para a ciência (Scutellospora sp. Cetraspora sp. e Rhizoglomus sp.), uma espécie é considerada rara (Acaulospora spinosissima) e duas são de descrição original antiga (Glomus nanolumem e Rhizoglomus microaggregatum). No decorrer dos estudos alguns esporos foram descritos como “sp.” devido à baixa quantidade de glomerosporos obtidos, por peneiramento úmido e centrifugação em água e sacarose, levando a busca por um aprimoramento desses métodos ou proposta de novos processos de extração de FMA do solo, sendo sugerido a metodologia aqui batizada de “wet shaking” que se mostrou mais eficiente em relação as metodologias anteriormente mencionadas.


  • Mostrar Abstract
  • Two studies about environmental factors influencing on arbuscular mycorrhizal fungi (AMF) distribuition were conducted in two coastal areas of Rio Grande do Norte state between 2013 and 2015. Biological material collections occurred during rainy and dry periods. The first study was carried out in an Atlantic Forest area, in two distinct phytophysiognomies, where it was evaluated whether the local AMF community responded to soil component’s variation under the hypothesis that nutritional deficiency could favor AMF diversity and is directly associated with the distribution pattern of these organisms. Divergent than expected, the AMF of the locality was not significantly influenced by the observed edaphic variables, showing signs of its distribution being positively related to the plant diversity of the locality where they are inserted. In this study was found the first record of Septoglomus furcatum for Atlantic Forest areas. The second study was carried out in a coastal dune region with a Caatinga vegetation, in which the distribution of AMF was observed in floodable and non-floodable areas due to hypersaline fluvial influence. In this study, it was observed that the fluvial waters act as an environmental filter influencing the AMF species distribution. For species registered in the second study, three represent new records for science (Scutellospora sp. and Rhizoglomus sp.), one species is considered rare (Acaulospora spinosissima) and two have old original description (Glomus nanolumem and Rhizoglomus microaggregatum). In the studie’s course, some spores were described as "sp" due to the low amount of glomerospores obtained by wet sieving and centrifugation in water and sucrose, leading to the search for an improvement of these methods or proposing of AMF soil extraction processes, suggesting the methodology here called "wet shaking", which proved be more efficient in relation to aforementioned methodologies.

3
  • MARIANA CAVALCANTE E ALMEIDA SÁ
  • RUSSULACEAE LOTSY DO BRASIL

  • Orientador : FELIPE WARTCHOW
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FELIPE WARTCHOW
  • BIANCA DENISE BARBOSA DA SILVA
  • CARLA REJANE SOUSA DE LIRA
  • GEORGEA SANTOS NOGUEIRA DE MELO
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • Data: 29/06/2018

  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é um país de grande biodiversidade e possui potencialmente 20% de toda biodiversidade mundial. Diante deste quadro, o conhecimento sobre a micobiota brasileira é escasso. O presente trabalho teve como objetivo investigar as espécies de fungos da família Russulaceae para o Brasil, através de estudos taxonômicos. As coletas foram realizadas durante o período chuvoso, em áreas de conservação de alguns estados do Norte e Nordeste. Os materiais foram descritos, ilustrados macro e microscopicamente, juntamente com as análises da ornamentação de esporos, estes foram obtidos com microscópio eletrônico de varredura e outras microestruturas de cunho taxonômico. Para algumas espécies foi possível a extração de material molecular. Como resultado foram encontradas 22 espécies. O gênero com mais representantes é Russula com 15 espécies, Lactifluus com sete e não houve representantes do gênero Multifurca e Lactarius.


  • Mostrar Abstract
  • Brazil is a country with a big biodiversity and has a 20% of all biodiversity of the world. Therefore the knowledge of the brasilian mycobiota e scarce and it’s worse in the semiarid region. The present study intended to investigate the species of fungi of the Russulaceae from Brazil through taxonomic studies. The collections were made during the rainy season in areas of conservation of some North and Northeastern states. The species were discribed, ilustraded macro- and microscopically, microstructures of taxonomic aspects and spores ornamentations, these were also observed in scanning electron microscopy. As result were described 22 species. The most representative were Russula with 15 species, Lactifluus with 7 species, the genus Multifurca and Lactarius didn´t present anu representants.

4
  • WALLACE MESSIAS BARBOSA SÃO MATEUS
  • Filogenia molecular e tempo de divergência em Harpalyce (Leguminosae, Papilionoideae) e Sinopse Taxonômica da sect. Brasilianae


  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FERNANDA ANTUNES CARVALHO
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • CRISTIANE SNAK
  • DOMINGOS BENÍCIO OLIVEIRA SILVA CARDOSO
  • HAROLDO CAVALCANTE DE LIMA
  • Data: 30/07/2018

  • Mostrar Resumo
  • Harpalyce é um dos gêneros mais representativos da tribo Brongniartieae (Leguminosae, Papilionoideae) com aproximadamente 35 espécies. O gênero é caracterizado pelo hábito arbustivo ou arbóreo, tricomas glandulares peltados, folhas imparipinadas, flores com cálice bilabiado (lábio vexilar e lábio carenal), frutos do tipo legume deiscente e sementes com estrofiolo. Na última revisão taxonômica o gênero foi subdivido em três seções: Brasilianae, Cubenses e Harpalyce. Apesar de diversos trabalhos de filogenia terem confirmado o monofiletismo do gênero, nenhum abrangeu uma amostragem representativa de toda a diversidade morfológica dos táxons. Este estudo teve como objetivos avaliar o monofiletismo de Harpalyce, sua classificação infragenérica, inferir o tempo de divergência e reconstruir a evolução dos caracteres ancestrais. No presente estudo, foram realizadas reconstruções filogenéticas de Harpalyce a partir de sequências do DNA ribossomal nuclear (ITS/5.8S + ETS) e do cloroplasto (matK/trnK + trnL intron), envolvendo uma ampla amostragem de espécies pertencentes a todas as seções e demais gêneros da tribo Brongniartieae. Os resultados das reconstruções filogenéticas confirmaram o monofiletismo de Harpalyce e das três seções. As análises de datação molecular revelaram que Harpalyce divergiu dos demais gêneros da tribo Brongniartieae no Oligoceno há 30.6 Ma e se diversificou há 21 Ma. Além disso, foi realizada a revisão taxonômica da sect. Brasilianae que inclui uma chave de identificação, dados sobre distribuição geográfica, notas taxonômicas e estado de conservação de todas as espécies; e o outro estudo foi a descrição de duas espécies novas.


  • Mostrar Abstract
  • Harpalyce is one of the most representative genus of the tribe Brongniartieae (Leguminosae, Papilionoideae) and includes about 35 species. The genus is characterized by shrub or arboreal habit, peltate multicellular glandular trichomes, leaves imparipinnate, bilabiate calyx (vexillar and carinal lips), dehiscent legume ans seeds strophiolate. In the last taxonomic revision the genus was subdivided into three sections: Brasilianae, Cubenses and Harpalyce. Although several works of phylogeny confirmed the monophyletic of the genus, no representative sampling of all the morphological diversity of the taxa was obtained. The objective of this study was to evaluate the monophyly of Harpalyce, its infrageneric classification, to infer the time of divergence and to reconstruct the evolution of the ancestral characters. In the present study, Harpalyce phylogenetic reconstructions were performed from nuclear ribosomal DNA (ITS/5.8S + ETS) and chloroplast (matK/trnK + trnL intron) sequences, involving a wide sampling of species belonging to all sections and other genera of the tribe Brongniartieae. The results of the phylogenetic reconstructions demonstrated the monophyletic of Harpalyce and the three sections. Molecular dating revealed that Harpalyce diverged from other genera of the tribe Brongniartieae in the Oligocene 30.6 Ma and diversified 21 Ma. In addition, the taxonomic revision of the sect. Brasilianae that includes a key of identification, data on geographical distribution, taxonomic notes and state of conservation of all the species; and the other study was the description of two new species.

5
  • AMANDA BARRETO XAVIER LEITE
  • REVISÃO DA FAMÍLIA GOMPHILLACEAE (ASCOMYCOTA LIQUENIZADO): FILOGENIA, SISTEMÁTICA E EVOLUÇÃO

  • Orientador : BRUNO TOMIO GOTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • RAQUEL CORDEIRO THEODORO
  • EUGÊNIA CRISTINA GONÇALVES PEREIRA
  • JOSÉ LUIZ BEZERRA
  • MANUELA DAL FORNO
  • Data: 31/08/2018

  • Mostrar Resumo
  • Dentre as famílias de liquens foliícolas, Gomphillaceae é considerada uma das mais diversas. Pesquisar e conhecer a diversidade taxonômica dos ascomas e hifóforos (estruturas assexuadas únicas desta familia) dentro de um contexto filogenético é de grande importância para entender a sistemática e evolução deste grupo. Porém, os estudos referentes a Gomphillaceae ainda são escassos, não havendo dados consistentes sobre a organização dos gêneros e posição da família. O objetivo do trabalho é revisar a família Gomphillaceae (Ascomycota liquenizados), especialmente as espécies foliícolas, utilizando caracteres morfológicos e moleculares. A metodologia utilizada consistiu de amostras coletadas em áreas de Mata Atlântica, Brejo de Altitude e Amazônia, no Brasil, somadas a amostras coletadas em outros países da América Latina como Cuba, México, Panamá, Costa Rica e Guatemala. O material coletado foi prensado, refrigerado, analisado e selecionado de acordo com a presença de representantes da família Gomphillaceae. Após isso, as amostras foram identificadas, revisadas morfologicamente e analisadas molecularmente utilizando os marcadores mtSSU rDNA e nuLSU rDNA. Foram coletadas 2.127 folhas contendo liquens foliícolas e 502 espécimes foram selecionadas para identificação e análise molecular. Porém, devido às contaminações ou insucesso na PCR, 309 espécimes foram utilizados na análise filogenética final para a família, somadas a 28 do GenBank (incluindo o outgroup). Foi obtido um total de 464 sequências para a família Gomphillaceae, sendo 272 novas para nuLSU e 136 novas para mtSSU. Os resultados obtidos a partir deste trabalho servem para explicar a distribuição de gêneros e espécies pertencentes a Gomphillaceae, contribuindo para o conhecimento sistemático evolutivo já que são descritos 13 novos gêneros para a família (Adelphomyces Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Aptrootidea Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Aulaxinella Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Batistomyces Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Bezerroplaca Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Caleniella Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Monocalenia Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Pseudocalenia Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Roselviria Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Serusiauxiella Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Sipmanidea Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Verruciplaca Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., and Vezdamyces Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov..), quatro gêneros restabelecidos (Microxyphiomyces Bat., Valle & Peres, Psathyromyces Bat. & Peres, Spinomyces Bat. & Peres ex Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., and Sporocybomyces H. Maia), e 53 novas combinações são introduzidas para as espécies incluídas nos gêneros novos e restabelecidos. Além disso, as análises confirmaram grupos polifiléticos (Aderkomyces, Calenia, Echinoplaca, Tricharia), e os gêneros previamente distintos e bem suportados foram: Actinoplaca, Arthotheliopsis, Asterothyrium, Aulaxina s.str, Bullatina, Caleniopsis, Gomphillus, Gyalectidium,
    Gyalidea, Jamesiella, Linhartia, Psorotheciopsis, Rolueckia, and Rubrotricha. Por fim, alguns pequenos gêneros ainda não foram amostrados molecularmente e necessitam de mais análises: Aplanocalenia, Diploschistella, Ferraroa, Gyalideopsis, Hippocrepidea, Lithogyalideopsis, Paratricharia, Phyllogyalidea.


  • Mostrar Abstract
  • Gomphillaceae is considered one of the most diverse families of foliicolous lichens. The knowledge about the taxonomic diversity of the ascomata and hyphofores (unique asexual structures of this family) within a phylogenetic context is of great importance to understand the systematics and evolution of this group. However, phylogenetic studies concerning Gomphillaceae are still scarce, with no extensive knowledge of the internal classification and position of the family. The objective of the present research is to review the family Gomphillaceae (Ascomycota lichenized), especially the foliicolous taxa, using morphological and molecular characters. The methodology consisted of using samples collected in areas of Atlantic Forest, Brejo de Altitude and Amazon, in Brazil, in addition to samples collected in other Latin American countries such as Cuba, Mexico, Panama, Costa Rica and Guatemala. The collected material was pressed, refrigerated, analyzed and selected according to the presence of representatives of the family Gomphillaceae. After that, the samples were identified, morphologically reviewed and molecularly analyzed using the mtSSU rDNA and nuLSU rDNA markers. A total of 2,127 leaves containing foliicolous lichens was collected and 502 specimens were selected for identification and molecular analysis. However, due to contamination or PCR failure, 309 specimens were used in the final phylogenetic analysis for the family, added to 28 sequences from GenBank (including the outgroup). A total of 464 sequences were obtained for the Gomphillaceae family, 272 new for nuLSU and 136 new for mtSSU. The results obtained from this work help to explain the distribution of genera and species belonging to Gomphillaceae, contributing to the systematic evolutionary knowledge within the group. 13 new genera for the family (Adelphomyces Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Aptrootidea Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Aulaxinella Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Batistomyces Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Bezerroplaca Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Caleniella Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Monocalenia Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Pseudocalenia Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Roselviria Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Serusiauxiella Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Sipmanidea Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., Verruciplaca Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., and Vezdamyces Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov..), four newly reinstated genera (Microxyphiomyces Bat., Valle & Peres, Psathyromyces Bat. & Peres, Spinomyces Bat. & Peres ex Xavier-Leite, M. Cáceres & Lücking, gen. nov., and Sporocybomyces H. Maia), and 53 new combinations are introduced for species included in the new and re-established genera. In addition, the analyzes confirmed polyphyletic groups (Aderkomyces, Calenia, Echinoplaca, and Tricharia), and the previously distinguished and well supported genera were Actinoplaca, Arthotheliopsis, Asterothyrium, Aulaxina s.str, Bullatina, Caleniopsis, Gomphillus, Gyalectidium, Gyalidea,
    Jamesiella, Linhartia, Psorotheciopsis, Rolueckia, and Rubrotricha. Finally, some small genera have not yet been molecularly sampled and require further analysis: Aplanocalenia, Diploschistella, Ferraroa, Gyalideopsis, Hippocrepidea, Lithogyalideopsis, Paratricharia, Phyllogyalidea.

6
  • THIAGO ACCIOLY DE SOUZA
  • FILOGENIA E BIOGEOGRAFIA DE ESPÉCIES NEOTROPICAIS DE GEASTRUM (BASIDIOMYCOTA): SEÇÃO MYCELIOSTROMA, SUBSEÇÃO EPIGAEA

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • PAULO SERGIO MARINHO LUCIO
  • TIARA SOUSA CABRAL
  • BIANCA DENISE BARBOSA DA SILVA
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • Data: 31/08/2018

  • Mostrar Resumo
  • Tem sido crescente o avanço no conhecimento sobre fungos gasteroides nos neotrópicos e, ainda assim, novas espécies continuam sendo descritas para essa região. Apesar disso, inexistem estudos sobre biogeografia e evolução desses fungos. Há consenso de que os domínios morfoclimáticos neotropicais já foram conectados no passado. O gênero Geastrum é o fungo gasteroide mais bem representado nos domínios morfoclimáticos neotropicais, e por isso foi escolhido como modelo para verificar a influência da evolução biogeográfica neotropical sobre seus padrões de especiação. A diversidade de espécies neotropicais da subseção Epigaea foi investigada através de análises morfológicas e moleculares (ITS e LSU nrDNA). Os tempos de divergência entre os clados foram estimados através de calibração fóssil do relógio molecular em conjunto de dados concatenados. Seis novas espécies são propostas, e duas espécies previamente sinonimizadas são validadas. A reconstrução biogeográfica ancestral pelo algoritmo S-DIVA, assim como a reconstrução de distribuição haplotípica de uma das novas espécies pelo algoritmo Median Joining, juntamente com a datação dos tempos de divergência, corroboram a hipótese de que as modificações ambientais que resultaram na conformação atual dos domínios morfoclimáticos neotropicais influenciaram a irradiação de espécies neotropicais de Geastrum, subseção Epigaea.


  • Mostrar Abstract
  • Knowledge about Neotropical gasteroid fungi has increased nowadays, although new species from this region are constantly described. However, there is no biogeographic or evolutionary studies about these fungi. It is consensual that Neotropical mophoclimatic domains have been contiguous in the past. The genus Geastrum is the better sampled and represented gasteroid fungi in Neotropical morphoclimatic domains, reason why it was chosen as a model for testing the influence of the Neotropical biogeographical evolution over fungal diversification. Diversity within subsect. Epigaea was assessed through morphological and molecular analysis (ITS and LSU nrDNA). Divergence times between clades where estimated through fossil calibration of molecular clock in a concatenated
    dataset. Here, six new species are proposed, and two previously synonymized species are validated. The ancestral biogeographic reconstruction, the haplotypic distribution through S-DIVA algorithm from one of the new species, along with the divergence times, corroborate the hypothesis that environmental changes that resulted in current Neotropical morphoclimatic domains have influenced irradiation of Neotropical Geastrum species in subsect. Epigaea.

2017
Dissertações
1
  • SÁVIO ARCANJO SANTOS NASCIMENTO DE MORAES
  • VARIABILIDADE FENOTÍPICA E GENOTÍPICA DO CAMARÃO Macrobrachium jelskii (MIERS, 1877) DAS BACIAS DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ABORDAGEM DE SISTEMÁTICA INTEGRATIVA

  • Orientador : FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • LUCIANA SEGURA DE ANDRADE
  • RENATA AKEMI SHINOZAKI MENDES
  • Data: 21/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • Macrobrachium jelskii é uma espécie de ampla distribuição no nordeste brasileiro, e ocorrendo em toda América do Sul. Contudo, nenhum estudo acerca a filogeografia, variações morfológicas locais e variabilidade genética das populações desta espécie foi efetuado. Esta espécie de camarão, pode revelar informações importantes sobre o padrão de dispersão e vicariantes correlatos à cenários de arranjos tectônicos pretéritos e outros eventos que possam ter influenciado a biogeografia dos taxa aquático. Portanto, o presente trabalho tem como objetivo investigar a diversidade fenotípica e molecular das populações do camarão Macrobrachium jelskii, nas ecorregiões Nordeste Médio Oriental, Maranhão Piauí e São Francisco, frente a influência de cenários pretéritos e respostas ambientais locais. Este trabalho utilizou uma abordagem de Sistemática integrativa, a morfometria geométrica multivariada, análises filogenéticas e de estruturação genética. A morfometria geométrica, revelou dimorfismo sexual evidente, em que fêmeas apresentaram cefalotórax e abdômen mais estirados horizontalmente. Isto, possivelmente, favorece o desenvolvimento gonadal, vitelogênese e armazenamento dos ovos. Abstração da forma dos três planos corporais não demostrou um consenso acerca da estruturação das populações entre de M. jelskii no Nordeste Brasileiro. Tal fato corrobora com a baixa diversidade nucleotídica e haplotípica, em que foi relatado apenas um haplótipo compartilhado entre as populações das bacias. Assim, ratificando a possibilidade de introdução da espécie nos corpos d’água do Nordeste pelo DNOCS. Em adição, os dados genéticos relataram a presença de ruídos e picos duplos no eletroferograma, que representa co-amplificação de pseudogenes mitocondriais da região Citocromo Oxidase I, pouco relatadas na literatura para o gênero Macrobrachium. Este fato abre um precedente de desconfiança para relações filogenéticas e filogeográficas publicadas, recentemente que não retratam isto. Sabendo que esta característica pode gerar uma superestimação de linhagens evolutivas e, assim, conclusões errôneas sobre eventos dispersivos, vicariantes ou de especiação, se faz de suma importância retratar os casos de pseudogenes e a utilização de iniciadores específicos para cada táxon.


  • Mostrar Abstract
  • Macrobrachium jelskii is a widely distributed species in northeastern Brazil, occurring throughout South America. However, no studies on phylogeography, local morphological variations and genetic variability of the populations of this species were carried out. This prawn species can reveal important information on the dispersion pattern and related vicariates for scenarios of past tectonic arrangements and other events that have influenced the biogeography of the aquatic taxa. The aim of this manuscript is to investigate a phenotypic and molecular diversity of the prawn M. jelskii populations in the Mid-Northeast Caatinga, Maranho Piauí and São Francisco ecoregions, influenced by past scenarios and environmental local responses. This scientific article uses an approach of Integrative Systematics, a multivariate geometric morphometry, phylogenetic analyzes and genetic structuring. Geometric morphometry showed evident sexual dimorphism, in which females presented cephalothorax and abdomen more horizontally stretched. This possibly favors gonadal development, vitellogenesis and egg storage. Abstraction of the shape of the three body planes does not demonstrate a consensus on the structuring of the populations between M. jelskii in the Northeast of Brazil. This fact corroborates a low nucleotide and haplotype diversity, in which only one haplotype was shared among the populations of the basins. Thus, ratifying a possibility of introduction in the Northeast area by DNOCS. In addition, the genetic data reported a presence of noises and double peaks not electropherogram, which represents co-amplification of mitochondrial pseudogenes of the region Cytochrome Oxidase I, little reported in the literature for the genus Macrobrachium. This fact show a precedent of mistrust for published phylogenetic and phylogeographic relationships, which recently did not depict this. Knowing that this characteristic can generate an overestimation of evolutionary lineages and, thus, erroneous conclusions on dispersive, vicarious or speciation events, it is of importance to report the cases of pseudogenes and the use of specific molecular primers for each taxon.

2
  • ALEX BARBOSA DE MORAES
  • Relações morfológicas e morfométricas entre Litopenaeus vannamei (Boone, 1931) e Litopenaeus schmitti (Burkenroad, 1936) (Crustacea, Decapoda, Penaeidae) e suas implicações sobre bioinvasão, no litoral oriental do nordeste do Brasil

  • Orientador : FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • LUCIANA SEGURA DE ANDRADE
  • RENATA AKEMI SHINOZAKI MENDES
  • Data: 23/02/2017

  • Mostrar Resumo
  • O estado do Rio Grande do Norte concentra grande atividade pesqueira, assim como de produção de camarões cultivados. A introdução de espécies alóctones para o cultivo pode proporcionar a invasão dessas espécies em ambientes aquáticos naturais e promover a perda de biodiversidade nativa. A problemática se torna mais crítica quando as espécies invasoras apresentam alta similaridade morfológica com espécies nativas, aumentando a susceptibilidade das populações naturais aos impactos promovidos pela invasão de espécies não-nativas. Esta dissertação propõe comparar, morfologica e morfometricamente, o camarão exótico Litopenaeus vannamei com a espécie nativa brasileira, L. schmitti, através de análises sobre morfologia externa dos caracteres sexuais secundários e variação de forma do cefalotórax. A avaliação morfológica evidenciou que os caracteres sexuais secundários apresentaram diferenças discerníveis entre os estágios ontogenéticos intra e interespecificamente, tanto em machos quanto em fêmeas. Além disso, o estudo sobre o crescimento do petasma em relação ao comprimento do cefalotórax evidenciou que essas estruturas apresentam relações de crescimento distintas entre as espécies e entre os grupos ontogenéticos. Existe também uma diferença bem marcada sobre o tamanho da primeira maturação entre as duas espécies mas não entre os grupos de L. vannamei de natureza e de viveiro. Já na avaliação da forma do cefalotórax foi evidenciada uma distinção morfológica entre as espécies, mostrando uma variação geométrica significante entre o cefalotórax da espécie nativa e a não nativa, porém em abordagem intraespecífica não foi possível distinguir os espécimes de L. vannamei cultivados daqueles aclimatados ao ambiente natural.


  • Mostrar Abstract
  • The state of Rio Grande do Norte concentrates great fishing activity as well as farmed shrimp production. The introduction of alien species for cultivation may allow the invasion of these species in natural aquatic environments and promote loss of native biodiversity. Species with high morphological similarity may be functionally similar, increasing the susceptibility of natural populations to the impacts promoted by the invasion of non-native species. This thesis proposes to compare morphologically and morphometrically exotic Litopenaeus vannamei with Brazilian native species, L. schmitti, by external morphology of secondary sexual characteristics and variation of carapace shape. The morphological evaluation showed that the secondary sexual character has differences between ontogenetic stages intra and interspecifically in both males and females. In addition, the study on the growth of petasma in relation of cephalothorax length showed that these structures present distinct growth relationships between species and between ontogenetic groups. There is also a marked difference in the size of the first maturation between the two species but not between the L. vannamei groups of nature and farmed. In the evaluation of the shape of the cephalotorax, a morphological distinction between the species was evident, showing a significant geometric variation between the cephalotorax of the native and nonnative species, but in an intraspecific approach it was not possibile to distinguish the L. vannamei specimens cultured from those acclimated to the natural environment.

3
  • KÁSSIA JÉSSICA GALDINO DA SILVA
  • FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES (GLOMEROMYCOTA) EM UM CONTÍNUO DE RESTINGA E CAATINGA, NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ESTADUAL PONTA DO TUBARÃO, RN

  • Orientador : RAQUEL CORDEIRO THEODORO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RAQUEL CORDEIRO THEODORO
  • IURI GOULART BASEIA
  • DANIELLE KARLA ALVES DA SILVA
  • Data: 06/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • A zona costeira é caracterizada por uma transição entre biomas ou fitofisionomias, apresentando condições ambientais estressantes. No Rio Grande do Norte tal transição se dá pela sobreposição (ecótono) entre restinga e caatinga, fitofisionomias distintas, caracterizadas por formações mosaicas. Além das próprias adaptações das espécies vegetais a essa zona de interface, outro fator importante para a sobrevivência das espécies vegetais são os fungos micorrízicos arbusculares (FMA), simbiontes obrigatórios importantes para a estabilização do sistema soloplanta. Diante dessa importância ecológica, este trabalho objetivou identificar a diversidade da comunidade de FMA em um contínuo de restinga e caatinga ao longo do litoral do RN, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Estadual Ponta do Tubarão, Macau/Guamaré, RN. Foram realizadas duas coletas de solo, uma no fim do período após chuva e outra no período seco, bem como avaliação de fatores abióticos do solo e sua influência sobre a comunidade de FMA, cuja diversidade foi aferida pela morfologia dos esporos. Foram identificadas 24 espécies, destas 12 são exclusivas da restinga, uma (1) exclusiva de caatinga e 11 ocorrem em ambas as áreas. Quanto à dinâmica sazonal, o período seco demonstrou uma maior abundância dos esporos, e no período chuvoso espécies esporocárpicas, com formação em aglomerado de cachos de esporos, foram frequentemente encontradas. Os fatores ambientais que mais influenciaram a distribuição das espécies foram a salinidade e o pH. A salinidade, assim como os demais aspectos químicos do solo averiguados, se mostrou homogênea, sendo encontrados alguns sítios específicos mais salinos, os quais apresentaram uma baixa riqueza de espécies. Tal resultado sugere um significativo impacto de uma das principais atividades econômicas do RN, as salinas, na biodiversidade de FMA no solo.


  • Mostrar Abstract
  • The coastal zone is characterized by a transition between biomes or phytophysiognomies and may present stressful environmental conditions. In Rio Grande do Norte State (Brazil), this transition occurs due to the overlap (ecotone) between restinga and caatinga, distinct phytophysiognomies, characterized by mosaic formations. In addition to the flora adaptations to this interface, another important factor for the survival of plant species is the arbuscular mycorrhizal fungi (AMF), which are important symbionts that are relevant for the stabilization of the soil-plant system. In view of its ecological importance, this work aimed to identify the diversity of the AMF community in a restinga and caatinga continuum along the Northeastern coast, in the Ponta do Tubarão Sustainable Development Reserve, in Macau / Guamaré Counties, RN, Brazil. Two soil collection were carried out, one at the end of the period after rainfall and another in the dry period for AMF species identification by spore morphology. The soil abiotic factors and their influence on the AMF community were assessed. Twenty - four species were identified, 12 of which are exclusive to restinga, one (1) to caatinga and 11 occurred in both areas. As for the seasonal dynamics, the dry period showed a greater abundance of spores, and in the rainy season sporocarpic species, with agglomerates forming bunches of spores, were frequently found. The environmental factors that most influenced the distribution of the species were salinity and pH. The salinity, as well as the other chemical aspects of the soil verified, was homogeneous, being found some specific sites more saline, which presented a low species richness. This result suggests a significant impact of one of the main economic activities of the RN, the salines, on the biodiversity of AMF in the soil.

4
  • ARTHUR DE SOUZA SOARES
  • LAMIACEAE NO RIO GRANDE DO NORTE: TAXONOMIA E STATUS DE CONSERVAÇÃO

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • MARIA TERESA AURELIANO BURIL VITAL
  • Data: 07/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • Lamiaceae, 236 gêneros e cerca de 7.200 espécies distribuídas em sete subfamílias, possui distribuição cosmopolita, com a maioria de suas espécies ocorrendo na região tropical do planeta. Para o Brasil são listadas 524 espécies em 46 gêneros, dentre as quais, seis gêneros e 343 espécies são endêmicos. No estado do Rio Grande do Norte (RN), estão catalogados oito gêneros e 13 espécies, onde apenas um gênero e quatro espécies são endêmicos do Brasil. Esta dissertação está dividida em dois capítulos, os quais são apresentados aqui como manuscritos independentes já nos padrões exigidos pelas revistas escolhidas para publicação, cujas normas estão anexadas a esta dissertação. Os capítulos são: Lamiaceae no Rio Grande do Norte, Brasil, onde é apresentado o tratamento taxonômico e florístico da família Lamiaceae no estado do Rio Grande do Norte. Neste estudo foram registradas 30 espécies, das quais 14 são exóticas, naturalizadas ou cultivadas e 16 constituem as espécies nativas. As espécies Hyptis brevipes Poit. e Vitex rufescens A.Juss. ocorrem apenas no domínio Mata Atlântica, enquanto Amasonia campestris (Aubl.) Moldenke, Eriope macrostachya Mart. ex Benth., Gymneia platanifolia (Benth.) Harley & J.F.B.Pastore, Mesosphaerum pectinatum (L.) Kuntze, Hyptis lantanifolia Poir., Mesosphaerum sp., Vitex gardneriana Schauer, Vitex schaueriana Moldenke, ocorrem apenas no domínio Caatinga. As espécies Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze e Marsypianthes chamaedrys (Vahl.) Kuntze foram as que apresentaram a maior distribuição dentro do território do estado. No segundo capítulo, New records, conservation assessments and distribution of Lamiaceae in Rio Grande do Norte, northeastern, Brazil, é apresentado o Status de conservação das espécies de Lamiaceae e sua distribuição no RN incluindo as espécies e gêneros citados pela primeira vez para o estado. Entre as espécies nativas, três foram classificadas como ‘Ameaçadas’, quatro como ‘Vulneráveis’, três são de ‘Pouco Preocupante’, duas são ‘Quase Ameaçadas’ e quatro são ‘Dados Insuficientes’. O domínio fitogeográfico Caatinga, uma Floresta Tropical Sazonalmente Seca (SDTF), tem o maior número de espécies de Lamiaceae, embora menos de 1% desta região seja protegida por unidades de conservação. Este estudo revela o estado preocupante da conservação da família Lamiaceae na RN e a necessidade de ações de conservação, como a criação de novas unidades de conservação para preservar a qualidade do habitat e as formações naturais remanescentes e monitorar populações na natureza.


  • Mostrar Abstract
  • Lamiaceae, 236 genera and about 7,200 species distributed in seven subfamilies, has cosmopolitan distribution, with most of its species occurring in the tropical region of the planet. For Brazil, 524 species are listed in 46 genera, of which six genera and 343 species are endemic. In the state of Rio Grande do Norte (RN), they are cataloged of genera and 13 species, where only one genus and four species are endemic to Brazil. This dissertation is divided into two chapters, which are presented here as independent manuscripts already in the standards required for journals chosen for publication, whose norms are attached to this dissertation. The chapters are: Lamiaceae in Rio Grande do Norte, Brazil, where is the taxonomic and floristic treatment of the Lamiaceae family in the state of Rio Grande do Norte. In this study, 30 species were recorded, of which 14 are exotic, cultivated or cultivated, and 16 are native species. The species Hyptis brevipes Poit. e Vitex rufescens A.Juss. occur only in the Atlantic Forest domain, while Amasonia campestris (Aubl.) Moldenke, Eriope macrostachya Mart. Harley & J. F.B.Pastore, Mesosphaerum pectinatum (L.) Kuntze, Hyptis lantanifolia Poir., Mesosphaerum sp., Vitex gardneriana Schauer, Vitex schaueriana Moldenke, occur only in the Caatinga domain. The species Mesosphaerum suaveolens (L.) Kuntze and Marsypianthes chamaedrys (Vahl.) Kuntze were the ones that presented the largest distribution in the territory of the state. In the second chapter, New records, conservation assessments and distribution of Lamiaceae in Rio Grande do Norte, northeastern, Brazil, is presented the Status of conservation of the species of Lamiaceae and their distribution in the RN including the species and genera mentioned for the first time for the state. Among the native species, three were classified as 'Threatened', four as 'Vulnerable', three are 'Least Concern', two are 'Near Threatened' and four are 'Data Deficient'. The phytogeographical domain Caatinga, a Seasonally Dry Tropical Forest (SDTF), has the highest number of Lamiaceae species, although less than 1% of this region is protected by conservation units. This study reveals the worrying state of conservation of the Lamiaceae family in the NR and the need for conservation actions such as the creation of new conservation units to preserve the quality of the habitat and the remaining natural formations and to monitor populations in the wild.

5
  • RONEY EMANUEL COSTA DE PAIVA
  • Peixes de água doce das bacias costeiras no domínio da Mata Atlântica na ecorregião hidrográfica do Nordeste Médio-Oriental

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • EDUARDO MARTINS VENTICINQUE
  • RICARDO DE SOUZA ROSA
  • Data: 17/08/2017

  • Mostrar Resumo
  • A Mata Atlântica é uma das florestas mais ameaçadas do mundo e classificada como um dos hotspots de biodiversidade, por apresentar elevadas taxas de riqueza e endemismo. No entanto, existem divergências quanto ao grau de conhecimento, que varia entre grupos taxonômicos e entre regiões geográficas. Estudos apontaram que levantamentos ictiofaunísticos devem ser conduzidos com urgência nas bacias que drenam a Mata Atlântica do Nordeste do Brasil, devido às ameaças que os corpos d’água estão sujeitos, provocadas pelos impactos decorrentes das ações humanas. O conhecimento da ictiofauna da ecorregião hidrográfica do Nordeste Médio-Oriental (NEMO), que abrange as bacias entre os rios Parnaíba e São Francisco, é considerado parcial e pontual, com algumas bacias sob influência da Mata Atlântica negligenciadas. O objetivo principal do presente estudo foi analisar a riqueza e composição das espécies de peixes de água doce das bacias sob influência da Mata Atlântica no NEMO, através de compilações realizadas em bancos de dados online e registros em coleções ictiológicas de instituições da região (UFPB e UFRN). Embora seja discutida a delimitação de espécies de peixes restritas ao domínio da Mata Atlântica, o presente estudo definiu como recorte para avaliação, somente as bacias que se encontram total ou parcialmente inseridas neste domínio. Foram registradas 57 espécies de peixes de água doce, em 43 gêneros, 19 famílias e seis ordens, onde nove (9) espécies consideradas nativas foram registradas apenas nos domínios da Mata Atlântica e quatro nos limites da Caatinga, o restante (n=34) é compartilhado em ambos os domínios. Foram listadas também as espécies endêmicas da ecorregião (n=9), ameaçadas (n=1) e não-nativas (n=9). A bacia do rio Paraíba do Norte, a maior dentre as bacias estudadas, apresentou maior riqueza de espécies de peixes (n=33). O trabalho também apresenta uma lista de Unidades de Conservação que foram contabilizadas na porção leste do NEMO, além de quantas e quais espécies foram registradas nestas. O estudo também revela padrões na composição de espécies nas diferentes drenagens, sejam elas microbacias ou bacias de pequeno à médio porte, indicando também lacunas amostrais existentes nestas. Os resultados elevam a riqueza em 39 espécies de peixes continentais conhecidas para a Mata Atlântica, e compara dados um estudo que abrangia mais a ictiofauna situada ao sul da foz do rio São Francisco, resultando em uma nova expectativa para a fauna de peixes da região.


  • Mostrar Abstract
  • One of the most threatened woodlands in the world is the Atlantic Forest, which is classified as a biodiversity hotspot since it presents high levels of species richness and endemism. However, our knowledge level is variable with regards to taxonomic groups and geographic regions. Fishes freshwater status of the art has pointed that ichthyofaunal inventories should be immediately managed in Northeastern Brazilian Atlantic Forest basins due to impacts of human actions. Ichthyofaunal knowledge of the Mid-Northeastern Caatinga ecoregion (MNCE), which encompasses the basins between Parnaíba and São Francisco rivers, is considered to be partial with only a few studies concerning fishes, in the areas under influence of the Atlantic Forest. This ecoregion is chiefly under the effects of Caatinga, but the drainages that flow into the east coast are partially or completely inserted in the Atlantic Forest domain. Therefore, the aim of this research is to define the richness of freshwater fish species of the basins that drain the MNCE. Within these drainages there were recorded 57 species of freshwater fishes in 43 genera, 19 families, and six orders; 10 native species were recorded only in Atlantic Forest domains, and five within Caatinga limits. The remaining (n=43) are shared between both biomes. There are also listed species that are endemic to the ecoregion (n=9), threatened (n=1), and non-native (n=9). Paraíba do Norte river basin, the largest among the studied ones, showed the highest species number. This inquiry also presents a list of protected species in conservation units in MNCE. The study also shows patterns in the composition of species in the different drainages, be they microbasins, small and medium basins, also indicating sample gaps in these. The results raise the continental fish species richness to 39 in the Atlantic Forest, which encompassed mainly the ichthyofauna southern to São Francisco river.

6
  • EDWESLLEY OTAVIANO DE MOURA
  • RELAÇÕES FLORÍSTICAS E AMBIENTAIS NO LITORAL SEMIÁRIDO DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • AUGUSTO FRANCENER NOGUEIRA GONZAGA
  • LEANDRO DE OLIVEIRA FURTADO DE SOUSA
  • Data: 31/08/2017

  • Mostrar Resumo
  • O Brasil possui os maiores remanescentes florestais do planeta, uma grande complexidade de ambientes e alta diversidade de espécies. Toda essa biodiversidade está ameaçada principalmente pela intervenção humana em áreas naturais e mais intensamente na zona costeira, onde há os maiores conglomerados urbanos. Nesse contexto, a Caatinga e a Mata Atlântica podem ser considerados um dos domínios mais ameaçados no Brasil. Este trabalho objetivou responder o seguinte: 1) qual a composição florística ao longo de uma faixa de
    vegetação litorânea em ambiente semiárido? 2) há variação nessa composição? 3) quais os fatores ambientais que determinam a variação na composição de espécies dessas comunidades? 4) com quais domínios fitogeográficos as espécies possuem mais afinidade? Para isso, foram alocadas assistematicamente 120 unidades amostrais (UAs) de 10 × 10 m em seis blocos de 1 × 5 km ao longo da faixa costeira do litoral setentrional do Rio Grande do Norte. Em todas as UAs foi anotada a ocorrência de espécies de plantas de todos os hábitos. Os dados da florística foram relacionados com variáveis climáticas e analisados através dos softwares R e Microsoft Excel. Foram registradas 148 espécies e Fabaceae, Rubiaceae, Poaceae e Euphorbiaceae foram as famílias mais ricas. Três espécies exóticas também tiveram uma participação relevante nas comunidades vegetas, principalmente na região mais a oeste do estado e nas comunidades de primeira ocupação. Entre as variáveis levantadas, somente temperatura mensal máxima (Tmax) não teve colinearidade com as demais variáveis, sugerindo que temperatura de uma forma geral e a oferta de água, através da chuva, mais do que os outros fatores, é o que mais influencia na distribuição das espécies ao longo do litoral. A faixa do litoral a partir da porção central do estado em direção a oeste é mais relacionada entre si e a faixa no extremo leste forma um grupo distinto das demais regiões litorâneas da faixa setentrional do estado. A riqueza de espécies foi decrescente no sentido leste-oeste, o que juntamente com os maiores índices de precipitação,
    reflete a relação das regiões mais a leste com o domínio da Mata Atlântica. Quando se adentra para o interior a composição florística apresenta maior relação com o domínio fitogeográfico adjacente, a Caatinga. As formações litorâneas a partir da porção central até o extremo oeste do estado possuem uma maior relação com o domínio da Caatinga.


  • Mostrar Abstract
  • Brazil has the largest forest remnants on the planet, a great complexity of environments and high diversity of species. All this biodiversity is threatened mainly by human intervention in natural areas and more intensely in the coastal zone, where the largest urban areas are located. In this context, the Caatinga and Atlantic Forest are some of the most threatened domains in Brazil. This study aimed to answer the following questions: 1) what the floristic composition along a stretch of coastal vegetation in semi-arid enviroment? 2) is there variation in this composition? 3) what are the determinant factors? 4) in which domains species have the most affinity? To do this, 120 sampling units (UAs) of 10 × 10 m were unsystematically allocated in six blocks of 1 × 5 km in the coastal region of Rio Grande do Norte. In all UAs the occurrence of species in any form of growth was noted. The floristics data were crossed with climatic variables and analyzed through RStudio and Microsoft Excel software. A total of 148 species were recorded and Fabaceae, Rubiaceae, Poaceae and Euphorbiaceae were the richest families. Exotic species also had a relevant participation in the communities, mainly in block 6, where they dominated. Variable mean elevations (MTC) minimum precipitation (Pmin), dry months (MS) and very dry months (Tmed) had a significant relationship with the sample blocks. suggesting that the supply of water through rainfall, more than other factors, is what most influences the distribution of species along the coast. The region from the center to the west of the state is more related to each other and the region at the eastern end forms a distinct group from the other regions of the state. The species richness was decreasing in the east-west direction, which, together with the highest precipitation rates, reflects the relation of the easternmost regions to the Atlantic Forest domain. When it enters the interior the composition will depend on the adjacent phytogeographic domain. The coastal formations formed from the central portion to the western end of the state have a greater relationship with the Caatinga domain.

7
  • MIGUEL FERNANDES BEZERRA NETO
  • ICTIOFAUNA DO PARQUE NACIONAL DAS NASCENTES DO RIO PARNAÍBA E SEU ENTORNO - CERRADO (NORTE E NORDESTE, BRASIL)

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • TELTON PEDRO ANSELMO RAMOS
  • JÔNNATA FERNANDES DE OLIVEIRA
  • MÁRCIO JOAQUIM DA SILVA
  • Data: 31/08/2017

  • Mostrar Resumo
  • Os ecossistemas aquáticos continentais e sua biota estão entre os mais ameaçados do mundo pelas atividades antrópicas. Com isso, vem sofrendo rápido declínio. Devido à preocupação com a ocupação desordenada e utilização irracional dos recursos naturais, as nascentes do rio Parnaíba e de tributários do rio Tocantins estão protegidas, desde 2002, pela fundação do Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba (PNNRP). Este parque, inserido no bioma do Cerrado, em uma área de transição entre a Amazônia e a Caatinga, localiza-se na divisa dos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia (MAPITOBA), e é divisor de águas de três importantes bacias hidrográficas: dos rios São Francisco, Tocantins e Parnaíba. Assim, o objetivo geral deste trabalho foi elaborar um levantamento geral da ictiofauna do PNNRP e entorno, e assim identificar a riqueza de espécies em cada bacia indicando quais são compartilhadas, endêmicas, ameaçadas de extinção, além de registrar as espécies ainda não descritas e possíveis espécies introduzidas. A amostragem de campo abrangeu 53 pontos de coleta em julho de 2014 mediante uso de petrechos ativos (redes tipo picaré, redes-de-mão e redes-de-arrasto) e passivos (redes de espera e armadilhas tipo covo) com fins de evitar a seletividade por cada arte de pesca. No PNNRP e se entorno foram registradas 97 espécies distribuídas em 53 gêneros, 22 famílias e seis ordens de peixes de água doce. Estas espécies foram registradas em áreas de nascestes de três bacias: Parnaíba, Tocantins e São Francisco. Das quais, 42 espécies foram registradas dentro dos limites do PNNRP. Dentre as 42 espécies registradas no limite do PNNRP, apenas duas (4,76%) são compartilhadas entre as bacias do Parnaíba e Tocantins: Bryconops melanurus (Bloch, 1794) e Moenkhausia sanctaefilomenae (Steindachner, 1907). Das demais, 34 (83,34%) espécies estavam presentes exclusivamente na bacia do rio Parnaíba e quatro (11,90%) na bacia do rio Tocantins. Destas 13 (30.95%) são supostamente endêmicas da bacia do Parnaíba. Essas informações podem ser utilizadas para a elaboração do plano de manejo da UC, além de futuros estudos biogeográficos da biota aquática do Cerrado. Embora a área do PNNRP tenha aumentado duas vezes desde sua criação, ainda não inclui nascentes do trecho médio da bacia do rio São Francisco, o que implicaria em uma maior riqueza peixes protegidos pela UC.


  • Mostrar Abstract
  • The freshwater ecosystems and their fauna are the world's most threatened by anthropic activities. Because of that, it has been rapidly declining. Due to concern about the unplanned urban occupation and irrational use of natural resources, the headwaters of the Parnaíba River and tributaries of the Tocantins River is protected, since 2002, by the creation of the Parque Nacional das Nascentes do Rio Parnaíba (PNNRP). The PNNRP is inside the Cerrado biome, in a transitional area between the Amazon and the Caatinga. Besides it’s located in the border of the States of Maranhão, Piauí, Tocantins and Bahia (MAPITOBA). This area is a watershed of three important hydrographic basins: San Francisco, Tocantins and Parnaíba. Thus, this work was developed to study the ichthyofauna of the PNNRP identifying the species and richness in each basin. In addition to indicating endemic species, endangered, shared, not described and possible introduced species. The field sampling covered 53 collection point in July’s 2014 using active (picaré-type nets, hand-nets and trawl nets) and passive (holding nets and covo traps) in order to avoid selectivity for each fishing gear. In PNNRP and around, was recorded 97 species, 53 genres, 22 families and 6 orders of freshwater fish. These species were recorded in areas of three basins’s headwater: Parnaíba, Tocantins and São Francisco. Among them, only two (4.76%) are shared between the two basins: Bryconops melanurus (Bloch, 1794) and Moenkhausia sanctaefilomenae (Steindachner, 1907). Of the remaining, 34 (83.34%) species were present only in the basin of Parnaiba river and four (11.90%) on the Tocantins river basin. Of these 13 (30.95%) are supposedly endemic to the Parnaíba basin. This information can be used for the elaboration of the management plan of the conservation unit, as well as future biogeographic studies of the aquatic biota of the Cerrado. Although the PNNRP area has increased twice since its inception, it still does not include headwaters of the middle San Francisco basin, which would imply in a greater wealth fish protected by conservation unit.

Teses
1
  • DÔNIS DA SILVA ALFREDO
  • REVISÃO DO GÊNERO LYCOPERDON PERS. (LYCOPERDACEAE, AGARICALES) MEDIANTE ANÁLISES MORFOLÓGICAS E MOLECULARES

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • RAQUEL CORDEIRO THEODORO
  • LUIZ FERNANDO PASCHOLATI GUSMÃO
  • TIARA SOUSA CABRAL
  • Data: 30/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • Em uma estimativa sobre a biodiversidade da terra acredita-se haver entorno de 50 milhões de espécies e para os fungos acredita-se que essa estimativa gira em torno de 5,1 milhões de espécies, o que levaria cerca de 1000 anos para os taxonomistas identificassem todas essas espécies. Os taxonomistas têm empregado muito esforço para identificar essas espécies de fungos, incluindo o gênero representante dos chamados “puffballs” -
    Lycoperdon Pers. Durante um longo período, a taxonomia do gênero Lycoperdon se baseou fundamentalmente em caracteres morfológicos, e muitos conceitos adotados para nomear espécies tem se mostrado divergentes entre os taxonomistas. Até o final da década de 80, diversos trabalhos de taxonomia morfológica foram publicados e ajudaram a ampliar o conhecimento sobre a diversidade de espécies de Lycoperdon em quase todos os continentes, no entanto, em muitos casos a morfologia não é suficiente para segregar espécies crípticas, ou esclarecer problemas de divergência quanto a sinonimização de táxons. No início da década de 90 houve uma revolução na taxonomia de fungos com o uso de ferramentas moleculares na classificação de espécies, relacões filogenéticas e identificação novos táxons. Representantes do gênero Lycoperdon foram estudados por meio dessa nova ferramenta somente no início do século 21, e logo em seguida em 2008, com os trabalhos de Larsoon e Jeppson, sendo que alguns gêneros como Morganella e Vascellum foram reconhecidos como subgêneros de Lycoperdon. Durante esse período outra ferramenta passou a ganhar espaço na identificação de espécies por meio de um código de barras molecular, e essa ferramenta passou a ser usada na identificação de animais, plantas e fungos, usando dentre outra, a região espaçadora transcrita interna (ITS), embora, até o presente momento, nenhum trabalho de DNA “barcoding” havia sido realizado com as espécies do gênero Lycoperdon. O presente trabalho teve o objetivo de revisar as espécies do gênero Lycoperdon para América do Sul, identificando-as com base nos caracteres morfológicos e no uso da região ITS como DNA “barconding” de fungos e, posteriormente, adicionando a região da subunidade maior (LSU) do nrDNA para 
    avaliar se ao adicionar as espécies sul-americanas, Morganella seguiria como subgênero de Lycoperdon. Para isso, foram realizados empréstimos de herbários nacionais e internacionais; usando literatura especializada na taxonomia do gênero Lycoperdon e com ajuda de renomados especialistas do grupo, as espécies de Lycoperdon foram identificadas. Posteriormente, foi extraído o DNA de pequenas porções internas do basidiomas; logo em seguida o produto extraído foi amplificado e sequenciado; as sequências foram editadas e submetidas à busca por similaridade no GenBank utilizando o programa BLAST para checar se as sequências se assemelhavam as regiões comparadas; uma vez realizado esse processo as sequências foram corridas em análises de Máxima Parcimônia e distância (K2P) utilizando o programa PAUP; a árvore de distância se obteve por Neighbor-Joining. Além disso, foi realizada a análise Bayesiana no programa MrBayes; as árvores geradas foram visualizadas no FigTree e editadas no programa InkScap. Com base somente no ITS como DNA barcoding do gênero Lycoperdon, obteve-se os seguintes resultados: 65% das amostras obtiveram sucesso de amplificação; foram identificadas 19 espécies, excluindo aquelas que estavam sob Morganella, para América do Sul e Central; quatro táxons são primeiros registros para o continente sul-americacano: Lycoperdon calvescens, L. endotephrum, L. ericaeum e L. eximium; e foi erguido um novo subgênero: Lycoperdon subg. Arenicola. Com base nas análises de morfológia e DNA barcoding foi possível identificar 43 espécies do gênero Lycoperdon, sendo que destas, 30 espécies são reportadas para América do Sul e Central; poucas espécies se encontram nos dois hemisférios (aprox. 30 %). Com estes resultados, concluímos que ITS como DNA “barcoding” de Lycoperdon é promissor, embora alguns grupos necessitem incluir mais espécimes e marcadores. A taxonomia morfológica continua sendo crucial na interpretação de dados geradas pela taxonomia molecular.


  • Mostrar Abstract
  • Earth’s biodiversity is estimated to include about 50 million species. For Fungi this estimate is around of 5.1 million species, and to identify them all, it is believed would take the taxonomists about 1000 yrs. The taxonomists have been making the effort to identify these fungal species, including the puffballs genus, Lycoperdon Pers. Traditionally, the taxonomy of Lycoperdon has been based only on morphological characters, and individual taxonomists have adopted their own distinct concepts to separate the species. Through the end of 1980`s many projects based on morphological taxonomy were published to describe the diversity of species of Lycoperdon encompassing almost all continents, to separate cryptic species, and to solve problems of divergence by synonymizing of taxons. In the beginning of the 90`s there was a revolution in the taxonomy of fungi with the introduction of molecular tools in species classification, as well to infer phylogenetic relationships and to identify new taxa. Lycoperdon taxonomy was hit by these new tools in the beginning of the 21th century; with the 2008 Larsson and Jeppson work, some genera, such as Morganella and Vascellum were recognized as being subgenera of Lycoperdon. During this period, identifying species by a molecular bar coding gained acceptance, opening the era of DNA barcoding to identify animals and plants, and for fungi, using the internal transcribed spaced region (ITS) to distinguish among species. The work described here is the first to focuss on extensive DNA barcoding to classify the species in the Lycoperdon genus. The present work aims to review the species of Lycoperdon from South America, based on morphological features and on the use of ITS as barcode. Also, using the large subunit (LSU) of nrDNA, to check wether the South American species, Morganella could be a subgenus of Lycoperdon. For this work, loans were made from nationals and international herbaria; the specialized literature in the taxonomy of Lycoperdon was studied, and renowned experts of Lycoperdon were consulted. Afterward the DNA was extracted from little portions of the inside of basidiomata; next the product extracted was amplified and sequenced. The sequences were edited and submitted to the search by similarity on the GenBank website using the BLAST software to check whether the sequences matched homologous sequences or were contaminants. Sequences were aligned with the aid of free software for download, such as Geneious Pro v4.8.5. After the editing of the sequences, analyses 
    of maximum parsimony and distance (K2P) were carried out with the PAUP software; the distance tree was constructed by Neighbor-Joining. Also, a Bayesian analysis was done using MrBayes software. The generated trees were viewed with FigTree software and edited on InkScap software. Based on ITS as barcoding of Lycoperdon genus, the following results were obtained: 65% of the samples were successfully amplified; 19 species, excluding those under Morganella, were identified from Central and South America; four are first records to South American continent: Lycoperdon calvescens, L. endotephrum, L. ericaeum and L. eximium. Adding the LSU region, Morganella is confirmed as a subgenus of Lycoperdon; L. demoulinii is a new species for science; and a new subgenus, Arenicola, emerged. Based on morphological analyses and DNA barcoding, it was possible to identify 43 species of Lycoperdon genus around the world; 30 species from Central and South America; few species are distributed in both Hemisphere (around 30%). Finally, we concluded that the ITS is promising as DNA barcode of Lycoperdon; however, some groups need to include more specimens and markers. Morphological data are crucial for interpretation of the data generated by molecular methods of taxonomy.

2
  • ALLYSON SANTOS DE SOUZA
  • PROSPECÇÃO DA BIODIVERSIDADE CRÍPTICA E PADRÕES BIOGEOGRÁFICOS EM PEIXES DO LITORAL E ILHAS OCEÂNICAS DO ATLÂNTICO OCIDENTAL

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • CARLOS ALFREDO GALINDO BLAHA
  • JOSE GARCIA JUNIOR
  • PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO
  • Data: 30/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • O extenso litoral brasileiro é multipartido em diferentes ecossistemas, compostos por estuários, manguezais, sistemas recifais, ilhas costeiras e oceânicas. Estes ambientes possuem uma ictiofauna bastante diversificada composta por 1.297 espécies, das quais aproximadamente 25% representam espécies endêmicas. Esses níveis de biodiversidade podem ser incertos, devido a ocorrência de espécies crípticas e politípicas e pela ausência de estudos populacionais, sobretudo em espécies recifais. Neste sentido, foram analisados aspectos populacionais, taxonômicos e filogenéticos de espécies das famílias Pomacentridae (Perciformes) e Carangidae (Carangiformes), distribuídos ao longo da costa e ilhas oceânicas brasileiras. As análises moleculares e morfométricas realizadas em S. variabilis, S. fuscus, S. rocasensis, S. sanctipauli e S. fuscus trindadensis indicaram sinonímia entre S. rocasensis e S. sanctipauli, e entre S. fuscus e S. fuscus trindadensis. Além disso, revelaram a presença de uma possível espécie críptica que tem sido confundida com S. variabilis. As análises populacionais em Abudefduf saxatilis no Atlântico Ocidental, incluindo as ilhas oceânicas, revelam um quadro de panmixia desde a Venezuela até o sudeste do Brasil, enquanto que as populações insulares possuem diferentes níveis de estruturação genética, sobretudo a da Ilha de Trindade. As análises genéticas na espécie politípica Caranx lugubris indicaram uma grande população panmítica no Atlântico Ocidental, lançando novos dados sobre a origem dos morfótipos que ocorrem no entorno do Arquipélago de São Pedro e São Paulo. Os dados obtidos aprofundam o conhecimento da fauna íctica insular do Atlântico e servem de subsídios para o manejo e conservação de espécies dessas importantes e particulares regiões oceânicas.


  • Mostrar Abstract
  • The extensive Brazilian coast is multi-party in different ecosystems, composed by estuaries, mangroves, reef systems, oceanic and coastal islands. These environments detain a largely diversified ichthyofauna composed by 1,297 species, in which 25% represents endemic species. These levels of biodiversity can be uncertain, because of the occurrence of cryptic and polytypic species and the absence of population studies, especially in reef species. In this sense, population, taxonomical and phylogenetical aspects were analyzed form species of the Pomacentridae (Perciformes) and Carangidae (Carangiformes) families, along the coast and oceanic islands of Brazil. The molecular and morphometric analyzes were performed in S. variabilis, S. fuscus, S. rocasensis, S. sanctipauli and S. fuscus trindadensis indicated synonym among S. rocasensis and S. sanctipauli, and between S. fuscus and S. fuscus trindadensis. Besides that, revealed the presence of a possible cryptic species which has been confused with S. variabilis. The population analyzes in Abudefduf saxatilis at the Western Atlantic, including the oceanic islands, reveals a status of panmixia from Venezuela to the Southeast of Brazil, while the island populations have different levels of genetic structuration, specially the population of the Trindade island. The genetic analyzes in the polytypic species Caranx lugubris indicated a large panmitic population in the Western Atlantic, revealing new data about the origins of the morphotypes that occurs in the surroundings of the Saint Paul Rocks archipelago. The data obtained expands the knowledge over the insular ichthyic fauna of the Atlantic and serves as subsidy to the conservation and management of species of these particular and important oceanic regions.

3
  • PÂMELA LAVOR ROLIM
  • FILOGENIA MOLECULAR, BIOGEOGRAFIA E ASPECTOS EVOLUTIVOS DE PILOSOCEREUS (CACTACEAE)

  • Orientador : ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • FERNANDA ANTUNES CARVALHO
  • DOMINGOS BENÍCIO OLIVEIRA SILVA CARDOSO
  • MARIA CLÁUDIA MELO PACHECO DE MEDEIROS
  • PATRÍCIA SOFFIATTI
  • Data: 31/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • O gênero Pilosocereus pertence à Cactaceae (subfamília Cactoideae) e é um dos maiores e mais bem distribuídos gêneros dentro da tribo Cereeae. Com 42 espécies, divididas nos subgêneros Pilosocereus e Gounellea, o gênero é distribuído de forma disjunta na região neotropical, ocorrendo nos mais diferentes tipos de hábitats, sempre associados a ambientes xéricos, sendo o leste do Brasil o seu maior centro de diversidade. Em razão de suas características morfológicas, as quais lhe conferem grande adaptabilidade a ambientes xéricos (assim como as demais Cactáceas), as espécies de Pilosocereus são frequentemente dominantes e assumem um importante papel ecológico e etnobotânico onde ocorrem. No entanto, poucos tem sido os trabalhos até o momento que tiveram como foco o gênero como um todo. Assim, esta tese teve como objetivo investigar o relacionamento filogenético, a biogeografia e aspectos evolutivos do gênero Pilosocereus. No capítulo 1 investigou-se os processos de diversificação de Pilosocereus nos hábitats áridos da região Neotropical, a partir do relacionamento filogenético, do tempo de divergência de clados e da reconstrução de áreas ancestrais. Concluiu-se que o gênero não é monofilético, e o principal clado (Pilosocereus sensu stricto) diversificou-se muito recentemente (principalmente no Pleistoceno tardio), com origem na Caatinga e eventos de migração para outros ambientes xéricos da América do Norte/Central, Noroeste da América do Sul e Caribe. No capítulo 2, reconstruiu-se o relacionamento filogenético do gênero através de análise bayesiana e máxima parcimônia, com uma ampliação da amostragem de táxons e regiões genômicas em relação a trabalhos previamente publicados. Comprovou-se a não monofilia do grupo, bem como de quatro espécies heterotípicas, o que permitiu propor mudanças taxonômicas, incluindo a elevação de categoria de três espécies; três novos sinônimos; um novo nome no ranking de espécie e um novo gênero, Xiquexique (composto pelas espécies formalmente posicionadas em P. subg. Gounellea), passando então Pilosocereus a uma nova circunscrição, com 42 espécies e quatro subespécies. Por fim, no capítulo 3 apresenta-se o padrão de distribuição, riqueza, endemismo e atual situação de conservação de todas as espécies do grupo, onde foi encontrado que alguns táxons apresentam restrições ao tipo de vegetação, mas a maioria se mostra amplamente distribuída em diferentes gradientes ambientais. A maior riqueza de espécies e diversidade filogenética são encontradas nos estados da Bahia e Minas Gerais, com áreas de endemismo sendo apontadas para o leste do Brasil e México. Assim, esta tese teve uma abordagem multidisciplinar a fim de elucidar diferentes aspectos da biologia deste grande e diverso grupo, que até o momento permaneciam desconhecidos.


  • Mostrar Abstract
  • The genus Pilosocereus belongs to Cactaceae (subfamily Cactoideae) and is one of the largest and most widely distributed genera within the tribe Cereeae. With 42 species divided in two subgenera, Pilosocereus and Gounellea the group is disjunctly distributed in the Neotropics and centered in eastern Brazil, occurring in many different types of habitats associated with xeric environments. Due to its morphological features, providing great adaptability to xeric environments (as all Cacti), Pilosocereus species are often dominant and play an important ecological and ethnobotanical role where they occur. However, there were few studies so far that focused on the genera as a whole. Thus, this thesis aimed to investigate the phylogenetic relationship, biogeography and evolutionary aspects of the genus Pilosocereus. The first Chapter focused in investigating Pilosocereus diversification processes in arid habitats in the Neotropics, using phylogenetic relationships, clades divergence times and reconstruction of ancestral areas. The conclusion was that the genus is not monophyletic and that the main clade (Pilosocereus sensu stricto) diversified very recently (mainly in Late Pleistocene), with origin in the Caatinga and posterior migration events to other xeric environments in North/Central America, Northwest of South America and Caribbe. In Chapter 2, the phylogenetic relationships in the genus were reconstructed through Bayesian and Maximum Parsimony analyses, with expanded taxon sampling and genomic regions in comparison with previously published works. Again, the genus was found as non-monophyletic, as well as four heterotypic species, what led to the proposition of taxonomic changes, including the resurrection of three species, three new synonyms, a new name in the species rank and a new name in the generic rank, Xiquexique (composed of the species formally positioned in P. subg. Gounellea), while Pilosocereus was newly circumscrybed with 42 species and four subspecies. Finally, Chapter 3 presents the distribution patterns, richness, endemism and current conservation scenario for all species of the group. Some taxa are restricted to vegetation types, but most of them are widely distributed in different environmental gradients. The greatest species richness and phylogenetic diversity are found in the states of Bahia and Minas Gerais, with areas of endemism in Eastern Brazil and Mexico. Thus, this thesis had a multidisciplinary approach in order to elucidate different aspects of the biology of this large and diverse group, which remained unknown until now.

4
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • REVISÃO MORFOLÓGICA E MOLECULAR DO GÊNERO CYATHUS HALLER (NIDULARIACEAE, AGARICALES, BASIDIOMYCOTA)

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • RAQUEL CORDEIRO THEODORO
  • BIANCA DENISE BARBOSA DA SILVA
  • FELIPE WARTCHOW
  • Data: 31/03/2017

  • Mostrar Resumo
  • O gênero Cyathus Haller foi estabelecido em 1768, porém estudos taxonômicos aprofundados envolvendo o grupo só ocorreram à partir de 1844. Nos anos seguintes foram propostas alterações na classificação infragenérica de Cyathus baseando-se principalmente na morfologia. Lloyd, em 1906, distribuiu as espécies em cinco grupos, e em 1975 Brodie ampliou para sete grupos. Com o avanço dos estudos filogenéticos, as classificações morfológicas foram testadas e uma nova subdivisão em três grupos foi proposta por Zhao e colaboradores, em 2007. Tendo como base as características morfológicas utilizadas nas duas últimas classificações, é notável a presença de caracteres morfológicos ambíguos e mal delimitados, o que torna a identificação em nível de espécie muitas vezes duvidosa. Assim, esta tese se propôs a compreender as relações filogenéticas dos fungos do gênero Cyathus, e como estas relações refletem na caracterização taxonômica, através de análises morfológicas e moleculares abrangendo a maior parte das espécies tipo do grupo. Os espécimes analisados procedem de empréstimo de coleções de fungos nacionais (JPB, URM, UESC e UFRNFungos) e internacionais (BBH, BPI, PH, DAOM, K, MA-Fungi, PC e TNS). As análises morfológicas e moleculares foram realizadas no Brasil e no Japão: a morfologia seguiu a metodologia padrão para o grupo, e a análise molecular foi realizada com base em protocolos disponíveis na literatura ou indicados pelos fabricantes dos reagentes, com etapas adaptadas para o gênero Cyathus, incluindo o desenho de primers específicos. Novos caracteres morfológicos informativos foram definidos a partir da redescrição de 50 tipos e 4 outras espécies. Todas as 81 espécies com nome em uso corrente foram discutidas. Pranchas de imagens, lista de nomes inválidos e lista de sinônimos também são apresentadas. As análises filogenéticas utilizando Máxima Parcimônia e Bayesiana incluíram 36 espécies, sendo 25 delas enquadradas em alguma categoria de tipo nomenclatural. O monofiletismo de Cyathus foi confirmado com suporte máximo em ambos os testes, e os grupos infragenéricos da última classificação baseada em dados moleculares se mantiveram inalterados, entretanto o clado striatum apresentou segregação em cinco grupos e dois subgrupos. A organização filogenética está suportada com base em caracteres morfológicos, e são apresentadas diagnoses para cada um dos agrupamentos bem como uma chave dicotômica para a separação infragenérica.


  • Mostrar Abstract
  • The genus Cyathus Haller was established in 1768, but in-depth taxonomic studies with the group only occurred after 1844. In the following years changes in the infrageneric classification of Cyathus were proposed, based mainly on morphology. In 1906 Lloyd distributed the species into five groups, and in 1975 Brodie expanded to seven groups. With the advances of phylogenetic studies, the morphological classifications were tested and a new subdividion into three groups was proposed by Zhao and collaborators in 2007. Based on the morphological characteristics used in the last two classifications, is remarkable the presence of ambiguous and poorly delimited morphological characters, which makes identification at species level often doubtful. Thus, this PhD thesis aimed to understand the phylogenetic relationships of the fungi in the genus Cyathus and how these relations reflect in the taxonomic characterization, through morphological and molecular analyzes covering most of the type species of the group. The specimens analyzed come from national (JPB, URM, UESC and UFRN-Fungos) and international fungal collections (BBH, BPI, PH, DAOM, K, MA-Fungi, PC and TNS). Morphological and molecular analyzes were performed in Brazil and Japan: the morphology followed the standard methodology for the group, and the molecular analysis was performed based on protocols available in the literature or indicated by the reagent manufacturers, with steps adapted for the genus Cyathus, including the design of specific primers. New informational morphological characters were defined from the description of 50 types and 4 other species. All 81 species with name in current use were discussed. Figure plates, list of invalid names and list of synonyms are also presented. The phylogenetic analyzes using Maximum Parsimony and Bayesian included 36 species, 25 of them being classified in some nomenclatural type category. The monophyletism of Cyathus was confirmed with maximum support in both tests, and the infrageneric groups of the last classification based on molecular data were unchanged, however the clade striatum showed segregation into five groups and two subgroups. All the phylogenetic organization is supported based on morphological characters and diagnoses are presented for each clusters as well as a dichotomous key for the infrageneric separation.

5
  • FRANÇOISE DANTAS DE LIMA
  • Genética molecular e ecologia em uma abordagem integrativa para conservação de Octopus insularis Leite & Haimovici, 2008 no Atlântico Tropical

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • ADRIAN ANTONIO GARDA
  • FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • PAULO CESAR DE PAIVA
  • SERGIO RICARDO FLOETER
  • Data: 07/04/2017

  • Mostrar Resumo
  • A abordagem integrativa aplicada à conservação de uma espécie é essencial para a compreensão dos fatores que contribuem para a diversificação de populações, processos de especiação e identificação de padrões ecológicos. Para traçar um panorama de conservação para Octopus insularis, foi adotada uma abordagem integrativa que envolve elementos da filogenia, filogeografia, Barcoding, modelagem do nicho climático e genética da paisagem. O presente estudo foi realizado em 15 localidades da costa oeste e ilhas oceânicas do Atlântico Tropical. Foi identificado um aumento da área de distribuição de O. insularis para o mar do Caribe, o qual confirma o alto potencial da espécie para dominar ambientes de águas quentes e rasas. Além disso, verificou-se problemas com a identificação incorreta das espécies que compõem os estoques pesqueiros dessa região e do Golfo do México, o que pode ameaçar a espécie endêmica O. maya. Através do enfoque filogenético com inferência biogeográfica, foi possível identificar o Caribe como possível centro de origem do O. insularis, a qual divergiu de outras do gênero após o soerguimento do Istmo do Panamá. Três clados contendo espécies transistimianas confirmam a importância desse evento geológico no processo de especiação em octópodes. A influência dos processos climáticos subsequentes nas populações de O. insularis foi analisada através da modelagem do nicho em cinco cenários temporais. A análise revelou expansão do nicho de O. insularis, em direção a regiões temperadas nos cenários de aquecimento global. Já a filogeografia, estruturação populacional mostrou quatro populações/estoques bem delimitados geneticamente, devido ao regime da Corrente Sul Equatorial e montes submersos. Tais resultados corroboram a hipótese do isolamento por Resistência. Os resultados do presente estudo permitiram uma visão holística dos fatores genéticos, ecológicos e oceanográficos que influenciam a espécie O. insularis e auxiliaram a traçar um atual panorama de conservação e regulamentação da espécie, bem como sugerir futuras medidas de manejo para e espécie.


  • Mostrar Abstract
  • The integrative approach applied to species conservation is essential to understand the factors that contribute to population diversification, speciation processes and identification of ecological patterns. To propose a panorama for the conservation of Octopus insularis, a wide distributed species in the Tropical Atlantic, an integrative approach involving phylogeny, phylogeography, Barcoding, climatic niche modeling and landscape genetics was adopted. The present study was performed in 15 localities of the Tropical Atlantic west coast and oceanic islands. It was identified a northward increase in the O. insularis distribution area towards the Caribbean Sea, which confirms high potential of this species to dominate warm and shallow waters. Furthermore, misidentification of the species that compose fisheries stocks in the Gulf of Mexico was detected, which may threaten the endemic species O. maya. By using phylogeny approach with biogeographic interference, it was possible to identify Caribbean Sea as an origin area of O. insularis, which diverged from others congeners after the uplift of Isthmus of Panama. Tree clades formed by transisthmian species confirmed the importance of this geological event on speciation processes in octopod. The influence of the historical e future climate changes on distribution and expansion of O. insularis populations was analyzed by ecological niche modeling in five temporal scenarios. The analysis revealed a climatic niche expansion of O. insularis towards temperate regions on global warming scenarios. Whereas, phylogeography and population structure showed four populations/stocks well delimited, mainly due to South Equatorial Current and seamounts. These results corroborate the Isolation by Distance hypothesis. The present results allowed a holistic view, including genetic, ecology and oceanographic factors, which influences O. insularis life history. Those findings can help to build an actual panorama of species conservation and regulation, as well, to suggest future management measures to attenuate possible consequence of global climatic changes.

6
  • MÁRCIO JOAQUIM DA SILVA
  • DIVERSIDADE E CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA DAS BACIAS ENVOLVIDAS NO PROJETO DE TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • HELDER MATEUS VIANA ESPÍRITO-SANTO
  • CARLOS AUGUSTO ASSUMPÇÃO DE FIGUEIREDO
  • ELVIO SERGIO FIGUEIREDO MEDEIROS
  • JOSÉ ALVES DE SIQUEIRA FILHO
  • Data: 12/04/2017

  • Mostrar Resumo
  • Os ecossistemas aquáticos dulcícolas estão entre os mais ricos, em termos de número de espécies, e ameaçados por alterações antrópicas no mundo. Impactos como a introdução de espécies não nativas e as transposições de águas entre bacias distintas (como é o caso do Projeto de Transposição do rio São Francisco-PISF) ameaçam a conservação das espécies. A preocupação com a conservação das espécies fomentou a criação das chamadas Unidades de Conservação (UCs - No Brasil foram criadas a partir de 1930 e tem níveis de restrição de usos diversos). Provavelmente, estes mecanismos têm sido insuficientes na conservação dos peixes, pois mesmo após suas criações, a contribuição das espécies não nativas nas comunidades naturais só tem crescido ao longo dos anos e é apontada como a segunda causa de extinção de espécies do planeta. Nesse contexto, o presente estudo buscou estabelecer uma padronização da nomenclatura das espécies nas bacias envolvidas no PISF, antes da conexão artificial, evidenciando o atual nível de conhecimento da ictiofauna e construir uma linha de base para detectar futuros impactos da obra. Além disso, objetivamos avaliar a efetividade das UCs em proteger os peixes das bacias envolvidas no projeto e modelar o risco de invasão de espécies exclusivas da bacia doadora nas receptoras. Para tanto, foram utilizados registros primários e secundários das espécies. Os resultados apontam para baixa similaridade entre a composição de espécies das bacias doadora e receptoras do PISF, além de indicar a importância das UCs para conservação dos peixes da região, que mesmo com tamanho reduzido (~1% da Caatinga) abrigam porcentagem significativa da fauna associada (entre 24 e 31% das espécies de cada bacia). Ademais, foi obtido que as bacias receptoras do PISF, apresentam adequabilidade para 11 espécies (sete famílias e três ordens) exclusivas da bacia doadora (Leporinus friderici, Megaleporinus obtusidens, Pamphorichthys hollandi, Pimelodus maculatus, Moenkhausia sanctaefilomenae, Hemigrammus brevis, Pimelodella laurenti, Cichlasoma sanctifranciscense, Centromochlus bockmanni, Conorhynchos conirostris e Pseudoplatystoma corruscans, ordem decrescente de adequabilidade geral). Por fim, reforçamos a necessidade da criação/ampliação das UCs nas bacias envolvidas, para que estas cumpram melhor o seu objetivo conservacionista e, corroboramos a necessidade do monitoramento constante da invasão de espécies nas bacias receptoras das águas do PISF, a fim de garantir a preservação das comunidades ícticas nativas.


  • Mostrar Abstract
  • Freshwater ecosystems are within the richest in terms of species number and are threatened by anthropic transformations worldwide. Impacts such as non-native species introduction and interbasin water transfer (like São Francisco River Interbasin Water Transfer Project – SF-IBWT, PISF – in Portuguese) put species conservation in peril. The concern with this matter promoted the creation of Conservation Unities (UCs – created from 1930’s onward in Brazil and have distinct restriction levels). Possibly, these mechanisms have been insufficient in species conservation, because even after their creation, non-native species contribution to natural communities has only grown over years and it is pointed as the second main cause of planet’s species extinction. Regarding this issue, we hereby tried to establish a species nomenclatural pattern in basins encompassed by PISF, previous to the artifitial connection, demonstrating the current ichthyofaunal knowledge level and building a baseline for future identification of the project’s impacts. Besides, we aim to evaluate the effectivity of UCs in protecting fish of the basins included in the project and model the invasiveness risk of exclusive species of donor basins to receptor ones. Therefore, we used primary and secondary records of species. The results showed a low similarity among species composition of donor and receptor basins of PISF, besides indicating the UCs’ importance for regional fish species conservation. Even though these UCs have a small size (~1% of Caatinga), they contain a significant percentage of associated fauna (between 24 and 31% of each basin’s species). Lastly, we noticed the PISF receptor basins show adequability to 11 species (seven families and three orders) which were exclusive to donor basin (Leporinus friderici, Megaleporinus obtusidens, Pamphorichthys hollandi, Pimelodus maculatus, Moenkhausia sanctaefilomenae, Hemigrammus brevis, Pimelodella laurenti, Cichlasoma sanctifranciscense, Centromochlus bockmanni, Conorhynchos conirostris e Pseudoplatystoma corruscans, decending order of general suitability). Within this context, we strengthen the need of creation/enlargement of UCs in encompassed basins so these can better fulfill their conservational goals, and we also corroborate the need of constant monitoring of invasive species in receptor basins of PISF’s water in order to guarantee the preservation of native ichthyc communities.

7
  • NERIVANIA NUNES GODEIRO
  • FILOGENIA DE SEIRINAE (COLLEMBOLA, ENTOMOBRYOIDEA, ENTOMOBRYIDAE) NA REGIÃO NEOTROPICAL BASEADA EM GENOMAS MITOCONDRIAIS COMPLETOS

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • IURI GOULART BASEIA
  • RENATA ANTONACI GAMA
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • MARCELO ALOISIO SULZBACHER
  • Data: 27/09/2017

  • Mostrar Resumo
  • Seirinae é uma das mais diversas subfamílias de Collembola, e grande parte dessa diversidade é devida a Seira Lubbock que possui, aproximadamente, 220 espécies reconhecidas. Até o momento, nenhuma filogenia interna foi proposta para o táxon, o que dificulta a organização do conhecimento para comparação, descrição de novas espécies e gêneros, além da própria compreensão dos seus padrões evolutivos. A quetotaxia dorsal é o principal componente morfológico utilizado para distinguir espécies, e embora comprovadamente diagnóstico, pode ser variável intraespecificamente. O principal objetivo deste trabalho é esclarecer as relações filogenéticas entre os Seirinae neotropicais, do ponto de vista molecular e morfológico, o que poderá resultar numa melhor organização interna da subfamília. Para tanto, foram sequenciadas 27 amostras de diferentes espécies de Entomobryidae e uma de Paronellidae. Para as análises moleculares, foi extraído e quantificado o DNA total de um indivíduo/amostra e bibliotecas foram construídas e sequenciadas por Next Generation Sequencing utilizando o HiSeq 2000. O genoma mitocondrial (DNAmt) completo das espécies foi reconstruído através de análises de bioinformática utilizando duas metodologias: SOAPdenovo_Trans e MIRA/MITOBim. Duas filogenias foram propostas: uma contendo somente os genomas reconstruídos neste trabalho e outra complementar, onde foram incluídos 11 DNAmt de Collembola disponibilizados em bancos de dados online. As filogenias foram feitas por análises Bayesianas utilizando os treze genes codificantes proteicos que correspondem a quase totalidade do DNAmt. Os resultados corroboram com a proposta atual que a ordem Poduromorpha é a mais basal de Collembola; a ordem Symphypleona aparece como grupo-irmão de Entomobryomorpha, que apresenta clara divisão em duas superfamílias, Isotomoidea e Entomobryoidea; o posicionamento dos gêneros Lepidocyrtoides Schött e Lepidosira Schött dentro de Entomobryinae corroboram com a mais recente filogenia publicada; a monofilia de Seirinae e seus grandes grupos internos foi comprovada pela primeira vez por dados moleculares com alto apoio nodal; o gênero Tyrannoseira Bellini & Zeppelini, recentemente descrito, foi validado filogeneticamente; Lepidocyrtinus Börner foi alçado a status de gênero; e três sinonímias de espécies foram propostas; por fim, algumas características morfológicas de Seirinae foram identificadas como diagnósticas e com sinal filogenético, como por exemplo, a quantidade de macroquetas no primeiro segmento abdominal.


  • Mostrar Abstract
  • Seirinae is one of the most diverse subfamilies of Collembola, and a considerable part of this diversity is comprised by Seira Lubbock, which currently gathers approximately 220 species. So far no internal phylogeny Seirinae was proposed, what leads to difficulties in the establishment of comparative knowledge, description of new taxa, and also the understanding of the evolutionary patterns within this taxon. The dorsal chaetotaxy is the main morphological component utilised to distinguish species, and although undoubtedly diagnostic, it can be variable interspecifically. The main aim of this work is to clarify the phylogenetic relations within the Neotropical Seirinae based on both molecular and morphological data, which might result in a better internal organization of the subfamily. For this aim, 27 samples of different species belonging to Entomobryidae and one of Paronellidae were sequenced. As for molecular analyses genomic DNA of one individual/sample was extracted and quantified and sequencing libraries were built and sequenced using Next-Generation Sequencing on HiSeq 2000. The whole mitochondrial genome (DNAmt) of the species was reconstructed by two methods: SOAPdenovo_Trans and MIRA/MITOBim. Two phylogenies were then proposed: one containing only genomes reconstructed in this study as well as a complementary one, where 11 Collembola DNAmt available in a public database were also included. The phylogenies were generated through Bayesian analyses using the thirteen protein coding genes that almost correspond to the entire DNAmt. The results corroborate the current proposal which claims the order Poduromorpha as the most basal order of Collembola; the order Symphypleona as the sister-group of Entomobryomorpha, which shows clear division into two superfamilies, Isotomoidea and Entomobryoidea; the placement of Lepidocyrtoides Schött and Lepidosira Schött genera inside Entomobryinae corroborates the most recently published phylogeny; the monophyly of the internal groups of Seirinae based on molecular evidence was confirmed for the first time showing high nodal support; Tyrannoseira Bellini & Zeppelini, recently described, was validated phylogenetically; Lepidocyrtinus Börner was elevated to genus status; and three species synonyms were proposed; finally some morphological characteristics of Seirinae were identified as diagnostic and having phylogenetic signal, for instance, the quantity of macrochaetae on the first abdominal segment.

8
  • CLÓVIS COUTINHO DA MOTTA NETO
  • ASPECTOS CARIOGENÔMICOS EM ESPÉCIES MARINHAS DE PERCOMORPHA (HAEMULIDAE E LABRIDAE): UMA PERSPECTIVA EVOLUTIVA

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • ALLYSON SANTOS DE SOUZA
  • JOSE GARCIA JUNIOR
  • MARCELO DE BELLO CIOFFI
  • PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO
  • Data: 29/09/2017

  • Mostrar Resumo
  • A Série Percomorpha é maior divisão entre os vertebrados, constituindo o maior e mais derivado clado de peixes teleósteos. Dentre suas Ordens, Perciformes e Labriformes constituem modelos adequados à investigação do conservadorismo e diversificação cromossômica. Em Perciformes o conservadorismo cromossômico é representado por cariótipos basais com 2n=48 acrocêntricos, extensivamente compartilhados por uma parcela considerável de espécies. As causas e extensão do conservadorismo cariotípico em várias famílias desta Ordem não são inteiramente claras. Diante da diversidade de espécies em Labriformes, aspectos mais detalhados de sua evolução cariotípica ou mesmo status taxonômico de algumas espécies merecem particular atenção. Com vistas a contribuir com novas informações sobre essas questões foram implementadas análises cromossômicas convencionais (coloração convencional com Giemsa, bandamento C e Ag-RONs, fluocrocromos base-específicos) e citomoleculares (hibridização in situ com sondas DNAr 18S, DNAr 5S). Oito espécies dos gêneros Anisotremus e Haemulon da família Haemulidae (Perciformes) foram analisadas, incluindo amostras de diferentes áreas do Atlântico, como modelo de evolução conservativa. Em 2 espécies do gênero Bodianus da família Labridae (Labriformes), foram analisados também aspectos da evolução de sequências repetitivas particulares (DNAr 18S, DNAr 5S, Alu e Tol2) nos cromossomos por hibridização com 5 metilcitosina (5mC). Adicionalmente, foram realizadas comparações filogenéticas, utilizando sequências de DNA mitocondrial (COI e 16S) e nuclear (Rodopsina) para verificar o status taxonômico da espécie Bodianus insularis, endêmica das ilhas Meso-Atlânticas. Todas as espécies de Haemulidae apresentaram 2n=48a, sítios Ag-RONs simples e heterocromatina centromérica reduzida, além de considerável compartilhamento de sítios de DNAr 5S e 18S, confirmando a ocorrência de estase cariotípica na família. Os padrões cariotípicos das populações de A. virginicus e H. chrysargyreum entre o Caribe e Atlântico Sul não revelaram variações cromossômicas decorrentes da barreira dos deságues dos rios Amazonas/Orinoco. Em Bodianus, as análises identificaram uma notável região descondensada em um par cromossômico subtelocêntrico, denominada região BOD. Entre suas características constitutivas e funcionais particulares, se mostram DAPI-, argentofílica (Ag+), marcantemente hipometilada e saturada de elementos transponíveis, sugerindo que a participação destes elementos móveis pode ter contribuído para sua gênese e dinâmica epigenética complexa. Quanto a espécie endêmica B. insularis, sua divergência genética é muito inferior à apresentada por espécies diferenciadas sugerindo que embora represente um grupo geograficamente isolado, constitua uma sinonímia de B. pulchellus. A divergência nos ritmos de diversificação cariotípica entre Haemulidae e Labridae é aqui discutida à luz de características cariotípicas intrínsecas que podem favorecer o tamponamento e a fixação de mudanças cromossômicas e aspectos biológicos das espécies que contribuem para as condições particulares de evolução cariotípica desses dois grupos de peixes marinhos.


  • Mostrar Abstract
  • Percomorpha series is the largest division among vertebrates, constituting the largest and most derived clade of teleostean fishes. Among its Orders, Perciformes and Labriformes constitue adequated models for the investigation of conservatism and chromosomal diversification. In Perciformes the chromosomal conservatism is represented by basal karyotypes with 2n = 48 acrocentric, extensively shared by a considerable portion of species. The causes and extent of the karyotypic conservatism in various families of this Order are not entirely clear. In front of the diversity of species in Labriformes, more detailed aspects of its karyotype evolution or even the taxonomic status of some species deserve particular attention. In order to contribute with new information on these issues, it was implemented conventional chromosome analysis (conventional staining with Giemsa, C-banding and Ag-NORs, base-specific fluochromes) and cytomolecular (in situ hybridization with 18S rDNA, 5S rDNA) probes were implemented. Eight species of the genera Anisotremus and Haemulon of the family Haemulidae (Perciformes) were analyzed, including samples from different areas of the Atlantic, as a model of conservative evolution. In 2 species of the Bodianus genus Labridae (Labriformes), it was also analyzed aspects of the evolution of particular repetitive sequences (DNAr 18S, DNAr 5S, Alu and Tol2) in the chromosomes by hybridization with 5 methylcytosine (5mC). Additionally, phylogenetic comparisons were performed using mitochondrial (COI and 16S) and nuclear (Rhodopsin) DNA sequences to verify the taxonomic status of the Bodianus insularis species, endemic to the Meso-Atlantic islands. All Haemulidae species presented 2n = 48a, single Ag-NORs sites and reduced centromeric heterochromatin, besides considerable sharing of rDNA 5S and 18S sites, confirming the occurrence of karyotype stasis in the family. The karyotypic patterns of the populations of A. virginicus and H. chrysargyreum between the Caribbean and the South Atlantic did not reveal chromosomal variations due to the barrier of the discharges of the Amazonas / Orinoco rivers. In Bodianus, the analyzes identified a remarkable decondensed region in a subtelocentric chromosomal pair, denominated BOD region. Among its particular constitutive and functional characteristics, it is DAPI-, Argentofílica (Ag +), markedly hypomethylated and saturated with transposable elements, suggesting that the participation of these mobile elements may have contributed to its genesis and complex epigenetic dynamics. In relation to the endemic species B. insularis its genetic divergence is much inferior to that presented by differentiated species suggesting that although it represents a geographically isolated group, it constitutes a synonym of B. pulchellus. The divergence in the rates of karyotype diversification between Haemulidae and Labridae is discussed here in the light of intrinsic karyotype characteristics that may favor the buffering and the fixation of chromosomal changes and biological aspects of the species that contributes to particular conditions of karyotype evolution of these two groups of marine fish.

2016
Dissertações
1
  • KARLLA DANIELLE JORGE AMORIM
  • Padrões citogenômicos em espécies da família Labridae da costa nordeste e ilhas oceânicas do Brasil

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO
  • Data: 26/02/2016

  • Mostrar Resumo
  • Labridae possui grande interesse ecológico devido as suas complexas interações com o ambiente recifal. Representa uma das famílias mais diversas, com mais de 530 espécies, distribuídas em 82 gêneros, com importantes relações ecológicas e aspectos econômicos. Suas espécies estão amplamente representadas nos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico. O gênero Halichoeres, é o mais diverso dentro da família. Os budiões, como são conhecidos os representantes da família, apresentam variações no padrão de cor que podem se modificar de acordo com o sexo ou fase de desenvolvimento. Diante disso, muitas espécies vêm sendo reavaliadas e reordenadas. Apesar das contribuições significativas na identificação dos mecanismos de divergência cariotípica intra e interespecíficas na família, poucas espécies tiveram seus padrões cromossômicos analisados com técnicas mais resolutivas. Aqui são apresentados dados citogenéticos que ampliam as informações citogenéticas para os gêneros Halichoeres e Thalassoma, analisando padrões heterocromáticos qualitativos, com distribuição de regiões (GC+/AT-), localização e frequência de sítios Ag-RON e hibridização fluorescente in situ com sondas ribossomais, das populações do litoral nordeste e ilhas oceânicas do Brasil. As espécies Halichoeres radiatus, H. poeyi, H. brasiliensis, H. penrosei apresentaram 2n=48 (48a), enquanto Thalassoma noronhanum apresentou 2n=48 (2m+46a). O mapeamento de sequências repetitivas ribossomais (DNAr 18S e 5S) identificou sítios DNAr 18S, múltiplos (3 a 5 loci), e DNAr 5S, simples ou múltiplos, bem como sintenia destes genes. Comparações populacionais evidenciaram diferenciações conspícuas quanto à frequência de sítios ribossomais DNAr 18S entre populações de H. radiatus. A extensa ocorrência de sítios 18S/5S co-localizados, em todas as espécies, demonstra uma condição basal das espécies de Halichoeres do Atlântico. Apesar de independentes evolutivamente, a sintenia destes genes se mostra filogeneticamente compartilhada para os gêneros Halichoeres e Thalassoma. Esta condição estrutural indica que co-localizações de sítios ribossomais 18S/5S podem ser estáveis, funcionais e mais frequentes do que se pensava em alguns grupos de peixes.


  • Mostrar Abstract
  • Labridae possui grande interesse ecológico devido as suas complexas interações com o ambiente recifal. Representa uma das famílias mais diversas, com mais de 530 espécies, distribuídas em 82 gêneros, com importantes relações ecológicas e aspectos econômicos. Suas espécies estão amplamente representadas nos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico. O gênero Halichoeres, é o mais diverso dentro da família. Os budiões, como são conhecidos os representantes da família, apresentam variações no padrão de cor que podem se modificar de acordo com o sexo ou fase de desenvolvimento. Diante disso, muitas espécies vêm sendo reavaliadas e reordenadas. Apesar das contribuições significativas na identificação dos mecanismos de divergência cariotípica intra e interespecíficas na família, poucas espécies tiveram seus padrões cromossômicos analisados com técnicas mais resolutivas. Aqui são apresentados dados citogenéticos que ampliam as informações citogenéticas para os gêneros Halichoeres e Thalassoma, analisando padrões heterocromáticos qualitativos, com distribuição de regiões (GC+/AT-), localização e frequência de sítios Ag-RON e hibridização fluorescente in situ com sondas ribossomais, das populações do litoral nordeste e ilhas oceânicas do Brasil. As espécies Halichoeres radiatus, H. poeyi, H. brasiliensis, H. penrosei apresentaram 2n=48 (48a), enquanto Thalassoma noronhanum apresentou 2n=48 (2m+46a). O mapeamento de sequências repetitivas ribossomais (DNAr 18S e 5S) identificou sítios DNAr 18S, múltiplos (3 a 5 loci), e DNAr 5S, simples ou múltiplos, bem como sintenia destes genes. Comparações populacionais evidenciaram diferenciações conspícuas quanto à frequência de sítios ribossomais DNAr 18S entre populações de H. radiatus. A extensa ocorrência de sítios 18S/5S co-localizados, em todas as espécies, demonstra uma condição basal das espécies de Halichoeres do Atlântico. Apesar de independentes evolutivamente, a sintenia destes genes se mostra filogeneticamente compartilhada para os gêneros Halichoeres e Thalassoma. Esta condição estrutural indica que co-localizações de sítios ribossomais 18S/5S podem ser estáveis, funcionais e mais frequentes do que se pensava em alguns grupos de peixes.

2
  • DAVI ZALDER MIGUEL
  • DIVERSIDADE GENÉTICA E PADRÕES CROMOSSÔMICOS ASSOCIADOS A QUEBRAS DE BARREIRAS PÓS-ZIGÓTICAS EM PEIXES DO GÊNERO Chaetodon (PERCIFORMES)

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO
  • Data: 26/02/2016

  • Mostrar Resumo
  • A hibridização interespecífica tem sido identificada em diversos grupos animais, entre estes, de forma recorrente e destacadamente em peixes marinhos da família Chaetodontidae. O gênero Chaetodon é o mais diverso da família com cerca de 30 espécies capazes de produzir híbridos viáveis. Todas as características pertinentes a este fenômeno vêm sendo analisadas, porém ainda são necessários mais dados sobre a quebra de barreiras reprodutivas neste gênero. No presente trabalho foram comparadas sequências dos genes 12S, 16S, RAG2 e NADH de espécies do gênero Chaetodon com híbridos conhecidos, com o objetivo de aferir qual a distância genética entre elas, bem como comparações citogenéticas por mapeamento cromossômico das regiões de DNAr 18S e 5S das espécies C. striatus, C. capistratus e C. sedentarius, do Atlântico Sul e Caribe. Os resultados indicam que as espécies parentais, mesmo abrigando um alto nível de divergência genética, mantém o potencial de intercruzamento e produz híbridos viáveis. Um extremo conservadorismo cariotípico inter e intra-específico foi observado para as espécies. Apesar do longo tempo decorrido de divergência entre algumas espécies, o potencial reprodutivo interespecífico, além de fatores ambientais e biológicos, pode ter sido favorecido pela extensa homogeneidade cariotípica presente na família.


  • Mostrar Abstract
  • Interspecific hybridization has been identified in various animal groups, among these, on a recurring basis in marine fish, notably in the Chaetodontidae family. The Chaetodon is the most diverse gender in the family, with about 30 species able to produce viable hybrids. All relevant features of this phenomenon have been analyzed, but we still need more data about the break of reproductive barriers in this genre. In the present study were compared sequences of the 12S gene, 16S, rag2 and NADH of Chaetodon genus with produce known hybrids, in order to ascertain what the genetic distance between them and cytogenetic comparisons by chromosomal mapping of regions of rDNA 18S and 5S of C. striatus, C. sedentarius and C. capistratus, from South Atlantic and Caribbean. The results indicate that parental species, even having a high level of genetic divergence, maintains the potential intercross and are capable to produce viable hybrids. An extreme conservatism karyotype inter- and intraspecific was observed for the species. Despite the long interval of separation between some species, interspecific reproductive potential as well an environmental and biological factors may have been favored by extensive karyotype homogeneity present in the family.

3
  • JULIANA GALVÃO BEZERRA
  • REARRANJOS CROMOSSÔMICOS, EVOLUÇÃO GENÔMICA E DIVERSIFICAÇÃO CARIOTÍPICA EM TETRAODONTIFORMES

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • GIDEÃO WAGNER WERNECK FELIX DA COSTA
  • PAULO AUGUSTO DE LIMA FILHO
  • Data: 03/03/2016

  • Mostrar Resumo
  • A ordem Tetraodontiformes se destaca por exibir características morfológicas e genéticas bastante singulares, representando um dos principais ramos derivados da diversificação dos teleósteos. Alguns dos seus grupos constituem os vertebrados com os genomas mais compactos, qualificando-os como modelo de estudo da evolução do genoma. Esta característica genômica parece ser o resultado de perdas evolutivas de DNA. Com vistas a realizar comparações citogenômicas entre espécies de alguns grupos de Tetraodontiformes foram realizadas análises citogenéticas nas espécies Cantherhines pullus e Monacanthus chinensis (Monacanthidae), Sphoeroides testudineus (Tetraodontidae) e Melichthys Níger (Balistidae). As análises foram ralizadas utilizando as metodologias clássicas (coloração pelo Giemsa, bandamento C, Ag-RONs), coloração com fluorocromos base-específicos e mapeamento cromossômico através da hibridação in situ fluorescente (FISH) de sequências ribossomais 18S e 5S e teloméricas. As espécies C. pullus e M. niger revelaram cariótipos compostos de 40 cromossomos, todos acrocêntricos. Ambas possuem apenas um par de RONs e heterocromatinas, em maior parte, pericentroméricas, contudo, o mapeamento de sequências teloméricas em C. pullus mostrou marcações teloméricas intersticiais, resultado da dinâmica de rearranjos cromossômicos que ocorre no grupo. Comparações citogenéticas entre as espécies S. testudineus (2n=46; NF=74) e M. chinensis (2n=34; NF=34) revelaram cariótipos díspares em relação ao número diploide e de braços cromossômicos, bem como quanto ao diminuto tamanho dos cromossomos de S. testudineus, em relação ao grandes cromossomos acrocêntricos presentes em M. chinensis. A marcante divergência no tamanho dos cromossomos, estrutura cariotípica e distribuição de heterocromatina evidencia a elevada dinâmica cromossômica e as múltiplas tendências carioevolutivas presentes em Tetraodontiformes. Em vista do interesse sobre a evolução genômica na ordem, novas contribuições ao conhecimento dos seus genomas e cariótipos são fornecidos e discutidos sob perspectivas citogenômicas e evolutivas.


  • Mostrar Abstract
  • Tetraodontiformes order is featured for exhibiting extremely singular morphological and genetics characteristics, representing one of the main derivatives branches of the teleosts diversification. Some of its groups constitute vertebrates with the most compact genomes, qualifying them as a model of genome evolution studies. This genomic feature looks to be the result of evolutionary DNA loss. In order to perform cytogenomic comparisons between species of some Tetraodontiformes groups, cytogenetic analyzes were done on species Cantherhines pullus and Monacanthus chinensis (Monacanthidae) Sphoeroides testudineus (Tetraodontidae) and Melichthys niger (Balistidae). The analysis used classical methodologies (Giemsa staining, C-banding, Ag-NORs), fluorochromes base-specific staining and chromosomal mapping by fluorescence in situ hybridization (FISH) of telomeric and the ribosomal sequences 18S and 5S. The species C. pullus and M. niger revealed karyotypes composed of 40 chromosomes, all acrocentric. Both have only a single pair of NORs and heterochromatin, mostly, pericentomeric, however, the telomeric sequences mapping in C. pullus showed interstitial telomeric marks, result of the chromosomal rearrangements dynamics wich occurrs in the group. Cytogenetic comparisons among the species S. testudineus (2n = 46, NF = 74) and M. chinensis (2n = 34, NF = 34) revealed disparate karyotypes in relation to diploid and chromosomal arm numbers, as well as the tiny size of S. testudineus chromosomes in relation to the large acrocentric chromosomes present in M. chinensis. The striking differences on the chromosomes size, karyotypical structure and heterochromatin distribution evidences high chromosomal dynamics and multiple karyoevolutive trends present in Tetraodontiformes. In face of the interest on the genomic evolution in this Order, new contributions to the knowledge of their genomes and karyotypes are provided and discussed over cytogenomic and evolutionary perspectives.

4
  • MILENA CORDEIRO DE AMORIM LOPES
  • EVOLUÇÃO DAS TOLERÂNCIAS CLIMÁTICAS EM LEGUMINOSAS ARBÓREAS NEOTROPICAIS

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRÁULIO ALMEIDA SANTOS
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • Data: 11/03/2016

  • Mostrar Resumo
  • A alta diversidade de plantas vasculares nos trópicos está correlacionada com diversos fatores, como, por exemplo, fatores climáticos. Alterações no ecossistema podem gerar oportunidade ecológica e impulsionar irradiações adaptativas. Todavia, alguns clados não irradiam frente a uma aparente oportunidade ecológica, algumas linhagens mantêm seus nichos conservados ao longo do tempo ou convergem para nichos similares. Este trabalho avalia a evolução das tolerâncias climáticas de uma linhagem antiga de plantas arbóreas da família Leguminosae, especificamente do clado Bowdichia integrante do grande clado Genistoide da subfamília Papilionoideae. A fim de caracterizar a evolução do nicho climático do clado, registros das distribuições geográficas das espécies foram coletados em banco de dados online nacionais e internacionais; foram efetivadas análises filogenéticas e de datação molecular; construídos modelos de nicho ecológico; calculados os índices de sobreposição; produzidos Perfis de Ocupação de Nicho (PON) no contexto filogenético; e calculada a disparidade climática através do tempo. Como resultado, foram evidenciados altos valores de sobreposição entre algumas espécies de subclados distintos, valores mais altos do que o esperado por Movimento Browniano entre outras altamente aparentadas, e baixos valores de sobreposição entre algumas espécies em um mesmo subclado. Uma heterogeneidade na ocupação de cada variável bioclimática entre as espécies foi evidenciada através dos PONs, e, levando em consideração o contexto filogenético, a irradiação das espécies, através do tempo, se deu sobre uma grande variedade de espaços e condições bioclimáticas, sendo observados eventos de convergência, divergência e conservantismo de nicho. Além disso, no que diz respeito à disparidade através do tempo, é sugerido que a evolução do clado tenha ocorrido sob eventos gradativos e tardios de diversificação ao invés de uma irradiação adaptativa rápida por oportunidade ecológica no momento anterior a irradiação do clado. O estudo reforça a teoria de que regiões com alta precipitação e alta temperatura média anual são altamente biodiversas e refuta a teoria dos refúgios pleistocênicos como explicação para a maior riqueza na Amazônia. Além disso, a maior heterogeneidade de hábitats e de ocupação de nicho não estão correlacionadas com o tempo de origem de uma linhagem. Também é sugerido que a evolução divergente tenha sido favorecida no Plio-Pleistoceno com surgimento de oportunidades ecológicas após eventos glaciais e interglaciais.


  • Mostrar Abstract
  • A alta diversidade de plantas vasculares nos trópicos está correlacionada com diversos fatores, como, por exemplo, fatores climáticos. Alterações no ecossistema podem gerar oportunidade ecológica e impulsionar irradiações adaptativas. Todavia, alguns clados não irradiam frente a uma aparente oportunidade ecológica, algumas linhagens mantêm seus nichos conservados ao longo do tempo ou convergem para nichos similares. Este trabalho avalia a evolução das tolerâncias climáticas de uma linhagem antiga de plantas arbóreas da família Leguminosae, especificamente do clado Bowdichia integrante do grande clado Genistoide da subfamília Papilionoideae. A fim de caracterizar a evolução do nicho climático do clado, registros das distribuições geográficas das espécies foram coletados em banco de dados online nacionais e internacionais; foram efetivadas análises filogenéticas e de datação molecular; construídos modelos de nicho ecológico; calculados os índices de sobreposição; produzidos Perfis de Ocupação de Nicho (PON) no contexto filogenético; e calculada a disparidade climática através do tempo. Como resultado, foram evidenciados altos valores de sobreposição entre algumas espécies de subclados distintos, valores mais altos do que o esperado por Movimento Browniano entre outras altamente aparentadas, e baixos valores de sobreposição entre algumas espécies em um mesmo subclado. Uma heterogeneidade na ocupação de cada variável bioclimática entre as espécies foi evidenciada através dos PONs, e, levando em consideração o contexto filogenético, a irradiação das espécies, através do tempo, se deu sobre uma grande variedade de espaços e condições bioclimáticas, sendo observados eventos de convergência, divergência e conservantismo de nicho. Além disso, no que diz respeito à disparidade através do tempo, é sugerido que a evolução do clado tenha ocorrido sob eventos gradativos e tardios de diversificação ao invés de uma irradiação adaptativa rápida por oportunidade ecológica no momento anterior a irradiação do clado. O estudo reforça a teoria de que regiões com alta precipitação e alta temperatura média anual são altamente biodiversas e refuta a teoria dos refúgios pleistocênicos como explicação para a maior riqueza na Amazônia. Além disso, a maior heterogeneidade de hábitats e de ocupação de nicho não estão correlacionadas com o tempo de origem de uma linhagem. Também é sugerido que a evolução divergente tenha sido favorecida no Plio-Pleistoceno com surgimento de oportunidades ecológicas após eventos glaciais e interglaciais.

5
  • LUCIANO DE FREITAS BARROS NETO
  • Validade taxonômica do cascudinho Parotocinclus cearensis Garavello, 1977 (Siluriformes: Loricariidae), Nordeste do Brasil

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • PABLO CÉSAR LEHMANN ALBORNOZ
  • Data: 29/03/2016

  • Mostrar Resumo
  • O gênero Parotocinclus compreende 29 espécies nominais válidas de pequenos cascudos
    hipoptopomatíneos amplamente distribuídos na região neotropical cisandina. Embora a
    subfamília Hypoptopomatinae seja monofilética, o gênero foi reconhecido como uma
    assembleia polifilética. Na região Nordeste do Brasil, que abrange quatro ecorregiões
    hidrográficas distintas, Parotocinclus apresenta uma alta riqueza de espécies, representado
    por doze espécies descritas até o momento, geralmente com distribuição geográfica restrita.
    Dentre essas, P. cearensis, da bacia do rio Acaraú no oeste do Estado do Ceará, foi descrita a
    partir do desmembramento da série-tipo de P. spilosoma, da bacia do rio Paraíba do Norte, no
    Estado da Paraíba, tendo surgido algumas controvérsias a respeito da validade da primeira.
    Em levantamentos ictiológicos recentes em diversas bacias das ecorregiões do Nordeste
    Médio-Oriental e do São Francisco foram coletados alguns espécimes de Parotocinclus
    semelhantes à P. cearensis, o que sugere que essa espécie possua uma ampla distribuição no
    Nordeste do Brasil, ou que se trata de um complexo de espécies. Para resolver essas incertezas
    taxonômicas foram feitas análises morfológicas e moleculares, que confirmaram a validade de
    P. cearensis e identificaram a presença de possíveis novas espécies relacionadas. Assim, é
    fornecida uma redescrição de P. cearensis e P. spilosoma, e identificada a co-ocorrência de
    linhagens em algumas bacias hidrográficas, sugerindo um contato secundário.


  • Mostrar Abstract
  • The Parotocinclus genus comprises 29 valid nominal species of small Hypoptopomatinae
    armored catfishes widely distributed in cisandine Neotropical Region. Although the subfamily
    Hypoptopomatinae is monophyletic, the genus has been recognized as a polyphyletic
    assemblage. In northeastern Brazil, which covers four distinct ecoregions, Parotocinclus show
    a high species richness, represented by twelve species described to date, usually with
    restricted geographic distribution. Among these, P. cearensis from Acaraú river basin in
    western Ceará State, was described from the distinction of the type series of P. spilosoma,
    from Paraíba do Norte river basin, in Paraíba State, having been some controversy regarding
    the validity of the first. In recente ichthyological surveys in several drainages of the Mid-
    Northeastern Caatinga and São Francisco ecoregions some Parotocinclus specimens similar
    to P. cearensis were captured, suggesting that this species has a wide distribution in
    Northeastern Brazil, or it is a species complex. To address this taxonomic uncertainty,
    morphological and molecular analyzes were performed, which confirmed the validity of P.
    cearensis and identified the presence of possibles new related species. Thus, there is provided
    a redescription of P. cearensis and P. spilosoma, and identified the co-occurrence of lineages
    in some hydrographic basins, suggesting a secondary contact.

6
  • JAERTON CARVALHO DE SOUSA JÚNIOR
  • APOCYNACEAE JUSS. NA MATA ATLÂNTICA DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • FERNANDA ANTUNES CARVALHO
  • LEANDRO DE OLIVEIRA FURTADO DE SOUSA
  • Data: 31/08/2016

  • Mostrar Resumo
  • O objetivo principal desse estudo foi realizar um inventário florístico taxonômico das Apocináceas ocorrentes nos remanescentes de Mata Atlântica do Rio Grande do Norte, através de consulta aos espécimes depositados nos herbários, expedições de campo e descrição em laboratório dos espécimes coletados. Foram registradas 25 espécies em 18 gêneros e três subfamílias. Os gêneros com maior número de espécies foram: Ditassa R.Br (4 spp.), Aspidosperma Mart. & Zucc. e Mandevilla Lindl. (3 spp.). Os demais gêneros estão representados por uma espécie cada. São apresentadas oito novas ocorrências para a Flora do estado e seus respectivos status de conservação. Das novas ocorrências, cinco espécies são de gêneros aqui registrados pela primeira vez no estado (Cynanchum L., Macoubea Aubl., Odontadenia Benth., Tabernaemontana L. e Temnadenia Miers). São apresentadas chave de identificação, comentários taxonômicos e de distribuição geográfica dos gêneros e espécies, descrições, ilustrações, fotos e mapas das espécies encontradas na área de estudo.


  • Mostrar Abstract
  • This is the floristic taxonomic inventory of the Apocynaceae occurring in the Atlantic Forest remnants from Rio Grande do Norte state, by consulting the specimens deposited in herbaria, field expeditions and description of the collected specimens in the laboratory. Twenty-five species in eighteen genera were recorded in three subfamilies. The genera with more species were DitassaR.Br (4 spp.), AspidospermaMart. & Zucc. e MandevillaLindl. (3 spp.). The other genera are represented by one species each. Eightnew records are presenting for the flora of the state along with its several conservation statuses. Five of these species are placed in genera that are also reported here for the first time to the Rio Grande do Norte state (CynanchumL., MacoubeaAubl., OdontadeniaBenth., TabernaemontanaL. and TemnadeniaMiers). The study also presents identification key, taxonomic comments and geographic distribution of genera and species, descriptions, illustrations, photos and maps of the speciesfound in the study area.

7
  • TIANISA PRATES BOEIRA
  • SPERMACOCEAE (RUBIACEAE) NO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • AUGUSTO FRANCENER NOGUEIRA GONZAGA
  • LEANDRO DE OLIVEIRA FURTADO DE SOUSA
  • Data: 31/08/2016

  • Mostrar Resumo
  • Rubiaceae é a quarta família mais representativa em número de espécies dentre as Angiospermas, com 13.526 espécies em 620 gêneros. No Brasil, a família é representada por 1.375 espécies, sendo 389 ocorrentes no Nordeste. A tribo Spermacoceae apresenta distribuição pantropical e é caracterizada por plantas predominantemente herbáceas com estípulas fimbriadas e flores geralmente tetrâmeras, representadas no Brasil por 217 espécies em 17 gêneros. O presente estudo teve como objetivo o estudo taxonômico das Spermacoceae no Rio Grande do Norte (RN), a fim de contribuir para o conhecimento sobre a flora do estado, bem como auxiliar na identificação correta das espécies do grupo, as quais são facilmente confundidas morfologicamente, mesmo ao nível de gênero. Para este estudo, foram realizadas expedições científicas a campo, para coleta e observação das Spermacoceae, em áreas de Mata Atlântica e Caatinga do estado, seguidas de identificação e descrição das espécies coletadas e depositadas em herbários. Foram encontradas 24 espécies e oito gêneros. Os gêneros mais representativos foram Borreria (8 spp.), Mitracarpus (6 spp.) e Hexasepalum (4 spp.); os demais: Oldenlandia (2 spp.) e Leptoscela, Richardia, Spermacoce e Staelia com apenas uma espécie cada. Seis espécies são registradas pela primeira vez para a flora do Rio Grande do Norte: Borreria ocymifolia, Mitracarpus baturitensis, M. hirtus, M. longicalyx, Oldenlandia corymbosa e Staelia virgata. São apresentadas descrições, ilustrações, chave de identificação e dados acerca do hábitat, fenologia e distribuição geográfica das espécies.


  • Mostrar Abstract
  • Rubiaceae is the fourth largest family of Angiosperms, with 13.526 species and 620 genera. In Brazil, the family is represented by 1.375 species, of which 389 occurs in the Northeast region. The Spermacoceae is a tribe with pantropical distribution pattern, characterized by predominantly herbaceous plants with fimbriate stipules and flowers usually tetramerous, represented in Brazil by 217 species and 17 genera. This study aimed the taxonomic survey of the Spermacoceae in Rio Grande do Norte (RN), in order to contribute to the knowledge of the flora, as well as offer support to the correct identification of this group's species, which are easily confused due to the morphological resemblance, even at the generic level. For this study, field expeditions were made to collect and observe the Spermacoceae in areas of the Atlantic Forest and Caatinga in the state, followed by the identification, description of the specimens and further incorporation in herbaria. Were registred 24 species and eight genera. The most species-rich genera were Borreria (8 spp.), Mitracarpus (6 spp.) and Hexasepalum (4 spp.); Oldenlandia (2 spp.) each and Leptoscela, Richardia, Spermacoce e Staelia had only one species each. Six species are new records for the flora of Rio Grande do Norte: Borreria ocymifolia, Mitracarpus baturitensis, M. hirtus, M. longicalyx, Oldenlandia corymbosa e Staelia virgata. Descriptions, illustrations, identification key, habitat data, fenology and distribution of the species are presented.

2015
Dissertações
1
  • RAIMUNDO LUCIANO SOARES NETO
  • CAPPARACEAE: FLORA DO RIO GRANDE DO NORTE E BIOGEOGRAFIA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • JEFFERSON GUEDES DE CARVALHO SOBRINHO
  • Data: 25/02/2015

  • Mostrar Resumo
  • Capparaceae abrange 25 gêneros e 480 espécies, das quais aproximadamente 110 são compreendidas em 18 gêneros na região Neotropical. Sua distribuição é pantropical com grande frequência em ambientes sazonalmente secos. Seus representantes apresentam hábito arbóreo, arbustivo e raramente lianescente, folhas simples ou compostas 3–folioladas, brácteas florais reduzidas e decíduas, flores tetrâmeras e noturnas com estames exsertos numerosos, ovário súpero sobre um ginóforo, frutos carnosos deiscentes ou indeiscentes. Para o Brasil são registrados 12 gêneros e 28 espécies das quais 12 são endêmicas do país, ocorrendo preferencialmente em savana estépica (strictu senso), floresta estacional semidecidual e restinga. O presente trabalho está dividido em dois capítulos. O primeiro capítulo aborda o padrão de distribuição das espécies que ocorrem no semiárido brasileiro e sua distribuição intra Caatinga. Os padrões de distribuição foram determinados a partir da revisão da distribuição das espécies em coleções de herbários e complementados com dados obtidos de bibliografia específica da família. Foram avaliadas a riqueza, esforço de coleta e similaridade florística das espécies intra Caatinga pelo método de quadrículas de 1 × 1 grau. Seis gêneros e oito espécies foram registradas na Caatinga, sendo quatro endêmicas do Brasil, dessas, apenas uma é endêmica da Caatinga, e quatro apresentaram distribuição neotropical. Quatro padrões foram observados: restrito ao NE, amplo e contínuo no Brasil, disjunto e neotropical. Todas as espécies foram registradas na Bahia, estado que apresentou a maior riqueza de espécies por quadrícula e também notável esforço amostral das espécies da família. O estado do Piauí apresenta áreas prioritárias para futuras coletas de Capparaceae, devido a pouca representatividade da família no estado. A análise de similaridade florística intra Caatinga mostrou-se baixa, 22%, provavelmente devido a poucas espécies da família na região e a ampla distribuição das mesmas. No segundo capítulo é apresentada a flora de Capparaceae para o Rio Grande do Norte (RN), visto que o estado possui uma flora pouco conhecida, com estudos pontuais. Através de coletas no estado e revisão de herbário foram registrados cinco gêneros e seis espécies de Capparaceae no RN: Capparidastrum (1); Crateva (1); Cynophalla (2); Mesocapparis (1) e Neocalyptrocalyx (1). Capparidastrum frondosum e Mesocapparis lineata são novas ocorrências para o estado. São apresentadas uma chave de identificação, descrições e imagens, comentários sobre a biologia das espécies e Unidades de Conservação onde ocorrem.


  • Mostrar Abstract
  • Capparaceae abrange 25 gêneros e 480 espécies, das quais aproximadamente 110 são compreendidas em 18 gêneros na região Neotropical. Sua distribuição é pantropical com grande frequência em ambientes sazonalmente secos. Seus representantes apresentam hábito arbóreo, arbustivo e raramente lianescente, folhas simples ou compostas 3–folioladas, brácteas florais reduzidas e decíduas, flores tetrâmeras e noturnas com estames exsertos numerosos, ovário súpero sobre um ginóforo, frutos carnosos deiscentes ou indeiscentes. Para o Brasil são registrados 12 gêneros e 28 espécies das quais 12 são endêmicas do país, ocorrendo preferencialmente em savana estépica (strictu senso), floresta estacional semidecidual e restinga. O presente trabalho está dividido em dois capítulos. O primeiro capítulo aborda o padrão de distribuição das espécies que ocorrem no semiárido brasileiro e sua distribuição intra Caatinga. Os padrões de distribuição foram determinados a partir da revisão da distribuição das espécies em coleções de herbários e complementados com dados obtidos de bibliografia específica da família. Foram avaliadas a riqueza, esforço de coleta e similaridade florística das espécies intra Caatinga pelo método de quadrículas de 1 × 1 grau. Seis gêneros e oito espécies foram registradas na Caatinga, sendo quatro endêmicas do Brasil, dessas, apenas uma é endêmica da Caatinga, e quatro apresentaram distribuição neotropical. Quatro padrões foram observados: restrito ao NE, amplo e contínuo no Brasil, disjunto e neotropical. Todas as espécies foram registradas na Bahia, estado que apresentou a maior riqueza de espécies por quadrícula e também notável esforço amostral das espécies da família. O estado do Piauí apresenta áreas prioritárias para futuras coletas de Capparaceae, devido a pouca representatividade da família no estado. A análise de similaridade florística intra Caatinga mostrou-se baixa, 22%, provavelmente devido a poucas espécies da família na região e a ampla distribuição das mesmas. No segundo capítulo é apresentada a flora de Capparaceae para o Rio Grande do Norte (RN), visto que o estado possui uma flora pouco conhecida, com estudos pontuais. Através de coletas no estado e revisão de herbário foram registrados cinco gêneros e seis espécies de Capparaceae no RN: Capparidastrum (1); Crateva (1); Cynophalla (2); Mesocapparis (1) e Neocalyptrocalyx (1). Capparidastrum frondosum e Mesocapparis lineata são novas ocorrências para o estado. São apresentadas uma chave de identificação, descrições e imagens, comentários sobre a biologia das espécies e Unidades de Conservação onde ocorrem.

2
  • JUAN PABLO ZURANO
  • RELAÇÃO ENTRE A DIVERGÊNCIA DE NICHO E AS CARACTERÍSTICAS FENOTÍPICAS DOS CANÍDEOS DA AMÉRICA DO SUL

  • Orientador : GABRIEL CORREA COSTA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GABRIEL CORREA COSTA
  • CARLOS ROBERTO SORENSEN DUTRA DA FONSECA
  • PEDRO CORDEIRO ESTRELA DE ANDRADE PINTO
  • Data: 27/02/2015

  • Mostrar Resumo
  • A oportunidade ecológica que surge com a colonização de novos ambientes pode favorecer a diversificação morfológica e ecológica das espécies. Os canídeos chegaram no continente sul-americano depois da formação do istmo do Panamá e tiveram uma rápida diversificação, ocupando uma grande variedade de hábitats em todo o continente. Analisamos em um contexto filogenético a evolução e divergência nas características morfológicas e ecológicas de oito espécies de canídeos endêmicos da América do Sul. Para isso utilizamos métodos de morfometria geométrica, modelagem de nicho e métodos comparativos. Ainda, utilizando regressões filogenéticas baseadas em distância, testamos se as características morfológicas das espécies estão relacionada com a radiação do grupo em ambiente diferentes ao longo do continente. Observamos que as diferenças nas características do nicho climático são independentes do tempo de divergência entre as espécies. Ainda, encontramos que a forma do crânio não apresenta uma estruturação filogenética, estando relacionada com gradientes climáticos, e com características do nicho trófico. A forma da mandíbula apresenta sinal filogenético e está relacionada com gradientes climáticos e a dieta. Entretanto, o tamanho corporal não apresenta sinal filogenético e está relacionado com característica do nicho trófico. Nossos resultados evidenciam que a diversificação dos canídeos na América do Sul está relacionada com a divergência e ocupação dos nichos ao longo do continente, e que características bioclimáticas e do nicho trófico tem influenciado a evolução do fenótipo nessas espécies. Este estudo apresenta pela primeira vez evidências de uma possível radiação adaptativa em escala continental dos Canídeos da América do Sul.


  • Mostrar Abstract
  • A oportunidade ecológica que surge com a colonização de novos ambientes pode favorecer a diversificação morfológica e ecológica das espécies. Os canídeos chegaram no continente sul-americano depois da formação do istmo do Panamá e tiveram uma rápida diversificação, ocupando uma grande variedade de hábitats em todo o continente. Analisamos em um contexto filogenético a evolução e divergência nas características morfológicas e ecológicas de oito espécies de canídeos endêmicos da América do Sul. Para isso utilizamos métodos de morfometria geométrica, modelagem de nicho e métodos comparativos. Ainda, utilizando regressões filogenéticas baseadas em distância, testamos se as características morfológicas das espécies estão relacionada com a radiação do grupo em ambiente diferentes ao longo do continente. Observamos que as diferenças nas características do nicho climático são independentes do tempo de divergência entre as espécies. Ainda, encontramos que a forma do crânio não apresenta uma estruturação filogenética, estando relacionada com gradientes climáticos, e com características do nicho trófico. A forma da mandíbula apresenta sinal filogenético e está relacionada com gradientes climáticos e a dieta. Entretanto, o tamanho corporal não apresenta sinal filogenético e está relacionado com característica do nicho trófico. Nossos resultados evidenciam que a diversificação dos canídeos na América do Sul está relacionada com a divergência e ocupação dos nichos ao longo do continente, e que características bioclimáticas e do nicho trófico tem influenciado a evolução do fenótipo nessas espécies. Este estudo apresenta pela primeira vez evidências de uma possível radiação adaptativa em escala continental dos Canídeos da América do Sul.

3
  • JULIETH DE OLIVEIRA SOUSA
  • O GÊNERO GEASTRUM PERS. (GEASTRACEAE, BASIDIOMYCOTA): OCORRÊNCIA, CHAVE TAXONÔMICA E DESCRIÇÕES DE NOVAS ESPÉCIES DO NORDESTE BRASILEIRO

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • FRANCISCO DE DIEGO CALONGE
  • Data: 13/03/2015

  • Mostrar Resumo
  • Geastraceae é uma família monofilética pertencente ao clado “gomphoid-phalloid”, composta apenas por dois gêneros Geastrum e Myriostoma, que são muito próximos tanto na morfologia quanto na filogenia, ambos apresentam basidiomas angiocárpicos, poro apical, basidiosporos liberados passivamente através do mecanismo de fole e exoperídio deiscente em raios, sendo diferenciados pelo número de ostíolos e pedicelos. Devido à deiscência do exoperídio, são conhecidos popularmente como “estrelas-da-terra”. Ocorrem geralmente degradando liteira ou madeira, sendo, portanto, saprofíticos, com raras exceções de espécies ectomicorrízicas. Geastrum é um dos gêneros gasteroides mais diversos no Brasil, com 51 registros. Contudo, existem lacunas de conhecimento quanto à distribuição geográfica e sistemática deste gênero no país. Especialmente, devido às características encontradas em território brasileiro (megavidersidade, “hotspots” e tamanho continetal), as quais o tornam área prioritária para inventário de espécies. Desta forma, o presente trabalho objetivou realizar inventariar espécies Geastrum ocorrentes em áreas da Caatinga e Mata Atlântica do Nordeste. Foram realizadas pelo menos duas expedições de campo, com duração aproximada de quatro dias, durante períodos de chuva dos anos 2013 e 2014 para as áreas: Reserva Biológica de Guaribas, localizada no domínio Mata Atlântica da Paraíba e Reserva Ecológica Estadual Mata do Pau Ferro, localizada nos “Brejos Paraibanos”. Além disso, foram analisados espécimes depositados no Herbário UFRN-Fungos, os quais foram coletados no Parque Nacional Vale do Catimbau, Caatinga de Pernambuco. Os espécimes foram identificados de acordo com a análise de macro e micromorfologia, seguindo literatura específica. Foram analisados cerca de 400 basidiomas, distribuídos em 73 exsicatas. Foram identificadas 21 espécies, 19 em nível de espécie, sendo duas destas propostas como novas espécies (Geastrum magnosporum sp. nov. e G. pusillupilosum sp. nov.) e duas em nível de gênero (sp. e aff.). Destaca-se um novo registro para o Brasil, 12 novos registros para o estado da Paraíba, quatro novos registros para a região Semiárida do Brasil e seis novos registros para a vegetação de “Brejos de Altitude”. Desta forma, os resultados representam um aumento de 200% no conhecimento do gênero Geastrum na Paraíba, 24 % no Semiárido e 55% no “Brejo de Altitude”, demostrando que o Nordeste brasileiro apresenta uma alta riqueza de espécies.


  • Mostrar Abstract
  • Geastraceae é uma família monofilética pertencente ao clado “gomphoid-phalloid”, composta apenas por dois gêneros Geastrum e Myriostoma, que são muito próximos tanto na morfologia quanto na filogenia, ambos apresentam basidiomas angiocárpicos, poro apical, basidiosporos liberados passivamente através do mecanismo de fole e exoperídio deiscente em raios, sendo diferenciados pelo número de ostíolos e pedicelos. Devido à deiscência do exoperídio, são conhecidos popularmente como “estrelas-da-terra”. Ocorrem geralmente degradando liteira ou madeira, sendo, portanto, saprofíticos, com raras exceções de espécies ectomicorrízicas. Geastrum é um dos gêneros gasteroides mais diversos no Brasil, com 51 registros. Contudo, existem lacunas de conhecimento quanto à distribuição geográfica e sistemática deste gênero no país. Especialmente, devido às características encontradas em território brasileiro (megavidersidade, “hotspots” e tamanho continetal), as quais o tornam área prioritária para inventário de espécies. Desta forma, o presente trabalho objetivou realizar inventariar espécies Geastrum ocorrentes em áreas da Caatinga e Mata Atlântica do Nordeste. Foram realizadas pelo menos duas expedições de campo, com duração aproximada de quatro dias, durante períodos de chuva dos anos 2013 e 2014 para as áreas: Reserva Biológica de Guaribas, localizada no domínio Mata Atlântica da Paraíba e Reserva Ecológica Estadual Mata do Pau Ferro, localizada nos “Brejos Paraibanos”. Além disso, foram analisados espécimes depositados no Herbário UFRN-Fungos, os quais foram coletados no Parque Nacional Vale do Catimbau, Caatinga de Pernambuco. Os espécimes foram identificados de acordo com a análise de macro e micromorfologia, seguindo literatura específica. Foram analisados cerca de 400 basidiomas, distribuídos em 73 exsicatas. Foram identificadas 21 espécies, 19 em nível de espécie, sendo duas destas propostas como novas espécies (Geastrum magnosporum sp. nov. e G. pusillupilosum sp. nov.) e duas em nível de gênero (sp. e aff.). Destaca-se um novo registro para o Brasil, 12 novos registros para o estado da Paraíba, quatro novos registros para a região Semiárida do Brasil e seis novos registros para a vegetação de “Brejos de Altitude”. Desta forma, os resultados representam um aumento de 200% no conhecimento do gênero Geastrum na Paraíba, 24 % no Semiárido e 55% no “Brejo de Altitude”, demostrando que o Nordeste brasileiro apresenta uma alta riqueza de espécies.

4
  • MARIA APARECIDA FERNANDES
  • PADRÕES TEMPORAIS E GRAU DE DIVERSIFICAÇÃO CARIOTÍPICA EM ESPÉCIES ATLÂNTICAS DA FAMÍLIA ACANTHURIDAE (PERCIFORMES)

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • SATHYABAMA CHELLAPPA
  • ROBERTO FERREIRA ARTONI
  • Data: 26/03/2015

  • Mostrar Resumo
  • A família Acanthuridae é um grupo bastante representativo dentre os peixes marinhos e que desempenha um papel fundamental na dinâmica ecológica dos recifes de corais. Três espécies pertencentes ao gênero Acanthurus são comuns ao longo dos recifes costeiros do Atlântico Ocidental: A. coeruleus, A. bahianus e A. chirurgus. No presente estudo, são apresentados dados citogenéticos para estas três espécies de Acanthurus com base em métodos citogenéticos clássicos e no mapeamento de sequências ribossomais repetitivas, como DNAr 18S e 5S, além de sondas teloméricas com a finalidade de auxiliar na compreensão da carioevolução deste grupo. O padrão citogenético dessas espécies indica que as etapas sequenciais de rearranjos cromossômicos, que datam 19-5 milhões de anos atrás (Ma), são responsáveis por suas diferenças interespecíficas. Acanthurus coeruleus (2n=48; 2sm + 4st + 42a), A. bahianus (2n=36; 12m + 2sm + 4st + 18a) e A. chirurgus (2n=34; 12m + 2sm + 4st + 16a) compartilham um antigo conjunto de três pares cromossômicos originados através de inversões pericêntricas. Um conjunto de seis grandes pares metacêntricos formados por translocações Robertsonianas (Rb) encontrado em A. bahianus e A. chirurgus e uma suposta fusão em tandem presente em A. chirurgus são eventos mais recentes. A falta de sequências teloméricas intersticiais (ITS), apesar de várias fusões cêntricas em A. bahianus e A. chirurgus pode estar relacionada com o longo período de tempo após a sua ocorrência (estimado em 5 Ma). Além disso, as homeologias entre os pares de cromossomos que carregam os genes ribossomais, além de outras características estruturais, destacam grandes regiões cromossômicas conservadas nas três espécies. Nossos resultados indicam que as mudanças macroestruturais ocorreram durante a cladogênese dessas espécies não foram seguidas por rearranjos microestruturais visíveis nos cariótipos.


  • Mostrar Abstract
  • A família Acanthuridae é um grupo bastante representativo dentre os peixes marinhos e que desempenha um papel fundamental na dinâmica ecológica dos recifes de corais. Três espécies pertencentes ao gênero Acanthurus são comuns ao longo dos recifes costeiros do Atlântico Ocidental: A. coeruleus, A. bahianus e A. chirurgus. No presente estudo, são apresentados dados citogenéticos para estas três espécies de Acanthurus com base em métodos citogenéticos clássicos e no mapeamento de sequências ribossomais repetitivas, como DNAr 18S e 5S, além de sondas teloméricas com a finalidade de auxiliar na compreensão da carioevolução deste grupo. O padrão citogenético dessas espécies indica que as etapas sequenciais de rearranjos cromossômicos, que datam 19-5 milhões de anos atrás (Ma), são responsáveis por suas diferenças interespecíficas. Acanthurus coeruleus (2n=48; 2sm + 4st + 42a), A. bahianus (2n=36; 12m + 2sm + 4st + 18a) e A. chirurgus (2n=34; 12m + 2sm + 4st + 16a) compartilham um antigo conjunto de três pares cromossômicos originados através de inversões pericêntricas. Um conjunto de seis grandes pares metacêntricos formados por translocações Robertsonianas (Rb) encontrado em A. bahianus e A. chirurgus e uma suposta fusão em tandem presente em A. chirurgus são eventos mais recentes. A falta de sequências teloméricas intersticiais (ITS), apesar de várias fusões cêntricas em A. bahianus e A. chirurgus pode estar relacionada com o longo período de tempo após a sua ocorrência (estimado em 5 Ma). Além disso, as homeologias entre os pares de cromossomos que carregam os genes ribossomais, além de outras características estruturais, destacam grandes regiões cromossômicas conservadas nas três espécies. Nossos resultados indicam que as mudanças macroestruturais ocorreram durante a cladogênese dessas espécies não foram seguidas por rearranjos microestruturais visíveis nos cariótipos.

5
  • AMANDA TÔRRES BORGES
  • VALIDAÇÃO DE ESPÉCIES DE Centropomus (Centropomidae, Perciformes) DO LITORAL DO RIO GRANDE DO NORTE, ATRAVÉS DE CARACTERIZAÇÃO CITOGENÉTICA E MOLECULAR

  • Orientador : WAGNER FRANCO MOLINA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • WAGNER FRANCO MOLINA
  • RICARDO DE SOUZA ROSA
  • ROBERTO FERREIRA ARTONI
  • Data: 27/03/2015

  • Mostrar Resumo
  • A família Centropomidae é composta por três gêneros, Centropomus, Lates e Psammoperca. Centropomus é o grupo mais diversificado, apresentando seis espécies com ocorrência no Oceano Atlântico Ocidental, C. undecimalis (Bloch, 1792), C. poeyi Chávez, 1961, C. parallelus Poey, 1860, C. mexicanus Bocourt, 1868, C. pectinatus Poey, 1860 e C. ensiferus Poey, 1860. Algumas destas espécies são consideradas crípticas, por apresentarem características morfológicas pouco resolutivas para fins de identificação. Apesar do grande interesse como recurso natural e para cultivo, aspectos sobre sua diversidade e padrões cariotípicos são pouco conhecidos. Neste trabalho classificações morfológicas e comparações de sequências mitocondriais 16S foram utilizadas para identificação das espécies do gênero Centropomus com ocorrência no Rio Grande do Norte, nordeste do Brasil. Duas espécies foram identificadas, C. undecimalis e C. mexicanus, que tiveram seus aspectos cromossômicos analisados através de métodos citogenéticos clássicos (coloração convencional, bandamento C, Ag-RONs), coloração com fluorocromos AT- e GC-específicos, bandas de replicação pela incorporação do análogo de base 5´BrdU ( 5-bromo-2´-deoxiuridina) e mapeamento cromossômico in situ de sequências (TTAGGG)n e dos genes RNAr 18S e 5S. Ambas as espécies apresentaram 2n=48 cromossomos acrocêntricos, com sítios ribossomais (Ag-RON/DNAr 18S/Mitramicina+) no segundo par cromossômico, em posição telomérica no braço longo de C. mexicanus) e intersticial em C. undecimalis. O par organizador nucleolar (par 2) se mostra um marcador citotaxonômico resolutivo para estas duas espécies. Os dados gerados revelam uma menor diversidade de espécies de Centropomus do que se acreditava, sugerindo uma maior atenção na identificação taxonômica das espécies, tendo em vista otimizar ações de exploração comercial, conservação biológica e cultivo.


  • Mostrar Abstract
  • A família Centropomidae é composta por três gêneros, Centropomus, Lates e Psammoperca. Centropomus é o grupo mais diversificado, apresentando seis espécies com ocorrência no Oceano Atlântico Ocidental, C. undecimalis (Bloch, 1792), C. poeyi Chávez, 1961, C. parallelus Poey, 1860, C. mexicanus Bocourt, 1868, C. pectinatus Poey, 1860 e C. ensiferus Poey, 1860. Algumas destas espécies são consideradas crípticas, por apresentarem características morfológicas pouco resolutivas para fins de identificação. Apesar do grande interesse como recurso natural e para cultivo, aspectos sobre sua diversidade e padrões cariotípicos são pouco conhecidos. Neste trabalho classificações morfológicas e comparações de sequências mitocondriais 16S foram utilizadas para identificação das espécies do gênero Centropomus com ocorrência no Rio Grande do Norte, nordeste do Brasil. Duas espécies foram identificadas, C. undecimalis e C. mexicanus, que tiveram seus aspectos cromossômicos analisados através de métodos citogenéticos clássicos (coloração convencional, bandamento C, Ag-RONs), coloração com fluorocromos AT- e GC-específicos, bandas de replicação pela incorporação do análogo de base 5´BrdU ( 5-bromo-2´-deoxiuridina) e mapeamento cromossômico in situ de sequências (TTAGGG)n e dos genes RNAr 18S e 5S. Ambas as espécies apresentaram 2n=48 cromossomos acrocêntricos, com sítios ribossomais (Ag-RON/DNAr 18S/Mitramicina+) no segundo par cromossômico, em posição telomérica no braço longo de C. mexicanus) e intersticial em C. undecimalis. O par organizador nucleolar (par 2) se mostra um marcador citotaxonômico resolutivo para estas duas espécies. Os dados gerados revelam uma menor diversidade de espécies de Centropomus do que se acreditava, sugerindo uma maior atenção na identificação taxonômica das espécies, tendo em vista otimizar ações de exploração comercial, conservação biológica e cultivo.

6
  • MARLON DELGADO MELO
  • OPISTOBRÂNQUIOS (MOLLUSCA: HETEROBRANCHIA) DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL, INCLUINDO 34 NOVAS OCORRÊNCIAS

  • Orientador : FULVIO AURELIO DE MORAIS FREIRE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SIMONE NUNES BRANDÃO
  • ELINEI ARAUJO DE ALMEIDA
  • FRANKLIN NOEL DOS SANTOS
  • Data: 29/05/2015

  • Mostrar Resumo
  • A taxonomia é a base de qualquer ciência que envolva biodiversidade, como a ecologia e biogeografia. Entre os invertebrados marinhos, os moluscos gastrópodes são um dos grupos mais diversos. O grupo “Opistobranchia” apresentam redução, internalização ou ausência da concha calcária, e apresenta também a maior diversidade de formas entre os gastrópodes. Estima-se que existam entre 5000 e 6000 espécies em todo globo terrestre, dentre estas, aproximadamente 235 são reportadas para o Brasil, com apenas 12 registradas para o estado do Rio Grande do Norte. O presente projeto visa o levantamento taxonômico dos opistobrânquios no litoral do estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Para isto foram realizadas expedições às praias do litoral deste estado. Alguns opistobrânquios foram coletados diretamente no campo, enquanto outros foram separados em laboratório de substratos coletados (i.e., macroalgas, cascalho e pequenas rochas soltas). As coletas se deram manualmente sobre os arrecifes na região entre-marés, ou através de mergulhos livres e autônomos (sublitoral). As espécies encontradas foram medidas e fotografadas in vivo no Laboratório Didático II do Departamento de Botânica, Ecologia e Zoologia da UFRN. A identificação dos espécimes foi feita através da comparação dos caracteres diagnósticos de cada grupo, embasada na literatura específica. Foram encontrados 34 novos registros para o litoral do RN, dentre estes, quatro novos registros também para o nordeste, assim como três novas ocorrências para o Brasil e Atlântico Sul. O presente levantamento contribuiu, portanto, para uma melhor estimativa da fauna de opistobrânquios do litoral norte rio-grandense. Acredita-se que são necessários mais estudos que envolvam diferentes aspectos ecológicos, biológicos e biogeográficos dos opistobrânquios no Brasil e especialmente no Nordeste.


  • Mostrar Abstract
  • A taxonomia é a base de qualquer ciência que envolva biodiversidade, como a ecologia e biogeografia. Entre os invertebrados marinhos, os moluscos gastrópodes são um dos grupos mais diversos. O grupo “Opistobranchia” apresentam redução, internalização ou ausência da concha calcária, e apresenta também a maior diversidade de formas entre os gastrópodes. Estima-se que existam entre 5000 e 6000 espécies em todo globo terrestre, dentre estas, aproximadamente 235 são reportadas para o Brasil, com apenas 12 registradas para o estado do Rio Grande do Norte. O presente projeto visa o levantamento taxonômico dos opistobrânquios no litoral do estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Para isto foram realizadas expedições às praias do litoral deste estado. Alguns opistobrânquios foram coletados diretamente no campo, enquanto outros foram separados em laboratório de substratos coletados (i.e., macroalgas, cascalho e pequenas rochas soltas). As coletas se deram manualmente sobre os arrecifes na região entre-marés, ou através de mergulhos livres e autônomos (sublitoral). As espécies encontradas foram medidas e fotografadas in vivo no Laboratório Didático II do Departamento de Botânica, Ecologia e Zoologia da UFRN. A identificação dos espécimes foi feita através da comparação dos caracteres diagnósticos de cada grupo, embasada na literatura específica. Foram encontrados 34 novos registros para o litoral do RN, dentre estes, quatro novos registros também para o nordeste, assim como três novas ocorrências para o Brasil e Atlântico Sul. O presente levantamento contribuiu, portanto, para uma melhor estimativa da fauna de opistobrânquios do litoral norte rio-grandense. Acredita-se que são necessários mais estudos que envolvam diferentes aspectos ecológicos, biológicos e biogeográficos dos opistobrânquios no Brasil e especialmente no Nordeste.

7
  • MARIANA PIRES DE MOURA
  • Filogenia molecular do gênero Morganella Zeller (Fungi: Basidiomycota) utilizando marcadores ITS

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • BIANCA DENISE BARBOSA DA SILVA
  • MARIA PAZ MARTÍN ESTEBAN
  • Data: 25/08/2015

  • Mostrar Resumo
  • Com o desenvolvimento e aprimoramento das técnicas para estudos moleculares e sua consequente aplicação à sistemática, relevantes modificações ocorreram na classificação dos gasteromicetos. O gênero Morganella pertence à família Lycoperdaceae, e é caracterizado, principalmente, pelo hábito lignícola e presença de paracapilícios. Dados recentes demonstram a descoberta de novas espécies para o grupo e a existência de uma grande diversidade de espécies ocorrendo em ecossistemas tropicais. Entretanto, as relações filogenéticas do gênero, como também a classificação taxonômica, ainda requerem revisões para serem melhor compreendidas, além de que, trabalhos que abordem esse tema ainda são escassos na literatura. Desta forma, objetivou-se neste trabalho realizar estudos de filogenia molecular com espécies do gênero Morganella, visando ampliar o conhecimento sobre a filogenia do grupo mediante a inclusão de dados de espécies tropicais. Para isso, os espécimes utilizados, tanto para as extrações de DNA quanto para a revisão morfológica, foram obtidos a partir de herbários brasileiros e estrangeiros. Para a análise morfológica foram observados caracteres relevantes para a taxonomia do grupo. Para as análises filogenéticas foram utilizados os métodos de Máxima Parcimônia e Análise Bayesiana, utilizando-se o espaçador interno transcrito (ITS) do DNA ribossômico nuclear. Nas análises filogenéticas realizadas, os representantes de Morganella formaram um clado monofilético com um bom valor de suporte, e com base nestes resultados o gênero não deve ser incluído como subgênero de Lycoperdon. As análises indicaram que M. pyriformis não se agrupa com os demais representantes de Morganella, e portanto não deve ser incluído no grupo como representante do subgênero Apioperdon, pois se trata de um representante de Lycoperdon. Por outro lado, M. fuliginea, M. nuda, M. albostipitata, M. velutina, M. subincarnata, se encontram agrupadas, com valores de suporte alto, dentro do gênero Morganella. Morganella arenicola, com base em estudos morfológicos e moleculares, não se agrega em Morganella. Morganella nuda se agrupou com M. fuliginea dando indícios de que podem se tratar de uma variação intraespecífica. Os resultados das análises realizadas favorecem para um melhor esclarecimento e posição das espécies de Morganella. No entanto, estudos adicionais utilizando um maior número de espécies, e também outros marcadores moleculares se fazem necessários para um melhor entendimento da filogenia de Morganella.


  • Mostrar Abstract
  • Com o desenvolvimento e aprimoramento das técnicas para estudos moleculares e sua consequente aplicação à sistemática, relevantes modificações ocorreram na classificação dos gasteromicetos. O gênero Morganella pertence à família Lycoperdaceae, e é caracterizado, principalmente, pelo hábito lignícola e presença de paracapilícios. Dados recentes demonstram a descoberta de novas espécies para o grupo e a existência de uma grande diversidade de espécies ocorrendo em ecossistemas tropicais. Entretanto, as relações filogenéticas do gênero, como também a classificação taxonômica, ainda requerem revisões para serem melhor compreendidas, além de que, trabalhos que abordem esse tema ainda são escassos na literatura. Desta forma, objetivou-se neste trabalho realizar estudos de filogenia molecular com espécies do gênero Morganella, visando ampliar o conhecimento sobre a filogenia do grupo mediante a inclusão de dados de espécies tropicais. Para isso, os espécimes utilizados, tanto para as extrações de DNA quanto para a revisão morfológica, foram obtidos a partir de herbários brasileiros e estrangeiros. Para a análise morfológica foram observados caracteres relevantes para a taxonomia do grupo. Para as análises filogenéticas foram utilizados os métodos de Máxima Parcimônia e Análise Bayesiana, utilizando-se o espaçador interno transcrito (ITS) do DNA ribossômico nuclear. Nas análises filogenéticas realizadas, os representantes de Morganella formaram um clado monofilético com um bom valor de suporte, e com base nestes resultados o gênero não deve ser incluído como subgênero de Lycoperdon. As análises indicaram que M. pyriformis não se agrupa com os demais representantes de Morganella, e portanto não deve ser incluído no grupo como representante do subgênero Apioperdon, pois se trata de um representante de Lycoperdon. Por outro lado, M. fuliginea, M. nuda, M. albostipitata, M. velutina, M. subincarnata, se encontram agrupadas, com valores de suporte alto, dentro do gênero Morganella. Morganella arenicola, com base em estudos morfológicos e moleculares, não se agrega em Morganella. Morganella nuda se agrupou com M. fuliginea dando indícios de que podem se tratar de uma variação intraespecífica. Os resultados das análises realizadas favorecem para um melhor esclarecimento e posição das espécies de Morganella. No entanto, estudos adicionais utilizando um maior número de espécies, e também outros marcadores moleculares se fazem necessários para um melhor entendimento da filogenia de Morganella.

8
  • KHADIJA JOBIM
  • FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES (GLOMEROMYCOTA) EM DIFERENTES NÍVEIS DE PROFUNDIDADE EM FRAGMENTOS FLORESTAIS, SETE LAGOAS, MG

  • Orientador : BRUNO TOMIO GOTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • DANIELLE KARLA ALVES DA SILVA
  • SANDRA FARTO BOTELHO TRUFEM
  • Data: 11/11/2015

  • Mostrar Resumo
  • Fungos Micorrízicos Arbusculares (FMA) são importantes componentes do sistema solo-planta por desempenharem simbiose mutualista com raízes de plantas, promovendo o aumento no crescimento do simbionte vegetal e tolerância a estresses ambientais. Estudos ecológicos sobre a estrutura de comunidades de FMA têm se concentrado geralmente em áreas restritas a zonas superficiais do solo (0 – 20 cm), contudo, alguns estudos têm sugerido que a abundância e diversidade de FMA podem
    diferir consideravelmente de acordo com a profundidade do solo. Essa constatação é relevante para estudos dedicados à avaliação da diversidade de FMA, sobretudo em áreas impactadas, visto que as práticas prejudiciais do uso do solo tendem ao empobrecimento das espécies. Esse trabalho objetivou avaliar a ocorrência de FMA em diferentes profundidades do solo em fragmentos florestais da Fazenda Experimental Embrapa Milho e Sorgo, uma área de transição entre os biomas Cerrado e Mata Atlântica, situada em Sete Lagoas, MG, a fim de caracterizar a composição e distribuição de espécies de FMA em função da distribuição vertical no solo. Para isso, em janeiro de 2014, foram realizadas coletas de solo em oito fragmentos florestais, com alcance máximo de 230 cm, considerando-se os seguintes intervalos: I: 0 – 20 cm; II: 20 – 40 cm; III: 40 – 60 cm; IV: 60 – 80 cm; V: 80 – 120 cm; VI: 120 – 160 cm e VII: 160 – 230 cm. Parte do solo foi destinada para a implantação de culturas armadilhas para posterior extração e recolhimento de glomerosporos de FMA e parte foi destinada para avaliação físico-química. Foi registrado o total de 62 espécies, distribuídas em nove famílias: Acaulosporaceae (29), Ambisporaceae (1), Archaeosporaceae (2), Dentiscutataceae (2), Diversisporaceae (1), Entrophosporaceae (2), Glomeraceae (19), Paraglomeraceae (3) e Scutellosporaceae (3). Foi detectada tendência ao decréscimo do número de espécies e da diversidade em relação ao aumento da profundidade, tendo apresentado variações significativas entre as diferentes zonas. Algumas espécies apresentaram ocorrência somente em zonas superficiais ou de maior profundidade, bem como outras espécies apresentaram ampla distribuição ao longo do gradiente total. O Ca, P, Mn, matéria orgânica e pH consistiram nos atributos físico-químicos do solo que afetaram a distribuição da maior parte das espécies encontradas. Os resultados obtidos demonstram que a amostragem de zonas mais profundas do solo nos estudos de
    diversidade de FMA permite acessar uma diversidade até então negligenciada, incluindo a detecção de espécies de ocorrência restrita nessas zonas.


  • Mostrar Abstract
  • Arbuscular mycorrhizal fungi (AMF) are important components of soil-plant system due to mutualistic symbiosis with plant roots, promoting the increase in the growth of the plant symbiont and tolerance to environmental stresses. Ecological studies on the structure of AMF communities have focused most in the restricted areas the superficial zone, however, some studies have suggested that the abundance and diversity of AMF may differ considerably according to soil depth and it is relevant to studies devoted to the assessment of the diversity of AMF, especially in impacted areas, considering that the harmful practices of land use tend to the impoverishment of species. This study aimed to evaluate the occurrence of AMF in different soil depths in forest fragments of the Fazenda Experimental Embrapa Milho e Sorgo, a transition area between the Cerrado and Atlantic Forest biomes located in Sete Lagoas, MG, in order to characterize the composition and distribution AMF species depending on the vertical distribution in the soil. For this, in january 2014, soil samples were taken in eight forest fragments, with maximum deepth of 230 cm, as the follow: I: 0-20 cm; II: 20 - 40 cm; III: 40 - 60 cm; IV: 60 - 80 cm; V: 80 - 120 cm; VI: 120 - 160 cm and VII: 160 - 230 cm. Part of the soil samples was destined for the implementation of trap crops for subsequent extraction and collecting of AMF glomerospores and part was destined for physicalchemical evaluation. A total of 62 species belonging to nine families was recorded: Acaulosporaceae (29) Ambisporaceae (1), Archaeosporaceae (2), Dentiscutataceae (2), Diversisporaceae (1), Entrophosporaceae (2), Glomeraceae (19), Paraglomeraceae (3) and Scutellosporaceae (2). A tendency to decrease the number of species and diversity in relation to depth was detected, and a significant variation between different depths was found. Some species have occurred only in surface areas or in deep zones, as well as other species were widely distributed over the entire gradient. Ca, P, Mn, organic matter and pH were the soil properties that affect the distribution of the majority of the species found. These results show that the sampling of deeper soil zones on the AMF diversity surveys allows to access a diversity hitherto neglected including the detection of species with restricted occurrence in these soil zones.

2014
Dissertações
1
  • MARIANA CAVALCANTE E ALMEIDA SÁ
  • TAXONOMIA DE RUSSULACEAE LOTSY AGARICOIDES DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

  • Orientador : FELIPE WARTCHOW
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FELIPE WARTCHOW
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • VAGNER GULARTE CORTEZ
  • Data: 19/02/2014

  • Mostrar Resumo
  • O Brasil é um país de grande biodiversidade e possui potencialmente 20% de toda biodiversidade mundial. Diante deste quadro, o conhecimento sobre a micobiota brasileira é escasso e isso se agrava em regiões como o semiárido brasileiro. O presente trabalho teve como objetivo investigar as espécies de fungos da família Russulaceae para o semiárido, através de estudos taxonômicos. As coletas foram realizadas durante o período chuvoso, em áreas de conservação de alguns estados do Nordeste. Os materiais foram descritos, ilustrados macro e microscopicamente, juntamente com as análises da ornamentação de esporos, estes foram obtidos com microscópio eletrônico de varredura e outras microestruturas de cunho taxonômico. Como resultado foram encontradas 12 espécies. O gênero mais rico é Russula com sete espécies, Lactifluus com quatro e por fim Lactarius com uma espécie. Todas as espécies são novas para a ciência, aumentando o conhecimento sobre a riquesa de Russulaceae no Brasil de 41 para 52 espécies, este presente trabalho representa 4,5% da riqueza de táxons conhecidos para o Brasil e evidencia que o semiárido é uma área rica para estudos taxonômicos desta família.


  • Mostrar Abstract
  • O Brasil é um país de grande biodiversidade e possui potencialmente 20% de toda biodiversidade mundial. Diante deste quadro, o conhecimento sobre a micobiota brasileira é escasso e isso se agrava em regiões como o semiárido brasileiro. O presente trabalho teve como objetivo investigar as espécies de fungos da família Russulaceae para o semiárido, através de estudos taxonômicos. As coletas foram realizadas durante o período chuvoso, em áreas de conservação de alguns estados do Nordeste. Os materiais foram descritos, ilustrados macro e microscopicamente, juntamente com as análises da ornamentação de esporos, estes foram obtidos com microscópio eletrônico de varredura e outras microestruturas de cunho taxonômico. Como resultado foram encontradas 12 espécies. O gênero mais rico é Russula com sete espécies, Lactifluus com quatro e por fim Lactarius com uma espécie. Todas as espécies são novas para a ciência, aumentando o conhecimento sobre a riquesa de Russulaceae no Brasil de 41 para 52 espécies, este presente trabalho representa 4,5% da riqueza de táxons conhecidos para o Brasil e evidencia que o semiárido é uma área rica para estudos taxonômicos desta família.

2
  • ANA CLARISSA MOURA RODRIGUES
  • FUNGOS GASTEROIDES (BASIDIOMYCOTA, AGARICOMYCETES) DE TRÊS ÁREAS DE SEMIÁRIDO NO ESTADO DO CEARÁ, BRASIL

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • FELIPE WARTCHOW
  • VAGNER GULARTE CORTEZ
  • Data: 20/02/2014

  • Mostrar Resumo
  • Os fungos gasteroides englobam várias linhagens distintas de basidiomicetos que foram agrupados por apresentar algumas características marcantes em comum, como o desenvolvimento angiocárpico dos basidiomas e liberação passiva dos basidiosporos. Durante longo período, esses fungos foram acomodados na classe Gasteromycetes. Todavia, estudos bioquímicos e moleculares mostraram a polifilia do grupo e, atualmente, esta classe encontra-se destituída de valor taxonômico. Esses organismos influenciam a ecologia dos mais diversos ecossistemas, entretanto, são pouco estudados e o conhecimento de sua diversidade nos ecossistemas neotropicais permanece insuficiente, apesar dos estudos que vem sendo desenvolvidos nos últimos anos. A região semiárida brasileira possui muitas áreas com a sua micobiota praticamente inexplorada. O Estado do Ceará apresenta áreas de extrema importância biológica, e para este estudo foram escolhidas três Unidades de Conservação: Área de Proteção Ambiental da Serra da Ibiapaba, Parque Nacional de Ubajara e a Área de Proteção Ambiental de Baturité. Portanto, o objetivo deste trabalho foi inventariar os fungos gasteroides ocorrentes nestas três áreas localizadas na região semiárida do Ceará. As expedições, herborização e análise dos espécimes foram baseadas em metodologias tradicionais utilizadas para identificação de fungos gasteroides. Foram identificadas 16 espécies pertencentes a 5 famílias: Agaricaceae, Clathraceae, Geastraceae, Nidulariaceae e Phallaceae. Morganella nuda Alfredo & Baseia é reportada pela segunda vez para o mundo e Blumenavia angolensis (Welw. & Curr) Dring e Mutinus elegans (Mont.) E. Fisch. correspondem a primeiros registros para o Nordeste brasileiro. Com exceção de Abrachium floriforme (Baseia & Calonge) Baseia & T.S. Cabral e Geastrum lloydianum Rick, todas as demais espécies estudadas são consideradas novos registros para o Ceará, aumentando a lista de fungos gasteroides da região de 3 para 17 espécies. As espécies identificadas foram depositadas no acervo do Herbário da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Embora essas áreas tenham se mostrado propícias para o estudo de fungos gasteroides, ainda são necessários maiores esforços de coleta para ampliar o conhecimento desses fungos na região.


  • Mostrar Abstract
  • Os fungos gasteroides englobam várias linhagens distintas de basidiomicetos que foram agrupados por apresentar algumas características marcantes em comum, como o desenvolvimento angiocárpico dos basidiomas e liberação passiva dos basidiosporos. Durante longo período, esses fungos foram acomodados na classe Gasteromycetes. Todavia, estudos bioquímicos e moleculares mostraram a polifilia do grupo e, atualmente, esta classe encontra-se destituída de valor taxonômico. Esses organismos influenciam a ecologia dos mais diversos ecossistemas, entretanto, são pouco estudados e o conhecimento de sua diversidade nos ecossistemas neotropicais permanece insuficiente, apesar dos estudos que vem sendo desenvolvidos nos últimos anos. A região semiárida brasileira possui muitas áreas com a sua micobiota praticamente inexplorada. O Estado do Ceará apresenta áreas de extrema importância biológica, e para este estudo foram escolhidas três Unidades de Conservação: Área de Proteção Ambiental da Serra da Ibiapaba, Parque Nacional de Ubajara e a Área de Proteção Ambiental de Baturité. Portanto, o objetivo deste trabalho foi inventariar os fungos gasteroides ocorrentes nestas três áreas localizadas na região semiárida do Ceará. As expedições, herborização e análise dos espécimes foram baseadas em metodologias tradicionais utilizadas para identificação de fungos gasteroides. Foram identificadas 16 espécies pertencentes a 5 famílias: Agaricaceae, Clathraceae, Geastraceae, Nidulariaceae e Phallaceae. Morganella nuda Alfredo & Baseia é reportada pela segunda vez para o mundo e Blumenavia angolensis (Welw. & Curr) Dring e Mutinus elegans (Mont.) E. Fisch. correspondem a primeiros registros para o Nordeste brasileiro. Com exceção de Abrachium floriforme (Baseia & Calonge) Baseia & T.S. Cabral e Geastrum lloydianum Rick, todas as demais espécies estudadas são consideradas novos registros para o Ceará, aumentando a lista de fungos gasteroides da região de 3 para 17 espécies. As espécies identificadas foram depositadas no acervo do Herbário da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Embora essas áreas tenham se mostrado propícias para o estudo de fungos gasteroides, ainda são necessários maiores esforços de coleta para ampliar o conhecimento desses fungos na região.

3
  • DENISE MARIA CUNHA DE SOUSA
  • CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA E EVOLUÇÃO DOS VÍRUS DENGUE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

  • Orientador : JOSELIO MARIA GALVAO DE ARAUJO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOSELIO MARIA GALVAO DE ARAUJO
  • JOSE VERISSIMO FERNANDES
  • RITA MARIA RIBEIRO NOGUEIRA
  • Data: 21/02/2014

  • Mostrar Resumo
  • A dengue é considerada a doença transmitida por artrópodes mais importante do mundo devido ao elevado número de pessoas que correm o risco de contraí-la, principalmente em regiões tropicais e sub-tropicais do planeta. O agente etiológico da doença é o vírus dengue (DENV), um vírus de RNA fita simples e polaridade positiva, pertencente à família Flavivridae e ao gênero Flavivirus. São conhecidos quatro sorotipos distintos: DENV-1, DENV-2, DENV-3 E DENV-4. Uma das suas principais características é a elevada variabilidade genética que torna clara a necessidade da realização de estudos filogenéticos e evolutivos com o objetivo de compreender aspectos essenciais como: epidemiologia, virulência, padrões de migração e características antigênicas. O objetivo deste estudo foi realizar a caracterização genética dos vírus dengue circulantes no estado do Rio Grande do Norte durante o período de Janeiro de 2010 a Dezembro de 2012. Realizou-se o sequenciamento do gene do envelope (1485pb) dos sorotipos DENV-1 (N=6), DENV-2 (N=6) e DENV-4 (N=4) isolados de casos clínicos de diferentes municípios do estado do Rio Grande do Norte. A análise filogenética foi realizada utilizando o programa Mega v5.2, método de Neighbor-Joining e modelo Tamura-Nei. No Brasil, foi constada a circulação de apenas um genótipo de DENV-1 (genótipo V), um genótipo DENV-2 (asiático/americano) e dois genótipos de DENV-4 (genótipos I e II) no Brasil. As cepas brasileiras de DENV-1 estão dividas em duas linhagens temporalmente distintas (BR-I e BR-II), as cepas brasileiras de DENV-2 estão subdividas em quatro linhagens (BRI-IV) e o genótipo II de DENV-4 apresentou três linhagens de cepas brasileiras (LI-III). Os vírus isolados no Rio Grande do Norte pertencem a linhagem BR-II (DENV-1), BR-IV (DENV-2) e BR-III (DENV-4). A fonte de importação destes vírus para o Brasil é principalmente o Caribe e países próximos da América Latina. Foram detectadas substituições de aminoácidos ao longo dos três domínios da proteína E, tornando clara a necessidade da realização de estudos que associem dados epidemiológicos e moleculares para melhor compreensão dos efeitos dessas mutações. Este é o primeiro estudo sobre caracterização genética e evolução dos vírus dengue no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil.


  • Mostrar Abstract
  • A dengue é considerada a doença transmitida por artrópodes mais importante do mundo devido ao elevado número de pessoas que correm o risco de contraí-la, principalmente em regiões tropicais e sub-tropicais do planeta. O agente etiológico da doença é o vírus dengue (DENV), um vírus de RNA fita simples e polaridade positiva, pertencente à família Flavivridae e ao gênero Flavivirus. São conhecidos quatro sorotipos distintos: DENV-1, DENV-2, DENV-3 E DENV-4. Uma das suas principais características é a elevada variabilidade genética que torna clara a necessidade da realização de estudos filogenéticos e evolutivos com o objetivo de compreender aspectos essenciais como: epidemiologia, virulência, padrões de migração e características antigênicas. O objetivo deste estudo foi realizar a caracterização genética dos vírus dengue circulantes no estado do Rio Grande do Norte durante o período de Janeiro de 2010 a Dezembro de 2012. Realizou-se o sequenciamento do gene do envelope (1485pb) dos sorotipos DENV-1 (N=6), DENV-2 (N=6) e DENV-4 (N=4) isolados de casos clínicos de diferentes municípios do estado do Rio Grande do Norte. A análise filogenética foi realizada utilizando o programa Mega v5.2, método de Neighbor-Joining e modelo Tamura-Nei. No Brasil, foi constada a circulação de apenas um genótipo de DENV-1 (genótipo V), um genótipo DENV-2 (asiático/americano) e dois genótipos de DENV-4 (genótipos I e II) no Brasil. As cepas brasileiras de DENV-1 estão dividas em duas linhagens temporalmente distintas (BR-I e BR-II), as cepas brasileiras de DENV-2 estão subdividas em quatro linhagens (BRI-IV) e o genótipo II de DENV-4 apresentou três linhagens de cepas brasileiras (LI-III). Os vírus isolados no Rio Grande do Norte pertencem a linhagem BR-II (DENV-1), BR-IV (DENV-2) e BR-III (DENV-4). A fonte de importação destes vírus para o Brasil é principalmente o Caribe e países próximos da América Latina. Foram detectadas substituições de aminoácidos ao longo dos três domínios da proteína E, tornando clara a necessidade da realização de estudos que associem dados epidemiológicos e moleculares para melhor compreensão dos efeitos dessas mutações. Este é o primeiro estudo sobre caracterização genética e evolução dos vírus dengue no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil.

4
  • FELIPE DE MEDEIROS MAGALHÃES
  • Morfologia larval e sua importância para a sistemática e taxonomia de anfíbios anuros

  • Orientador : ADRIAN ANTONIO GARDA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIAN ANTONIO GARDA
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • FLORA ACUNÃ JUNCÁ
  • Data: 25/02/2014

  • Mostrar Resumo
  • Os anfíbios anuros formam um grupo comprovadamente monofilético e apresentam várias características em comum que estão relacionadas, principalmente, a adaptação das espécies à ambientes úmidos, aonde estas se desenvolvem e reproduzem. Apesar da restrição do ambiente de reprodução, as espécies de anfíbios anuros apresentam grande diversidade morfológica, como também a maior diversidade de modos reprodutivos relatados para todos os grupos de tretápodas atuais. O Brasil é o país com maior riqueza de anfíbios anuros com, aproximadamente, 950 espécies descritas até o momento. A maioria das espécies do território brasileiro apresentam uma fase larval que, na maioria dos casos, se desenvolve no ambiente aquático e não apresenta qualquer semelhança com a sua forma adulta, seja na sua morfologia ou no nicho ecológico que ocupa. As larvas de anfíbios anuros são comumente utilizadas em estudos taxonômicos e fornecem informações importantes que auxiliam na classificação das espécies. Além disso, a identificação das espécies baseadas na forma larvária facilitam estudos de ecologia de populações e comunidades, como também, tornam mais precisos inventários faunísticos. Apesar disso, aproximadamente 50% dos girinos das espécies de anuro que ocorrem no território brasileiro não são conhecidas e existem poucos trabalhos com foco na variação dos caracteres larvais ao longo de várias populações, o que dificulta a avaliação da sua utilidade em estudos taxonômicos e pode contribuir, por exemplo, para a existência de espécies crípticas. Além disso, existem poucos trabalhos que descrevem a diversidade morfológica larval com enfoque em regiões específicas e, no Brasil, exsitem, apenas, três chaves de identificação de espécies com base nos caracteres larvais. A falta de descrições afeta diretamente trabalhos sobre anurofauna no país, e dificultam o desenvolvimento de trabalhos experimentais ou de interações ecológicas, por exemplo. Logo, descrições de girinos são necessários para tornar mais completo o conhecimento sobre a anurofauna das espécies que ocorrem no território brasileiro. Com isso, este trabalho teve como objetivo fornecer dados que complementam o conhecimento existente sobre as formas larvais no território brasileiro, com foco na anurofauna da região sudeste do Estado do Rio Grande do Norte. Neste trabalho, são descritos os girinos de cinco espécies cuja forma larval ainda não era conhecida, como também, elaboro uma chave de identificação dicotômica baseada em caracteres larvais para a região sudeste do Estado do Rio Grande do Norte e comento sobre a utilidade dos caracteres larvais para a taxonomia e sistemática dos diversos grupos de anfíbios anuros abordados neste trabalho. Além disso, uma nova espécie do gênero Pseudopaludicola é descrita e os caracteres larvais auxiliaram em sua diagnose e na diferenciação de congeneros. Os resultados gerados aqui poderão ser úteis ou auxiliar em trabalhos futuros que necessitem da identificação das formas larvais de anfíbios anuros, principalmente, no Estado do Rio Grande do Norte.


  • Mostrar Abstract
  • Os anfíbios anuros formam um grupo comprovadamente monofilético e apresentam várias características em comum que estão relacionadas, principalmente, a adaptação das espécies à ambientes úmidos, aonde estas se desenvolvem e reproduzem. Apesar da restrição do ambiente de reprodução, as espécies de anfíbios anuros apresentam grande diversidade morfológica, como também a maior diversidade de modos reprodutivos relatados para todos os grupos de tretápodas atuais. O Brasil é o país com maior riqueza de anfíbios anuros com, aproximadamente, 950 espécies descritas até o momento. A maioria das espécies do território brasileiro apresentam uma fase larval que, na maioria dos casos, se desenvolve no ambiente aquático e não apresenta qualquer semelhança com a sua forma adulta, seja na sua morfologia ou no nicho ecológico que ocupa. As larvas de anfíbios anuros são comumente utilizadas em estudos taxonômicos e fornecem informações importantes que auxiliam na classificação das espécies. Além disso, a identificação das espécies baseadas na forma larvária facilitam estudos de ecologia de populações e comunidades, como também, tornam mais precisos inventários faunísticos. Apesar disso, aproximadamente 50% dos girinos das espécies de anuro que ocorrem no território brasileiro não são conhecidas e existem poucos trabalhos com foco na variação dos caracteres larvais ao longo de várias populações, o que dificulta a avaliação da sua utilidade em estudos taxonômicos e pode contribuir, por exemplo, para a existência de espécies crípticas. Além disso, existem poucos trabalhos que descrevem a diversidade morfológica larval com enfoque em regiões específicas e, no Brasil, exsitem, apenas, três chaves de identificação de espécies com base nos caracteres larvais. A falta de descrições afeta diretamente trabalhos sobre anurofauna no país, e dificultam o desenvolvimento de trabalhos experimentais ou de interações ecológicas, por exemplo. Logo, descrições de girinos são necessários para tornar mais completo o conhecimento sobre a anurofauna das espécies que ocorrem no território brasileiro. Com isso, este trabalho teve como objetivo fornecer dados que complementam o conhecimento existente sobre as formas larvais no território brasileiro, com foco na anurofauna da região sudeste do Estado do Rio Grande do Norte. Neste trabalho, são descritos os girinos de cinco espécies cuja forma larval ainda não era conhecida, como também, elaboro uma chave de identificação dicotômica baseada em caracteres larvais para a região sudeste do Estado do Rio Grande do Norte e comento sobre a utilidade dos caracteres larvais para a taxonomia e sistemática dos diversos grupos de anfíbios anuros abordados neste trabalho. Além disso, uma nova espécie do gênero Pseudopaludicola é descrita e os caracteres larvais auxiliaram em sua diagnose e na diferenciação de congeneros. Os resultados gerados aqui poderão ser úteis ou auxiliar em trabalhos futuros que necessitem da identificação das formas larvais de anfíbios anuros, principalmente, no Estado do Rio Grande do Norte.

5
  • DIEGO DIAS DA SILVA
  • ENTOMOBRYOIDEA E SYMPHYPLEONA (COLLEMBOLA, HEXAPODA) EM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTICA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • RICARDO ANDREAZZE
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • Data: 27/02/2014

  • Mostrar Resumo
  • Colêmbolos são pequenos artrópodes extremamente abundantes na natureza. São semelhantes a insetos em seu padrão de tagmose, ecologicamente muito importantes e podem ser usados como bioindicadores. Mais de 8.300 espécies já foram descritas no mundo, mas se estima que a riqueza real corresponda a um número muito maior. A Mata Atlântica corresponde ao domínio fitogeográfico mais alterado pela ação antrópica no Brasil, restando menos de 8,5% de sua cobertura original. No Rio Grande do Norte a Mata Atlântica cobre apenas 0,27% do território do Estado. Assim, considerando a importância de se conhecer a fauna de Collembola, sobretudo num ambiente ameaçado como a Mata Atlântica, este trabalho objetivou estudar a riqueza de colêmbolos Entomobryoidea e Symphypleona ocorrentes em dois remanescentes de Mata Atlântica do Rio Grande do Norte através de coletas ativas com aspirador entomológico e passivas com pitfall, durante os períodos de chuva e seca. Foram identificadas 22 espécies de colêmbolos, sendo que destas 19 (mais de 85% do total) são novas para a ciência, incluindo um novo gênero da família Sminthuridae. As coletas realizadas no período chuvoso apresentaram praticamente o dobro de espécies em relação às realizadas no período seco. Este fato possivelmente está associado à dependência dos colêmbolos de umidade, assim como estratégias de resistência a período secos. São descritas quatro novas espécies, incluindo o novo gênero (Trogolaphysa sp.nov., Gen.nov. sp.nov., Szeptyckitheca sp.nov. e Sminthurinus sp.nov.). Este expressivo número de espécies novas identificadas, os novos registros para o gêneros e famílias para a Mata Atlântica do Rio Grande do Norte e a descoberta de um novo gênero corroboram o pressuposto que motivou este trabalho: o Rio Grande do Norte apresenta uma fauna de Collembola desconhecida e potencialmente diversificada. Além disso, foram geradas informações importantes sobre a morfologia das espécies descritas, que por sua vez são de grande importância para a sistemática dos Collembola. O novo gênero descrito faz parte de um visível subgrupo dentro da família Sminthuridae (aqueles com o unguis com cavidade) que aparentemente tem potencial para ser reconhecido futuramente em alguma categoria taxonômica supragenérica.


  • Mostrar Abstract
  • Colêmbolos são pequenos artrópodes extremamente abundantes na natureza. São semelhantes a insetos em seu padrão de tagmose, ecologicamente muito importantes e podem ser usados como bioindicadores. Mais de 8.300 espécies já foram descritas no mundo, mas se estima que a riqueza real corresponda a um número muito maior. A Mata Atlântica corresponde ao domínio fitogeográfico mais alterado pela ação antrópica no Brasil, restando menos de 8,5% de sua cobertura original. No Rio Grande do Norte a Mata Atlântica cobre apenas 0,27% do território do Estado. Assim, considerando a importância de se conhecer a fauna de Collembola, sobretudo num ambiente ameaçado como a Mata Atlântica, este trabalho objetivou estudar a riqueza de colêmbolos Entomobryoidea e Symphypleona ocorrentes em dois remanescentes de Mata Atlântica do Rio Grande do Norte através de coletas ativas com aspirador entomológico e passivas com pitfall, durante os períodos de chuva e seca. Foram identificadas 22 espécies de colêmbolos, sendo que destas 19 (mais de 85% do total) são novas para a ciência, incluindo um novo gênero da família Sminthuridae. As coletas realizadas no período chuvoso apresentaram praticamente o dobro de espécies em relação às realizadas no período seco. Este fato possivelmente está associado à dependência dos colêmbolos de umidade, assim como estratégias de resistência a período secos. São descritas quatro novas espécies, incluindo o novo gênero (Trogolaphysa sp.nov., Gen.nov. sp.nov., Szeptyckitheca sp.nov. e Sminthurinus sp.nov.). Este expressivo número de espécies novas identificadas, os novos registros para o gêneros e famílias para a Mata Atlântica do Rio Grande do Norte e a descoberta de um novo gênero corroboram o pressuposto que motivou este trabalho: o Rio Grande do Norte apresenta uma fauna de Collembola desconhecida e potencialmente diversificada. Além disso, foram geradas informações importantes sobre a morfologia das espécies descritas, que por sua vez são de grande importância para a sistemática dos Collembola. O novo gênero descrito faz parte de um visível subgrupo dentro da família Sminthuridae (aqueles com o unguis com cavidade) que aparentemente tem potencial para ser reconhecido futuramente em alguma categoria taxonômica supragenérica.

6
  • WALDIR MIRON BERBEL FILHO
  • Sistemática integrativa de Cichlasoma orientale Kullander 1983 e Crenicichla menezesi Ploeg 1991 (Teleostei: Cichlidae) das bacias hidrográficas do Nordeste do Brasil

  • Orientador : SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • ADRIAN ANTONIO GARDA
  • HAYDÉE ANDRADE CUNHA
  • Data: 30/04/2014

  • Mostrar Resumo
  • O Nordeste brasileiro, majoritariamente imerso no bioma Caatinga, se caracteriza pelo clima semi-árido, baixa precipitação e um regime de rios intermitentes. Quanto ao conhecimento ictiofaunístico, a região é considerada uma das maiores lacunas mundiais, e uma das mais ameaçadas pelas atividades antrópicas. Além disso, a região está passando por obras de transposição, que ligará águas do rio São Francisco com quatro bacias da região: Jaguaribe, Apodi-Mossoró, Piranhas-Açu e Paraíba do Norte. Perda de diversidade, hibridização de espécies, alterações de comunidade, homogeneização de populações, alteração de qualidade e regime de fluxo de água, são impactos ambientais já atribuídos a empreendimentos similares. O presente estudo objetiva investigar a variação morfológica e molecular de Cichlasoma orientale Kullander 1983 e Crenicichla menezesi Ploeg 1991, duas espécies com ampla distribuição ao longo das bacias do Nordeste brasileiro, através de métodos de sistemática integrativa. Além disso, o estudo visa analisar a influência de fatores climáticos e geomorfológicos nesta variação, e apontar possíveis impactos da conexão artificial das bacias envolvidas na transposição do rio São Francisco. Para estes fins, foram utilizadas análises de morfometria geométrica e filogeográficas com indivíduos de três ecorregiões hidrográficas do Nordeste brasileiro. Nossos resultados mostraram que há uma significativa variação morfológica nas bacias envolvidas na transposição do rio São Francisco, que não está ligada à uma separação ancestral das bacias, evidenciando uma variação morfológica que pode representar um conjunto de respostas plásticas às constantes transformações principalmente relacionadas ao regime hídrico da região. O papel de respostas plásticas em ambientes naturalmente variáveis, assim como o potencial impacto do distúrbio no regime hídrico a ser trazido pela transposição do rio São Francisco, são discutidos. Além disso, nossos dados moleculares permitiram fornecer mais informações sobre a distribuição das espécies e sua taxonomia, incluindo a identificação de uma potencial nova espécie de Crenicichla na bacia do rio São Francisco. Os dados também mostraram alguns haplótipos compartilhados para ambas as espécies, que podem representar cenários incompletos de separação de linhagens ou fluxo gênico recente entre populações, porém forte estruturação entre a maior parte das bacias. Eventos climáticos como a regressão da Mata Atlântica durante o Pleistoceno, flutuações do nível do mar e a dispersão por paleorios na porção estuarina das bacias que desaguam no litoral norte da região nordeste, além de eventos neotectônicos envolvendo captura de cabeceiras, parecem ter contribuído para a atual distribuição de linhagens destas espécies no Nordeste brasileiro. Além disso, análises de variância molecular (AMOVA e SAMOVA) evidenciaram que a atual conjuntura das bacias se mostrou um fator importante para a variação molecular, apesar da indicação de compartilhamento recente entre algumas bacias. Diferenças de padrões de diversidade intrapopulacional entre as espécies podem estar relacionadas a múltiplos eventos históricos de colonização, ou à diferenças biológicas. O presente estudo representa o primeiro esforço de sistemática integrativa com espécies da ictiofauna continental do Nordeste brasileiro, e revelou variações morfológicas e moleculares entre drenagens isoladas que podem ser irrecuperavelmente afetadas com a conexão artificial destas bacias a partir das obras de transposição do rio São Francisco.


  • Mostrar Abstract
  • O Nordeste brasileiro, majoritariamente imerso no bioma Caatinga, se caracteriza pelo clima semi-árido, baixa precipitação e um regime de rios intermitentes. Quanto ao conhecimento ictiofaunístico, a região é considerada uma das maiores lacunas mundiais, e uma das mais ameaçadas pelas atividades antrópicas. Além disso, a região está passando por obras de transposição, que ligará águas do rio São Francisco com quatro bacias da região: Jaguaribe, Apodi-Mossoró, Piranhas-Açu e Paraíba do Norte. Perda de diversidade, hibridização de espécies, alterações de comunidade, homogeneização de populações, alteração de qualidade e regime de fluxo de água, são impactos ambientais já atribuídos a empreendimentos similares. O presente estudo objetiva investigar a variação morfológica e molecular de Cichlasoma orientale Kullander 1983 e Crenicichla menezesi Ploeg 1991, duas espécies com ampla distribuição ao longo das bacias do Nordeste brasileiro, através de métodos de sistemática integrativa. Além disso, o estudo visa analisar a influência de fatores climáticos e geomorfológicos nesta variação, e apontar possíveis impactos da conexão artificial das bacias envolvidas na transposição do rio São Francisco. Para estes fins, foram utilizadas análises de morfometria geométrica e filogeográficas com indivíduos de três ecorregiões hidrográficas do Nordeste brasileiro. Nossos resultados mostraram que há uma significativa variação morfológica nas bacias envolvidas na transposição do rio São Francisco, que não está ligada à uma separação ancestral das bacias, evidenciando uma variação morfológica que pode representar um conjunto de respostas plásticas às constantes transformações principalmente relacionadas ao regime hídrico da região. O papel de respostas plásticas em ambientes naturalmente variáveis, assim como o potencial impacto do distúrbio no regime hídrico a ser trazido pela transposição do rio São Francisco, são discutidos. Além disso, nossos dados moleculares permitiram fornecer mais informações sobre a distribuição das espécies e sua taxonomia, incluindo a identificação de uma potencial nova espécie de Crenicichla na bacia do rio São Francisco. Os dados também mostraram alguns haplótipos compartilhados para ambas as espécies, que podem representar cenários incompletos de separação de linhagens ou fluxo gênico recente entre populações, porém forte estruturação entre a maior parte das bacias. Eventos climáticos como a regressão da Mata Atlântica durante o Pleistoceno, flutuações do nível do mar e a dispersão por paleorios na porção estuarina das bacias que desaguam no litoral norte da região nordeste, além de eventos neotectônicos envolvendo captura de cabeceiras, parecem ter contribuído para a atual distribuição de linhagens destas espécies no Nordeste brasileiro. Além disso, análises de variância molecular (AMOVA e SAMOVA) evidenciaram que a atual conjuntura das bacias se mostrou um fator importante para a variação molecular, apesar da indicação de compartilhamento recente entre algumas bacias. Diferenças de padrões de diversidade intrapopulacional entre as espécies podem estar relacionadas a múltiplos eventos históricos de colonização, ou à diferenças biológicas. O presente estudo representa o primeiro esforço de sistemática integrativa com espécies da ictiofauna continental do Nordeste brasileiro, e revelou variações morfológicas e moleculares entre drenagens isoladas que podem ser irrecuperavelmente afetadas com a conexão artificial destas bacias a partir das obras de transposição do rio São Francisco.

7
  • BEATRIZ REGINA COLOMBO
  • A FAMÍLIA BIGNONIACEAE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - BRASIL

  • Orientador : ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • RAMIRO GUSTAVO VALERA CAMACHO
  • Data: 18/06/2014

  • Mostrar Resumo
  • Bignoniaceae compreende 82 gêneros e cerca de 827 espécies de árvores, arbustos e lianas, encontradas em toda flora tropical mundial com menor representação em regiões temperadas. No Brasil, são encontradas 391 espécies em 32 gêneros, e a família, como um todo, foi muito explorada para diversos fins e usos, como a extração da madeira para construção, indústria farmacêutica assim como para horticultura. Sua riqueza é bastante conhecida em vários estado do país, porém poucos estudos foram realizados sobre a família na região Nordeste. Não foram encontrados estudos aprofundados sobre a ocorrência das espécies no Rio Grande do Norte, o que justifica a produção de um inventário estadual das Bignoniaceae. Para o estado identificamos 37 espécies de 17 gêneros, contrariando os dados propostos pelo site Flora do Brasil, que relacionava apenas 29 espécies distribuídas em 15 gêneros. Dentre as espécies encontradas por este estudo, 17 espécies surgem como novas ocorrências, uma vez que algumas espécies relacionadas para o estado pelo site não foram encontradas em nossas pesquisas, não sendo incluídas neste estudo. Uma chave para identificação das espécies, junto com descrições morfológicas, ilustrações e fotos das espécies são apresentadas. Os dados das espécies aqui obtidos possibilitarão diretamente o desenvolvimento de trabalhos futuros, como produção de uma chave interativa digital e o estudo da conservação das espécies de bignoniáceas do estado.


  • Mostrar Abstract
  • Bignoniaceae compreende 82 gêneros e cerca de 827 espécies de árvores, arbustos e lianas, encontradas em toda flora tropical mundial com menor representação em regiões temperadas. No Brasil, são encontradas 391 espécies em 32 gêneros, e a família, como um todo, foi muito explorada para diversos fins e usos, como a extração da madeira para construção, indústria farmacêutica assim como para horticultura. Sua riqueza é bastante conhecida em vários estado do país, porém poucos estudos foram realizados sobre a família na região Nordeste. Não foram encontrados estudos aprofundados sobre a ocorrência das espécies no Rio Grande do Norte, o que justifica a produção de um inventário estadual das Bignoniaceae. Para o estado identificamos 37 espécies de 17 gêneros, contrariando os dados propostos pelo site Flora do Brasil, que relacionava apenas 29 espécies distribuídas em 15 gêneros. Dentre as espécies encontradas por este estudo, 17 espécies surgem como novas ocorrências, uma vez que algumas espécies relacionadas para o estado pelo site não foram encontradas em nossas pesquisas, não sendo incluídas neste estudo. Uma chave para identificação das espécies, junto com descrições morfológicas, ilustrações e fotos das espécies são apresentadas. Os dados das espécies aqui obtidos possibilitarão diretamente o desenvolvimento de trabalhos futuros, como produção de uma chave interativa digital e o estudo da conservação das espécies de bignoniáceas do estado.

8
  • RICARDO VICTOR MACHADO DE ALMEIDA
  • Filogenia molecular das enzimas Isocitrato liase e Malato sintase e sua evolução em Viridiplantae

  • Orientador : JOAO PAULO MATOS SANTOS LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOAO PAULO MATOS SANTOS LIMA
  • DANIEL CARLOS FERREIRA LANZA
  • RODRIGO MARANGUAPE SILVA DA CUNHA
  • Data: 28/08/2014

  • Mostrar Resumo
  • O metabolismo vegetal é composto por uma complexa rede de eventos físicos e químicos resultantes na fotossíntese, respiração, e na síntese e degradação de compostos orgânicos. Isto só é possível graças aos diferentes tipos de respostas as inúmeras variações ambientais que um vegetal pode estar sujeito, adquiridas ao longo da evolução, levando também a conquistas de novos ambientes. O ciclo do glioxilato é uma via metabólica localizada nos glioxissomos de plantas, que possui papel único no estabelecimento das plântulas. Considerado como uma variação do ciclo do ácido cítrico esta via utiliza uma molécula de acetil-Coenzima A, oriunda da beta-oxidação de lipídios para sintetizar compostos que são utilizados na síntese de carboidratos. As enzimas Malato sintase (MLS) e Isocitrato liase (ICL) são exclusivas deste ciclo e essenciais na regulação da biossíntese de carboidratos. Devido à ausência das etapas de descarboxilação, como fatores limitantes da velocidade, estudos mais detalhados da filogenia e evolução molecular dessas proteínas permite o esclarecimento dos efeitos da presença desta rota nos processos evolutivos envolvidos na sua distribuição no genoma de espécies vegetais. Portanto, o objetivo deste estudo foi estabelecer uma relação entre a evolução molecular das enzimas características do ciclo do glioxilato (Isocitrato liase e Malato sintase) e sua filogenia molecular, entre as plantas verdes (Viridiplantae). Para isso, foram utilizadas sequências de aminoácidos e nucleotídeos dos genes, a partir de repositórios online como o Genbank e Uniprot. As sequências foram alinhadas e, em seguida, submetidos à análise estatística dos modelos de melhor ajuste de substituição. A filogenia foi reconstruída por métodos de distância (Neighbor-joining) e métodos discretos (Máxima Verossimilhança, Máxima Parcimônia e Análise Bayesiana). O reconhecimento de padrões estruturais na evolução das enzimas foi feito por predição e modelagem por homologia das estruturas das sequências das proteínas obtidas. Com base nas análises comparativas entre modelos in silico, das enzimas, e partir dos resultados de inferência filogenética, ambas as enzimas apresentam um padrão de conservação relativamente elevado em sua estrutura e geram topologias condizentes com dois processos de seleção e especialização dos seus respectivos genes. Deste modo, corroborando com a relevância em se realizar novos estudos para se elucidar o metabolismo vegetal sob uma perspectiva evolutiva das relações entre os genes e a expressão de suas enzimas.


  • Mostrar Abstract
  • O metabolismo vegetal é composto por uma complexa rede de eventos físicos e químicos resultantes na fotossíntese, respiração, e na síntese e degradação de compostos orgânicos. Isto só é possível graças aos diferentes tipos de respostas as inúmeras variações ambientais que um vegetal pode estar sujeito, adquiridas ao longo da evolução, levando também a conquistas de novos ambientes. O ciclo do glioxilato é uma via metabólica localizada nos glioxissomos de plantas, que possui papel único no estabelecimento das plântulas. Considerado como uma variação do ciclo do ácido cítrico esta via utiliza uma molécula de acetil-Coenzima A, oriunda da beta-oxidação de lipídios para sintetizar compostos que são utilizados na síntese de carboidratos. As enzimas Malato sintase (MLS) e Isocitrato liase (ICL) são exclusivas deste ciclo e essenciais na regulação da biossíntese de carboidratos. Devido à ausência das etapas de descarboxilação, como fatores limitantes da velocidade, estudos mais detalhados da filogenia e evolução molecular dessas proteínas permite o esclarecimento dos efeitos da presença desta rota nos processos evolutivos envolvidos na sua distribuição no genoma de espécies vegetais. Portanto, o objetivo deste estudo foi estabelecer uma relação entre a evolução molecular das enzimas características do ciclo do glioxilato (Isocitrato liase e Malato sintase) e sua filogenia molecular, entre as plantas verdes (Viridiplantae). Para isso, foram utilizadas sequências de aminoácidos e nucleotídeos dos genes, a partir de repositórios online como o Genbank e Uniprot. As sequências foram alinhadas e, em seguida, submetidos à análise estatística dos modelos de melhor ajuste de substituição. A filogenia foi reconstruída por métodos de distância (Neighbor-joining) e métodos discretos (Máxima Verossimilhança, Máxima Parcimônia e Análise Bayesiana). O reconhecimento de padrões estruturais na evolução das enzimas foi feito por predição e modelagem por homologia das estruturas das sequências das proteínas obtidas. Com base nas análises comparativas entre modelos in silico, das enzimas, e partir dos resultados de inferência filogenética, ambas as enzimas apresentam um padrão de conservação relativamente elevado em sua estrutura e geram topologias condizentes com dois processos de seleção e especialização dos seus respectivos genes. Deste modo, corroborando com a relevância em se realizar novos estudos para se elucidar o metabolismo vegetal sob uma perspectiva evolutiva das relações entre os genes e a expressão de suas enzimas.

2013
Dissertações
1
  • PÂMELA LAVOR ROLIM
  • GENÉTICA E BIOLOGIA REPRODUTIVA DE Vriesea minarum (BROMELIACEAE): EM BUSCA DE ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO NO QUADRILÁTERO FERRÍFERO, MINAS GERAIS

  • Orientador : LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • FABIO DE ALMEIDA VIEIRA
  • VÂNIA CRISTINA RENNÓ AZEVEDO
  • Data: 11/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • Vriesea minarum é uma espécie de bromélias rupícola, com populações naturalmente fragmentadas, restrita a região do Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais, Brasil. É uma espécie ameaçada, que está sofrendo com a perda de habitat devido ao crescimento das cidades e às atividades de mineração. O conhecimento da variabilidade genética em populações de plantas é um dos principais ramos de genética da conservação, associando dados genéticos para as estratégias de conservação, enquanto que o conhecimento sobre a biologia reprodutiva pode ajudar na compreensão de aspectos fundamentais da história de vida, distribuição e estratégias de sobrevivência das plantas. Assim, o estudo da diversidade, riqueza, estrutura genética e biologia reprodutiva das populações de V. minarum podem contribuir para o desenvolvimento de ações de conservação. O capítulo 1 apresenta a transferabilidade de 14 loci de microssatélites para V. minarum. Entre os resultados desse capítulo, destaca-se o sucesso da transferabilidade de 10 loci de microssatélites descritos para outras espécies de Bromeliaceae, sendo todos eles polimórficos. No capítulo 2, é apresentada a genética de 12 populações de V. minarum que se distribuem por todo o Quadrilátero Ferrífero. Os resultados obtidos mostram pouca estruturação entre as populações (Fst = 0,088), mas com diferentes valores de riqueza (média = 2.566) e diversidade genética (média = 0.635) para todas as populações; o coeficiente de endogamia foi alto (Gis = 0.376). Estes dados podem ser resultado da ação de polinizadores e/ou dispersão de sementes eficientes, já que as populações são naturalmente fragmentadas. No capítulo 3, é estudada a biologia reprodutiva e morfologia floral de uma população de V. minarum, situada no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, Minas Gerais. Como resultado, foi possível identificar que a espécie possui floração de janeiro a março; com flores que duram dois dias; síndrome mista de polinização; sendo primariamente alógama, mas também tem capacidade para ser auto fecundada. Espera-se que dados obtidos nos capítulos 1, 2 e 3 sirvam como base para outros estudos com espécies de campos rupestres ferruginosos, já que até o presente momento, não é de nosso conhecimento a existência de registros de outras pesquisas feitas com espécies endêmicas do Quadrilátero Ferrífero, que busquem conciliar o entendimento da genética, com os dados da biologia reprodutiva, tendo como alvo a conservação da biodiversidade neste hábitat altamente ameaçado pela mineração. Torna-se crucial uma análise cuidadosa para a criação de novas áreas de proteção, para conservação das populações da espécie.


  • Mostrar Abstract
  • Vriesea minarum é uma espécie de bromélias rupícola, com populações naturalmente fragmentadas, restrita a região do Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais, Brasil. É uma espécie ameaçada, que está sofrendo com a perda de habitat devido ao crescimento das cidades e às atividades de mineração. O conhecimento da variabilidade genética em populações de plantas é um dos principais ramos de genética da conservação, associando dados genéticos para as estratégias de conservação, enquanto que o conhecimento sobre a biologia reprodutiva pode ajudar na compreensão de aspectos fundamentais da história de vida, distribuição e estratégias de sobrevivência das plantas. Assim, o estudo da diversidade, riqueza, estrutura genética e biologia reprodutiva das populações de V. minarum podem contribuir para o desenvolvimento de ações de conservação. O capítulo 1 apresenta a transferabilidade de 14 loci de microssatélites para V. minarum. Entre os resultados desse capítulo, destaca-se o sucesso da transferabilidade de 10 loci de microssatélites descritos para outras espécies de Bromeliaceae, sendo todos eles polimórficos. No capítulo 2, é apresentada a genética de 12 populações de V. minarum que se distribuem por todo o Quadrilátero Ferrífero. Os resultados obtidos mostram pouca estruturação entre as populações (Fst = 0,088), mas com diferentes valores de riqueza (média = 2.566) e diversidade genética (média = 0.635) para todas as populações; o coeficiente de endogamia foi alto (Gis = 0.376). Estes dados podem ser resultado da ação de polinizadores e/ou dispersão de sementes eficientes, já que as populações são naturalmente fragmentadas. No capítulo 3, é estudada a biologia reprodutiva e morfologia floral de uma população de V. minarum, situada no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, Minas Gerais. Como resultado, foi possível identificar que a espécie possui floração de janeiro a março; com flores que duram dois dias; síndrome mista de polinização; sendo primariamente alógama, mas também tem capacidade para ser auto fecundada. Espera-se que dados obtidos nos capítulos 1, 2 e 3 sirvam como base para outros estudos com espécies de campos rupestres ferruginosos, já que até o presente momento, não é de nosso conhecimento a existência de registros de outras pesquisas feitas com espécies endêmicas do Quadrilátero Ferrífero, que busquem conciliar o entendimento da genética, com os dados da biologia reprodutiva, tendo como alvo a conservação da biodiversidade neste hábitat altamente ameaçado pela mineração. Torna-se crucial uma análise cuidadosa para a criação de novas áreas de proteção, para conservação das populações da espécie.

2
  • DÔNIS DA SILVA ALFREDO
  • FUNGOS GASTEROIDES (BASIDIOMYCOTA) NA CAATINGA: ESTUDO DE DUAS ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO CEARÁ E PARAÍBA, BRASIL

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • FELIPE WARTCHOW
  • VAGNER GULARTE CORTEZ
  • Data: 18/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • Os fungos gasteroides constituem um agrupamento de vários clados de Basidiomycota com origens evolutivas distintas (grupo polifilético). Embora, seus táxons apresentem uma grande diversidade morfológica, por muito tempo foram agrupados como uma classe bem definida, denominada Gasteromycetes, com base nos basidiomas angiocárpico e dispersão passiva dos esporos (estatismósporos). A região Nordeste do Brasil possui áreas consideradas de extrema importância biológica com grande riqueza de espécies e sem estudos sobre fungos gasteroides. A Caatinga, que foi foco desta pesquisa, possui até então, vinte e cinco espécies registradas. Desta forma, o presente estudo teve como objetivo fazer um levantamento dos fungos gasteroides em duas áreas de brejo de altitude consideradas de extrema importância biológica: APA da Serra de Ibiapaba, no Estado do Ceará e Reserva Ecológica Estadual Mata do Pau-Ferro, no Estado da Paraíba. Excursões foram realizadas no período de abril a junho/2012 e resultaram em 103 coletas de fungos gasteroides. As análises microscópicas utilizaram microscopia eletrônica de varredura a fim de observar detalhes difíceis de serem percebidos com a microscopia óptica. Foram identificadas 17 espécies representadas pelas famílias: Clathraceae, Geastraceae, Lycoperdaceae, Phallaceae e Rhizopogonacea. O gênero com maior número de espécies coletados foi Geastrum (Geastraceae) com nove espécies, seguidas por: Morganella (Lycoperdaceae) com duas espécies. Os demais gêneros: Abrachium, Calvatia, Lycogalopsis, Mutinus e Phallus foram representados por uma espécie cada. Calvatia cava sp. nov. e Morganella nuda sp. nov. são espécies novas para a ciência. Rhizopogon luteolus e Lycogalopsis sp. são primeiros registros para região Nordeste e Caatinga. Geastrum morganii, G. pectinatum, G. rusticum e Mutinus caninus são primeiros registros para Caatinga. Para a região Nordeste houve um aumento de quatro espécies (5.7%) totalizando 74 espécies de fungos gasteroides para a região. Para a Caatinga houve um acréscimo de oito espécies (32%) totalizando 33 espécies. Com isto, as regiões de brejos de altitude em áreas de Caatinga mostraram-se propícias para estudos sobre fungos gasteroides, desta forma, novos estudos devem ser realizados em áreas de brejo de altitude a fim de melhorar o esforço amostral, ampliando o conhecimento sobre os fungos gasteroides nestas áreas.


  • Mostrar Abstract
  • Os fungos gasteroides constituem um agrupamento de vários clados de Basidiomycota com origens evolutivas distintas (grupo polifilético). Embora, seus táxons apresentem uma grande diversidade morfológica, por muito tempo foram agrupados como uma classe bem definida, denominada Gasteromycetes, com base nos basidiomas angiocárpico e dispersão passiva dos esporos (estatismósporos). A região Nordeste do Brasil possui áreas consideradas de extrema importância biológica com grande riqueza de espécies e sem estudos sobre fungos gasteroides. A Caatinga, que foi foco desta pesquisa, possui até então, vinte e cinco espécies registradas. Desta forma, o presente estudo teve como objetivo fazer um levantamento dos fungos gasteroides em duas áreas de brejo de altitude consideradas de extrema importância biológica: APA da Serra de Ibiapaba, no Estado do Ceará e Reserva Ecológica Estadual Mata do Pau-Ferro, no Estado da Paraíba. Excursões foram realizadas no período de abril a junho/2012 e resultaram em 103 coletas de fungos gasteroides. As análises microscópicas utilizaram microscopia eletrônica de varredura a fim de observar detalhes difíceis de serem percebidos com a microscopia óptica. Foram identificadas 17 espécies representadas pelas famílias: Clathraceae, Geastraceae, Lycoperdaceae, Phallaceae e Rhizopogonacea. O gênero com maior número de espécies coletados foi Geastrum (Geastraceae) com nove espécies, seguidas por: Morganella (Lycoperdaceae) com duas espécies. Os demais gêneros: Abrachium, Calvatia, Lycogalopsis, Mutinus e Phallus foram representados por uma espécie cada. Calvatia cava sp. nov. e Morganella nuda sp. nov. são espécies novas para a ciência. Rhizopogon luteolus e Lycogalopsis sp. são primeiros registros para região Nordeste e Caatinga. Geastrum morganii, G. pectinatum, G. rusticum e Mutinus caninus são primeiros registros para Caatinga. Para a região Nordeste houve um aumento de quatro espécies (5.7%) totalizando 74 espécies de fungos gasteroides para a região. Para a Caatinga houve um acréscimo de oito espécies (32%) totalizando 33 espécies. Com isto, as regiões de brejos de altitude em áreas de Caatinga mostraram-se propícias para estudos sobre fungos gasteroides, desta forma, novos estudos devem ser realizados em áreas de brejo de altitude a fim de melhorar o esforço amostral, ampliando o conhecimento sobre os fungos gasteroides nestas áreas.

3
  • RHUDSON HENRIQUE SANTOS FERREIRA DA CRUZ
  • O GÊNERO CYATHUS HALLER: PERS. (AGARICALES, BASIDIOMYCOTA) EM ÁREAS DE CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIRO

  • Orientador : IURI GOULART BASEIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IURI GOULART BASEIA
  • FELIPE WARTCHOW
  • VAGNER GULARTE CORTEZ
  • Data: 18/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • Os Fungos da família Nidulariaceae, ou “fungos ninho-de-pássaro”, apresentam basidiomas
    em forma de vaso, com a superfície da parede lisa ou estriada longitudinalmente e
    estruturas internas que se assemelham a pequenos ovos de pássaros dentro de um ninho, os
    peridíolos. Dentre os cinco gêneros que compõem o grupo, o mais representativo é Cyathus
    Haller: Pers. O Nordeste Brasileiro apresenta grande importância para a diversidade
    mundial por conter um domínio fitoecológico único e exclusivamente brasileiro, a
    Caatinga, o qual carece de atenção especial quanto aos macrofungos. Apesar do
    crescimento gradual de conhecimento nos últimos anos, os estudos ainda são incipientes no
    domínio Caatinga. Entre as suas diversas formações vegetais existem os Brejos de Altitude,
    caracterizados como ilhas úmidas de vegetação perenifólia, solo de baixa fertilidade e
    precipitação anual entre 900 – 1.300 mm. Este trabalho visou levantar a riqueza taxonômica
    dos fungos nidulariáceos em áreas de Caatinga do Nordeste Brasileiro, descrevendo e
    identificando espécies, bem como ampliando a coleção do herbário UFRN – Fungos. Para
    descrição de fungos nidulariáceos seguiu-se a proposta em literaturas especializadas do
    grupo. Foram encontradas e identificadas 10 espécies do gênero Cyathus, a saber: C. earlei
    Lloyd, C. gayanus Tul. & C. Tul., C. gracilis H.J. Brodie, C. intermedius (Mont.) Tul. & C.
    Tul., C. limbatus Tul. & C. Tul., C. montagnei Tul. & C. Tul., C. pallidus Berk. & M.A.
    Curtis, C. poeppigii Tul. & C. Tul., C. striatus (Huds.) Willd. e C. tríplex Lloyd. Além
    dessas foram descritas 4 novas espécies para a ciência: Cyathus calvescens R. Cruz &
    Baseia sp. nov., C. hortum R. Cruz & Baseia sp. nov., C. magnomuralis R. Cruz & Baseia
    sp. nov. e C. parvocinereus R. Cruz & Baseia sp. nov. Duas amostras foram identificadas
    apenas a nível de gênero. Nenhum membro de Mycocalia J.T. Palmer, Nidula V.S. White,
    Nidularia Fr. e Crucibulum Tul. & C. Tul. foi encontrado, contudo os resultados foram de
    grande valia por ser um trabalho inédito na Caatinga e importante subsídio para aplicação
    de projetos de conservação e utilização sustentável do domínio.


  • Mostrar Abstract
  • Os Fungos da família Nidulariaceae, ou “fungos ninho-de-pássaro”, apresentam basidiomas
    em forma de vaso, com a superfície da parede lisa ou estriada longitudinalmente e
    estruturas internas que se assemelham a pequenos ovos de pássaros dentro de um ninho, os
    peridíolos. Dentre os cinco gêneros que compõem o grupo, o mais representativo é Cyathus
    Haller: Pers. O Nordeste Brasileiro apresenta grande importância para a diversidade
    mundial por conter um domínio fitoecológico único e exclusivamente brasileiro, a
    Caatinga, o qual carece de atenção especial quanto aos macrofungos. Apesar do
    crescimento gradual de conhecimento nos últimos anos, os estudos ainda são incipientes no
    domínio Caatinga. Entre as suas diversas formações vegetais existem os Brejos de Altitude,
    caracterizados como ilhas úmidas de vegetação perenifólia, solo de baixa fertilidade e
    precipitação anual entre 900 – 1.300 mm. Este trabalho visou levantar a riqueza taxonômica
    dos fungos nidulariáceos em áreas de Caatinga do Nordeste Brasileiro, descrevendo e
    identificando espécies, bem como ampliando a coleção do herbário UFRN – Fungos. Para
    descrição de fungos nidulariáceos seguiu-se a proposta em literaturas especializadas do
    grupo. Foram encontradas e identificadas 10 espécies do gênero Cyathus, a saber: C. earlei
    Lloyd, C. gayanus Tul. & C. Tul., C. gracilis H.J. Brodie, C. intermedius (Mont.) Tul. & C.
    Tul., C. limbatus Tul. & C. Tul., C. montagnei Tul. & C. Tul., C. pallidus Berk. & M.A.
    Curtis, C. poeppigii Tul. & C. Tul., C. striatus (Huds.) Willd. e C. tríplex Lloyd. Além
    dessas foram descritas 4 novas espécies para a ciência: Cyathus calvescens R. Cruz &
    Baseia sp. nov., C. hortum R. Cruz & Baseia sp. nov., C. magnomuralis R. Cruz & Baseia
    sp. nov. e C. parvocinereus R. Cruz & Baseia sp. nov. Duas amostras foram identificadas
    apenas a nível de gênero. Nenhum membro de Mycocalia J.T. Palmer, Nidula V.S. White,
    Nidularia Fr. e Crucibulum Tul. & C. Tul. foi encontrado, contudo os resultados foram de
    grande valia por ser um trabalho inédito na Caatinga e importante subsídio para aplicação
    de projetos de conservação e utilização sustentável do domínio.

4
  • RUY ANDERSON ARAÚJO DE LIMA
  • DINÂMICA SAZONAL DE FUNGOS MICORRÍZICOS ARBUSCULARES (GLOMEROMYCOTA) EM CERRADÃO E BREJO DE ALTITUDE NA CHAPADA DO ARARIPE, CE

  • Orientador : BRUNO TOMIO GOTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO TOMIO GOTO
  • ALEXANDRE FADIGAS DE SOUZA
  • RICARDO LUIS LOURO BERBARA
  • Data: 19/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • Os fungos micorrízicos arbusculares (FMA) são organismos simbiontes obrigatórios de raízes de vasto número de táxons vegetais, sendo encontrados em todos os ecossistemas terrestres. Estes fungos promovem maior tolerância a estresses ambientais aos vegetais associados favorecendo o estabelecimento de comunidades vegetais, especialmente quando a fertilidade do solo é fator limitante, como em áreas de Caatinga, domínio exclusivamente brasileiro que vem sendo foco de pesquisas em função da particular biodiversidade que pode proporcionar maior compreenção da história vegetacional de parte da América do Sul. Devido à importância ecológica dos FMA, ao limitado número de trabalhos e o potencial em diversidade da Caatinga, este trabalho visa inventariar a diversidade e determinar as comunidades de FMA em áreas com diferentes fisionomias ocorrentes na FLONA Araripe, Ceará (CE). A coleta das amostras ocorreu em quatro períodos, no início e final da estação seca (agosto e dezembro de 2011, respectivamente) e chuvosa (fevereiro e junho de 2012, respectivamente) em uma área de brejo de altitude e de cerradão da Chapada do Araripe, Crato, CE. Os glomerosporos foram extraídos por peneiramento úmido e centrifugação em água e sacarose (50%), montados entre lâmina e laminula utilizando PVLG e PVLG + Reagente de Melzer. No total, foram encontradas 46 espécies de FMA distribuidas em oito famílias e 16 gêneros: Acaulospora (6), Ambispora (1), Cetraspora (2), Dentiscutata (5), Fuscutata (2), Gigaspora (6), Glomus (13), Intraornatospora (1), Kuklospora (1), Orbispora (1), Paradentiscutata (1), Quatunica (1), Racocetra (1), Scutellospora (2), Septoglomus (2) e um novo gênero. Análises ecológicas mostraram que cada área de estudo apresenta dinâmicas sazonais próprias, com a área de cerradão com maior diversidade de espécies ao longo do ano, enquanto que o brejo de altitude mostrou maior variação nas espécies encontradas entre os periodos de coleta, mostrando que a vegetação e a pluviosidade tem forte influência na dinâmica sazonal dos FMA, assim como a disponibilidade de nutrientes e o pH so solo.


  • Mostrar Abstract
  • Os fungos micorrízicos arbusculares (FMA) são organismos simbiontes obrigatórios de raízes de vasto número de táxons vegetais, sendo encontrados em todos os ecossistemas terrestres. Estes fungos promovem maior tolerância a estresses ambientais aos vegetais associados favorecendo o estabelecimento de comunidades vegetais, especialmente quando a fertilidade do solo é fator limitante, como em áreas de Caatinga, domínio exclusivamente brasileiro que vem sendo foco de pesquisas em função da particular biodiversidade que pode proporcionar maior compreenção da história vegetacional de parte da América do Sul. Devido à importância ecológica dos FMA, ao limitado número de trabalhos e o potencial em diversidade da Caatinga, este trabalho visa inventariar a diversidade e determinar as comunidades de FMA em áreas com diferentes fisionomias ocorrentes na FLONA Araripe, Ceará (CE). A coleta das amostras ocorreu em quatro períodos, no início e final da estação seca (agosto e dezembro de 2011, respectivamente) e chuvosa (fevereiro e junho de 2012, respectivamente) em uma área de brejo de altitude e de cerradão da Chapada do Araripe, Crato, CE. Os glomerosporos foram extraídos por peneiramento úmido e centrifugação em água e sacarose (50%), montados entre lâmina e laminula utilizando PVLG e PVLG + Reagente de Melzer. No total, foram encontradas 46 espécies de FMA distribuidas em oito famílias e 16 gêneros: Acaulospora (6), Ambispora (1), Cetraspora (2), Dentiscutata (5), Fuscutata (2), Gigaspora (6), Glomus (13), Intraornatospora (1), Kuklospora (1), Orbispora (1), Paradentiscutata (1), Quatunica (1), Racocetra (1), Scutellospora (2), Septoglomus (2) e um novo gênero. Análises ecológicas mostraram que cada área de estudo apresenta dinâmicas sazonais próprias, com a área de cerradão com maior diversidade de espécies ao longo do ano, enquanto que o brejo de altitude mostrou maior variação nas espécies encontradas entre os periodos de coleta, mostrando que a vegetação e a pluviosidade tem forte influência na dinâmica sazonal dos FMA, assim como a disponibilidade de nutrientes e o pH so solo.

5
  • NERIVANIA NUNES GODEIRO
  • Diversidade de Seirini (Collembola, Arthropleona, Entomobryidae) em áreas úmidas da Caatinga

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • EDUARDO ASSIS ABRANTES
  • Data: 25/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • A família Entomobryidae é uma das mais diversas famílias de Collembola do Nordeste Brasileiro. Dados sobre sua diversidade podem ser considerados subestimados devido ao baixo esforço de coleta na região. No presente estudo, foram realizadas coletas em cinco localidades do Nordeste, nunca antes amostradas, objetivando avaliar a riqueza de espécies desta família. O estudo foi feito na Serra da Jibóia, município de Santa Teresinha, Bahia; Serra das Confusões, município de Caracol, Piauí; Chapada do Araripe, munícipio do Crato, Ceará; Mata do Pau-Ferro, município de Areia, Paraíba; e Parque Nacional de Ubajara, município de Ubajara, Ceará, todas consideradas áreas úmidas da Caatinga. As coletas foram feitas utilizando-se armadilhas de queda do tipo pitfall e aspiradores entomológicos. Todo o material coletado foi triado, montado em lâminas, identificado e, por fim, foram feitas as descrições de algumas das espécies novas encontradas. Um total de 48 espécies de Entomobryidae pertencentes a nove gêneros foram registradas e 27 destas são espécies novas para a ciência, o que representa um percentual de 56,25% do total. Um novo registro de espécie para o Brasil foi identificado e novos registros para os estados foram feitos. O gênero que possuiu distribuição mais ampla foi Seira, o único encontrado em todas as áreas e o mais representativo com o maior número de espécies registradas (26). Esse resultado já era esperado, pois indivíduos do gênero Seira possuem uma boa adaptabilidade a ambientes semi-áridos, fato que já foi comprovado em pesquisas anteriores. Sete novas espécies do gênero Seira foram descritas. Uma chave dicotômica de identificação dos gêneros e espécies de Seirini com ocorrência no Brasil, foi elaborada. Este trabalho demonstrou o grande potencial de Entomobryidae e Seirini no Nordeste, visto que, apesar de ter sido realizado em áreas bem restritas, obteve resultados importantes para o conhecimento da fauna do grupo.


  • Mostrar Abstract
  • A família Entomobryidae é uma das mais diversas famílias de Collembola do Nordeste Brasileiro. Dados sobre sua diversidade podem ser considerados subestimados devido ao baixo esforço de coleta na região. No presente estudo, foram realizadas coletas em cinco localidades do Nordeste, nunca antes amostradas, objetivando avaliar a riqueza de espécies desta família. O estudo foi feito na Serra da Jibóia, município de Santa Teresinha, Bahia; Serra das Confusões, município de Caracol, Piauí; Chapada do Araripe, munícipio do Crato, Ceará; Mata do Pau-Ferro, município de Areia, Paraíba; e Parque Nacional de Ubajara, município de Ubajara, Ceará, todas consideradas áreas úmidas da Caatinga. As coletas foram feitas utilizando-se armadilhas de queda do tipo pitfall e aspiradores entomológicos. Todo o material coletado foi triado, montado em lâminas, identificado e, por fim, foram feitas as descrições de algumas das espécies novas encontradas. Um total de 48 espécies de Entomobryidae pertencentes a nove gêneros foram registradas e 27 destas são espécies novas para a ciência, o que representa um percentual de 56,25% do total. Um novo registro de espécie para o Brasil foi identificado e novos registros para os estados foram feitos. O gênero que possuiu distribuição mais ampla foi Seira, o único encontrado em todas as áreas e o mais representativo com o maior número de espécies registradas (26). Esse resultado já era esperado, pois indivíduos do gênero Seira possuem uma boa adaptabilidade a ambientes semi-áridos, fato que já foi comprovado em pesquisas anteriores. Sete novas espécies do gênero Seira foram descritas. Uma chave dicotômica de identificação dos gêneros e espécies de Seirini com ocorrência no Brasil, foi elaborada. Este trabalho demonstrou o grande potencial de Entomobryidae e Seirini no Nordeste, visto que, apesar de ter sido realizado em áreas bem restritas, obteve resultados importantes para o conhecimento da fauna do grupo.

6
  • WALLACE MESSIAS BARBOSA SÃO MATEUS
  • Taxonomia de Papilionoideae (Leguminosae) da Mata Atlântica do Rio Grande do Norte, Brasil

  • Orientador : JOMAR GOMES JARDIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOMAR GOMES JARDIM
  • LEONARDO DE MELO VERSIEUX
  • MARCOS JOSÉ DA SILVA
  • Data: 25/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • Leguminosae é a terceira maior família de angiospermas, apresentando cerca de 19.325 espécies e 727 gêneros e distribuição pantropical. Papilionoideae é a mais diversa das três subfamílias de leguminosas, com cerca de 13.800 espécies (71%) subordinadas a 478 gêneros e 28 tribos. É caracterizada pelo hábito herbáceo, arbustivo, lianescente ou arbóreo, folhas pinadas, trifolioladas, unifolioladas ou simples, flores frequentemente papilionadas, com as pétalas diferenciadas em estandarte, carena e alas em prefloração imbricativa descendente ou vexilar, androceu geralmente diplostêmones e sementes sem pleurograma, com hilo bem desenvolvido e embrião com radícula geralmente curvada. O presente estudo teve como objetivo realizar um estudo taxonômico das Papilionoideae ocorrentes na Mata Atlântica do Rio Grande do Norte, Brasil através do levantamento de dados de herbários, coletas de materiais em campo e análise morfológica dos espécimes coletados e/ou depositados em herbários. São apresentadas chave de identificação, descrições, caracteres diagnósticos, ilustrações e distribuição geográfica das 68 espécies e 32 gêneros distribuídos nas tribos Phaseoleae (11 gêneros/24 espécies), Dalbergieae (9/20), Swartzieae (3/3), Millettieae (2/4), Sophoreae (2/2), Abreae (1/1), Crotalarieae (1/3), Desmodieae (1/7), Indigofereae (1/3) e Sesbanieae (1/1). Os gêneros mais representativos foram Desmodium Desv. (7 espécies), Centrosema (DC.) Benth. (5), Stylosanthes Sw. (5), Aeschynomene L. (4) e Macroptilium (Benth.) Urb. (4). Quanto ao hábito, predominou o herbáceo e arbustivo com 60% (41 spp.), seguido do trepador e lianescente com 28% (19 spp.) e o arbóreo com apenas 12% (8 spp.). Neste trabalho, 32 espécies e os seguintes gêneros são registrados pela primeira vez para a flora do Rio Grande do Norte: Chaetocalyx, Cochliasanthus, Crotalaria, Galactia, Geoffroea, Macroptilium, Rhynchosia, Swartzia, Trischidium e Vigna.


  • Mostrar Abstract
  • Leguminosae é a terceira maior família de angiospermas, apresentando cerca de 19.325 espécies e 727 gêneros e distribuição pantropical. Papilionoideae é a mais diversa das três subfamílias de leguminosas, com cerca de 13.800 espécies (71%) subordinadas a 478 gêneros e 28 tribos. É caracterizada pelo hábito herbáceo, arbustivo, lianescente ou arbóreo, folhas pinadas, trifolioladas, unifolioladas ou simples, flores frequentemente papilionadas, com as pétalas diferenciadas em estandarte, carena e alas em prefloração imbricativa descendente ou vexilar, androceu geralmente diplostêmones e sementes sem pleurograma, com hilo bem desenvolvido e embrião com radícula geralmente curvada. O presente estudo teve como objetivo realizar um estudo taxonômico das Papilionoideae ocorrentes na Mata Atlântica do Rio Grande do Norte, Brasil através do levantamento de dados de herbários, coletas de materiais em campo e análise morfológica dos espécimes coletados e/ou depositados em herbários. São apresentadas chave de identificação, descrições, caracteres diagnósticos, ilustrações e distribuição geográfica das 68 espécies e 32 gêneros distribuídos nas tribos Phaseoleae (11 gêneros/24 espécies), Dalbergieae (9/20), Swartzieae (3/3), Millettieae (2/4), Sophoreae (2/2), Abreae (1/1), Crotalarieae (1/3), Desmodieae (1/7), Indigofereae (1/3) e Sesbanieae (1/1). Os gêneros mais representativos foram Desmodium Desv. (7 espécies), Centrosema (DC.) Benth. (5), Stylosanthes Sw. (5), Aeschynomene L. (4) e Macroptilium (Benth.) Urb. (4). Quanto ao hábito, predominou o herbáceo e arbustivo com 60% (41 spp.), seguido do trepador e lianescente com 28% (19 spp.) e o arbóreo com apenas 12% (8 spp.). Neste trabalho, 32 espécies e os seguintes gêneros são registrados pela primeira vez para a flora do Rio Grande do Norte: Chaetocalyx, Cochliasanthus, Crotalaria, Galactia, Geoffroea, Macroptilium, Rhynchosia, Swartzia, Trischidium e Vigna.

7
  • AILA SOARES FERREIRA
  • VARIAÇÃO TEMPORAL E DESCRIÇÃO DE NOVAS ESPÉCIES DE COLLEMBOLA (ARTHROPODA, HEXAPODA) EM UMA ÁREA DE CAATINGA DO NORDESTE DO BRASIL

  • Orientador : ALEXANDRE VASCONCELLOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALEXANDRE VASCONCELLOS
  • MARCIO ZIKAN CARDOSO
  • DOUGLAS ZEPPELINI FILHO
  • Data: 25/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • Collembola constitui um dos grupos mais abundantes e diversos de artrópodes terrestres, estando na base da cadeia alimentar e atuando no processo de decomposição. Possuem ampla distribuição no mundo e podem ser encontrados em praticamente todos os habitats. O conhecimento desta distinta fauna ainda é deficiente em território brasileiro, especialmente no semiárido. O objetivo desse estudo foi investigar quais as variáveis climáticas podem atuar como preditoras da riqueza de espécies, abundância de indivíduos e da estrutura composicional da taxocenose de Collembola ao longo de 12 meses em uma área semiárido dominada por vegetação de Caatinga, Nordeste brasileiro; e descrever novas espécies encontradas do gênero Seira, táxon mais diverso de Collembola no Brasil. As coletas foram realizadas em João Câmara, Rio Grande do Norte. Dez parcelas de 20 x 20 metros foram estabelecidas e os espécimes foram coletados com esforço de coleta de uma hora por pessoa utilizando um aspirador entomológico. A identificação e descrição das espécies foram realizadas através do estudo da morfologia e quetotaxia dos exemplares. Foi realizada uma análise de regressão múltipla entre a riqueza de espécies e a abundância de indivíduos com as variáveis climáticas. Foi coletado um total de 1231 indivíduos, distribuídos em 15 espécies, 12 gêneros e nove famílias. As maiores riqueza e abundância de Collembola foram encontradas durante a estação chuvosa. O gênero Seira foi o mais abundante. A precipitação explicou variação temporal da riqueza de espécies e abundância de Collembola no semiárido, o que condiz com a biologia desses animais. As populações de Collembola apresentaram distribuição agrupada. Três espécies novas de Seira foram descritas e ilustradas e todas apresentam semelhanças com espécies já registradas em território nacional.


  • Mostrar Abstract
  • Collembola constitui um dos grupos mais abundantes e diversos de artrópodes terrestres, estando na base da cadeia alimentar e atuando no processo de decomposição. Possuem ampla distribuição no mundo e podem ser encontrados em praticamente todos os habitats. O conhecimento desta distinta fauna ainda é deficiente em território brasileiro, especialmente no semiárido. O objetivo desse estudo foi investigar quais as variáveis climáticas podem atuar como preditoras da riqueza de espécies, abundância de indivíduos e da estrutura composicional da taxocenose de Collembola ao longo de 12 meses em uma área semiárido dominada por vegetação de Caatinga, Nordeste brasileiro; e descrever novas espécies encontradas do gênero Seira, táxon mais diverso de Collembola no Brasil. As coletas foram realizadas em João Câmara, Rio Grande do Norte. Dez parcelas de 20 x 20 metros foram estabelecidas e os espécimes foram coletados com esforço de coleta de uma hora por pessoa utilizando um aspirador entomológico. A identificação e descrição das espécies foram realizadas através do estudo da morfologia e quetotaxia dos exemplares. Foi realizada uma análise de regressão múltipla entre a riqueza de espécies e a abundância de indivíduos com as variáveis climáticas. Foi coletado um total de 1231 indivíduos, distribuídos em 15 espécies, 12 gêneros e nove famílias. As maiores riqueza e abundância de Collembola foram encontradas durante a estação chuvosa. O gênero Seira foi o mais abundante. A precipitação explicou variação temporal da riqueza de espécies e abundância de Collembola no semiárido, o que condiz com a biologia desses animais. As populações de Collembola apresentaram distribuição agrupada. Três espécies novas de Seira foram descritas e ilustradas e todas apresentam semelhanças com espécies já registradas em território nacional.

8
  • LIUGO FERNANDO MENESES
  • DIVERSIDADE DE PARONELLIDAE (COLLEMBOLA, ARTHROPLEONA, ENTOMOBRYOIDEA) NO NORDESTE BRASILEIRO, COM ÊNFASE EM ÁREAS ÚMIDAS DA CAATINGA

  • Orientador : BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • IURI GOULART BASEIA
  • EDUARDO ASSIS ABRANTES
  • Data: 26/03/2013

  • Mostrar Resumo
  • Paronellidae está entre os mais diversos e característicos componentes da fauna epiedáfica de colêmbolos em países tropicais. No entanto, apenas 15 espécies da família foram registradas no Brasil, sendo apenas duas para a Região Nordeste do país. Este dado claramente está relacionado a um baixo esforço amostral e ausência de especialistas na área. Assim, este trabalho objetivou estudar a fauna de Paronellidae, do ponto de vista taxonômico, em seis ambientes distintos na Região Nordeste do Brasil (nos Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba e Piauí), sendo cinco áreas de Caatinga e uma de Mata Atlântica. Foram realizadas coletas ativas durante a estação chuvosa em cada área. Os espécimes coletados foram triados com ajuda de lupa e montados em lâminas para microscopia. Os espécimes identificados como representantes da família Paronellidae tiveram sua ocorrência registrada, assim com foi feita a descrição de cinco novas espécies para a ciência. Também foi elaborada de uma chave de identificação para os gêneros da família que ocorrem no Brasil. Doze registros de espécies de paronelídeos foram feitos para o Brasil: Campylothorax mitrai; Lepidonella. sp. nov. 1; Lepidonella sp. nov. 2; Lepidonella sp. nov. 3; Lepidonella sp. nov. 4; Lepidonella sp. nov. 5; Dicranocentruga sp. nov. 1; Dicranocentruga sp. nov 2; Dicranocentruga sp. nov 3; Paronella sp. nov; Serroderus sp. nov e Trogolaphysa sp. nov. 1, onde C. mitrai, Lepidonella. sp. nov. 1, Dicranocentruga sp. nov. 1, Dicranocentruga sp. nov. 2 e Dicranocentruga sp. nov. 3 foram descritas. Os registros dos gêneros Serroderus e Dicranocentruga foram os primeiros destes gêneros para o Brasil. A descrição de Lepidonella sp. nov. 1 também corresponde à primeira descrição de uma espécie do gênero para o país. Os dados apresentados mostram uma elevada riqueza potencial de espécies de Paronellidae, não apenas na Região Nordeste, mas como no Brasil. De fato, com os registros apresentados neste trabalho, o número de registros de espécies de Paronellidae no país aumentou em 80%. Políticas de conservação ambiental podem ser direcionadas através do estudo desta fauna, especialmente em áreas de Caatinga.


  • Mostrar Abstract
  • Paronellidae está entre os mais diversos e característicos componentes da fauna epiedáfica de colêmbolos em países tropicais. No entanto, apenas 15 espécies da família foram registradas no Brasil, sendo apenas duas para a Região Nordeste do país. Este dado claramente está relacionado a um baixo esforço amostral e ausência de especialistas na área. Assim, este trabalho objetivou estudar a fauna de Paronellidae, do ponto de vista taxonômico, em seis ambientes distintos na Região Nordeste do Brasil (nos Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba e Piauí), sendo cinco áreas de Caatinga e uma de Mata Atlântica. Foram realizadas coletas ativas durante a estação chuvosa em cada área. Os espécimes coletados foram triados com ajuda de lupa e montados em lâminas para microscopia. Os espécimes identificados como representantes da família Paronellidae tiveram sua ocorrência registrada, assim com foi feita a descrição de cinco novas espécies para a ciência. Também foi elaborada de uma chave de identificação para os gêneros da família que ocorrem no Brasil. Doze registros de espécies de paronelídeos foram feitos para o Brasil: Campylothorax mitrai; Lepidonella. sp. nov. 1; Lepidonella sp. nov. 2; Lepidonella sp. nov. 3; Lepidonella sp. nov. 4; Lepidonella sp. nov. 5; Dicranocentruga sp. nov. 1; Dicranocentruga sp. nov 2; Dicranocentruga sp. nov 3; Paronella sp. nov; Serroderus sp. nov e Trogolaphysa sp. nov. 1, onde C. mitrai, Lepidonella. sp. nov. 1, Dicranocentruga sp. nov. 1, Dicranocentruga sp. nov. 2 e Dicranocentruga sp. nov. 3 foram descritas. Os registros dos gêneros Serroderus e Dicranocentruga foram os primeiros destes gêneros para o Brasil. A descrição de Lepidonella sp. nov. 1 também corresponde à primeira descrição de uma espécie do gênero para o país. Os dados apresentados mostram uma elevada riqueza potencial de espécies de Paronellidae, não apenas na Região Nordeste, mas como no Brasil. De fato, com os registros apresentados neste trabalho, o número de registros de espécies de Paronellidae no país aumentou em 80%. Políticas de conservação ambiental podem ser direcionadas através do estudo desta fauna, especialmente em áreas de Caatinga.

9
  • MARCELO DA SILVA
  • Taxonomia e Biogeografia da espécie politípica Herpsilochmus rufimarginatus (Temminck, 1822) (Aves: Thamnophilidae)

  • Orientador : MAURO PICHORIM
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MAURO PICHORIM
  • SERGIO MAIA QUEIROZ LIMA
  • MARCOS RICARDO BORNSCHEIN
  • Data: 28/06/2013

  • Mostrar Resumo
  • O gênero Herpsilochmus é composto principalmente por espécies crípticas, entre elas está Herpsilochmus rufimarginatus, que atualmente é representado por quatro subespécies: H. r.
    rufimarginatus, H. r. frater, H. r. scapularis e H. r. exiguus. Diferenças na plumagem e vocalização sugerem que existam mais de uma espécie envolvida nesse complexo. Sendo assim esse e outros táxons subespecíficos precisa de revisão urgente, a distribuição disjunta dessa espécie também possibilita inferir a relação entre essas aves que ocorrem em biomas e/ou centros de endemismos diferentes. Esse estudo tem como objetivo fazer a revisão taxonômica dos táxons hora incluídos no complexo Herpsilochmus rufimarginatus com base em caracteres morfológicos, morfométricos, vocais e distribuição geográfica dessa ave. Além criar modelos de distribuição potencial atual e fazer a reconstrução da distribuição pretérita usando modelagem de nicho ecológico, e testar o conservadorismo e divergência de nicho entre as diferentes subespécies. Foram realizadas consultas para exame das peles dos espécimes presentes nos museus: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZUSP), Museu Nacional (MN) e Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG), e as peles depositadas na Coleção de Ornitológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (COUFRN). Foram verificadas as seguintes medidas de comprimento dos espécimes: culmen exposto, culmen total e culmen narina, tarso, asa achatada e cauda. A análise vocal foi realizada com vocalizações de bancos digitais e/ou de bancos pessoas, onde foram mensurados 17 parâmetros vocais. Essas informações e mais as disponíveis em literatura serviram para montar um bando de dados sob o limite de distribuição dos táxons e gerar os modelos de nicho ecológico. As análises realizadas no programa Maxent, tendo como critério de seleção de modelo os valores de AUC, sendo os modelos que tiveram valores maiores que 0,80 são considerados bons modelos. Os dados ambientais para realização da modelagem foram baixados no site do WorldClim. As informações morfométricas, vocais e distribuição geográfica apontam para a para a separação desses táxons seja levando em consideração análises multivariadas e uni variadas. Os modelos de distribuição potencial tiveram bom desempenho (AUC > 0,80), sendo a sua distribuição associada a características ambientais da floresta Amazônica e Mata Atlântica (florestas do sul e sudeste, e floresta do nordeste). A reconstrução da distribuição aponta um possível contato entre a parte sul da Mata Atlântica com a parte norte da Amazônica. A análise de sobreposição de nicho apontou uma baixa sobreposição entre os táxons e as comparações entre modelo nulo e os gerados de sobreposição apontam provavelmente que ocorre conservadorismo de nicho. As informações sugerem que os táxons que ocorrem na Amazônia e Mata Atlântica representam três espécies distintas, sendo uma delas uma espécie não descrita.


  • Mostrar Abstract
  • O gênero Herpsilochmus é composto principalmente por espécies crípticas, entre elas está Herpsilochmus rufimarginatus, que atualmente é representado por quatro subespécies: H. r.
    rufimarginatus, H. r. frater, H. r. scapularis e H. r. exiguus. Diferenças na plumagem e vocalização sugerem que existam mais de uma espécie envolvida nesse complexo. Sendo assim esse e outros táxons subespecíficos precisa de revisão urgente, a distribuição disjunta dessa espécie também possibilita inferir a relação entre essas aves que ocorrem em biomas e/ou centros de endemismos diferentes. Esse estudo tem como objetivo fazer a revisão taxonômica dos táxons hora incluídos no complexo Herpsilochmus rufimarginatus com base em caracteres morfológicos, morfométricos, vocais e distribuição geográfica dessa ave. Além criar modelos de distribuição potencial atual e fazer a reconstrução da distribuição pretérita usando modelagem de nicho ecológico, e testar o conservadorismo e divergência de nicho entre as diferentes subespécies. Foram realizadas consultas para exame das peles dos espécimes presentes nos museus: Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZUSP), Museu Nacional (MN) e Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG), e as peles depositadas na Coleção de Ornitológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (COUFRN). Foram verificadas as seguintes medidas de comprimento dos espécimes: culmen exposto, culmen total e culmen narina, tarso, asa achatada e cauda. A análise vocal foi realizada com vocalizações de bancos digitais e/ou de bancos pessoas, onde foram mensurados 17 parâmetros vocais. Essas informações e mais as disponíveis em literatura serviram para montar um bando de dados sob o limite de distribuição dos táxons e gerar os modelos de nicho ecológico. As análises realizadas no programa Maxent, tendo como critério de seleção de modelo os valores de AUC, sendo os modelos que tiveram valores maiores que 0,80 são considerados bons modelos. Os dados ambientais para realização da modelagem foram baixados no site do WorldClim. As informações morfométricas, vocais e distribuição geográfica apontam para a para a separação desses táxons seja levando em consideração análises multivariadas e uni variadas. Os modelos de distribuição potencial tiveram bom desempenho (AUC > 0,80), sendo a sua distribuição associada a características ambientais da floresta Amazônica e Mata Atlântica (florestas do sul e sudeste, e floresta do nordeste). A reconstrução da distribuição aponta um possível contato entre a parte sul da Mata Atlântica com a parte norte da Amazônica. A análise de sobreposição de nicho apontou uma baixa sobreposição entre os táxons e as comparações entre modelo nulo e os gerados de sobreposição apontam provavelmente que ocorre conservadorismo de nicho. As informações sugerem que os táxons que ocorrem na Amazônia e Mata Atlântica representam três espécies distintas, sendo uma delas uma espécie não descrita.

10
  • ISABEL MEDEIROS DOS SANTOS ROCHA
  • COLÊMBOLOS (ARTHROPODA: HEXAPODA: COLLEMBOLA) NUMA ÁREA DE CAATINGA DO NORDESTE BRASILEIRO

  • Orientador : ALEXANDRE VASCONCELLOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO CAVALCANTE BELLINI
  • MAURO PICHORIM
  • EDUARDO ASSIS ABRANTES
  • Data: 30/08/2013

  • Mostrar Resumo
  • Os ecossistemas edáficos são base para toda produção de recursos biológicos terrestres e sua dinâmica afeta não apenas os ambientes naturais, mas também a sociedade e suas atividades econômicas. Na Caatinga, o clima semiárido associado ao uso inadequado do solo têm potencializado a degradação e a perda do potencial produtivo das terras. Considerando que a fauna edáfica, incluindo os colêmbolos, é um importante indicador da qualidade do solo, este trabalho objetivou avaliar a fauna de Collembola numa área de Caatinga do Rio Grande do Norte, verificando a influência de fatores bióticos e abióticos, tais como características do solo, da vegetação e do clima, sobre a estrutura da taxocenose. As variáveis ambientais utilizadas foram: granulometria (representada pela proporção de areia), quantidade de matéria orgânica e pH do solo; riqueza, densidade e biomassa aérea vegetal; e necromassa. Foram utilizadas armadilhas de queda (pitfall) para coletar espécimes da fauna epiedáfica de Collembola em 30 pontos localizados na Fazenda Cauaçu, João Câmara, RN, nos meses de julho (período chuvoso) e novembro (período seco) de 2011. Foram coletados 5.513 indivíduos de 15 espécies, distribuídas em 13 gêneros e 9 famílias de Collembola. Cinco das espécies registradas são novas para a ciência, confirmando a expectativa de alto grau de endemismo para o bioma, e a maior abundância de indivíduos foi registrada na estação chuvosa, o que sugere sensibilidade dos colêmbolos à baixa umidade. Quatro espécies foram mais abundantes na estação seca, todas da Ordem Entomobryomorpha, e os resultados das análises estatísticas sugerem que a riqueza de plantas, a biomassa vegetal aérea, a proporção de areia no solo, o pH e a umidade devida às chuvas sejam os principais influenciadores da abundância de Collembola na região estudada.


  • Mostrar Abstract
  • Os ecossistemas edáficos são base para toda produção de recursos biológicos terrestres e sua dinâmica afeta não apenas os ambientes naturais, mas também a sociedade e suas atividades econômicas. Na Caatinga, o clima semiárido associado ao uso inadequado do solo têm potencializado a degradação e a perda do potencial produtivo das terras. Considerando que a fauna edáfica, incluindo os colêmbolos, é um importante indicador da qualidade do solo, este trabalho objetivou avaliar a fauna de Collembola numa área de Caatinga do Rio Grande do Norte, verificando a influência de fatores bióticos e abióticos, tais como características do solo, da vegetação e do clima, sobre a estrutura da taxocenose. As variáveis ambientais utilizadas foram: granulometria (representada pela proporção de areia), quantidade de matéria orgânica e pH do solo; riqueza, densidade e biomassa aérea vegetal; e necromassa. Foram utilizadas armadilhas de queda (pitfall) para coletar espécimes da fauna epiedáfica de Collembola em 30 pontos localizados na Fazenda Cauaçu, João Câmara, RN, nos meses de julho (período chuvoso) e novembro (período seco) de 2011. Foram coletados 5.513 indivíduos de 15 espécies, distribuídas em 13 gêneros e 9 famílias de Collembola. Cinco das espécies registradas são novas para a ciência, confirmando a expectativa de alto grau de endemismo para o bioma, e a maior abundância de indivíduos foi registrada na estação chuvosa, o que sugere sensibilidade dos colêmbolos à baixa umidade. Quatro espécies foram mais abundantes na estação seca, todas da Ordem Entomobryomorpha, e os resultados das análises estatísticas sugerem que a riqueza de plantas, a biomassa vegetal aérea, a proporção de areia no solo, o pH e a umidade devida às chuvas sejam os principais influenciadores da abundância de Collembola na região estudada.

11
  • RAISSA ELIZABETH DE CASTRO MAGALHAES
  • Biossistemática do complexo Cryptanthus zonatus (Vis.) Beer

  • Orientador : ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALICE DE MORAES CALVENTE VERSIEUX
  • FABIO DE ALMEIDA VIEIRA
  • LEANDRO DE OLIVEIRA FURTADO DE SOUSA
  • Data: 18/12/2013

  • Mostrar Resumo
  • A delimitação taxonômica ao nível de espécie em plantas não é uma tarefa fácil, devido ao grande polimorfismo dos vegetais. No presente trabalho objetivamos avaliar três morfotipos (formas) de Cryptanthus zonatus (Vis.) Beer (Bromeliaceae, Bromelioideae) descritos na literatura, lançando mão da biologia floral e fenologia, além da morfologia floral e anatomia foliar. As áreas de realização do estudo foram o Parque Estadual das Dunas de Natal e a Reserva Particular do Patrimônio Natural da Mata Estrela, no município de Baía Formosa Rio Grande do Norte (RN). Para o estudo fenológico foram feitas visitas mensais durante o período de um ano, onde foram feitas observações acerca das fenofases de floração e frutificação das populações das três formas de C. zonatus. Para biologia floral, procurou-se avaliar dados como: tipo de visitante floral, volume e concentração de néctar e horário de abertura e fechamento das flores. Flores das três formas foram coletadas em campo, analisadas ao estereomicroscópio e as medidas das peças foram feitas com a ajuda de um paquímetro. Cortes transversais e paradermais de folhas das três formas foram feitos, corados e posteriormente analisados ao microscópio ótico. Observações de cortes paradermais em microscópio eletrônico de varredura também foram feitas. Todos os dados mostraram não haver diferenças significativas entre as três formas. Desse modo, conclui-se que não há subsídios para o reconhecimento dos três morfotipos de C. zonatus como entidades taxonômicas, e que as ferramentas de fenologia, anatomia, biologia floral e morfologia floral não foram conclusivas para delimitar esses três morfotipos. Ainda visando caracterizar melhor a Flora de Bromeliaceae do RN, foi também estudada a anatomia foliar de Orthophytum disjunctum, uma espécie de um gênero irmão de Cryptanthus, apenas recentemente documentada no semiárido do RN. A comparação anatômica entre Cryptanthus e Orthophytum permitiu a separação dos gêneros com base na disposição dos estômatos e maior espessura do parênquima aquífero. Durante os trabalhos de campo, foi possível, ainda, documentar a primeira ocorrência de Aechmea muricata no RN, na RPPN Mata Estrela, auxiliando no entendimento da distribuição do táxon, que encontra-se ameaçado de extinção.


  • Mostrar Abstract
  • A delimitação taxonômica ao nível de espécie em plantas não é uma tarefa fácil, devido ao grande polimorfismo dos vegetais. No presente trabalho objetivamos avaliar três morfotipos (formas) de Cryptanthus zonatus (Vis.) Beer (Bromeliaceae, Bromelioideae) descritos na literatura, lançando mão da biologia floral e fenologia, além da morfologia floral e anatomia foliar. As áreas de realização do estudo foram o Parque Estadual das Dunas de Natal e a Reserva Particular do Patrimônio Natural da Mata Estrela, no município de Baía Formosa Rio Grande do Norte (RN). Para o estudo fenológico foram feitas visitas mensais durante o período de um ano, onde foram feitas observações acerca das fenofases de floração e frutificação das populações das três formas de C. zonatus. Para biologia floral, procurou-se avaliar dados como: tipo de visitante floral, volume e concentração de néctar e horário de abertura e fechamento das flores. Flores das três formas foram coletadas em campo, analisadas ao estereomicroscópio e as medidas das peças foram feitas com a ajuda de um paquímetro. Cortes transversais e paradermais de folhas das três formas foram feitos, corados e posteriormente analisados ao microscópio ótico. Observações de cortes paradermais em microscópio eletrônico de varredura também foram feitas. Todos os dados mostraram não haver diferenças significativas entre as três formas. Desse modo, conclui-se que não há subsídios para o reconhecimento dos três morfotipos de C. zonatus como entidades taxonômicas, e que as ferramentas de fenologia, anatomia, biologia floral e morfologia floral não foram conclusivas para delimitar esses três morfotipos. Ainda visando caracterizar melhor a Flora de Bromeliaceae do RN, foi também estudada a anatomia foliar de Orthophytum disjunctum, uma espécie de um gênero irmão de Cryptanthus, apenas recentemente documentada no semiárido do RN. A comparação anatômica entre Cryptanthus e Orthophytum permitiu a separação dos gêneros com base na disposição dos estômatos e maior espessura do parênquima aquífero. Durante os trabalhos de campo, foi possível, ainda, documentar a primeira ocorrência de Aechmea muricata no RN, na RPPN Mata Estrela, auxiliando no entendimento da distribuição do táxon, que encontra-se ameaçado de extinção.

SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao