Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA PASCOA DO VALE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA PASCOA DO VALE
DATA: 26/09/2012
HORA: 09:30
LOCAL: Auditório de Antropologia - Sala C-5 do Setor II
TÍTULO:

CAPITAL SOCIAL: Subsídio e apropriação para a organização comunitária


PALAVRAS-CHAVES:

capital social, organizações comunitárias, associativismo, discurso do sujeito coletivo.


PÁGINAS: 58
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
SUBÁREA: Sociologia do Desenvolvimento
RESUMO:

Este estudo avalia a força do capital social e sua importância para o desenvolvimento das organizações comunitárias, buscando entender o seu entrelaçamento com a comunidade, fazendo com que esta se desenvolva de forma organizada em uma rede de relações que visem tão somente alcançar recursos para o bem estar coletivo. Pautado na apresentação dos principais autores que discutem a temática, resaltando de maneira mais profunda a conceituação de Pierre Bourdieu (1979) que salienta que a distribuição e percepção do capital social é desigual e depende da capacidade de apropriação de diferentes grupos sociais. Observação do  caráter voluntário e dos interesses voltados para o coletivo, que são fatores preponderantes para o associativismo, capazes de despertar para outras ações, revertendo-se num bem estar coletivo, que ultrapasse a simples vontade de estar juntos, motivando e dando suporte a novas relações de poder e de crescimento da associação. O objetivo central da pesquisa é o de avaliar se as associações comunitárias são organizações que dependem de um relativo aporte do capital social para o seu desenvolvimento/crescimento. Neste sentido, tomam-se por base duas associações que tem como principal atividade a exploração turística no litoral norteriograndense, sendo que uma num estagio mais avançado, conseguiu se legalizar em forma de cooperativa e a outra associação, que, por meio de uma observação inicial, ainda deixa transparecer muito mais os interesses individuais. A metodologia adotada para entender o discurso dos membros associados e da comunidade local esta pautada no método de Análise do Discurso do sujeito Coletivo (DSC), proposto por Levevre & Lefevre (2002), que organizado em descrições através de entrevistas estruturadas com questões abertas nos levem ao pensamento unificado do grupo estudado através de instrumentos de análise de dados, quali-quantitativo, por meio do programa QualiQuantiSoft®. Nesse pensamento, a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo é construída do conhecimento verbal, agrupando-se em opiniões coletivas, originando um apanhado de discursos coletivos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1121285 - FERNANDO BASTOS COSTA
Interno - 1164161 - IRENE ALVES DE PAIVA
Externo ao Programa - 1715135 - JOANA TEREZA VAZ DE MOURA
Notícia cadastrada em: 25/09/2012 10:34
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa19-producao.info.ufrn.br.sigaa19-producao