Banca de DEFESA: JOANA DO CEU REGIS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOANA DO CEU REGIS
DATA: 20/12/2011
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório C do CCHLA
TÍTULO:

TESTEMUNHOS DE UM TEMPO VIVIDO: fragmentos e contextos de uma narrativa de Janduís-RN


PALAVRAS-CHAVES:

Memória. História oral. Velho/idoso. Janduís.


PÁGINAS: 166
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

Evidencia a memória de um grupo de idosos, como experiência substantiva na construção de uma memória social da cidade de Janduís, Rio Grande do Norte, locus da pesquisa. Por meio de uma narrativa autobiográfica, numa abordagem qualitativa, busca-se evidenciar aspectos da trajetória individual e da memória coletiva do grupo, partindo de uma pergunta comum: o que eles lembravam? Desdobrando-se em outras subsequentes; como eles lembravam e em que circunstâncias eles lembravam. Assim, o vivido e o lembrado constituem-se em objeto de análise deste trabalho, na medida em que esses relatos expõem e revelam aspectos característicos do grupo e da cidade, objetivando também (re) contar a história da cidade pelas lembranças desses sujeitos recordadores. Pelos depoimentos orais e a interpretação desses relatos, revelou-se aspectos subjetivos construtores de uma memória social, marcada por episódios violentos, que, lembrados no presente, constituíram-se no sedimento histórico que liga os diversos tempos sociais, estabelecendo um padrão narrativo.  Em Janduís, essa base comum diz respeito às lembranças que marcaram suas trajetórias individuais, e à vida coletiva, no passado, colocando em relevo a feira e os acontecimentos que nela se processaram como o lugar mais lembrado, onde as memórias se cristalizam. Quando narram incorporam outros fatos, renovam essa história, ligando o passado ao presente. Também revelou aspectos subjetivos construtores de uma memória social, como sedimento histórico que liga os tempos sociais. No presente, a feira para eles, é um lugar que não existe mais; para a cidade, um lugar de ampliação da presença feminina nos espaços de comercialização, sendo, portanto, lugar de transformações sociais.  Desse modo, a feira, no presente e no passado, constitui-se em objeto de análise, como elementos importantes para referenciar o tempo e o lugar das narrativas e de como no presente, elas atualizam aquele passado gravado nas lembranças dos seus antigos moradores. Procura-se, portanto, articular a memória e a história a partir de condicionantes temporais e espaciais que definem o lugar e o contexto das narrativas: o vivido e o lembrado no cotidiano do grupo. Assim, identificaram-se os elementos integradores de uma memória coletiva, articulando a memória e a história, pelas narrativas, que reforçam e atualizam essa história, influenciando e sendo influenciada, constituindo-se, pelas lembranças, em um fenômeno coletivo alimentando o imaginário local.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149645 - LUCIANA DE OLIVEIRA CHIANCA
Interno - 1352037 - EDMILSON LOPES JUNIOR
Externo à Instituição - MÓNICA LOURDES FRANCH GUTIÉRREZ - UFPB
Notícia cadastrada em: 12/12/2011 14:45
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao