Banca de DEFESA: ÍTALO GIMENES DIAS DA FONSECA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ÍTALO GIMENES DIAS DA FONSECA
DATA : 20/12/2021
HORA: 13:00
LOCAL: Videoconferência (Google Meet)
TÍTULO:

FLORESTAN FERNANDES E A DERROTA DA REVOLUÇÃO DEMOCRÁTICA PELA CONSTITUIÇÃO DE 1987-1988


PALAVRAS-CHAVES:

Florestan Fernandes; Estado; capitalismo dependente; democracia; hegemonia; autocracia; revolução; Constituição; classe; socialismo.


PÁGINAS: 127
RESUMO:

Este trabalho busca compreender as bases teórico-políticas formuladas por Florestan Fernandes que sustentam a sua perspectiva acerca da revolução brasileira. Neste ensejo, apresentamos como objetivo geral da pesquisa o resgate do conteúdo estratégico e programático da teoria da revolução brasileira em Florestan Fernandes, compreendendo a dialética desenvolvida pelo autor entre revolução dentro da ordem e revolução contra ordem, sintetizada nos seus escritos sobre os fenômenos políticos da luta de classes das décadas de 1970 e 1980 no Brasil na fórmula de revolução democrática. Os objetivos específicos consistem em resgatar a relação entre a autocracia burguesa e o caráter da dependência nacional com a formação sui generis da sociedade de classes no Brasil na teoria da revolução burguesa dependente brasileira;  realizar uma síntese do desenvolvimento histórico que culminou no período da distensão da ditadura de 1964 e a transição pactuada; analisar como Florestan se posicionou sobre a política do PT, assim como a proposta do autor de “reformas socialistas” dentro da Constituinte de 1988, contrastando o programa político da revolução democrática com a teoria da revolução permanente de Leon Trotski. A metodologia utilizada consiste na revisão de bibliografia sob a perspectiva do materialismo histórico-dialético. Nossa hipótese é de que Florestan, ao mesmo tempo que defendia a classe trabalhadora como sujeito da realização das tarefas democráticas da revolução, em perspectiva socialista, admitia a possibilidade de alianças momentâneas com burguesia poderiam ser necessárias para modernizar o Estado ampliando seu espaço democrático aos de baixo afim de dar-lhe melhores condições de conquistar o poder. Estabelecemos uma crítica à sua teoria da revolução brasileira, comparando com as categorias de análise sobre o Estado e hegemonia operária e o conteúdo estratégico e programático do marxismo de Leon Trotski e Antonio Gramsci. Recuperar a teoria da revolução presente nas obras de Florestan contra a autocracia burguesa no Brasil tem o objetivo de contribuir com a análise do processo contemporâneo de reconfiguração destituinte e autoritária do regime de 88, e com as respostas das classes dominadas às soluções de força que podem dar a burguesia e que inevitavelmente serão defrontadas no campo de batalha da luta de classes.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 6347248 - JOSE ANTONIO SPINELI LINDOZO
Interno - 1517561 - GABRIEL EDUARDO VITULLO
Externa ao Programa - 1407329 - JÓRISSA DANILLA NASCIMENTO AGUIAR
Externo à Instituição - HERMANO MACHADO FERREIRA LIMA - UECE
Notícia cadastrada em: 14/12/2021 11:57
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa20-producao.info.ufrn.br.sigaa20-producao