Banca de DEFESA: ISABELLE AZEVEDO FERREIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ISABELLE AZEVEDO FERREIRA
DATA : 26/02/2021
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência (https://meet.google.com/mue-jace-qer)
TÍTULO:

NAS RUAS E NAS REDES: A AÇÃO POLÍTICA DO MOVIMENTO BRASIL LIVRE E A REORGANIZAÇÃO DA NOVA DIREITA BRASILEIRA NA DISPUTA DE HEGEMONIA


PALAVRAS-CHAVES:

Movimento Brasil Livre; Direita; Ação Política; Revolução Passiva; Hegemonia.


PÁGINAS: 242
RESUMO:

O objetivo geral desta pesquisa é investigar a ação política do Movimento Brasil Livre (MBL) no contexto de reorganização da direita no Brasil e das disputas de hegemonia que colocaram um fim no ciclo dos governos petistas. O MBL foi criado após as mobilizações de junho de 2013, como uma marca do grupo Estudantes Pela Liberdade (EPL), uma versão brasileira do Students For Liberty (SFL). A organização é apontada como a principal articuladora dos protestos realizado pela direita entre 2014 e 2016 que levou a um golpe jurídico-midiático-parlamentar, destituindo a presidenta Dilma Rousseff e proporcionando à chegada da ultradireita ao poder, em 2018. Como metodologia, o estudo se propõe a fazer uma análise de conteúdo, examinando os dados coletados a partir do levantamento das notícias veiculadas pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de São Paulo, no período de 2014 a 2016, sobre os protestos convocados pela oposição ao então governo Dilma. O segundo material empírico consiste na análise de postagens coletadas da página do MBL no Facebook, no período de 2014 a 2018. Para compreender o contexto político, social e econômico, a pesquisa utiliza o conceito revolução passiva (GRAMSCI, 2007) como chave interpretativa para compreender a modernização do estado brasileiro (AGGIO, 1998; COUTINHO, 1988; DREIFUSS, 1986; VIANNA, 1998), uma vez que as saídas “pelo alto”, sem a participação popular, e o processo de “conservar-mudando” são recorrentes na historiografia brasileira, inclusive na interpretação para o ciclo de governos petistas  (VIANNA, 2011; OLIVEIRA, 2010; COUTINHO, 2010; SINGER, 2012; BIANCHI, 2017). Ademais, a formação das direitas no Brasil acompanha a longa revolução passiva brasileira, visto que a direita sempre esteve associada às elites no poder (SADER, 1995). Dentre os resultados, pode-se observar que a “nova direita” dos anos 2000 promoveu uma atualização da ação política, contexto em que surge o MBL. Com isso, percebe-se que o grupo atua tanto “nas ruas”, executando uma mobilização e encenação política, quanto “nas redes” sociais on-line, executando a “permanente invenção do inimigo”.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 349734 - JOAO EMANUEL EVANGELISTA DE OLIVEIRA
Interno - 1298988 - JOAO BOSCO ARAUJO DA COSTA
Interno - 6347248 - JOSE ANTONIO SPINELI LINDOZO
Externa à Instituição - MONALISA SOARES LOPES - UFC
Externo à Instituição - MARCOS PAULO CAMPOS CAVALCANTI DE MELLO - UVA
Notícia cadastrada em: 22/02/2021 16:41
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao