Banca de DEFESA: ANY KADIDJA DE MELO TAVARES PINHEIRO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANY KADIDJA DE MELO TAVARES PINHEIRO
DATA : 30/08/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório 04 - NEPSA II
TÍTULO:

META-AVALIAÇÃO DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE


PALAVRAS-CHAVES:

Avaliação Institucional da UFRN; Meta-avaliação; Avaliação da Avaliabilidade; Democracia; Participação.


PÁGINAS: 280
RESUMO:

O objetivo desta tese é desenvolver um estudo metaavaliativo da Avaliação Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em especial, para observar as possibilidades que perpassam a sua Avaliabilidade (WHOLEY, 1987). A avaliação da Avaliabilidade é, portanto, entendida, enquanto um instrumento de apreensão da Viabilidade e da Utilidade da avaliação institucional da UFRN, nossas principais categorias avaliativas.  Nosso intuito é que, a partir delas, possamos apreender até que ponto esta avaliação é viável e útil para o atendimento às demandas avaliativas da comunidade acadêmica. As aproximações sucessivas com o tema foram efetuadas a partir de procedimentos teórico-metodológicos fundamentados na pesquisa qualitativa, tais como: revisão da literatura (reportagens, Fóruns, sites oficiais de pesquisa, etc) e documental (leis, regimentos, etc) e de técnicas como a análise de conteúdo; análise do discurso; a entrevista semiestruturada e o grupo focal. Com estas podemos compreender as percepções dos seguimentos da comunidade acadêmica: Reitora, Docentes, Técnicos Administrativos e Discentes e os integrantes da Comissão Própria de Avaliação, acerca da temática. Estes dados foram utilizados à busca de responder à questão central deste trabalho: Como a avaliação institucional é desenvolvida na UFRN e o que facilita ou dificulta a sua utilização? Sua relevância consiste em abordar uma temática pouco explorada no âmbito da avaliação de políticas públicas, tanto por adentrar o universo da meta-avaliação(SCRIVEN, 2015), e aqui aplicada à avaliação de instituições, quanto por efetuar uma releitura do checklist, elaborado por Scriven, mediando-a com as proposições de Wholey (1987) a respeito do aparato normativo, do acesso aos recursos materiais, humanos e financeiros e da viabilidade política, compreendidos por este como elementos necessários quando nos propomos a verificar a avaliabilidade de uma avaliação. Esta articulação nos possibilitou apreender o que, na a avaliação institucional da UFRN, dificulta e facilita, a sua viabilidade e utilidade para o atendimento das demandas e interesses da Comunidade Acadêmica. Nossa hipótese é que: Na avaliação institucional da UFRN a facilidade varia de acordo com a estrutura e a organização institucional e as dificuldades decorrem do pouco atendimento às demandas específicas. Para desvelar esta realidade, adotamos como Objetivos Específicos:  apreender o tipo de avaliação desenvolvido da UFRN e sua relação com os diferentes setores; conhecer as abordagens de avaliação PAIUB e SINAES que fundamentam a avaliação da UFRN; saber se os resultados da avaliação institucional da UFRN contemplam as demandas da comunidade universitária. Este trabalho apresenta os seguintes resultados: a avaliação institucional da UFRN é uma prática consolidada. É importante, por representar um espaço de possibilidades para o desenvolvimento de avaliações mais democráticas e participativas, contudo, da maneira com que se efetiva hoje, apresenta grande potencial de viabilidade para o atendimento das demandas avaliativas dos gestores da UFRN e do MEC, pois, é facilitada em todas as suas subcategorias, normativa/legitimação e controle; da disponibilização dos recursos materiais, humanos e financeiros/condições de (re)produção, e em sua viabilidade política/político-ideológica, tendo em vista que suas ações se relacionam com os interesses que são prioridades para os espaços de decisão. Quanto à Comunidade Acadêmica, demonstram pouco conhecimento a respeito da avaliação institucional da UFRN e muitas vezes a confundem com as avaliações específicas, de desempenho dos docentes e dos técnicos. A participação dos professores e alunos, neste processo, se limita aos momentos em que acontecem a autoavaliação dos cursos (atividade direcionada a este fim), ao preenchimento semestral dos questionários de avaliação da docência e de autoavaliação do aluno/professor, além do ENADE, para o aluno. Para o segmento dos técnicos, a participação acontece por meio do preenchimento de um formulário de avaliação de desempenho, em avaliação específica. Isso mostra uma menor viabilidade ao atendimento às suas demandas específicas e, consequentemente, faz da avaliação institucional um instrumento pouco útil a estes grupos. Diante disso vemos confirmada a hipótese deste trabalho.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149332 - LINCOLN MORAES DE SOUZA
Interno - 1517561 - GABRIEL EDUARDO VITULLO
Interno - 1164161 - IRENE ALVES DE PAIVA
Externo à Instituição - DAYANE GOMES DA SILVA - IFPB
Externo à Instituição - MARIA DO PERPÉTUO SOCORRO ROCHA SOUSA SEVERINO - UERN
Notícia cadastrada em: 28/08/2018 08:52
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao