Banca de QUALIFICAÇÃO: ÉRICA VERÍCIA CANUTO DE OLIVEIRA VERAS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ÉRICA VERÍCIA CANUTO DE OLIVEIRA VERAS
DATA: 24/02/2016
HORA: 17:00
LOCAL: Auditório A do CCHLA
TÍTULO:

HABITUS E MASCULINIDADES - A EXPERIÊNCIA DE INTERVENÇÃO DO GRUPO REFLEXIVO DE HOMENS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO RN


PALAVRAS-CHAVES:

Habitus; masculinidades; dominação masculina; violência simbólica; grupos reflexivos de homens.


PÁGINAS: 65
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
SUBÁREA: Outras Sociologias Específicas
RESUMO:

A compreensão da masculinidade passa, necessariamente, pela análise do seu conceito e porque o homem ocupa uma posição diferenciada na sociedade. Há características no homem que o colocam em posição hierarquicamente superior, reconhecendo-o como o modelo hegemônico. Bourdieu (2003) refere que a tipologia do “corpo socializado, de seus movimentos e seus deslocamentos, imediatamente revestidos de significação social”. Para ele, o trabalho social é quem define socialmente os corpos, cuja inversão de causa e efeito efetua a naturalização dessa construção social. Com isso, é possível compreender como a dominação masculina encontra adesão na mulher dominada, através do que Bourdieu chama de experiência dóxica. A violência simbólica é chamada por ele de “violência doce e quase sempre invisível”. Mesmo atribuindo a possibilidade de modificar a condição da dominação masculina através de investidas severas nas estruturas que alimentam a violência simbólica, Bourdieu também abre espaço para o que ele chama de luta cognitiva, que pode trazer uma resistência à adesão dóxica à dominação masculina. Nesse contexto, abre-se também a possibilidade de alteração da máquina simbólica, que produz a violência e justifica a dominação masculina. O objetivo do presente trabalho é analisar o Grupo Reflexivo de Homens como uma experiência capaz de produzir modificações no habitus e realizar fissuras na norma da violência simbólica. O Grupo de Homens já funciona há 3 anos em Natal, com cerca de 168 egressos, e apresenta índice de reincidência zero em casos de violência contra a mulher. Comparando com os índices de reincidência do sistema penitenciário comum (70%) e do método APAC (15%), surge a indagação sobre o porquê da mudança de comportamento dos homens que participam do grupo reflexivo. A pesquisa pretende utilizar os métodos dialético e compreensivo, tendo como estratégia a análise de documentos e filmagens existentes no Núcleo de Apoio à Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar, além de realizar entrevistas semiestruturadas com egressos do programa e suas atuais companheiras.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 414603 - HOMERO DE OLIVEIRA COSTA
Interno - 1688114 - BERENICE ALVES DE MELO BENTO
Interno - 1352037 - EDMILSON LOPES JUNIOR
Notícia cadastrada em: 19/02/2016 08:18
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao