Banca de DEFESA: EMMANUEL DE SOUSA CAMPOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: EMMANUEL DE SOUSA CAMPOS
DATA: 29/02/2016
HORA: 08:00
LOCAL: Auditório C do CCHLA
TÍTULO:

O COMPORTAMENTO ELEITORAL DA NOVA CLASSE TRABALHADORA NO RIO GRANDE DO NORTE (2014): IDEOLOGIA, AVALIAÇÃO DE GOVERNO E VOTO


PALAVRAS-CHAVES:

Comportamento eleitoral; nova classe trabalhadora; voto de classe.


PÁGINAS: 193
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Ciência Política
SUBÁREA: Comportamento Político
RESUMO:

Esta tese investigou o comportamento eleitoral das frações da nova classe trabalhadora no Rio Grande do Norte, mais especificamente nas cidades de Natal, Mossoró e Caicó, a partir da eleição presidencial de 2014. Essa investigação analisou a ideologia, a avaliação de governo e a orientação do voto de uma parcela das classes populares do eleitorado potiguar. No Brasil, a partir de 2003, mudanças socioeconômicas vem ocorrendo de maneira perceptível, principalmente em uma parte das classes populares que ascendeu socialmente e migrou para a “classe econômica C”. Com isso, houve nesse período, uma ampliação significativa desse estrato social. A ampliação da “classe C” nos últimos dez anos no Brasil suscitou o debate acadêmico e na mídia sobre o surgimento de uma “nova classe média”. Neri (2008) denominará a “classe C” de “a nova classe média” e que será a parte central de seus estudos. Mas, o debate sobre a “nova classe média” não pode ser simplista ao ponto de considerar que a ascensão social,tendo como principal variável a renda, inseriu essa parcela da população na classe média, pois a mesma possui especificidades distintas das classes populares. Para compreender este fenômeno, foi ultrapassada a variável renda, agregando a relevância da propriedade dos meios de produção, o controle da força de trabalho e os valores simbólicos na delimitação das classes sociais resultando em três frações da nova classe trabalhadora: os cargos de chefia, os não chefes e os pequenos batalhadores. Neste estudo, utilizando de maneira complementar a abordagem sociológica (ideologia e classes sociais) e a avaliação de desempenho foi identificado que a nova classe trabalhadora (chefes) majoritariamente reproduziu o posicionamento ideológico e político da classe média, resultando na rejeição aos governos petistas (2003-2014) e suas políticas sociais, compensatórias e redistributivas. Pelo que foi visto, a nova classe trabalhadora (chefes) se aproxima do comportamento ideológico e político da classe média que refletirá em suas escolhas eleitorais e interesses classistas. A nova classe trabalhadora (não chefes e pequenos batalhadores que votavam na situação) devido a seus interesses classistas e ideológicos se aproximou do Partido dos Trabalhadores avaliando positivamente os governos Lula-Dilma (2003-2014) devido à implantação de políticas compensatórias, redistributivas e programas governamentais voltados às classes populares. Em um contraponto, os eleitores da nova classe trabalhadora (não chefes e pequenos batalhadores) os quais votaram nulo, reproduziram o discurso da grande mídia e da classe média sobre a rejeição das políticas compensatórias, redistributivas e programas governamentais dos governos Lula-Dilma, e, consequentemente, desaprovaram o Governo Dilma e sua candidatura.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 349734 - JOAO EMANUEL EVANGELISTA DE OLIVEIRA
Interno - 1352037 - EDMILSON LOPES JUNIOR
Interno - 6347248 - JOSE ANTONIO SPINELI LINDOZO
Externo à Instituição - ANDREA MARIA LINHARES DA COSTA - UERN
Externo à Instituição - CELSO FREDERICO - USP
Notícia cadastrada em: 18/02/2016 12:11
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao