Banca de DEFESA: GENISON COSTA DE MEDEIROS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GENISON COSTA DE MEDEIROS
DATA: 17/04/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório B do CCHLA
TÍTULO:
IMAGINÁRIOS DA MORTE: Poética das imagens em cemitérios brasileiros

PALAVRAS-CHAVES:

Morte; Imagem; Imaginário; Imaginação; Poética; Brasil; Cemitério.


PÁGINAS: 212
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
SUBÁREA: Outras Sociologias Específicas
RESUMO:
A tese apresentada empenha-se numa leitura poética que resulte na criação de sentidos e imagens da morte a partir das diversas práticas culturais e representações simbólicas expostas em cemitérios urbanos de algumas cidades brasileiras, objetivando dar visibilidade a novas compreensões acerca do imaginário da morte no cenário contemporâneo. A morte, portanto, será vista como uma condição imaginante doantropos na medida em que parte-se da prerrogativa de que a consciência humana da morte (MORIN, 1970), ou seja, essa consciência que o homem tem de que vai morrer e que desencadeia reflexões sobre sua existência possibilita o surgimento de uma série de práticas como: o luto, os rituais fúnebres e a criação de diversas representações impregnadas de emoções humanas emergidas do enfrentamento da morte pelo homem e presentes, de uma forma mais evidente, nos espaços cemiteriais. Para isto, foca-se na dimensão conflituosa que o homem estabelece com a morte, isso porque as práticas culturais e representações simbólicas que se observa no campo de pesquisa são resultado desse conflito e possibilitam a ampliação dos sentidos acerca desse tema, na medida em que estes estão revestidos de uma aura fantástica, mística, secreta, fantasmagórica, atemorizante e religiosa, edificando uma imaginação complexa. O plano geral deste estudo consiste em problematizar e criar, a partir de uma fenomenologia da imaginação e da imaginação material/dinâmica, nos moldes tratados por Gaston Bachelard, as imagens da morte, a partir de uma experiência de campo em cemitérios do Brasil. Para isso, assume-se, ao observar as práticas culturais e as representações simbólicas nesses espaços, uma postura capaz de tornar a experiência no campo de pesquisa um momento de trocas simbólicas e de criação. Assim, recorreu-se à observação, a conversas com visitantes e funcionários dos cemitérios e à captação de registros fotográficos. Os dados produzidos, como: o fragmento de uma conversa, um desabafo choroso sobre a perda de um familiar, um epitáfio melancólico, uma flor sobre o túmulo ou um choro capturado pela fotografia foram vistos como detonadores de sentidos e de uma poética da imaginação.
 

MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - AILTON SIQUEIRA DE SOUSA FONSECA - UERN
Presidente - 1149568 - ANA LAUDELINA FERREIRA GOMES
Externo ao Programa - 6350736 - EUGENIA MARIA DANTAS
Externo à Instituição - HERMANO MACHADO FERREIRA LIMA - UECE
Interno - 277.088.024-15 - MARIA DA CONCEIÇÃO XAVIER DE ALMEIDA - UFRN
Interno - 1149562 - ORIVALDO PIMENTEL LOPES JUNIOR
Notícia cadastrada em: 09/04/2015 16:35
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao