Banca de DEFESA: CARLOS EDUARDO BATISTA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CARLOS EDUARDO BATISTA DOS SANTOS
DATA: 22/04/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório D do CCHLA
TÍTULO:

“OKAIDA” E “ESTADOS UNIDOS”, ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS: a nova face da criminalidade na cidade de João Pessoa, Paraíba


PALAVRAS-CHAVES:

Conflito social. Violência. Crime organizado. Facções criminosas.


PÁGINAS: 120
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
SUBÁREA: Outras Sociologias Específicas
RESUMO:

O presente estudo intitulado “Okaida” e “Estados Unidos”, organizações criminosas: a nova face da criminalidade na cidade de João Pessoa – PB, busca analisar a atuação do crime organizado, especialmente, na Paraíba, evidenciando-se as concepções e teorias acerca de suas origens no Brasil e em João Pessoa, capital do Estado da Paraíba. Assim, objetivando-se refletir sobre a atuação das facções “Okaida” e “Estados Unidos”que dominam o crime organizado na capital do Estado da Paraíba, este estudo científico de caráter quali-quantitativo, fundamentou-se, em uma pesquisa bibliográfica, utilizando-se como técnica de documentação, a observação direta extensiva. Também foi realizada uma pesquisa de campo do tipo exploratória, com a aplicação de um questionário junto a população carcerária de cinco municípios paraibanos, são eles: João Pessoa, Campina Grande, Guarabira, Patos e Cajazeiras. De tal modo, percebe-se que não é possível haver total entendimento no tocante à complexidade da violência presente na sociedade. Causada, criada e relacionada com os mais diversos tipos de situações cotidianas, bem como com variadas características humanas inatas, a violência se apresenta no cotidiano das pessoas, não necessariamente, causada apenas pela desigualdade social, pela pobrezaou pela carência, mas principalmente, pela omissão do Estado, no tocante a promoção de políticas públicas que promovam emprego, moradia, lazer, saúde, segurança etc.Assim, para ocupar o lugar destinado aos entes públicos, surgem as facções criminosas como promotoras das ações sociais que deveriam ser promovidas pelo Estado, de tal modofortalecendo o crime organizado.Desta feita, em comum e, independentemente, da atividade que desempenham, bem como do seu local de atuação, pode-se assegurar que todas as organizações criminosas do mundo têm como seus objetivos primordiais o poder pela força e a riqueza. Com o desenvolver da pesquisa observou-se que as facções criminosas da Paraíba, são compostas em sua maioria por jovens com idade que varia dos 18 anos aos 25 anos, identificando-se como pretos ou pardos, todos do gênero masculino, com baixo nível de letramento que varia entre o não frequentar a escola e os anos iniciais do ensino fundamental, predominantemente, são solteiros, e residiam com pai e irmãos ou mãe e irmãos, o que demonstra a desestruturação familiar, observa-se também que a maioria dos respondentes possuem um rendimento familiar médio mensal que varia de R$ 800,00 à R$ 1.500,00. Ressalta-se nas entrevistas semiestruturadas que as facções criminosas paraibanas buscam transformar-se em segmentos poderosos e com atividades lucrativas, caracterizada por grupos com regras próprias de atuação e com um propósito previamente definido, que é a destruição da facção diversa da sua, a qual eles denominam de“inimigo”.  


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1352037 - EDMILSON LOPES JUNIOR
Externo à Instituição - ILNETE PORPINO DE PAIVA - UFRN
Externo à Instituição - VANDERLAN FRANCISCO DA SILVA - UERN
Notícia cadastrada em: 31/03/2015 15:50
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao