Banca de DEFESA: MARIA MAYARA DE LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA MAYARA DE LIMA
DATA: 02/03/2015
HORA: 09:30
LOCAL: Auditório de História (Sala C4 do Setor II)
TÍTULO:

DO OUTRO LADO DAS GRADES: ANÁLISE DOS DISCURSOS DA EQUIPE DIRIGENTE DA UNIDADE PSIQUIÁTRICA DE CUSTÓDIA E TRATAMENTO DO RIO GRANDE DO NORTE


PALAVRAS-CHAVES:

Hospital de Custódia. Equipe Dirigente. Análise de Discurso. Sofrimento no Trabalho.


PÁGINAS: 140
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
SUBÁREA: Outras Sociologias Específicas
RESUMO:

A pesquisa em questão objetivou apreender como se constrói a prática profissional da equipe dirigente da Unidade Psiquiátrica de Custódia e Tratamento do Rio Grande do Norte (UPCT/RN) a partir da análise do seu discurso, o qual reflete tanto questões subjetivas inerentes aos profissionais, quanto àquelas oriundas de toda uma gama de legislações, leituras, práticas e “verdades” que lhes são apresentadas. Os Hospitais de Custódia mantêm sob tutela do Estado os sujeitos inimputáveis e semi-imputáveis autores de “crimes”, mas que não podem responder judicialmente, por terem algum tipo de doença mental. Por isso, são eximidos de dolo e pena, sendo submetidos a uma medida de segurança que deve ser cumprida em organização competente (como os Hospitais de Custódia), possibilitando o seu tratamento psiquiátrico, bem como a recuperação e/ou manutenção dos seus vínculos sociais e familiares, delineando a sua desinternação. A fim de alcançar o objetivo acima apresentado, realizei entrevistas acompanhada de um roteiro semiestruturado no período de julho a agosto de 2014, com seis profissionais da Unidade, quais sejam: a vice-diretora da organização, o enfermeiro chefe e quatro agentes penitenciários. Após a transcrição das entrevistas, utilizei da metodologia de análise de discurso com o intuito de apreender a forma e a partir de que pressupostos tais discursos são construídos, percebendo, ainda, a presença de processos parafrásticos e/ou polissêmicos através de um dispositivo de análise pré-determinado. Destarte, em relação às reflexões que a pesquisa me proporcionou, explanando aqui de forma sucinta, apreendi que a concepção de trabalho vai além de questões sociais e econômicas, vinculando-se, também, a aspectos do psíquico humano; os profissionais da equipe dirigente sofrem, cada um a sua maneira, não só por falta de estrutura física e humana, mas por se enxergarem como corresponsáveis pelo oferecimento de um tratamento precário aos internos da instituição. O estigma que acompanha a figura do “louco-infrator” recai, também, sobre os profissionais, provocando um aumento de sua carga psíquica. Bem assim, a identidade profissional construída por cada sujeito estende-se ao meio familiar e social e esse fato, na maioria das vezes, apresenta-se como negativo, contribuindo para o aumento no sofrimento do trabalho.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1688114 - BERENICE ALVES DE MELO BENTO
Interno - 1352037 - EDMILSON LOPES JUNIOR
Externo à Instituição - HILDERLINE CAMARA DE OLIVEIRA - UnP
Notícia cadastrada em: 19/02/2015 11:38
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao