Banca de DEFESA: OZAIAS ANTONIO BATISTA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: OZAIAS ANTONIO BATISTA
DATA: 02/03/2015
HORA: 09:00
LOCAL: Sala G4 do Setor II
TÍTULO:

INFÂNCIA ONÍRICA NA LEITURA DE MENINO DE ENGENHO E O ATENEU


PALAVRAS-CHAVES:

Menino de Engenho. O Ateneu. Razão-imaginação. Formação integral. Devaneio poético.


PÁGINAS: 85
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
RESUMO:

Com a cisão entre as culturas científica e humanista na formação do pensamento ocidental moderno, a razão foi colocada em uma posição superior frente à imaginação (SANTOS, 2008; WUNENBURGER, 2003; 2005; MORIN 1998b). Adotando uma abordagem crítica a esse paradigma de racionalidade, uma vez que o antropos é indissociavelmente racional e imaginário (WUNENBURGER e ARAÚJO, 2006), tenho como campo empírico as narrativas romanescas de Menino de Engenho (1974)e O Ateneu (2010) objetivando refletir sobre uma formação integral que religue razão e imaginação para outra compreensão antropológica. Assim, através de devaneios poéticos voltados à infância (BACHELARD, 2009), adoto as imagens literárias (BACHELARD, 2008) dos romances estudados na tentativa de interpretar as experiências de Carlinhos e Sérgio no Engenho Santa Rosa e Colégio Ateneu, estes compreendidos por mim enquanto espaços poéticos (BACHELARD, 1993). Os resultados parciais da pesquisa apontam para uma leitura que vislumbra as vivências dos meninos catalisadas pelo racional e o imaginário, tendo em vista que tanto Carlinhos quanto Sérgio desfrutaram de momentos felizes, tristes, frustrantes, desejantes – os quais levaram os meninos a construírem pensamentos balizados pelo racional e o onírico.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149568 - ANA LAUDELINA FERREIRA GOMES
Interno - 056.761.694-00 - JOSÉ WILLINGTON GERMANO - UFRN
Externo à Instituição - AILTON SIQUEIRA DE SOUSA FONSECA - UERN
Notícia cadastrada em: 19/02/2015 09:34
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa20-producao.info.ufrn.br.sigaa20-producao