Banca de DEFESA: LUIZ ANTONIO COELHO DA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUIZ ANTONIO COELHO DA SILVA
DATA: 06/02/2015
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório C do CCHLA
TÍTULO:

Um olhar sobre a autogestão: metodologias e práticas coletivas na formação de atores sociais


PALAVRAS-CHAVES:

Autogestão; economia solidária; incubadoras; metodologias; práticas de ação.


PÁGINAS: 196
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Sociologia
SUBÁREA: Sociologia do Desenvolvimento
RESUMO:

As experiências de economia solidária têm alcançado cada vez mais êxito, mas para isso é fundamental que a gestão dos empreendimentos ganhe ares e um caráter autogestionário, onde os princípios de igualdade, solidariedade e democracia façam parte do dia a dia destes negócios. Teve-se como unidade de análise a Incubadora de Empreendimentos Econômicos Solidários da Universidade Federal de Campina Grande (IUEES/UFCG) e seu empreendimento Centro de Arte em Vidro; e como base teórica as concepções de Autogestão e de economia solidária. A questão central do estudo foi analisar as metodologias e práticas de ação desenvolvidas pela IUEES para compreender o processo de formação dos seus atores sociais no princípio da Autogestão. Para tanto, utilizou-se a hipótese principal de que a IUEES proporciona aos associados dos seus empreendimentos transformações nos aspectos políticos, educacionais, econômicos e sociais. Este estudo possui caráter descritivo, exploratório, analítico, de natureza qualitativa, e para responder nosso propósito foram selecionados além da incubadora como campo empírico da nossa pesquisa, o empreendimento incubado Centro de Arte em Vidro (CAVI), sendo utilizados para coleta dos dados entrevistas semi-estruturadas, registros fotográficos e análises documentais e bibliográficas. Concluiu-se, portanto, que a IUEES cumpre apenas parcialmente seu papel de propiciar a Autogestão em sua gestão, transpassando os conhecimentos autogestionários aos seus empreendimentos, mas de forma descontextualizada e sem muita autonomia para os incubados. Os resultados alcançados indicam que a hipótese não pode ser confirmada, ou seja, existem várias mudanças sociais, políticas, educacionais e econômicas na vida dos atores sociais incubados e até mesmo dos atores que compõem a incubadora solidária, porém de forma parcial e fragmentada, pois mesmo com a melhoria da qualidade de vida e maior crescimento pessoal e profissional, os atores sociais não podem ser considerados emancipados e autogestionários.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1164161 - IRENE ALVES DE PAIVA
Interno - 1121285 - FERNANDO BASTOS COSTA
Externo ao Programa - 1913687 - CESAR SANSON
Externo à Instituição - GREILSON JOSÉ DE LIMA - UEMA
Externo à Instituição - MAURICIO SARDÁ DE FARIAS - UFPB
Notícia cadastrada em: 16/01/2015 16:18
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao