Banca de DEFESA: ANNANDY RAQUEL PEREIRA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANNANDY RAQUEL PEREIRA DA SILVA
DATA : 11/11/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

CARACTERÍSTICAS DOS CEOS BRASILEIROS E GERENCIAMENTO DE RESULTADOS


PALAVRAS-CHAVES:

CEO. Gerenciamento de Resultados. Teoria do Alto Escalão. Teoria da Agência. Teoria das Escolhas Contábeis.


PÁGINAS: 63
RESUMO:

A presente pesquisa, apoiada na Teoria da Agência, Teoria do Alto Escalão e Teoria das Escolhas Contábeis, teve como objetivo investigar a relação entre as características e habilidades específicas dos CEOs (Chief Executive Officer) brasileiros e o Gerenciamento de Resultados (GR). Para tanto, foi utilizado o lapso temporal de 2016 a 2019, compreendendo as companhias não financeiras listadas na Brasil, Bolsa, Balcão (B3). As características estudadas foram: Remuneração, Dualidade, Idade, Gênero, Formação, Tempo de Mandato, Participação nas Reuniões do Conselho de Administração (CA) e Familiaridade do CEO. As informações referentes aos dados dos CEOs foram coletadas no Formulário de Referência (FR) disponível no sítio eletrônico da B3, e as demais na base de dados Economática®. O GR foi mensurado pelos accruals discricionários, por meio do modelo de Pae (2005), assim, foi utilizada uma amostra com 198 empresas e realizada uma regressão utilizando o modelo Pooled. Com relação à estatística descritiva descobriu-se que a remuneração média do CEO brasileiro é de R$3.833.894,00, têm em média 53 anos e mandato em torno de dois anos. As empresas brasileiras apresentaram tamanho médio de 14,57, ROIC (Retorno sobre capital investido) médio de 4,31, alavancagem média de 0,89 e idade média de 47 anos. Para as variáveis dummies encontrou-se que 45,92% dos CEOs brasileiros exercem a função de diretor e presidente do conselho, 97,89% são do sexo masculino, somente 29,34% dos CEOs participam das reuniões do CA e 26,44% possuem vínculo familiar com a empresa. Para as variáveis BigFour e Governança Corporativa (GC),
tem-se que 73,42% das empresas brasileiras são auditadas por BigFour e 58,55% estão inseridas em algum dos níveis diferenciados de GC. Com relação à área de formação dos CEOs, a área de negócios (Administração, Ciências Contábeis ou Economia) representou apenas 33,28% da formação dos CEOs. Quanto aos resultados do modelo econométrico verificou-se que foram encontrados resultados significativos para três variáveis: Dualidade (DUAL), Tempo de Mandato (MAND) e Familiaridade (FAM), confirmando as hipóteses H2, H6 e H8, entretanto, as variáveis Remuneração (REM), Idade (IDA), Gênero (GEN), Área de Formação (FORM) e Participação nas reuniões do CA (REU) não apresentaram significância estatística, levando à não aceitação das hipóteses H1, H3, H4, H5 e H7. Dessa forma, conclui-se que as únicas variáveis que impactam o GR nas empresas brasileiras estudadas é o CEO possuir dualidade de cargos, está nos anos iniciais do mandato e ser familiar, indo de encontro ao que a Teoria do Alto Escalão defende, de que todas as outras características e habilidades específicas exercem influência no GR. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1561014 - ADILSON DE LIMA TAVARES
Presidente - 2241320 - ATELMO FERREIRA DE OLIVEIRA
Externa à Instituição - Kallyse Priscila Soares de Oliveira - UFERSA
Notícia cadastrada em: 18/10/2022 11:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao