Banca de QUALIFICAÇÃO: JUAN MIGUEL ROSA GONZÁLEZ

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: JUAN MIGUEL ROSA GONZÁLEZ

DATA: 30/08/2010

HORA: 08:00

LOCAL: nepsa

TÍTULO:

A ADAPTAÇÃO SOCIOCULTURAL DE PROFISSIONAIS ESPANHOÍS EXPATRIADOS NO BRASIL: UM ESTUDO DE CASO


PALAVRAS-CHAVES:
Expatriação;expatriado; adaptação sociocultural. 

PÁGINAS: 25

GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas

ÁREA: Administração

RESUMO:
O fenômeno daexpatriação, isto é, a situação de pessoas que passam a residir e trabalhar em
um país diferente ao seu país de origem, tem se intensificado nas últimas
décadas do século XX e começos do século XXI, em virtude do encurtamento das
distâncias espaço-temporais e da globalização econômica. Assim, conforme dados
de Nações Unidas, o número total de expatriados no
mundo passou de pouco mais de 81 milhões em 1970 para mais de 195 milhões em
2005, e as projeções da instituição indicam que esse número deverá atingir os
214 milhões de indivíduos ao longo do ano de 2010. Os pesquisadores da área de
Administração começaram a se interessar pelo fenômeno na metade do século XX, e
desde então tem sido múltiplas as aproximações ao objeto de estudo, com
foco na adaptação sociocultural do profissional expatriado ao país de destino e
nos fatores passíveis de facilitar ou dificultar essa adaptação, entendida como
o grau em que os expatriados se sentem confortáveis e adaptados a viver e
trabalhar no seu país hóspede (CALIGIURI, 2000). A presente pesquisa, de
natureza exploratório-descritiva e com abordagem de análise de dados
qualitativa, visa compreender como ocorre a adaptação sociocultural ao Brasil
de gestores expatriados por empresas espanholas de grande porte. Entende-se que
a situação da Espanha como o quarto país com maior volume de investimentos no
Brasil -conforme dados do Instituto Espanhol de Comercio Exterior (ICEX)- e a
diversidade de setores da economia btrasileira com presença de grandes empresas espanholas
justificam a oportunidade da pesquisa, configurada como estudo de caso. O
arcabouço teórico que sustenta a investigação tem como base o modelo de adaptação
do expatriado proposto por Black, Mendenhall e Odou (1991), revisitado e
aprofundado pela proposta de Parker e McEvoy (1993). Outras aproximações
teóricas ao objeto de estudo, multifacetado e de grande complexidade, serão
também analisadas ao longo do trabalho.

 



MEMBROS DA BANCA:
Interno - 347006 - JOSE ARIMATES DE OLIVEIRA
Presidente - 1149626 - MAURO LEMUEL DE OLIVEIRA ALEXANDRE
Interno - 349130 - MIGUEL EDUARDO MORENO ANEZ
Notícia cadastrada em: 17/08/2010 16:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao